Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de maio 2013

Roteiro pela França e Pais Basco - parte I

30 de maio de 2013 4

Ilha de Ré

Depois de passar uns dias em Paris queríamos mais da França, e vocês hão de concordar comigo que a verdadeira alma francesa está nas suas Petits Villages, nos seus campos floridos, nas suas pequenas estradinhas de alamedas de Plátanos e Álamos. Nosso roteiro estava mais ou menos pré definido, mas eu não gosto de nada definitivo porque a gente sempre tem que estar aberta para o que vier.

Aqui o mapa de toda a nossa viagem que começou em La Rochelle, seguiu pela região da Aquitânia, sempre costeando o Atlântico até Bordeaux, Biarritz, Bilbao e na volta San Sebastian, Hondarríbia, San Jean de Luz e na última etapa desfrutamos a paisagem fantástica das montanhas nos Pirineus.

Pegamos o TGV em Paris (Gare Montparnasse) até a cidadezinha portuária de La Rochelle, que foi um importante porto na idade média e tem muitas estórias ligadas aos Cavaleiros Templários. La Rochelle é pequena e se pode conhece-la à pé, nos hospedamos bem pertinho da marina. Chegamos a tardinha e com as melhores recomendações do nosso amigo Maurice fomos jantar num excelente restaurante 4 Sergents, se você for até La Rochelle, não pode perder, tudo é muito bom, fait maison, uma expressão francesa que quer dizer como na sua casa, ou seja tudo fresco nada de industrializados.

Lanche no trem é alguma coisa que me traz  lembranças boas, então sempre antes de alguma viagem passo num mercadinho, me abasteço e voilá!! :) !

Estas eram as paisagens pelo caminho, uma França em plena primavera!

La Rochelle

Restaurante imperdível – 4 Sergents

Para quem vai a La Rochelle o passeio imperdível é conhecer a Ilha de Ré. Já faz algum tempo existe uma ponte que liga a ilha ao continente. A ilha é lindinha, com 2 ou 3 cidades pequeninas, muito verde, marinas com bons restaurantes e muitas ciclovias para se conhecer a ilha de bicicleta.
Nós infelizmente tivemos que fazer toda a ilha de carro pois fomos pegas por uma chuvarada, mas é um lugar lindo que vale a pena você ficar ao menos uma tarde passeando.

Ilha de Ré

Casas típicas da ilha. Foto: Wikipédia

Nosso próximo destino era a cidade de Bordeaux, eu já tinha estado aqui de passagem e de Bordeaux sabia muito pouco, seus vinhos antecedem a sua fama.

Na chegada me assustei um pouco com o trânsito mas uma cidade com rio é mais fácil de se localizar e rapidinho achamos nosso hotel que havíamos reservado na noite anterior pelo www.booking.com. Nosso hotel era ótimo super bem localizado chamava Hotel Des 4 Souers, com diária em torno de 100 euros para 2 pessoas.

Bordeaux é uma cidade universitária, movimentada e tem uma beira de rio muito bonita.

Tem as antigas portas da cidade murada, e o seu coração é o centro histórico.

O L’ Apollo é um dos pontos de encontro, sempre cheio.

Catedral Gótica de Bordeaux.

Bordeaux também tem as bicletas para alugar e a beira do rio é ótima para andar de bicicleta.

Uma rua cheia de opções de restaurantes e bares é a Rue des Bahutiers, no centro histórico, ali fica dificil de escolher, nós optamos por este ret/bar de origem Corsa (da Córsega) suuuper descolado com muitas escolhas de tapas, vinhos e cervejas.

Saimos pela manhã em direção ao Atlântico, queríamos ver o mar sentir o seu cheiro, pegamos a direção de Arcachon e lá perto (indiada mor) subimos para ver “a maior duna da Europa! Como já estávamos a tempo dentro do carro aproveitamos para esticar as pernas e conhecer a Dune du Pyla.

Dune du Pyla, conhecida como a maior duna da Europa…
Na verdade não é tudo isso, o que eu gostei foi que é uma região mais selvagem da França, onde se tem um contato mais próximo com a natureza, valeu a subida.

Já a praia de Arcachon foi entrar, dar umas voltas e sair, muito apertada, sem graça. E seguimos viagem até uma lugar que adoramos que foi Biscarrosse Plage.

O clima estava friozinho, mas apareceu um sol maravilhoso e a praia encheu, muitos surfando, jogando bola, passeando com os cachorros astral bom de feriado de 1 de maio.

Almoçamos em um lugar a beira mar super simpático e é claro que a pedida foi frutos do mar ,saladas e vinho rosê.

