Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de dezembro 2012

Roteiro Turquia com Arte / Junho 2013

24 de dezembro de 2012 4

Bodrum - Refúgio de verão do Jet set da Turquia

19 de dezembro de 2012 1

Nesta semana que passamos na Turquia escolhemos Bodrum como nosso ponto de partida para explorar a região, com um detalhe, Bodrum é tão surpreendente que não exploramos nada, na verdade não arredamos pé dali, pois é um lugar com muitas coisas interessantes e atrações para todos os paladares.

Vamos começar nos situando no tempo e no espaço.

Você já ouviu falar de Halicarnasso?  Certamente já ouviu falar em mausoléu não é mesmo? Calma, já explico:

Halicarnasso era um pequeno reino na costa da Anatólia ( hoje Bodrum), cujo rei se chamava Mausolo, que reinou por 24 anos e extendeu seu território, embora descendendo do povo local, Mausolo falava grego e encorajou práticas democráticas em seu reino.

Mausolo decidiu construir uma capital magnifica, e em um lugar estratégico dificil de ser capturado.Mas foi na morte que seu nome se tornou célebre, pois sua amada Artemísia mandou construir a tumba mais esplêndida do mundo e desta maneira associando para sempre o nome de Mausolo a todas as tumbas suntuosas até hoje denominadas mausoléus.

Construido em torno de 353 a.c, o Mausoléu de Halicarnasso está entre as sete maravilhas do mundo antigo. Infelizmente hoje pouco sobrou para se ver do mausoléu de Mausolo -  : 0  redundante não?

 

 Bodrum fica na costa do Mar Egeu, e segue um padrão de construções todas brancas que lembram as ilhas gregas, e com leis que restringem a altura dos prédios, o quadro geral é bem bonito.

O castelo de São Pedro domina a paisagem, construido pelos cruzados em 1437, o castelo vale uma visita, pois abriga hoje o Museu de arqueologia submarina, segundo os guias o mais importante deste tipo no mundo. Muito rico e informativo eles reconstruiram navios e recriaram o fundo do mar com coisas encontardas que datam do século 14 a.c .

Aqui eles reconstituiram como as ânforas eram armazenadas nos porões dos navios, o comércio de óleo de oliva, vinho, placas de bronze e outros produtos era intenso na região do Mediterrâneo.

Mas Bodrum não é só história, na verdade hoje ela pulsa alinhada com o presente. É o lugar de verão das celebridades da Turquia. Lembra um pouco Punta del Este, cheia de opções de bares, restaurantes e night clubs, tem programas para todos os gostos e bolsos.

Este lado da baia que é chamado de Kumbahçe Bay, é o lado da cidade onde tem os bares e hotéis com preço mais em conta, mais voltado para os turistas com orçamento mais curto ou da gurizada mochileira.

Já a baia que vai do castelo em direção a marina chamada de Salmakis Bay, é o lado mais sofisticado, onde estão as lojas de grife e as casas noturnas super transadas.

Esta é a vista do terraço do nosso hotel que fica no final  da Neyzen Teyfik Caddesi, que é a rua principal de frente para a marina, onde estão os restaurantes e bares cheio de gente bonita. À tardinha depois de passada a hora do sol forte as calçadas vão se enchendo de gente tomando sorvete, nos bares, o comércio fica aberto até tarde, e no verão com os dias claros até 10h da noite dá para aproveitar muito.

O Hotel Marina Vista é ótimo e fica muito bem localizado além de ter uma piscina maravilhosa e um serviço irretocável, então aí vai a minha dica :

http://www.hotelmarinavista.com/defaulteng.asp?lang=eng

Saindo a pé do hotel em direção ao centrinho esta é a paisagem

No caminho a gente passa por um shopping chiquezinho a céu aberto, onde sentamos para almoçar e ver os jogos da copa num telão.

Seguindo chegamos no porto onde estão ancorados os grandes iates dos ricos e famosos, mas também de onde saem os passeios para as ilhas gregas próximas.

E a noite vai caindo em Bodrum…

E  a balada vai pegando, olhem que lindo este lugar, um clube noturno chamado Fink, com estes lustres vermelhos enormes e com esta casa de pedra ao fundo.

Se você tem vontade de conhecer esta região, que tem muitas coisas interessantes, como as ruinas da cidade de Ephesus, que foi umas das cidades mais importantes da antiguidade e junto com Mileto berço da filosofia, saem excursões diárias de Bodrum que fica a 2h de carro. Ou conhecer o santuário que é a casa da Virgem Maria que também fica próximo.

