Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de janeiro 2012

Roteiro gastronômico pela Champagne, Alsácia e Borgonha

30 de janeiro de 2012 6

Nossa amiga e colaboradora Magda Garcia participa do projeto “A Vida é para ser compartilhada” com um relato de dar água na boca,

acompanhem e se deliciem com as fotos do Rodrigo Garcia!

 

 

Em novembro de 2010 eu e meu esposo, Rodrigo, fomos conhecer na França as regiões da Champanhe, Alsácia – Lorena eBorgonha.

Regiões famosas por seus vinhos e champanhe e de belezas naturais espantosas. Os bosques nestes meses ficam com um colorido alaranjado maravilhoso. Foi uma viagem tranqüila e pode-se dizer dedicada a boa gastronomia.

 

 

Em fins de novembro começam os Mercados de Natal (Marché du Noël) na maioria das cidades da região. Estes mercados estão cheios de barraquinhas onde se pode beber um vinho quente (vin chaud) para espantar o frio e comer bolos de amêndoas, churros com chocolate e comprar decorações e presentes de natal. São lugares alegres com música e onde as pessoas se encontram para aquecer as noites geladas do início do inverno .

 

Começamos nosso tour no  Chateau d’Ermenonville, que é um hotel localizada há uns 45 km de Paris, na pequenina cidade de Ermenonville. O Chateau fica a beira de um lago e é um lugar lindo, romântico e com um restaurante imperdível, a carta de vinhos é completa. (Route A1 saida Ermenonville, N2 direção Paris Soisson)

 

 

Seguimos em direção a Reims que fica na região de Champanhe onde se encontram as mais famosas caves da França. O caminho estava lindo com os bosques outonais e o chão tapado de folhas, uma visão só possível nesta época do ano.

Perto de Reims fica a cidadezinha de Chalons-en-champagne, destaco um restaurante, perto da catedral, que é muito conhecido pelasua comida francesa com toques de modernidade: “Au Carrillon Gourmand” ( 15,bis Place Monseigneur Tissier ). É um local muito procurado, portanto sugiro que façam reserva, mesmo nesta época do ano.

É imprescindível visitar uma das caves onde nos mostram como se produz o champanhe e se pode degustar o produto ao final da visita.

Eu conheci a cave Pommery, muito interessante com suas várias galerias.

 

 

Fomos de Reims para Verdun, emblemática cenário da 1ª  Guerra Mundial onde os soldados franceses resistiram nas trincheiras tentando impedir o avanço alemão. A batalha de Verdun durou mais de 1 ano e centenas de milhares de soldados morreram, tanto franceses como alemães.

Almoçamos no Hotel Prunellia, na zona peatonal no centro de Verdun. O lugar é muito charmoso e aconchegante, cheio de móveis de época e além de um cardápio apetitoso.

 

 

Seguimos para Wissembourg cidade que fica na fronteira com a Alemanha com forte influência alemã, casas com enxaimel, e onde está a segunda maior igreja da França. No caminho passamos por Lembach onde fica o restaurante “Auberge du Cheval Blanc” (4,rue de Wissembourg – Tel: 00 33 3 88 94 41 86 ).  Fantástico, a casa é antiga e foi um antigo posto de trocas de cavalo para o serviço de correio. É fácil de ser encontrado pois a cidade é minúscula e o Auberge se encontra no centro. Algumas especialidades são:  robalo com molho de trufas, panache de foie gras, etc

 

 

 

Estrasburgo estava muito decorada e iluminada, e a oferta de restaurantes é grande. Uma boa sugestão é o L’Ancienne Douane,  um restaurante tipicamente alemão e, apesar de estarmos na França, se come muito joelho de porco e chucrute e se bebe mirabelle, um licor digestivo que espanta o frio , Mirabeille.

 

 

 

 

 

Em Colmar, a “Hostellerie Le Marechal” foi a opção para hospedagem, o restaurante do hotel é ótimo criando um ambiente aconchegante à beira de um dos canais da cidade.

 

 

 

E para finalizar a Borgonha, região conhecida como o estômago da França.

Em Beaune sugiro o Hotel Le Cep e o restaurante “Loiseau des Vignes”. Este é um restaurante especial e um dos melhores de nossa  viagem gastronômica. Tem um diferencial na forma como serve os vinhos, eles possuem uma adega onde oferecem 70 tipos de vinhos que são servidos em taças de acordo com a escolha gastronômica do cliente, um espécie de jantar harmonizado onde os vinhos estão guardados  e conservados como se acabados de ser abertos. (31, rue des Maufoux)

 

 

Hotel Le Cep

 

Outra boa sugestão em Beaune é o Jardin De Remparts (10, rue de l’hotel Dieu ). O restaurante tem uma cozinha muito criativa com

Tartar de Boeuf com Ostras ou Foie gras de canard poché , gellé aromatizada com hydromel.

 

 

 

 

Em Beaune sugiro visitar os Hospices de Beaune com suas telhas vitrificadas e sua farmácia e cozinhas muito bem conservados, foi  construído pelos duques de Borgonha para servir como hospital e a farmácia funcionou até algumas décadas atrás.

