Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de julho 2010

Paris: uma descoberta por dia

26 de julho de 2010 7

Quando estamos em nosso cotidiano não nos damos conta de quantas coisas podemos fazer em um dia. Neste momento eu, Victória Rizzo, estou em Paris acompanhada de minha mãe “guia” e de uma amiga e resolvi contar nossas peripécias em um dia na Cidade Luz.

Hoje fomos à Exposição de Yves Saint Laurent no Petit Palais, tínhamos esta dica e compramos pela internet para evitar as enormes filas. A exposição começou em março e vai até outubro, pra quem tiver oportunidade é imperdível. Foram concentradas mais de 300 peças do estilista em suas diferentes fases, desde coleções fracassadas até o sucesso da coleção russa.

Depois da exposição fomos até a Champs Elysées dar uma volta. Fiquei impressionada com a quantidade de brasileiros em Paris, principalmente nos lugares mais turísticos. Minha expectativa era um pouco ousada quanto a este passeio, acho que me decepcionei um pouco, ainda mais perante os outros destinos que Paris oferece, como o Museu d’Orsay, nosso terceiro destino do dia.

O museu estava em reforma na parte superior, portanto eles concentraram as obras no primeiro andar. Separaram por partes as obras, realistas, impressionistas e pós-impressionistas. Monet, meu favorito, é o que mais se vê em suas diversas fases.

Um dos quadros que me chamou atenção, não só pela beleza mas pela história, contada é claro pela minha mãe, foi a Olympia, de Manet. Na época onde só pinturas mitológicas mostravam a nudez humana, o quadro causou muita desordem no mundo das artes.

Olimpya de Manet

Saindo do museu, exaustas,  ficamos tomando um solzinho nos gramados do Louvre para aquecer as pernas para o nosso próximo destino, as Galerias Lafayette.

Como estudante de arquitetura estava acustumada a ver suas fotos nas aulas de histórias sobre arquitetura eclética, mas fiquei encantada com a ornamentação do prédio e a beleza da sua cupúla.

Saímos de lá tapadas de sacolas de guloseimas para o nosso happy hour no hotel.

O dia acabou com uma noite estrelada, informações variadas e uma massagem nos pés para que venha o próximo destino.

Uma dica bem legal é escrever um diário de viagem, a gente acha que nunca vai esquecer de nada , mas a memória nos trai! Num cafézinho da para fazer um bom resumo do que foi visto no dia e eternizar estes momentos.

Em Paris, que tal uma praia ou um passeio de bicicleta em Versailles?

23 de julho de 2010 3

Quem acompanha os canais de temperatura pelo mundo deve estar sabendo que o verão na Europa está se revelando especialmente seco e com um calor quase senegalês. Em realidade isto é mais verdadeiro na região mediterrânica , mas Paris tem seus dias bem quentinhos e a prefeitura montou, nas margens do Sena, legítimas praias de areia para que os parisienses em férias, possam aproveitar o mais semelhante a uma praia possível.

É muito engraçado vir caminhando da Notre Dame em direção ao Hotel de Ville ( prefeitura de Paris) ,olhar para o rio e se deparar com o pessoal de calção e biquini , crianças com baldinhos e muitas cadeiras de praia.

Também tem a turma que caminha no “calçadão” cais do Sena, tudo muito democrático como  em qualquer orla de cidade grande!

Paris respira verão, em frente ao Hotel de Ville a programação de shows e entretenimento bomba, a Rue de Rivoli tem decoração alusiva ao tema, anoitece depois das 21:30h e parece que faltam horas no dia, pois o último pensamento é ir para o hotel descançar . Passamos um entardecer em Montmartre e as escadarias da Sacré Coeure pareciam uma festa: música, dança celebrando a lua que iluminava o céu.

Para quem tiver mais tempo , um programa imperdível é um longo passeio de bicicleta pelos jardins de Versailles. Até outubro nos finais de semana , das 11h à 12h e de 15h30 à 17h, acontece o show de Grandes Eaux Musicaux, isto significa que todas as fantásticas fontes do Castelo estarão dançando ao som de música clássica.

Eu sei que não é nada original , todo mundo já ouviu falar no Palácio de Luís XIV, mas aposto que muito poucos se deixaram tomar pela beleza dos jardins  e passearam sem pressa como fazem os locais. Vale também dar uma corrida ou mesmo alugar um carrinho de golf , para quem preferir poupar as pernas.