Mexilhões com molho roquefort

Daqui nosso próximo destino é a famosa e badalada praia de Biarritz, mas isto é assunto para o próximo post.


Vale dos Vinhedos, cores, aromas e sabores - por Cléo Milani

29 de maio de 2013 10

É outono e o sol dá o tom certo de luz e sombra. Nesses dias lindos um passeio na serra pela região do Vale dos Vinhedos é maravilhoso, há uma combinação de cores, aromas e sabores, os tons das folhas ficam avermelhados e lembram as paisagens européias. O Vale fica entre Bento Gonçalves, Garibaldi e Monte Belo do Sul e distante cerca de 120 Km de Porto Alegre.

 
 
 
Vinícola Valduga
 
Meu sangue italiano sempre fala alto quando passeio por esses lugares onde os descendentes de imigrantes italianos e pioneiros na vinicultura iniciaram a vida com muita dificuldade. Ao ver o trabalho de vinhateiros que se emocionam com a matéria-prima que a natureza oferece é encantador, de uma beleza pura.
São pequenas propriedades rurais que dividem o espaço com vinícolas renomadas. Há mais de 30 (Marco Luigi, Vallontano, Miolo, Alma Única, Milantino, Valduga, Dom Cândido etc), todas oferecem degustação, visitação e varejo. Nas visitas guiadas é possível conhecer o processo de elaboração do vinho, o cultivo das videiras, vinificação, engarrafamento e degustação. 
 
 
Varejo Marco Luigi 
 
 
Casarío antigo
 
 
Restaurante Mamma Gema
 
 
Vinícola Alma Única
 
 
 
Restaurante colonial
 
Tipicamente italiana a cozinha é conhecida pela fartura dos tradicionais rodízios. Polenta mole ou frita, sopa de capeletti in brodo, galeto ao primo canto, salada de radicci com bacon, pão colonial (experimente a Fortaia, omelete de queijo e salame, uma delícia) e claro um vinho tinto para acompanhar.
 
 
 Os caminhos são lindos e oferecem também antiquários, ateliers de artistas, artesanatos e produtos coloniais como biscoitos, geléias e o famoso suco de uva da região. 
  
 
 
Nos antiquários há preciosidades garimpadas na região.
 
 
 
 No atelier do artista Postal são encontradas obras que retratam o cotidiano colonial e sua técnica é de gravação com entalhes e pintura com cera quente.
 
 
Atelier do artista
 
 
 
 
Em cada comunidade pode-se ver uma pequena capela.
 
 
  
 
O chimarrão também está presente no Vale.
 
 
  
 
Paisagens de beleza única !
 
 
Ao fundo Vinícola Miolo
 
 
O  Spa do Vinho Caudalie oferece diversar terapias estéticas e corporais como banhos de imersão e massagens com produtos viníferos. 
 

 
A colheita da macela antes do sol nascer é tradicional na sexta-feira santa.
 
 
 
 
 
As crianças se divertem e algumas ficam encantadas até mesmo ao verem uma ovelha ou uma vaquinha pela primeira vez.
 
 
Açudes fazem parte da paisagem.
 
 
 
 
 Acompanhar o pôr do sol degustando um vinho é uma combinação perfeita.
 
 
 
 
Um passeio com sabor italiano, vale a pena fazer, eu recomendo.
 

Se você gostou deste post e curte dicas de viagem, arte, restaurantes e afins, curta a nossa página Viajando com Arte no Facebook:

https://www.facebook.com/pages/Viajando-com-Arte/121374657937187

  

Procurando um paraíso? - Mergulho nas Ilhas Similan, Tailândia

25 de maio de 2013 11

Chegando no aeroporto em Bangkok, meu coração batia mais rápido, primeira vez na Ásia, meus sentidos não queriam perder nenhum detalhe, eu já vira tantas fotos, tantos filmes, minha imaginação corria solta a respeito do que eu iria encontrar, um mundo totalmente novo, diferente. Me lembro de ter tido esta mesma sensação quando fui pela primeira vez à Rússia e agora mal podia acreditar que estava aqui.

O aeroporto de Bangkok é super moderno, futurista, uma mistura de vidro e aço com algumas ilhas verdes pelo meio, mal tivemos tempo de deixar nossas malas do já tão distante inverno europeu.

Em seguida já estávamos pegando outro vôo até Puket, onde depois de 1 hora já nos esperavam as vans que nos levariam até Khao lak.

Khao lak é uma praia que fica uns 100km ao norte de Puket e me lembrou um pouco as nossas praias ali de Santa Catarina, Ponta das Canas, Cachoeira do Bom Jesus, aquela avenida que passa por dentro cheia de restaurantes e lojinhas, mas a semelhança só vai até ai.