Isto sem falar nos passeios de barco, Rhodes a belíssima ilha grega esta somente a 98km de Bodrum.

 


Bodrum é um dos destinos da Turquia com Arte 2013, que acontece entre 9 e 20 de junho do próximo ano. Veja o roteiro completo no linck:

http://www.portobrasil.com.br/turquiacomarte2013.pdf

16 de dezembro de 2012 0

Roteiros

Pueblo Garzon - o pequeno paraíso do Chef Francis Mallmann no Uruguai

14 de dezembro de 2012 6

 

 Surreal é a expressão que materializa a visita a Pueblo Garzon.

Sair do glamoroso litoral uruguaio em direção continental, penetrando pela estrada de chão batido, contemplando as paisagens dos campos e antigos cascos de estâncias gauchas chega-se ao pequeno Pueblo Garzon. Impossível não ficar maravilhado com a praça simétrica, sua pequena e singela igreja, antigas e bem conservadas construções em seu entorno.

 

 

Praça de Pueblo Garzon

 

Em uma das esquinas esta o prédio da antiga estação ferroviária, que hoje abriga um dos mais incensados restaurantes do mundo. O proprietário e chef que assina o brilhante cardápio é ninguém menos do que o famoso argentino, Francis Mallmann.

O que nos despertou para conhecer este renomado restaurante num pueblo remoto, foram as fotos e textos do próprio chef em seu último livro de receitas exclusivas, “Siete Fuegos”. Ao entrar você será  recebido por jovens universitários, que lhe acompanham até o seu lugar e se você quiser explicam os pratos , mostram o lugar.

 

 

A decoração do salão principal é simples, porém extremamente sofisticada, um detalhe que me chamou muito a atenção foi uma grande mesa antiga que ocupa inteiramente uma das salas com livros e revistas de arte , culinária e história colocados ali para desfrute dos freqüentadores.

Passando ao pátio em estilo espanhol, encontra-se o poço de algibre, contracenando com uma bela piscina. Para quem não quiser jantar poderá tão somente apreciar uma elaborada carta de drinques no bar externo ou a beira de um original queimador de lenha também arquitetado por Mallmann.

Poço de algibre, a casa voltada para dentro, no puro estilo espanhol

Queimadores espalhados pelo pátio interno

 

As outras marcas registradas do chef nos seus estabelecimentos são os sofás em madeira inspirados num clássico filme de Ingmar Bergmann, e as mesas que abraçam troncos de árvores em tamanho natural preservando assim um ambiente externo muito aconchegante.

 

O couvert e as entradas são divinamente apresentados além de muito saborosos.

Não é a toa que Mallmann chegou onde chegou, brinca com sabores e não tem medo de ousar nem de se queimar com fogo.

Sabendo que tem sua origem na Patagônia, optamos por degustar seu cordeiro predileto, cordeiro a sete horas e meia ao fogo no vinho Tannat. Uma loucura, sem palavras até para os entendidos nesta especiaria.

 Uma especiaria local, o Cordeiro a sete horas e meia ao fogo no vinho Tannat, de comer ajoelhado!

Querendo hosperda-se para uma experiência de descanso e gastronômica, o lugar dispõe de 5 belíssimas habitaciones com luxo, requinte e simplicidade.

 Como lembrança recomendamos comprar para o seu acervo de literatura gastronômica, o livro Site Fuegos de autoria do festejado Chef e o azeite de oliva de  Garzon, produzido artesanalmente no próprio Pueblo.

E aqui uma foto do Ricardo e da Rossana, amigos queridos que viveram esta incrível experiência gastronômica e campeira e registraram aqui para nós!!! Valeu Rô e Pinto!!!!

 

Parque do Vulcão Arenal - aventura, selva e águas termais na Costa Rica

12 de dezembro de 2012 4

O principal atrativo da Costa Rica é sua natureza exuberante, seja nas praias ou em seus muitos parques nacionais que cobrem 25% de seu território.

 

É como paraíso verde que a Costa Rica quer ser reconhecida e quando estávamos por lá os jornais divulgaram uma pesquisa (não sei qual a fonte!) que dizia que o país e seu slogan Pura Vida” teria ganho o melhor brand mark das Américas em 2011, em marketing eles fizeram escola! Souberam se focar e estão colhendo os frutos.

Os parques nacionais e áreas protegidas, que por percentual territorial são o maior do planeta, hospedam uma rica variedade de flora e fauna, que estima-se contem um 5% da biodiversidade do mundo em menos de 0,1% da terra firme do planeta, acreditem, isto é muito. A flora é exuberante e as imagens da fauna estampadas nos cartazes são lindas , mas nós não tivemos a sorte de ver muitos animais ao vivo.