O ingresso para os jardins custa somente oito euros e não é necessário entrar na imensa fila que se cria em frente ao Castelo, na esquerda tem um caminho alternativo direto para os jardins. Quem está de carro pode procurar indicação para entrar por trás (Grand ou Petit Trianon) e evitar o atrolho da entrada oficial!

O jardim é imenso e o aluguel de bicicleta está na entrada do Grand Canal à direita, por isto vá caminhando entre as fontes e se conseguir chegar num final de semana no fim da manhã ou da tarde , melhor!

Além disto os jardins estão floridos e muito bem cuidados e apesar de muito frequentados existem vários recantos tranquilos onde se pode ficar quase sozinho para um piquenique ou um fim de tarde romântico! http://www.chateauversailles.fr/jardins-parc

Ah, tem também barquinhos para alugar e navegar pelo Grand Canal.

Uma programação noturna acontece nos jardins nos sábados de verão, Grands Eaux Nocturnes, confiram no site e aproveitem enquanto o frio nao chega.  http://www.chateauversaillesspectacles.fr

Dica para quem vai a Roma

22 de julho de 2010 5

Um lugar muito lindo e nem tão conhecido assim são os jardins da Vila Borguese, um oásis nos dias escaldantes que passei em Roma agora em junho. Visitamos a Galeria Borguese (com horário marcado, assim evita que você fique horas preciosas parado em uma fila) que é realmente fantástica para quem aprecia obras primas como Apólo e Dafne de Bernini, Caravaggio,Rafael, Ticiano, o acervo da Galeria é respeitável. 

 

Saimos da Galeria e entramos nos jardins muito bonitos e sombreados, lugar de lazer dos romanos que vem tomar banho de sol, fazer pic nic, correr.

Cruzamos todo o parque para chegar na Casina Valadier, um restaurante que fica na outra ponta acima da Praça  del Popolo.

A vila que hoje é um lindo restaurante foi construida no inicio do século XIX, é uma ótima opção de almoço, tem uma vista magnifica da cidade.

Esta é a vista do terraço.

Não vou dizer que a Casina Valadier é um restaurante barato, mas com o calor que estava nos queíamos mesmo era um oásis onde pudéssemos tomar um vinho rosé bem gelado e fazer uma refeição leve, a salada estava uma delicia e a Rita pediu uma massa com um tipo de caranguejo que segundo ela estava divína, e podendo disfrutar desta vista o programa foi perfeito.

 

Depois do almoço descemos até a Piazza del Popolo, que é uma praça enorme ela está no roteiro do filme Anjos e Demônios ( baseado no livro de Dan Brown) pois no filme, a morte de um dos cardeais foi na Igreja Santa Maria del Popolo.

 

Piazza del Popolo

 

Igreja Santa Maria del Popolo.

Aproveite para entrar na Igreja pois aqui estão 2 obras primas de Caravaggio, a cruxificação de São Pedro e a Conversão de São Paulo, vale a pena ver.

Junto com a Rita esta baiana querida que mora em Roma passei uns dias bárbaros na cidade, estamos trabalhando juntas no projeto de uma viagem para novembro/2010. Cujo roteiro esta sendo preparado nos seus mínimos detalhes, chegando em Florença passando 4 dias no interior da Toscana e fechando com chave de ouro em Roma com uma visita privada a Capela Sistina, o que vocês acham?

Hoje é dia de convites então aproveito para convida-los a assistir uma palestra ” Um roteiro pela Toscana” que estaremos dando no Leopoldina Juvenil no dia 10 de agôsto às 19:30. Entrada Gratuita.

Espero vocês!!!!

Caminhada do Orgulho Gay em Madri

07 de julho de 2010 1

Cheguei a Madri com um clima diferente no último sábado dia 3 de julho, a cidade repleta de casais gays demonstrando carinho e muito mais , não só em Chueca , conhecido reduto GLS , mas até nos mais tradicionais e pacatos recantos. Não sou muito provinciana,  mas confesso que me pareceu no mínimo estranho e meio provocativo.