 

 

 

Ainda na Borgonha a Abadia de Fontenay foi fundada em 1118 por São Bernardo de Clairvaux e incluída no Patrimônio Mundial da Unesco desde 1981. Fontenay é um dos exemplos mais completos e mais bem preservados da arte românica cisterciense, caracterizada  por uma arquitetura austera e sem adornos, tanto nos edifícios dedicados à oração quanto nos edifícios consagrados ao trabalho dos  monges.

 

 

Também na Borgonha , Vezelay é conhecida com a “eterna colina” onde se encontra a Basílica de Saint Madeleine. A subida até a Basílica é muito bonita, estacionamos na base da colina e antes de subirmos almoçamos em um pequeno restaurante digno de nota “Le Cheval Blanc”, é uma hospedaria além de restaurante.

Boa comida, excelente vinho e românticas paisagens!

O que poderíamos querer mais!!!!

 

Se você gostou deste post, curta nossa página no facebook para estar sempre em contato:


San Francisco, para além da Golden Gate

24 de janeiro de 2012 0

A Luiza Renata Motter é uma amiga antiga e moradora de uma região menos explorada nos arredores de San Francisco, na Califórnia. Faz tempo que tinha prometido , mas agora nos manda dicas para explorar a East Bay .

Este roteiro é para quem deseja explorar o outro lado das famosas e exuberantes pontes ao redor de San Francisco, onde o turismo não é tão popular. Irei me deter mais no lado leste da península (East Bay ) que tem acesso pela Bay Bridge.
Da ponte avistamos o Porto de Oakland, que foi o primeiro grande porto da costa do Pacífico (1852) e é o quinto mais movimentado dos USA.

Vista parcial de SF Bay tirada de Tilden Park

(lado esquerdo- Bay Bridge e SF ao fundo; lado direito- Golden Gate Bridge)


Também podemos visitar Oakland Museum of California, dedicado a história, arte, cultura e ciências naturais da California.

Oakland Chinatown,  os chineses foram os primeiros asiáticos a chegar a Oakland (1850).  Chabot Space and Science Center (1883), um planetário digital com três  telescópios enormes abertos ao público.Da última vez que estive lá, foi para acompanhar a eclipse lunar.
Lake Merrit é o maior lago localizado em uma área urbana com 5.44 km de circunferência.
Oakland – Lake Merrit (Wikipedia)
Na polêmica e multicultural cidade de Berkeley, minha predileta, está situado a primeira sede do sistema de universidades da California-UC (1868). Considerada uma das cidades politicamente mais liberais dos USA. Nos anos 60 aconteceram várias manifestações em UC Berkeley tais como:
Civil Rights Movement-Vários grupos étnicos, principalmente os negros, lutaram pelos mesmos direitos civis.
Free Speech (1963-64)-  Liberdade de expressão política e distribuição de informações em geral.
Vietnam Day Committee (May 21 e 22, 1965): 35.000 pessoas protestaram contra a guerra do Vietnam.

UC Berkeley- Library and Campanilla
(onde um estudante asiático tentou o suicídio se atirando da torre, porque tirou a nota 9 invés de 10 em um teste ). 
Telegraph Avenue, uma das avenidas de acesso a UC Berkeley, se tornou o foco do Movimento Hippie originado em San Francisco.

Telegraph Avenue
People’s Park resultou em um conflito por mais de um mês entre hippies e o exército, com a morte de um manifestante, pela ocupação de uma pequena área da UC Berkeley. Com união e força a comunidade construiu um belo parque, que é um modelo de reciclagem de quase tudo: frutas e verduras orgânicas que sobram de feiras ecológicas, roupas e calçados (novos e usados )….Estão disponíveis no parque para quem quiser usufruir. Todos os dias, entidades de caridade, como “Food not Bomb” (comida não bomba), trazem comida quente para os homeless ( sem casa ou pessoas carentes ). Se em cada cidade, algumas praças tivessem essa iniciativa, garanto que diminuaria a fome e o lixo.Tudo é questão de mudança de atitude e ação.
Como moro no triângulo UC Berkely, Telegraph Ave and People’s Park, posso ver vários tipos de pessoas: artistas, músicos, estudantes, intelectuais, profissionais, hippies, homeless, anarquistas, ativistas….O que faz com que Berkeley seja interessante, diversificada e divertida.

Também vale a pena conferir Berkeley Marina ( alguns barcos servem de moradia ); Tilden Regional Park ( vista de toda a Bacia de San Francisco ); Lawrence Berkeley National Laboratory ( Pesquisa da radiação pelo Departamento de Física da UC, onde se criou a primeira bomba atômica da II Guerra Mundial ); Lawrence Hall of Science (centro científico com exibições e atividades para o público em geral ); Berkeley Public Library ( livros, revistas, cds, dvds e internet grátis ); Berkeley Art Museum and Pacific Film ( Trabalho de vários artistas e exibição de filmes internacionais ); Berkeley Farmers Market ( produtos orgânicos locais ) and so on….