Sapo de olhos vermelhos – Wikipedia

Colibris na janela

Optamos pela hospedagem no Parque do Vulcão Arenal, em Alajuela,  por ser dos mais conhecidos e perto da capital. Li em alguns blogs que uma opção seria ir e voltar no mesmo dia desde Tamarindo, acho que é a maior furada que alguém pode se meter por lá, serão umas 7 horas de carro se tudo correr bem! Mesmo de San José a viagem não dura menos de 3 horas por estradas cheias de curvas, o dramin fez falta.

Vulcão Arenal da janela do Springs

Arenal em erupção, até 2010- Wikipedia

Nosso hotel The Springs Resort & Spa foi fantástico, rodeado por águas termais que chegavam a 39 graus , me fez sentir envolta numa atmosfera líquida, onde o ambiente conspira para te manter mergulhado todo o tempo. Além disto os quartos são imensos e todos tem uma vista inigualável do vulcão Arenal , que há um ano resolveu adormecer, manteve-se em atividade desde 1968 até 2010, percalços de viajantes!

The Springs Resort & Spa – divulgação

Café da manhã na sacada do quarto 317 no Springs

Rio que circunda o Springs e tem fontes termais naturais

Outro hotel muito legal é o Tabacón Resort , tenho duas amigas que se hospedaram e gostaram muito. Também oferece águas termais e é um grande resort, o que é bem importante na região, senão fica-se a mercê do tempo e das atividades extra que nem sempre correspondem ao esperado. Para quem não está hospedado nestes resorts ainda existe a possibilidade de pagar uma diária de estadia para usar as piscinas, no Springs o valor era de U$ 40,00 por pessoa.

Perdido Springs no Spring Resort & Spa

Desde 1999 o turismo gera para a Costa Rica maiores receitas que a exportação de banana abacaxi e café juntos, historicamente os produtos tradicionais de exportação costarriquenhos. Os americanos são os maiores visitantes, diz-se que o país é o playgroud verde dos gringos. Nos parques estão a maioria das opções de turismo de aventura, incluindo rafting, rappel, observação de borboletas e pássaros e a invenção local , o canopy, uma espécie de arvorismo misturado com tirolesas monumentais sobre as copas das árvores.

Escolhemos a Sky Adventures para o nosso debut no canopy, ficava próximo ao hotel e parecia a empresa mais bem estruturada. O valor da brincadeira foi de U$ 90,00 por pessoa com transporte incluído. O dia não foi dos melhores, amanheceu chovendo e com muita neblina, como em viagem não dá para deixar para amanhã, fomos assim mesmo. Foram 35 minutos de carro até o teleférico sky tram que nos levou ao ponto mais alto da floresta de Monteverde, também chamado de Continental Device of waters (a montanha marca o local os as águas que vão para o Pacífico e o Atlântico se dividem). Deste ponto pode-se optar por voltar de teleférico para a base ou deslizar pelos quase 3km de cabos  de tirolesa que descem até a base com muita adrenalina, o tal  canopy. São descidas que chegam a 750 metros de distância a uma altura estonteante com uma vista linda para o Lago Arenal. Um astral e se não tivesse tão frio seria mais lindo ainda! Isto mesmo, um frio de quase 10 graus na Costa Rica e como a região chama-se Cloud Forest imagino que costuma ser sempre assim!

Aqui vou me jogar…

com este visual..

e assim chegar do outro lado!

Antes de viajar conversávamos com Henrique Raizler do Mapa Mundi na rádio Bandeirantes e ele dizia que se decepcionou um pouco com o país pela falta de identidade cultural, principalmente se comparado com outros países da América Central. Tenho que concordar com ele e acrescentar que até me alegra um certo  estranhamento com a falta de infraestrutura, há um tempo atrás sempre sentia o Brasil devendo em organização para outros países , hoje quando volto para casa me sinto chegando ao primeiro mundo!  O futuro chegou.

Dicas de restaurantes Downtown NYC

06 de dezembro de 2012 0

Esta é a região que concentra o maior número de restaurantes na cidade, principalmente em Meatpacking e Soho. Para quem gosta de sair a pé a noite é uma boa ideia ficar hospedado por aqui , para não ter grandes deslocamentos de taxi , o que nem sempre é muito fácil em NYC. Todos os restaurantes citados estão no Meatpacking ,com poucos passos de distância entre eles (9th Ave entre 12th St e 14th St ).

