Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de fevereiro 2013

Rally e happy hour no deserto do Peru

28 de fevereiro de 2013 1

Uma das nossas maiores buscas nos roteiros especiais são experiências diferentes que possam injetar adrenalina ou inspirar emoções nas viagens de nossos grupos.

Uma das aventuras mais legais aconteceu no deserto de Paracas no Peru . Saímos à tardinha em camionetes 4×4 em direção ao coração do deserto. O famoso rally Paris / Dakar que agora acontece nesta região passou por aqui na edição de verão de 2013. Então já viu né? A gente se sentiu fazendo parte da corrida mais glamorosa das areias.

O famoso rally Paris / Dakar que agora acontece nesta região passou por aqui na edição de 2013.

Eram dunas muuuito altas e nossos motoristas aceleravam e faziam umas curvas bem radicais, uma dose de adrenalina na medida certa.

Depois de uma parada estratégica para ver o sol se por lindíssimo como só no deserto, seguimos em direção do leste, quando para a nossa surpresa a camionete da frente parou sobre a crista de uma duna e quando nos aproximamos tivemos a visão do que nos aguardava.

Alto astral contagiante

Até que deparamos com este acampamento nos esperando…. Um happy hour para equilibrar na medida aventura e boa culinária , num ambiente especial.

Champanhe, vinho, espetinhos, quitutes peruanos e música, o que poderámos pedir mais?

Deixo vocês aqui com umas imagens deste verdadeiro oásis no deserto – o Hotel Paracas!

Numa região pobre, quatro horas ao sul de Lima , nos hospedamos neste resort com muitas opções e conforto no maior bom gosto. Surpreendente e encantador. Só para lembrar que daqui saem os voos para visitar as linhas de Nazca e também barcos para conhecer as Ilhas Balestas, conforme já falamos aqui no blog no post:

http://www.encontroscomarte.com.br/blog/descobrindo-novos-caminhos-no-peru-nazca-e-islas-ballestas/

Se você gostou deste post e curte dicas de viagem, arte, restaurantes e afins, curta a nossa página Viajando com Arte no Facebook:

https://www.facebook.com/pages/Viajando-com-Arte/121374657937187

El Calafate : desvendando passeios e "roubadas"

22 de fevereiro de 2013 75

Muitas perguntas me surgiram quando planejava meu roteiro . Vou tentar facilitar a vida de quem tem vontade de desbravar a Patagônia e não tem para quem perguntar. Em primeiro lugar o voo de Buenos Aires até El Calafate dura em torno de 3 horas, Ushuaia outro destino patagônico bem conhecido fica mais ao sul. O Lago Argentino concentra grande parte dos passeios pela região, e ficando em El Calafate tem-se acesso a várias delas, outra opção seria dividir a estada com EL Chalten , onde muitas trilhas e acampamentos podem ser feitos ( são 250km ao norte de Calafate).

 

Quando ir:

O período de verão é o mais propício, a temporada começa em outubro e novembro é um dos meses mais procurados pela abundância de flores . Janeiro e fevereiro são mais ventosos, com rajadas e mudanças rápidas de tempo, março e abril são boas opções, mas a partir de abril muita coisa fecha e as opções diminuem!

Passeios

Glaciar Perito Moreno

O mais conhecido é também o mais interessante e imperdível . O glaciar situa-se às margens do Braço Rico do Lago Argentino com acesso por terra em estrada asfaltada a cerca de 1 hora do centro de Calafate. A paisagem é estonteante e completamente diferente de tudo que eu já tinha visto na vida. Por lá existem três possibilidades de atividades, experimentamos todas e eu não descartaria nenhuma.

Perito Moreno visto desde as passarelas

Barco – para navegar em frente a parede do glaciar e ter uma noção de sua grandiosidade bem de pertinho! São poucos minutos para se chegar a outra margem para iniciar a caminhada sobre o gelo. Pode-se optar por fazer somente a navegação.

Caminhada sobre o gelo – Combinada com a navegação aportamos no bosque que ladeia o glaciar , lá deixamos nosso pic-nic no parador e seguimos para a geleira . Colocamos os grampones nos tênis para iniciar a trilha sem sustos.

Caminha-se por uma neve compacta com variações de tons de azul , desde tons profundos até quase branco. As fendas formam pequenos lagos de água potável e muitas se alargam abrindo crateras muito profundas por onde a água do derretimento escorre.

A caminhada sobre o gelo paga-se à parte e custaU$ 100. Não é muito cansativo mas não aconselhável para quem tenha algum problema de joelhos pois os grampos tornam a caminhada demandante . Ao final o tradicional whisky com gelo milenar retirado com picareta. Seguimos até o parador para o almoço trazido na mochila, em Calafate todos os restaurantes preparam lanches para viagem , nossa pedida foi empanada de cebola e queijo com chocolate de sobremesa.