Golden Gate Bridge vista de Tilden Park-East Bay


Atravessando a cobiçada Golden Gate Bridge, está a baía norte ( north bay ), onde encontramos a maravilhosa natureza de Marin Area. Sausalito; Mill Valley; Fairfax; Pont Reyes ( criação de ostras ); Muir Beach; Muir Woods National Monument; Mount Tamalpais State Park; Stinson Beach ( no inverno com ataque de tubarões aos surfistas ); Bolinas Beach ( parecida com Guarda do Embaú em Santa Catarina ), entre outras atrações…..A maioria da população são americanos tradicionais com muita sofisticação, chamados de “white american”. Onde se encontram uma das mais valorizadas áreas e um dos mais altos poderes aquisitivo dos USA. Não posso deixar de mencionar a região dos vinhedos: Napa e Sonoma. Com vinícolas para todos os paladares, mas ao meu gosto os vinhos chilenos e argentinos são melhores.

South Bay ( baia sul ), conhecida como Silicon Valley é onde se encontra as grandes indústrias tecnológicas do mundo: Microsoft, Apple, Yahoo, Google, Facebook, Casio, Intel, Nokia….


Na cidade de Palo Alto está a privilegiada Stanford University.
Dumbarton BridgeSan Mateo Bridge connectam a península de SF a outras cidades do poderoso vale da technologia.
Vale mencionar Richmond Bridge que conecta North Bay e East Bay. Também Carquinez Bridge que une East Bay e North Bay em direção dos vinhedos.
Espero que da próxima vez que vierem a península de San Francisco tenham a curiosidade de conhecer as baías ao seu redor, pois, vale a pena conferir. Principalmente East and North Bay.
Goodbye with good energy!!!! ;)





23 de janeiro de 2012 0

Amsterdam no inverno

22 de janeiro de 2012 5

Chegamos aqui no sábado dia 16 de janeiro, eu nunca tinha estado em Amsterdã no auge do frio, e está sendo uma experiência muito diferente. É claro que tem suas vantagens e desvantagens, o ruim é que o dia é curtinho, 5h já começa a anoitecer e o frio é claro corre a gente da rua, mas aí vem a parte boa, sentar nestes pubs bem típicos, sabe, sem recomendação de ninguém, sem guias de viagem na mão, simplesmente olhar achar simpáticoo lugar e arriscar, entramos em vários destes nestes dias e entre um irish coffee aqui, um bom vinho tinto da casa acolá e alguns petiscos conversamos muito e demos boas risadas. Acho que o turismo de inverno é mais introspectivo, convida a  longos papos, coisa que nos dias quentes de verão talvez não nos permitíssemos fazer.

Amsterdã está linda nesta paisagem de inverno, vários de seus canais congelados, e a garotada jovem que viaja conosco está adorando o astral daqui, é uma das cidades mais alegres da Europa e com certeza tem uma vibe diferente.

Nosso hotel é super bem localizado e achei um bom custo beneficio, uma diária de 95 euros sem café da manhã, mas tem vários lugares ao lado que oferecem café e é bom provar um diferente a cada dia, com conforto de um hotel que era Sofitel e agora é da rede Accor.

Como vamos ficar apenas 4 dias aqui escolhemos visitar ao menos dois museus, ontem fomos ao Rijks Museum, que é o museu mais importante de Amsterdã e onde estão expostas as obras primas  dos maiores mestres holandeses como Rembrandt, Vermeer, de Hooch, Steen, etc, uma pena que o museu ainda está em reforma e parece que só vai ficar pronto em 2012, mas vale a visita e em 2h dá pra ver tudo com calma.

Á noite segui uma das várias dicas do nosso amigo Diogo do blog dos Destemperados http://destemperados.blogspot.com/search/label/Europa%20-%20Holanda e fomos jantar na Brasserie Harkema, localizado numa antiga fábrica e hoje totalmente redecorado muito design e gente bonita, sem falar que comi um Coq au vin que estava nota dez! Valeu guris!!

Visita obrigatória em Amsterdã é o Red Light District, ou o bairro da luz vermelha, antigo bairro underground de prostituição, que hoje está bem mais comportado, é claro que ainda vemos as moças expostas nas vitrines, bonitas, bronzeadas, é sempre uma atração, tentei fotografa-las pra mostrar para vocês, mas elas não permitiram, então imaginem…..

Mil tipos de preservativos à escolha, curiosidades do Red Light District.

E o que vocês acharam deste mictório em plena rua?? Assim sem nenhuma privacidade? Modernidades holandesas, assim eles evitam aquele cheirinho desagradável de xixi pela rua não é mesmo?

Eu quero saber se colocarem assim em POA quem se habilita?

Mas uma viagem a Amsterdã não é completa se você não tiver a experiência de circular pela cidade de bicicleta, acho que só na China as pessoas andam mais de bicicleta do que aqui, é muito tranquilo, praticamente todas as ruas tem ciclovias, bom então não poderíamos passar sem essa né? Embora o clima e a temperatura não estivessem dos mais convidativos resolvemos conferir e passear pela cidade gelada em duas rodas.

Paisagem invernal no Vondelpark.

 

Bom gente já é tarde por aqui, amanhã vou contar pra vocês um restaurante fantástico que o Leonel Obino, dono de restaurante em São Paulo garimpou aqui nas ruelas de Amsterdã , olha vale a pena,  de fazer os guris destemperados babarem!!

Boa noite até amanhã!

 

 

 

Amsterdam em fevereiro

16 de janeiro de 2012 7

Amsterdam no inverno pode ser uma ótima opção. Se o dia estiver ensolarado pode-se alugar bicicleta e descobrir a cidade em poucas pedaladas , como fazem os locais. Os bares estão cheios e as flores já começam a dar seus primeiros sinais de vida.