Dormimos nossa primeira noite em Khao Lak, esta praia que foi totalmente arrasada pelo Tsunami, mas muito pouco se nota dos estragos, já está praticamente tudo reconstruído. Saímos para jantar e sentir a Tailãndia pela primeira vez. Sentamos num pequeno restaurante qualquer, charmosinho, nada de especial, e só pra vocês terem uma idéia, cada um pediu um prato de comida típica Thai, uma delícia, mais 2 coqueteis de camarão de entrada, mais cerveja e Mojitos, tudo isto pela bagatela de R$12 reais por pessoa!!!!!! Convenhamos, é brincadeira!

No dia seguinte fomos na operadora de mergulho, Sea Dragon, escolher todo o equipamento necessário para o mergulho, roupas de borracha, nadadeiras, etc. Como só entraríamos o barco à noite tivemos a tarde livre e fui experimentar a famosa massagem tailandesa. Foi muito bom, ainda mais depois de uma noite inteira de avião, super relaxante, elas te dão umas calças largas e uma blusinha de algodão, nada de óleos, mas muita massagem, e o precinho…. perfeito.

Este é o nosso hotel em Khao lak, aqui a paisagem é muito exuberante, muito verde, flores, e a temperatura é perfeita, é claro que no auge do sol é muito calor, mas quando cai a noite a brisa noturna é agradavel, eu trouxe vários casaquinhos para usar á noite, totalmente inútil, pois é sempre gostoso, frio mesmo, só na Holanda.

Passamos o resto do dia na praia em Khao lak que nos brindou com este por do sol no mar.

À noite entramos no nosso barco onde iríamos ficar 4 dias mergulhando no paraíso que chama Ilhas Similan.

Saimos do porto em Khao lak em torno das 11h da noite e navegamos em direção as ilhas Similan, que ficam há mais ou menos 80km de distância da costa, toda a noite, eu não consegui dormir direito, estava muito ligada, e ouvi bem quando o movimento do barco cessou era em torno das 5:30 da manhã. O barco não tem nenhum luxo, mas tem tudo o que a gente precisa, nós éramos 20 pessoas e o barco tem 2 quartos com cama de casal e os outros são pequenas cabines com um beliche em cada uma, com um pequeno armario e ar condicionado, tem 2 banheiros comun, que estipulamos um feminino e outro masculino, funcionou perfeitamente.

Briefing antes de cada mergulho.

 

Nossos instrutores de mergulho eram todos ingleses, todos muito legais acostumados com pessoas em férias, sempre fazendo um clima bom, antes de cada mergulho eles passavam um “breafing” ou seja, davam instruções dos grupos, sempre 4 mergulhadores com um instrutor, falavam do que iriamos ver e como era o fundo domar, se tinha cavernas, arraias jamanta, etc.

Similan que vem da palavra malaya que quer dizer nove, pois é um arqupélago composto por nove ilhas, os tailandeses chamam de Ko kao (nove ilhas) está entre os melhores lugares do mundo para mergulhar, o máximo de profundidade que descemos foi 29m, e visibilidade de 25 a 30m no fundo do mar que é riquíssimo, corais coloridos, cardumes imensos que passam do lado da gente, é uma sensação única. Mas quero tranquilizar aqueles que não se animam a mergulhar com cilindro, que no nosso grupo teve várias pessoas que só fizeram snorkleling e viram quase tudo que nós vimos. E gente! A água é tépida, morna mesmo, eu a d o r e i !!!! acho até que poderia ter mergulhado sem roupa de borracha…

Praias desertas, paradisíacas em uma das ilhas Similan.

Preparando a bóia dos mergulhadores…. a comida no barco é ótima, comida tailandesa das melhores, muitos frutos do mar, o café da manhã é English, ovos, bacon, salsichas, reforçado mesmo, pois não é que esta brincadeira de ficar 1h embaixo da água abre um apetite!

Nesta ilha fizemos uma trilha para chegar no alto para assistir a uns dos por do sol mais bonitos que me lembro.

Rotina de acordar muito cedo pela manhã, média de 3 mergulhos por dia, foram 4 dias de intenso convivio com a natureza e com todas as espécies que vivem no oceano, vimos peixes que eu nem pensava pudessem existir de verdade, como o ” peixe papagaio” que é de um colorido inacreditável, cardumes de peixes azuissssssssss – Ilhas Similan incluam no seu roteiro.

Deixo vocês com uma das 1000 fotos de por do sol que tirei por lá.. é mais forte que eu cada vez que eu mirava o horizonte não resistia a tentação de registrar, meus parceiros de viagem dizem que já estou até ficando com os olhinhos puxados!!! : )

Próximo destino Krabi e Koh Phi Phi!!!