Passarelas – pode parecer meio redundante para quem caminhou sobre a geleira partir para ver o Perito Moreno de um mirante, mas me rendi ao ceticismo e admito , é lindo e muito diferente! São quatro quilômetros de passarelas muito bem projetadas e executadas, que oferecem uma visão quase aérea do glaciar. Um visual completo e acessível para qualquer idade ou preparo físico, inclusive cadeirante, pois é provida de rampas.

Daqui tivemos o privilégio de ver um grande despreendimento de parede , que segundo o experiente guia, Alexandro Capelli , se vê com sorte e paciência. Um espetáculo grandioso, quarenta metros de parede de gelo caindo na água com um estrondo profundo e formando uma onda eloquente ! Filmei e fotografei , mas nada captura a magia do momento.

Cerro Frias

Vinte quilômetros a oeste do centro de El Calafate a Estância Alicia deixou sua função principal e tornou-se um centro de atividades de aventura e sede do maravilhoso Hotel Eolo, sobre o qual vou falar num próximo post. Hoje é pequena para a criação de ovinos, com “apenas ” 4 mil hectares de terras, e o Cerro Frias na propriedade favorece o turismo.

Cavalgada – com belos exemplares equinos o visual é fora de série. O custo é de U$ 80 por duas horas de passeio acompanha por um peão da estância e mais algum integrante do staf, no caso Franco de 5 anos dando show de montaria

Tirolesa- No mesmo Cerro Frias a Tirolesa é longa e muito alta, sendo dividida em cinco etapas. Uma experiência cheia de adrenalina que agrada aos mais jovens e encanta com paisagens deslumbrantes do Lago Argentino e até de Torres del Paine na Patagônia chilena. O bom que neste dia estava uma única família fazendo a aventura , o que a torna mais exclusiva!

Estância Cristina

Esta é quase uma instituição local, no Braço Norte do Lago Argentino dentro do Parque Nacional. Foi uma estância desbravadora no início do século XX, comandada por uma família de ingleses que a partir de uma criação de ovelhas deixou um legado hoje explorado por uma empresa de turismo privada.

A navegação é um dos destaques do passeio, pois antes de atracar no pier da Estância Cristina navega-se pelo Canal Upsala que desemboca no Glaciar de mesmo nome. A visão é mais uma vez estarrecedora, ainda mais quedesde o início da navegação os icebergs azuis que se soltam das paredes preparam a paisagem que está por vir.

A visita a Estância Cristina por si só pode ser meio monótona para os mais ativos, são 2:30h de navegação e por lá não mais do que um almoço, pequenas caminhadas em torno do rio e a visitas ao museus e as instalações da antiga estância nos esperam.

Para quem tem preparo físico e um pouco de espírito de aventura , recomendo fazer o Wild Trek, uma trilha de 12km antes da Estância Cristina pela Península Herminita de onde pode-se avistar o Glaciar Upsala de um ângulo perfeito , além de descobrir a natureza local com acompanhamento de uma guia sem igual , Jimena Fresca (jfresca@gmail.com) .

Foi uma experiência ímpar , quatro horas de trilhas numa imensidão solitária , seguindo pegadas de cavalos selvagens e outros animais silvestres por entre escarpas e estepes que se sucedem em equilibrio . Ao final o cansaço se mistura a uma sensação de conquista! Avassalador como o céu patagônico.

Para quem gostou deste post , visite nosso site e descubra outros passeios em grupos especiais ou contrate uma assessoria particular para montar sua própria viagem :)

www.viajandocomarte.com.br

 

Amsterdam no inverno parte 2

19 de fevereiro de 2013 2

Desculpem ter ficado tanto tempo sem dar noticias, mas viagem é uma coisa doida e já falei aqui que o tempo em viagem tem outra dimensão, a gente faz tanta coisa, vê tanta coisa nova que parece que o tempo se multiplica.

 Eu prometi aqui uma dica de um restaurante em Amsterdam, e promessa é divida. Na verdade o lugar é mais um bistrozinho, muito aconchegante nestes dias gelados que tem feito aqui no hemisfério norte.

Quem descobriu o restaurante na verdade foi o Leonel Obino, dono do Leôncio, um restaurante na Vila Madalena onde se pode comer um dos melhores entrecots de São Paulo, mas isso é assunto pra outro post.

O nome do lugar é De Eetkramer uld  Joordan, e serve pratos divinos, foi dificil escolher no menu, a sugestão do dono, um cara muito simpático que por coincidência tinha recém voltado de uma temporada na Tailândia, foi o Filet de cordeiro com pequenas panquecas com molho de mel, e como acompanhamento repolhinho de bruxelas com pedacinhos de bacon torradinho, nooossa estava de comer ajoelhado,  o custo de 22 euros. Eram grandes as opções Paulinho pediu filet mignon com cogumelos e molho de barbecue, já o Marcelo pediu um entrecot com gorgonzola derretido por cima e tomatinhos cereja confit, por 20 euros.

Este é o filet de cordeiro hmmmmm

E estas maravilhas acompanhadas por um bom vinho Montalcino da Toscana, que eles colocaram no decantador para “acorda-lo”. Na verdade não sou nenhuma expert em vinhos nem em altas gastromias mas quem não gosta de comer bem?