Qualquer hotel tem serviço de aluguel de bicicletas para oferecer, é a forma mais prática , eles trazem a magrinha no horário combinado e buscam quando vocês quiser, deixando o kit para prendê-la em passeios mais demorados, porque não se iluda , é a cidade é campeã em roubos de bicicletas.

Ficamos no Hotel Rembrandt, super bem localizado mas muito simples, um hotel honesto e barato dentro dos padrões da cidade. O Rembrandt Hotel fica em um edifício monumental do século XVII, no famoso Canal Herengracht, a 5 minutos a pé da Praça Dam. A vista do canal é perfeita, e tudo acessível a pé ou de bicicleta. Mas não recomendo para quem acha que o hotel é parte bem importante da viagem! Neste caso ficaria com algo mais charmoso tipo o Dikker en Thijs Fenice Hotel ou o Hotel Estheréa. Para uma estadia verdadeiramente especial o Hotel Pulitzer Amsterdam é maravilhoso , ambientado em diversas casinhas integradas!

Vista do Rembrandt Hotel

O maior ponto turístico de Amsterdam não são seus maravilhosos museus, a cidade atrai um imensidão de turistas em busca de seu distrito da Luz Vermelha . Por ser um bairro muito freqüentado por todos os tipos de turistas tem um policiamento ostensivo a qualquer hora do dia e da noite, tornando o local bastante seguro.

Cortinas fechadas e luzes acesas indicam que a vaga está ocupada

Claro que é meio deprimente ver aquelas mulheres em vitrines minúsculas, se oferecendo enquanto lixam as unhas dos pés ou fazem tricot, mas é no mínimo diferente , pois não se encontra em nenhum outro lugar um turismo sexual tão organizado e institucionalizado, onde passeiam famílias curiosas ao lado de hordas de homens  que visitam a região em busca dos serviços sexuais. O mais estranho é que todo o aparato se organizou em trono de uma igreja que funciona normalmente.

Cinto de castidade masculino

Coelhinhos eróticos

Assim como o sexo , alguns tipos de droga são  liberadas para consumo particular nos coffee shops, que por lá não servem café,  mas  diversas modalidades de maconha em erva, cigarros, biscoitos , bolos e outras formas inusitadas. Eles estão espalhados pela cidade, é só prestar atenção e se aventurar, só cuidado com os comestíveis , levam mais tempo para “fazer efeito”e podem parecer inofensivos fazendo estragos a longo prazo  .

Assim como em Veneza a locomoção pelos canais pode ser feita por barcos taxi e outros tipos de transporte público. Comemorações de casamentos e formaturas também acontecem em movimento pelas águas da cidade. Famosos são os barcos/casa que tornam mais barato viver no coração de uma cidade onde os preços da moradia são proibitivos.

As pontes levadiças lembram as pintadas pelo mestre holandês Van Gogh, um passeio mais alongado nos leva aos diques que protegem a cidade das cheias e por lá muitas pontes parecem saídas dos quadros.

Outro elemento imperdível são as marcas medievais nas fachadas mais antigas, indicavam a profissão do morador numa época que não se usavam números para demarcar as propriedades, foram preservadas em muitas residências. Vale pegar um guia e procurá-las nas ruas mais tradicionais. Os recortes de telhado são indicativos de cada estilo arquitetônico: medieval, renascentista , barroco dependendo da época.

O Vondelpark pede um passeio mais demorado, e por lá nos divertimos com os acessórios de carregar de tudo em  bicicletas . São carrinhos onde os holandeses colocam os mais variados objetos , inclusive muitas crianças , quando for o caso.

Não deixem de visitar um enclave quase medieval bem no coração de Amsterdam, um dos mais antigos inner courts da cidade. Andando por Amsterdã não dá para saber que alguns prédios antigos tem uma área comum nos fundos.O acesso geralmente é privado e só dá para chegar nessa parte por dentro dos apartamentos. O Begijnhof fica atrás dos prédios da movimentada praça Spui. O conglomerado de prédios foi um centro religioso no século XIV, onde viveu uma congregação de freiras e guarda até hoje as casas de madeira mais antigas da cidade, milagrosamente conservadas apesar dos vários incêndios sofridos . A entrada parece um jardim particular e lá dentro tem-se a sensação de estar numa cidade do interior, muito embora esteja localizada no centro da cidade.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Begijnhof

 

Não se intimide com o frio , Amsterdam pode guardar boas surpresas no inverno!

 

 

Ponta dos Ganchos - O paraíso mora ao lado

14 de janeiro de 2012 1

Este ano eu decidi que não ia fazer grandes festas no meu aniversário, que o que mais eu queria era desfrutar de uma bela praia tranquila, descansar e aproveitar a natureza. Como o meu aniversário é em outubro, nestes tempos de “El niño”achei mais seguro  marcar a minha ida para dezembro onde a garantia de sol seria bem maior.

Alguns amigos já tinham me dado as melhores referências deste Resort Ponta dos Ganchos, que fica perto da cidade de Governador Celso Ramos, uns 30km ao norte da entrada de Florianópolis.

Saimos de Porto Alegre sexta de manhã de carro eu e Paulinho, chegamos lá à tardinha. O resort é filiado a super exclusiva rede de hoteis Relais & Chateaux, e me corrijam se eu estiver errada, que no Brasil só tem este na Ponta dos Ganchos e em Trancoso na Bahia.