Sawadee Ka!!!!!

20 de maio de 2013 5
 

Primavera em Paris - Parte II

18 de maio de 2013 4

 

Por do sol visto da Pont des Arts

Se você não leu a primeira parte fica aqui o linck para você não ficar perdido:

http://wp.clicrbs.com.br/viajandocomarte/2013/05/13/primavera-em-paris-parte-i/

Pronto agora que você já sabe que ir para Paris no final de abril / inicio de maio é uma ótima opção, que tem mil coisas acontecendo e principalmente tem dias longos com temperaturas cada vez mais gostosas para curtir o seu dia.Vamos seguir no nosso giro por uma Paris nem tão conhecida assim.

Sábado amanheceu um dia glorioso e nós aproveitamos para fazer o que Paris tem de melhor que são suas ruas cheias de gente interessante. De onde eu estava, nas margens do Canal San Martin sai em direção a Praça da Bastilha no Boulevard Richard Lenoir  que tem uma feirinha de antiguidades aos sábados,  tem literalmente de tudo. Você pode conseguir coisas bem legais com preçinhos bem amigáveis.

Feira de antiguidades no Boulevard Richard Lenoir

Que tal esta loja hype no Boulevar Richard Lenoir, cujo nome é um trecho da música Hello, I love you, do The Doors?

 Nosso programa era ver a exposição do artista POP americano Keith Haring, que esta com uma enorme exposição retrospectiva no Museu de Arte moderna de Paris, que fica na beira do Sena ao lado de outro lugar dedicado a Arte moderna – O Palais de Tokio.
Como era meio longinho acabamos pegando o metro até perto e caminhamos o resto pela beira do rio.

Olhando aqui nesta foto o prédio que está à direita é o Museu e o prédio da esquerda é o Palais de Tokio, ambos merecem sua visita, o MAM, independente das exposições temporárias, tem um acervo muito bom, desde Picasso, Matisse, Delaunay, Dufy entre muitos outros. Vale uma visita.

Olha eu aí, toda feliz em ver esta expo retrospectiva que promete ser muito boa. Haring é oriundo da cultura do grafite nova iorquino, contemporâneo e amigo de artistas como Andy Wharol, Jean-Michel Basquiat, expressando nos seus desenhos conceitos engajados social e politicamente em temas como homofobia, guerra, nascimento e morte.

A alegria durou pouco, pois assim que subimos as escadarias e contornamos até a entrada, a fila era gigante e nós (totalmente pouca prática ) não tínhamos reservado as entradas préviamente pela internet, que é o que todo ser humano DEVE fazer para evitar estas roubadas.

Mas o que não tem remédio remediado está, então fica aqui a dica: Keith Haring – The Political Line . Até 18 de agôsto de 2013

 

Haring sempre foi um artista engajado.

Mas calma nem tudo estava perdido! Ainda tínhamos o Palais de Tokio. E fomos ver uma exposição sensacional do argentino Julio le Parc, é uma pena mas a expo se encerra agora dia 20 de maio. Então nem adianta ficar aqui deixando vocês com água na boca.

Um dos bairros que amo caminhar e sempre dar uma conferida em Paris é Saint Germain des Prés, e como estava friozinho demos uma parada no icônico Café de Flore, é mega turistico?? Simmmm, mas não adianta o Flore tem uma energia diferente, eu acho o máximo sentar lá e ficar imaginando os debates entre Sartre, Simone de Beauvoir, ahh se as mesas do Flore falassem, o café já foi frequentado por gente de todo tipo, desde Catherine Deneuve, Francis Bacon, Sharon Stone, etc, enfim, recomendo uma passada por lá, até porque se você é boêmio,  é um dos poucos lugares que fica aberto até tarde da noite.

Para dias frozinhos, nada como uma sopa de cebolas com vinho no Café de Flore.

Uma dica preciosa para quem vai a Paris: Compre o guia semanal Pariscope, custa 50 centavos e tem TODA a programação cultural da cidade – cinema, teatro, shows, exposições, espetáculos, tudinho, mesmo que você não domine o francês, não tem muito mistério eu prometo que você vai entender.

Guia Pariscope, para ficar sabendo tudo o que esta rolando na cidade.

E pela capa do Pariscope já dá para ter uma ideia do que eu fui conhecer em seguida né?

Outro lugar super legal que eu não conhecia – A Fundação Cartier, que fica no Boulevard Raspail, acho que o bairro é Montparnasse.