 

Mas vamos ao que interessa,

Meatpacking District

Pastis : Já um clássico na região, do mesmo dono do Balthasar no Soho , um bistrô super charmoso e movimentado até mais tarde . Paredes de azulejo , gente bonita e uma localização estratégica. O sea scallops  (vieiras) e o cod fish são uma delícia.

Spice Market : Para um jantar descolado com culinária fusion asiática. Mas vá preparado , porque o nome diz tudo , spice e muito condimentado.

Serafina : Pizzaria com vários endereços pela cidade, ambiente descontraído e algumas pastas no cardápio também.

Giovanni Rana : Na entrada do Chelsea Market , um restaurante com cara de cantina e comida deliciosa! Mais indicado para almoço , não deixe de pedir o raviolli com lagosta, um must.

Standard Grill : Para um almoço em estilo tipicamente americano , com hamburguer e uma batatinha frita gourmet. Tem opções mais refinadas também. Ambiente familiar bem embaixo do Highline.

Buddakan : Imortalizado no filme Sex and the City , continua mandando muito bem tanto em ambiente quanto em cardápio. Pedimos um menu degustação com uma mistura tailandesa e asiática em geral , inesquecível.

 

Catch : Não cheguei a conhecer , mas como badalação é imperdível . Fica no segundo andar , bem acima da loja da Sephora.

 

Bar Hotel GansevoortRooftop: Onde todos acabam a noite , um visual lindo e uma fila enorme de gente esperando sua vez de ser feliz ( ou nem tanto) !

 

Babbo : Restaurante sensação da cidade, do chef Mario Batali , bem complicado conseguir reserva. Comida italiana com ingredientes meio diferentes, confesso que eu esperava mais. Decoração simpática e atendimento super atencioso , mas os pratos que pedimos não surpreenderam. É o único da lista que não fica a poucos passos do coração do Meatpacking, está ao lado da Washington Square em Greenwich Village.


Introduzindo o México - Cidade do México

05 de dezembro de 2012 13


Passamos uma temporada no México, e para mim muitas coisas foram surpreendentes, tanto para o lado positivo quanto para o negativo.

 Se você tem intenção de visitar o país tem que providenciar seu visto, não é necessário ir a São Paulo, nem coisa que o valha, você manda o passaporte através de um despachante e tudo bem. Quem tem visto americano não precisa fazer o visto mexicano e para aqueles que tem cidadania européia precisa tão somente de uma autorização que pode ser feita pela internet.

 Feito isso saímos do aeroporto de Lima, onde tínhamos feito uma viagem fantástica com um grupo aqui de Porto Alegre, eu estava completamente envolvida com a beleza, a autenticidade, a cultura  do Peru,  seria dificil ser conquistada assim tão fácil por outro lugar, talvez uma competição injusta com o México. Seis horas de vôo separam Lima da Cidade do México e 1hora menos no fuso, chegamos a Cidade do México à tarde e lá no aeroporto já estava o Juan, nosso guia que a partir de agora e nos próximos dias nos apresentaria ao México.

 Cidade do México

 Pois das coisas que mais me surpreenderam positivamente foi com certeza a Cidade do México, que eu já sabia ser uma megalópole de 24 milhões de habitantes, e imaginava uma São Paulo piorada, poluída e um pouco caótica e aqui tenho quase que me desculpar, pois a Cidade do México não é nada disso, muito antes pelo contrário.

 O problema da poluição que foi muito sério nos anos 80, é coisa do passado, quando eles tomaram medidas enérgicas, como restringir o  número de veículos que circulam diariamente, filtros nas chaminés das fábricas,tiraram de circulação automóveis muito velhos que poluiam acima dos níveis normais,  enfim um programa despoluidor que deu muito certo, pois os 3 dias que passamos lá o céu era muito azul. A cidade é muito arborizada, com amplas avenidas, limpa, olha eu fiquei de queixo caido, pois era tudo o que eu não imaginava!

O povo mexicano é muito festeiro e já no caminho do nosso hotel o Juan passou pelo bairro Condessa, que é um bairro que está mudando rapidamente, já que o Polanco é o bairro dos yuppies das baladas chiques, o Condessa se popularizou entre os artistas e boêmios, eu diria que um pouco a idéia da nossa cidade baixa ou da paulista Vila Madalena.


Paseo de la Reforma, na conhecida Zona Rosa, um dos bairros mais elegantes e comerciais da Cidade de México


Escultura conhecida como El Caballito, do artista Enrique Carbajal Sebastian, substituiu a antiga estátua de Carlos IV que esteve neste lugar até 1979


Amplas avenidas arborizadas, céu azul, você diria que é a Cidade do México?