Nosso carro ficou no estacionamento e fomos levados de carrinho elétrico até o nosso bangalô, que saliento eram os bangalôs mais “simples” a escolher, se é que podemos chama-los assim. O resort fica numa ponta onde tem uma praia pequena totalmente privada e protegida, a natureza é exuberante, os bangalôs ficam no meio das arvores e a privacidade das varandas é total.

O resort tem opções para todos os desejos, velejar, jogar tênis,mergulhar, Spa com diversos tipos de massagens, relaxar na piscina térmica, bilhar, mais de 700 titulos de filmes à sua disposição, ou simplesmente não fazer nada, ficar só na praia descansando. O atendimento deles na minha opinião é um dos seus pontos  fortes, as pessoas que trabalham lá estão sempre sorrindo, sempre perguntando se queremos alguma coisa, eu sei que pessoal as vezes pode ser uma parte delicada do todo, e o que me deu muita satisfação foi ver que muitos funcionários eram locais, uma gurizada bem disposta e com noções de inglês suficientes para bater um papo com os hóspedes estrangeiros, que durante nossa estadia, eram vários.

Acima a praia do hotel, que tem todas as refeições incluidas na diária, com exceção das bebidas alcólicas, mas se você pedir sucos, aperitivos e outras tetéias não se preocupe está tudo na conta, ou mesmo tudo que está no seu bangalô, refris, barras de cereal, chocolates, etc.

As refeições são um capitulo à parte, como você pode conferir pela foto acima, este prato é umas das opções oferecidas no almoço de sábado, grelhados de frutos do mar ,várias porções pequenas tipo menu degustação, uma delicia! Tudo isso com uma bela música brasileira ao fundo tocada ao vivo.

Para aqueles mais inquietos, tem uma trilha de mais ou menos 1 hora, saindo do hotel pela praia de “Ganchos de fora” seguindo por um caminho no meio do mato até se chegar a uma praia completamente deserta! (isso é uma raridade hoje em dia!!) onde a paisagem emoldurada por bromélias floridas é um espetáculo da natureza.

Lugar perfeito para uma lua de mel, mas também para se ir com os amigos, também vi reunião de familia, ou seja Ganchos é um lugar abençoado, pretendo voltar lá muitas outras vezes, e se eu puder fazer um pedido ao pessoal lá do resort seria só que da próxima vez eles convocassem o sol a comparecer mais seguido!

 

 

Um roteiro para os amantes de vinho no Chile!

12 de janeiro de 2012 8

Chile é um dos destinos favoritos para quem adora vinho. Não é a toa que a fama deles é esta: na dúvida peça um vinho chileno, sempre são bons. O país reúne todas as condições ideais para o cultivo da uva: inúmeros vales, a brisa do Oceano Pacífico, a proteção natural a para Cordilheira dos Andes, que também fornece a água para irrigar os vinhedos. Então, é quase obrigatório ir a Santiago e aproveitar para visitar algumas vinícolas.

 Mirador da Vinicola Ventisquero

Mais próximo a capital, a dica é visitar a Santa Carolina. dá para ir de metrô. Muito tradicional, ainda preserva construções do início de 1900. Seus vinhos são elaborados com rígidos padrões de qualidade e as uvas vem de vinhedos de todo o Vale Central. Com antecedência, você pode agendar uma degustação especial e até almoço entre as barricas. Santiago está dentro da área chamada de Vale de Maipo, onde a uva que melhor se adaptou foi a Cabernet Sauvignon, sendo que lá são elaborados alguns dos melhores vinhos do mundo desta variedade, como o Don Melchor.

 

Outra região imperdível para quem gosta de vinho, gastronomia, arquitetura, é o Vale de Colchagua. Os pequeninos vilarejos, como Santa Cruz, ainda preservam as características do interior, mesclando a cultura de montanha, mar com a simplicidade do homem do campo. Lá é hábito andar a cavalo, estar ao ar livre e beber um bom vinho descomplicadamente. O Museu do Colchagua é uma das maiores coleções privadas do mundo: desde múmias, carruagens, peças indígenas, uniformes militares a uma impressionante coleção de jóias astecas, merece ser visitado com tempo e atenção. Nestes arredores estão vinícolas como Viu Manent, Estampa, Santa Helena, além da tradicionalíssima Casa Silva, integrada a um haras e pousada de charme. O grande destaque é o Vale de Apalta: mais do que altíssima qualidade (Clos Apalta já foi considerado “Wine of the Year” – Wine Spectator), tem vinícolas de incrível arquitetura e uma das paisagens de vinhedos mais belas do Chile. Lá estão marcas como Montes, Casa Lapostolle e a Ventisquero. Na Ventisquero, um mirador no alto da montanha possibilita conferir toda esta paisagem.

 Vale de Apalta

Para visitação nestas empresas, é super necessário fazer agendamento e há também cobrança de ingresso, conforme o estilo de visitação. O ideal é contratar serviço de motorista ou guia, pois não se deve dirigir depois de beber, bem como as leis no Chile são bastante severas em relação a este tema.