Não demorou muito para descobrir que faz mais ou menos dez anos que existe está caminhada que começou em busca de direitos dos gays e que hoje , com a maioria já conquistados, virou uma grande festa que faz da cidade um centro de atração para todos simpatizantes e que este ano aconteceu no domingo 4 de julho em plena Gran Via.

A caminhada estava marcada para as 18h, nesta hora estávamos na Plaza de España , onde um show de encerramento se armava. Caminhamos em direção as Cibeles a quantidade de público foi aumentando, na altura de Chueca os primeiros “manifestantes” apareceram e a loucura era total. Algo semelhante ao Carnaval , fantasias, música e muito calor, tudo contribuia para o clima . Nos prédios envolta muitos simpatizantes faziam performances nas janelas em roupas diminutas e mostrando bandeiras “rainbow” , de várias janelas baldes d’água eram arremessados para amenizar o calor do público.

Não sei se o movimento conseguiu mobilizar ou conquistar algum direito , mas que movimentou e divertiu nossa visita a Madri , não tenho dúvidas!

No mesmo dia a Espanha ganhou do Paraguai e se classificou pela primeira vez para as semi-finais de uma Copa do Mundo e era sábado , vocês podem imaginar como foi a festa em Madri!

Arte Contemporânea em Madri

05 de julho de 2010 1

Novos Realismos: 1957 – 1962.

Este é o título de uma mostra muito esclarecedora que vi no Centro de Artes Reina Sofia, mesmo museu onde está exposto o famoso quadro de Picasso que fala sobre a Guerra Civil Espanhola: Guernica.

Em cartaz até 4 de setembro de 2010 esta exposição surpreende pelo didatismo com que é apresentada e pelo quantidade de movimentos e artistas que tem sua obra marcada nestes cinco anos de Históra da Arte, colocados como um ponto de ruptura no período do pós-guerra , posteriormente chamado de Anos Sessenta.

Termos como pop, minimalismo e arte conceitual são usados para denominar este momento , mas a exposição foca na formação destes movimentos, marca o ponto extremo da modernidade e termina com os primeiro passos da pós-modernidade.

Nos Estados Unidos seria o período pós expressionismo abstrato de Pollock mas ainda sem entrar na arte pop.

Imaterial monocromático de Yves Klein

Em 1957, Marcel Duchamp dá uma declaração que muda o critério de apreciação artística: “o significado de uma obra de arte não está delimitado no gesto de criação do artista , mas no domínio do expectador e na recepção histórica da obra”. Vai ser um marco do ínício da pós-modernidade, tirando o foco da iniciativa expressiva do artista e enfatizando o público.

Jean Tinguely “Ballet de pobres”, 1961

Yayoi Kusama – “Barco” 1962.

O Museu está lindo, a mostra permanente é imperdível com obras de Salvador Dalí, Miró e muitos Picasso , todos no segundo andar , uma dica para não gastar as pernas à toa ( em museus grandes isto é muito importante!).

E para terminar um momento de descanso no pátio com a escultura gigante de Calder.

Vale conferir para aprender um pouquinho das raízes de nosso tempo.

Fim do sonho da Copa em Madrid

02 de julho de 2010 0
Vivenciei o fracasso de nossa seleção no dia de minha chegada a Madrid.
Aqui na Espanha os jogos da copa não passam em TV aberta , então a maioria das pessoas vai para bares assistir aos jogos.
No local onde eu estava, La Fragua del Vulcano, dividi as emoções com três brasileiras e uns quatro holandeses, além de muitos espanhóis que não escondiam a preferência pelos Países Baixos, com a desculpa de que já ganhamos demais, na verdade o medo de pegar o Brasil numa possível final definia a escolha.
Não aguentei até o fim e troquei de bar, nada feito , continuei sempre em minoria e o fim vocês já sabem!
Mas fica a dica, do tradicional bar de tapas quase na esquina da Plaza de Sant’Ana.
Olhem o clima! Comi uns calamares deliciosos com duas sangrias e paguei honestíssimos EU$ 11,00.
A Espanha está sofrendo um crise enorme e o desemprego fica aparente nas esquinas onde muitas pessoas dormem nestes meses de verão.
Amanhã vai ser a parada do orgulho gay, o bairro mais ‘Rainbow”, Chueca, já está no clima com várias apresentações e shows.
Conto mais detalhes na sequência.