Outra coisa que você não pode deixar de provar em Amsterdam é um tira gosto deliciososo que eles chamam de ” bitter ballen”, que são umas bolinhas fritas, mas nada gordurosas, elas tem uma crostinha crocante e são recheadas com carne temperada, muito tipicas e se você pedir um Gluhwein, que é um vinho quente, é o acompanhamento perfeito.

Nós escolhemos este pub bem simples que parece ser frequentado por locais ali do bairro do nosso hotel, e sério era muito antiguinho, parecia existir há 100 anos inclusive os garçons, mas as tais Bitter ballen eram maravilhosas!!

Bom gente e para encerrar com Amsterdã, uma última dica: Se você gosta de compras,  vai achar Amsterdã em janeiro o paraíso!! Todas, mas todas as  lojas estão com grandes liquidações, e mesmo com o euro tão valorizado frente ao nosso real ainda vale muito a pena, marcas boas, tênis, Crocs, Rip curl, etc, etc, dá para fazer a festa!!

 

Escapadas de Paris: Castelo de Chantilly

04 de fevereiro de 2013 13

Sempre que viajo para uma cidade grande por mais tempo tenho uma certa nostalgia de um lugar menor, de cidadezinhas pequenas . Foi com este espírito que numa tarde de domingo , já com um carro alugado, partimos para Chantilly. Vou colocar aqui algumas dicas de passeios perto de Paris, acho que são uma boa opção para quem passa mais tempo na cidade.

Na verdade esta pequena cidade nasceu em função do castelo da Família Condé, que eram reis nominais da França , dominando a política na época das Guerras Religiosas. A famosa rainha escocesa , Mary Stuart, que acabou decapitada pela prima Elisabeth I da Inglaterra , era também descendente desta mesma família. Eu já tinha visitado Chantilly numa tarde de verão quando cheguei sozinha e me deparei com um ambiente encantador quase vazio, na hora que a maioria dos visitantes já tinha ido embora. Desta vez a história foi diferente, mas a visita vale dividir o castelo com mais interessados , principalmente no inverno quando tudo é mais calmo.

Saindo de Paris , Chantilly fica na direção do Aeroporto Charles de Gaulle,  mais ou menos 45 minutos do centro da cidade. A cidade de Chantilly não tem nada demais , mas as cercanias são deliciosas, dando a impressão de termos saído para um interior mais distante de um grande centro. Senlis , 10km de Chantilly,  já é bem mais charmosinha, vale uma caminhada.

Chantilly foi palco de uma lenda muito interessante, que ficou conhecida pelo filme “O Banquete de Vatel”. O cozinheiro e mestre de cerimônias da família Condé,  teve a difícil incumbência de receber o rei  Luís XIV e toda sua comitiva numa recepção de vários dias no castelo de Chantilly, para celebrar a reconciliação do rei com o Grande Condé. Preparou uma festa irretocável, mas encomendou os peixes prediletos do rei que não chegaram até o momento do banquete, o banqueteiro em desespero se mata minutos antes de toda a encomenda chegar. O filme é um primor na reconstituição de época e tem Gerard Depardieu como protagonista. A históra não tem comprovação mas a lenda já está incorporada , tanto que o restaurante do castelo chama-se Vatel.

“À exceção do Petit Château, construído por volta de 1560 por Jean Bullant para Anne de Montmorency, o palácio foi destruído durante a Revolução Francesa e reconstruido na década de 1870, segundo planos do arquitecto Honoré Daumet, para o último filho do Rei Luís Filipe I, Henrique de Orleães, Duque d’Aumale (1822-1897), herdeiro do domínio de Chantilly, que aqui instalou as suas colecções de pintura, desenhos e livros antigos. Este proprietário viria a legar o conjunto ao Instituto de França, sob o nome de Museu Condé. No Petit Château, uma biblioteca abriga cerca quinhentos manuscritos e doze mil volumes, incluindo um exemplar da Bíblia de Gutenberg.” by Wikipedia.

O Castelo tem a segunda maior coleção de arte da França, muitas obras primas conhecidas de mestres como Rafael Sanzio e Ingres estão entre as obras apresentadas na pinacoteca.

O Castelo é muito conhecido pelo Museu Vivo do Cavalo, nas cocheiras pode-se encontrar vários exemplares vivos de espécies diversas de equinos, mas neste quesito vou ficar devendo maiores explicações, precisaria da ajuda de um conhecedor.

Chantilly também foi palco de uma casamento escandaloso que ainda está na memória de nós brasileiros, foi aqui que nosso Ronaldo Fenômeno teve um de seus muitos casamentos , com a modelo Daniela Ciccarelli, quase já esquecido de tão efêmero se mostrou. A pompa do local nos dá a dimensão da vida de celebridade do século XXI.

Se você gostou deste post e curte dicas de viagem, arte, restaurantes e afins, curta a nossa página Viajando com Arte no Facebook:

https://www.facebook.com/pages/Viajando-com-Arte/121374657937187