 

E, o passeio pode continuar pela Argentina… basta cruzar a Cordilheira e já estaremos em Mendoza! Mas isto é assunto para o próximo post…

 

Para o carnaval, a Porto Brasil Viagens, parceira do Viajando com Arte, junto com a enóloga Maria Amélia Duarte Flores, prepararam um tour completo para esta região, com agendamento especial nas principais vinícolas, com destaque para almoço na Viña Santa Carolina e brunch no mirador de Apalta, na Ventisquero. Imperdível! 

Se você gostou desta dica e quer saber de outras coisas legais de arte, viagens, roteiros legais e afins, curta a nossa página no Facebook

                                                                                                       https://www.facebook.com/pages/Viajando-com-Arte/121374657937187

Costa Rica, o melhor em turismo de aventura!

12 de janeiro de 2012 1

 

A Costa Rica foi uma total surpresa, confesso que sabia muito pouco sobre este pequeno pais da América Central, destino escolhido pela familia para passarmos 10 dias  no mês de julho.

Poucos destinos oferecem uma gama tão ampla de paisagens impressionantes e fauna exótica como a Costa Rica. Com certeza seu tamanho diminuto está pra lá de compensado pela sua rica diversidade, lá estão representadas 5% de toda biodiversidade do planeta.

Esquilo branco, eu nunca tinha visto…

Saimos de Porto Alegre pela Companhia aérea peruana, a TACA, que está com vôos diretos semanais até Lima, que é uma ótima opção, não só porque escapamos de escalas longuíssimas no Rio ou SP, mas porque na volta ainda podemos conhecer Lima que é um lugar bárbaro, na beira do oceanos pacífico. De Lima pegamos outro vôo até nosso destino, San Jose.

 Foram 10 dias de muito relax, aventuras e aprendizado, escolhemos ficar na região de Guanacastes no Pacífico, poi a gurizada queria experimentar as ondas perfeitas que quebram naquela área. E sabe como é né, viagem de familia, gente de todas as idades, programas muito ecléticos, então a melhor solução foi escolher um hotel com infraestrutura que agradasse gregos e troianos, e acamos ficando no Marriot Guanacastes, que é lindo, na verdade este hotel fica na área de uma antiga fazenda, a Pinilla onde além do hotel, eles tem casas para alugar, quadras de tenis, campo de golfe, clube de praia, etc.

Marriot Guanacastes

A companhia de muitos beija flores nos cafés da manhã.

Visão idílica para quem sai do inverno portoalegrense e aterrisa aqui onde a temperatura não baixa dos 26 graus!

Toda a estrutura pra quem não quiser arredar pé dos limites da enorme propriedade. Mas isto não existe pra mim, é claro que eu adoro passar uma manhã na piscina tomando Piña Colada, mas estar na Costa Rica pela primeira vez o “Eldorado”   do turismo de aventura, e ficar no hotel?? Nem pensar!!! Minha primeira atitude foi comprar o guia Lonely Planet na lojinha do hotel e começar a estudar quais seriam as melhores opções de passeio na região, e aqui vai um conselho, não adianta querer abraçar o mundo e tentar conhecer tudo, porque mesmo que você veja que alguma coisa está a 100km de distância, as estradas são ruins, algumas terríveis, a gente demora pra chegar.

Caminho de Guanacastes até o Parque Ricón de la Vieja, muitas florestas, animais e vulcões.

 Nossa primeira aventura foi o Canopy, verdadeira instituição nacional, uma mistura de arvorismo, rapel, tirolesa, uma experiência incrível. A Costa Rica tem diversos parques nacionais e todos tem um ou mais Canopys, eles variam de dificuldade e desafios de acordo com o lugar. Nós escolhemos o Parque Rincón de la Vieja e lá fizemos um pacote que incluia banho nas piscinas térmicas naturais, com direito a banho de lama como tratamento para a pele ( não esqueçam que a Costa Rica é cheia de vulcões e muitos ainda ativos) e o Canopy.

Quando chegamos no local das piscinas termais havia uma casinha de madeira no inicio da trilha que seguia floresta adentro, ali nos deram uma toalha e nos mandaram seguir em frente.

Cruzamos esta ponte até chegarmos nas piscinas, onde nos aguardava o banho de lama.

Piscinas com água muito quente ao lado de cachoeiras.

Se deixar “pintar” de lama medicinal

E depois cair na água das cachoeiras.

 Nos despedimos do Sr Sebastian  que trabalhou duro para “pintar” 22 pessoas e estávamos prontíssimos para o que seria nossa aventura do dia, o esperado Canopy.

 

Colocando o equipamento, eles são super preocupados com a segurança,  em cima das árvores e plataformas sempre estamos presos por algum cabo.

Como eu disse existem vários niveis de dificuldade, e apesar de no nosso grupo as idades variarem de 4 a 80 anos, todos puderam participar, evitando os trechos mais dificeis como o Rapel e a escalada posterior.

O cenário é lindo minha sensação era de estar no set de filmagens de Jurassic Park, pois a natureza da Costa Rica é superlativa, é muito exuberante. Nossa primeira deslizada foi de uns 100 numa tirolesa entra as altas copas das árvores, com a adrenalina pulsando, isso vicia, acreditem!

Descer de cabeça pra baixo, nem pensar, fui sentadinha mesmo e saber que tudo que desce tem que subir, um paredão de uns 20m me aguardava na volta!!