Seguimos nosso rumo em direção ao Zócalo, como é chamado o centro da Cidade do México, o pessoal que vive na capital só a chama por DF, “morei na DF por tantos anos” morar na DF é dificil, muito trânsito” e assim por diante. No caminho paramos para conhecer o belíssimo Palácio de Belas Artes, contruido em mármore de Carrara  no início do século, seguindo o estilo Art Nouveau e acabando em pleno auge do Art Déco, é sede de importantes exposições, concertos, óperas


Palácio de Belas Artes


Estilo Art Déco com muito mármore de Carrara.


Trabalhos lindos e vigorosos dos principais muralistas mexicanos, o da foto é de Siqueiros, Nueva democracia, 1944


Detalhe do mural de Diego Rivera, El  hombre en el cruce de caminos, 1934


De volta na rua deparamos com o policial de rua da cidade, o que acharam?


As meninas quando fazem 15 anos no México é um verdadeiro acontecimento nas familias, aqui no Brasil, também se faz grandes festas, mas lá é quase um casamento, além disso elas saem vestidas, maquiadas, para fotografarem em frente aos monumentos da cidade.


mandiopãs mexicanos, eu não apeteci….


Reparem a linda cúpola Tiffany do Palácio de Belas Artes.


Luminárias Déco pelas ruas.

Caminhamos uns 200m do palácio de Belas Artes e o Juan nos levou a um dos cafés/restaurantes mais tradicionais da Cidade do México, que fica no antigo Palácio dos Condes de Orizaba, mais conhecida como a Casa dos Azulejos.   



Em 1919 a casa é vendida para os irmãos Sanborn, para estabelecer neste lugar uma das cafeterias mais concorridas da cidade até hoje.




O lugar é lindo, e você pode escolher entre muitas salas a que você prefere ficar.


Na escadaria obra de outro célebre muralista, Jose Clemente Orozco.
Seguimos por uma importante rua de pedestres por mais umas 3 quadras até chegarmos no coração da Cidade do México, o Zócalo.


Vista do Zócalo, com a Catedral à esquerda e o Palácio Nacional no fundo.

Chegamos ao Zócalo com a sorte de ver uma exposição dos super coloridos Alebrijes, que são um tipo de artesanato mexicano feito com diferentes tipos de papel e pintados com cores alegres e vibrantes. Foi uma verdadeira festa para os olhos.

É claro que estes Alebrijes criados a Toddy são apenas para esta exposição anual aqui no Zócalo, normalmente eles são pequenos e você pode trazer alguns pra casa :)))




Era chegada a tão esperada visita, conhecer os Murais de Diego Rivera no Palácio Nacional, eu ainda tinha muito viva na memória as cenas do filme “Frida” onde ela levava almoço para o seu querido Pançon, enquanto ele passava o dia dependurado em andaimes colorindo as paredes do palácio com sua arte narrativa da história do México transbordando em uma profusão de cores.



Pátio interno do Palácio Nacional, você lembra da Frida Kahlo no fime entrando aqui para conversar com Diego Rivera?


Na escadaria do Palácio Diego Rivera pintou durante 6 anos (1929/1935) como um poema épico, a história do México


Na época o governo buscava redefinir a nação, e os murais de Diego ajudaram a criar uma nova identidade nacional.


A entrada de Hernán Cortez na antiga capital Asteca -Tenochtitlan

Frida Kahlo no detalhe do mural de Diego Rivera


Nos corredores toda a história das diversas civilizações pré-hispânicas descrita nos murais.
 

Saimos dali pensando naquele passado indigena varrido do mapa, com suas crenças e valores substituidos a força pela fé católica, a mesma sensação de quando entrei no templo do sol em Cuzco, que foi o principal templo inca, hoje um mosteiro dominicano.


Morrendo de fome pois já passava das 2h da tarde fomos conferir a dica do Renato Rizzo, de almoçar no Grand Hotel, que fica do outro lado da praça.


Todo em estilo Art Noveau, o hotel é lindo.

Outra cúpula Tyffani.


Você sobe e almoça no terraço, a comida não é o forte, o que vale é a vista privilegiada do Zócalo. Mas aqui vai uma dica: se você quiser escutar seus pensamentos sente bem longe dos músicos!!


Bom gente este post está longo demais,  no próximo vamos a Coyacan conhecer a casa azul, que foi a residência de Frida Kahlo.


Adios!!!