E outra tirolesa até a próxima plataforma.

Depois de tanto esforço e adrenalina nada melhor do que uma buena Imperial

Depois de mais ou menos 2h voltamos ao ponto de partida, eu estava em estado de graça, porque esta modalidade reune várias das coisas que eu mais gosto, que é estar em meio a uma natureza deslumbrante de árvores gigantes, canions, rios de corredeira, aliado a isso muita adrenalina e como disse o guru Heitor ” a gente potencializa a felicidade estando junto daqueles que amamos” então o que eu poderia pedir mais?

Eu ainda tenho muitas coisas pra contar da Costa Rica, então aguardem a parte II, III e quiçá IV deste post!

Hotel Marriot Guanacastes :  http://www.marriott.com/hotels/travel/sjojw-jw-marriott-guanacaste-resort-and-spa/

Canopy Rincon de la Vieja :  http://www.guachipelin.com/

Se você gostou desta dica e quer saber de outras coisas legais de arte, viagens, roteiros legais e afins, curta a nossa página no Facebook

                                                                                                     https://www.facebook.com/pages/Viajando-com-Arte/121374657937187

Reveillon na Costa Rica

08 de janeiro de 2012 9

Costa Rica é daqueles destinos que cabem perfeitamente nas palavras  de Danuza Leão em seu último livro: “…quanto mais primeiro mundista for a cidade para onde você vá, mais modesto pode ser seu hotel; mas se for para uma aldeia no interior do Marrocos, não fique em nenhum que tenha menos de 18 estrelas, mesmo que seja caríssimo”.

O país é de uma natureza exuberante com pouco mais de 4,5 milhões de habitantes, mas a infraestrutura é muiiito precária, ainda mais no fim do ano quando recebe um número  maior de turistas do que pode atender. Estamos no inverno do hemisfério norte, mas a temperatura gira sempre em torno dos 30 graus e é época de seca na costa do Pacífico, o que é perfeito para pegar praia.

Praia de Tamarindo

A escolha do destino partiu da predileção do pessoal por praia e surf. Por indicação de amigos (não de qualquer amigo, mas da Clarisse! :))) escolhemos a região de Tamarindo ,costa norte do Pacífico. Não é a época das maiores ondas no Pacífico , mas mesmo assim não eram para ser desprezíveis. Não tivemos sorte porque o mar estava baixinho quase todo o tempo, especialmente entre 9h da manhã e 3h da tarde, quando a maré baixa.

Playa Grande

Minha primeira dica para quem vai viajar na Costa Rica é evitar deslocamentos grandes de carro , as estradas são ruins e o movimento de caminhões é terrível, eles calculam assim :uma distância de  40km leva-se 1 hora para percorrer, uma tortura! Para tanto existe vários aeroportos pequenos no país e pode-se fazer muitos trechos via aérea muito barato. De San José até Tamarindo são 270km e levamos quase 5 horas de carro com muito stress de lambuja, o trecho aéreo custa US$ 135,00 e leva 45 minutos com um belo visual. Mas importante, não esqueçam de reservar o carro com antecedência para os deslocamentos nas praias, deixar para a chegada pode ser uma triste surpresa, acabaram os carros de todas as locadoras!

Aeroporto de Tamarindo

Tamarindo é uma Santa Catarina há uns 20 anos atrás! As praias lembram muito a nossa vizinha querida mas o mar é tépido , a temperatura sempre em torno de 28 graus. As praias em torno da pequena cidade são sempre vazias, em cada uma tem um ou dois beach clubs que é onde se pode ficar na areia fora de temporada, nesta época são conveniados com hotéis e condomíneos e estão FECHADOS para intrusos! O que resta , fazer o que todo mundo faz por lá, uma grande “farofada” , levar uma caixa térmica e montar acampamento na praia.

Tamarindo é conhecida como “Tamarenglish”, a língua oficial é o inglês , e tentar puxar um espanhol é tarefa quase ofensiva, eles são irredutíveis, com turistas só falam inglês mesmo. Da cidade pode-se contratar vários passeios, inclusive para parques nacionais mais próximos. Nós optamos por não sairmos muito longe e depois ficarmos dois dias hospedados no Arenal, acho que foi uma boa escolha (num próximo post conto mais de lá).

Parador Lola em Avellanas

Nosso hotel Cala Luna ficava em Playa Langosta, um praia linda mas com muita pedra, o banho de mar com areia só bem no final onde um riozinho divide a praia em duas. Do outro lado já a  Fazenda Pinilla, um grande condomíneo-resort que abriga o Hotel Marriott e outras pousadas. O Cala Luna é muito confortável , as villas/casas são enormes com dois quartos e tem até uma piscina privativa . Os apartamentos são mais perto da praia e da estrutura do hotel.

Piscina do Cala Luna

Para passear por perto as praias mais legais são Avellanas, Playa Grande e a ponta de Playa Langosta onde o banho de mar é dos deuses, principalmente ao por do sol.

Ponta de Playa Langosta

Fizemos também um passeio de barco para mergulhar de snorkel, saímos da praia de Tamarindo em direção a Conchal , paramos em Conejos e na praia do Pirata, na volta combinamos do barqueiro nos levar até o Bula Bula, um restaurante que fica no mangue e que serve maravilhas! Um passeio perfeito.

Para jantar Tamarindo oferece várias opções legais num clima meio Praia do Rosa: Dragon Fly, Sushi e os dois “pé na areia” :Nibbana e Copacabana. Em tempo, um jantar com camarão e lagosta para 4 pessoas custa em torno de U$ 100,00, sem bebidas alcoolicas.

Nibbana Restaurant

Na próxima falo um pouquinho do Arenal e das aventuras nas florestas da Costa Rica.

Se você gostou desta dica e quer saber de outras coisas legais de arte, viagens, roteiros legais e afins, curta a nossa página no Facebook

                                                                 https://www.facebook.com/pages/Viajando-com-Arte/121374657937187

De Uruguaiana ao Chile - Parte II

08 de janeiro de 2012 0

Na primeira parte deste post eu narrei aqui nossa viagem de carro saindo de Uruguaiana até Mendoza na Argentina. Hoje vou contar para vocês a segunda parte da nossa aventura que vai de Portillo até o oceano Pacífico.

Saimos de Mendoza pela manhã e depois de percorrer os 250km que ligam Mendoza a fronteira com o Chile, chegamos em Portillo, famosa e antiga estação de esqui que fica bem perto da fronteira, quase na hora do almoço. A passagem na fronteira hoje em dia é tranquila, mas ainda está presente na minha memória quando passamos de carro por aqui nos anos 80 e dentro do túnel bem na fronteira fomos parados por homens encapuzados ( era pleno inverno) com uma pomada branca no rosto, não sei se para proteção contra o frio ou simplesmente para despertar mais terror do que já sentíamos, a verdade é que eles tinham uma lista de nomes na mão e pediram nossos documentos e depois de fazer muitas perguntas, nos liberaram, duros tempos com toque de recolher em Santiago.

Nossa viagem foi em fevereiro, e o Hotel da estação de esqui estava funcionando, o que foi uma ótima noticia, pois não há muitas opções em dezenas de km. Almoçamos muito bem e seguimos nossa baixada até o litoral.

A estrada é um zig zag e muitas vezes pode ser perigosa no inverno. Nosso destino na praia era Concon, que fica perto de Viña del Mar, a distância daqui de Portillo até Viña é de 210km. A estrada é bonita e a gente passa por várias plantações de uva, a região perto de Santiago é conhecida pela produção de vinhos.

Chegamos a Concon à tardinha e foi uma boa surpresa, mas tem outros lugares melhores para ficar, outras praias mais bonitas e com mais recursos como Reñaca por exemplo, mas como tínhamos estes apartamentos de time sharing, fizemos de Concon nossa base para explorar o litoral.

Tem vários lugares a serem explorados, nós aproveitamos um dia meio friozinho e nublado e fomos até Valparaiso, que já é uma cidade bem crescidinha, é um lugar interessante, mas diferente daquela Valparaiso que eu imaginava dos livros de Isabel Allende, e como estávamos mais no espírito de praia mesmo, valeu o passeio que vai serpenteando o mar, mas não nos aprofundamos muito além disso.

Uma presença muito forte por essas paragens é a de Pablo Neruda, a mais famosa de suas casas fica em Isla Negra, a 85km ao sul de Valparaíso. Neruda viveu aqui com sua terceira esposa e ambos estão enterrados nesta propriedade. Entrei em uma livraria e comprei um livro dele, ler suas poesias olhando para o vasto oceano me aproximou da alma chilena. 

Tem dois lugares que considero os mais legais que estive, o primeiro é a praia de Reñaca que fica ao lado de Viña del Mar, é uma praia jovem, agitada, lembra muito Punta del Leste com aqueles paradouros na beira da praia, muita garotada bonita e pra quem gosta de surfar tem boas ondas que quebram  bem na beirinha.

 

E a gurizada que estava conosco achou muito importante registrar o pequeno show dado pelas garotas contratadas pala marca Bacardi na beira da praia.

Outro dia saimos de Concon rumo ao norte até a praia de Ritoque que é conhecida pelo surf, o dia não ajudou muito mas a estrada é bonita, sempre costeando o mar e lá podemos fazer uma trilha até em cima do morro pra ver os surfistas.

A galera do surf.

O segundo lugar que recomendo muito é Zapallar, que fica 54km de Concon, é um lugar especial e com um restaurante que o Leonel vai me matar, mas eu vou contar aqui pra vocês, o Chiringuito, onde se come os melhores frutos do mar que vocês podem, ou melhor nem podem imaginar, é de comer ajoelhado para se redimir dos pecados da gula!!

Olhem só pra isso !!

Nos outros dias fomos a outras praias muito legais e com o preço das coisas bem acessíveis, existe uma variedade enorme de frutos do mar elaborados de muitas maneiras sempre acompanhado de um bom vinho chileno ou até uma caipirinha improvisada

 

 

Foram dias maravilhosos e deixamos o Chile com pesar e torço muito para que o país possa se reerguer o mais rápido possível do trágico terremoto que o abalou neste verão.

Nossa volta foi pela cidade de Cordoba na Argentina, uma pérola! Mas isto é assunto para outro post!

Bom pessoal aqueles que quiserem saber outras coisa é só escrever que terei o maior prazer em ajudar naquilo que for possível!

Deixo vocês com mais este por do sol chileno.