Fomos de bicicleta ( aqui abro um parênteses, para dizer que as bicicletas de aluguel – as chamadas VELIB , são uma maravilha, se você nunca tentou, juro, TEM que experimentar, tá bem se depois voce quiser me excomungar, mas tente, ao menos uma vez, Paris é das melhores cidades do mundo para se locomover em bici, é toda sinalizada, é plana, e tem a grande vantagem de você ficar vendo aquela cidade linda enquanto queima umas calorias do almoço!! :)  )

De bicicleta Velib por todos os lugares.

Lá fomos nós ver a espetacular exposição do australiano radicado em Londres, Ron Mueck, eu imagino que você já deve ter recebido alguma vez um pps com as obras incrívelmente reais deste artista. Ele faz esculturas hiper realistas, as vezes super dimensionadas de pessoas que parecem respirar.  Se você estiver indo a Paris até 29 de setembro, esta é uma expo absolutamente imperdível, e faça como eu – RESERVE antes ! :)

Fundação Cartier

 A foto não faz jus a obra de Mueck, as fotos estavam proibidas dentro da exposição, tirei esta através do vidro. Mas acredite minha sensação é que as figuras respiram, tamanho o realismo.

Olhem só para isso!
Ron Mueck. Photo courtesy Anthony d’Offay, Londres. Photo Thomas Salva / Lumento, 2013.

Na volta entramos no Jardim de Luxemburgo que fica nas proximidades, o dia estava lindo e os franceses feito formiguinhas que depois de um longo inverno emergem para o calor do sol.

Jardim de Luxemburgo

Diferente dos parques em Londres, são poucos lugares em Paris que você pode sentar na grama, quando é permitido a galera lota os espaços!

Que tal esta declaração em uma loja no Marais? :)

Fui em dois lugares que eu adorei e vou recomenda-los aqui, os dois são nas redondezas do Canal San Martin, onde fiz minha base, lugar que digo e repito, é ótimo para curtir uma Paris menos turistica com tudo de bom que a cidade oferece.

O primeiro chama-se Fuxia – L´Epicerie, um restaurante com ambiente e sobretudo comidas deliciosas, pende um pouco para a culinária italiana, preços bastante razoaveis, carta de vinho boa sem ser caro e a cereja do bolo: as sobremesas!

Beringela a Parmegiana

E olhem que espetáculo este é o Cafe Gourmand, por 7 euros você ganha mini Tiramisu, mini flan com frutas vermelhas, mini petit gateau, + um chocolatinho e o seu cafe óbvio… felicidade garantida!! :)

Um lugar astral para beber vinho bom e barato é o La Patache, em frente ao Fuxia

Outro lugar que eu adorei e que me lembrou muito (alô, alô portoalegrenses) o Sanduiche Voador, eu me senti de volta em meio a comidinhas orgânicas, feitas com carinho, tudo lá é ótimo, as proprietárias são 4 amigas que fazem tudo, a gente tem a impressão de estar entre amigos. O restaurante chama Sésame, tomei um suco de cenoura+laranja+gengibre dos deuses, depois passei para o vinho, não importa o que, pode ir que eu garanto que você não vai se arrepender.

Você pode também fazer um passeio de barco pelo Canal San Martin, ele tem diversas eclusas e volta e meia o trânsito para para os barcos passarem até o rio Sena.

Canal San Martin

Deixo vocês com um por do sol de primavera em Paris!

 


 



Endereços:

Fuxia – L´Epicerie -15, Rue Jean Poulmarch

Sésame – 51, Quai de Valmy

 


 

Fundação Cartier – 261, Boulevard Raspail

Museu de Arte Moderna de Paris – 11, Avenue du President Wilson


 

Se você gostou deste post , e quer saber mais dicas de viagens, exposições roteiros e cultura curta nossa página no Facebook:

https://www.facebook.com/pages/Viajando-com-Arte/121374657937187


 

Primavera em Paris - Parte I

13 de maio de 2013 5

Estive passando uns dias em Paris agora em maio, 5 dias na verdade. Você não imagina tudo o que dá para fazer em 5 dias! Eu já conheço Paris, então todos aqueles lugares obrigatórios estavam fora da lista e rendeu muuuito!

Tenho gostado muito de ficar na região do Canal San Martin, é uma região que atrai cada vez mais gente jovem, artistas, descolados em geral e acredite, não é mega turística, a gente pode até se sentir um local por uns dias.

Canal San Martin

Fiquei num Hotel/Hostel  uma combinação dos dois, tem quartos coletivos com banheiro compartilhado, mas tem suítes com banheiro privado, é muito simpático, WIFI free,café da manhã, ensolarado e super bem localizado, por 75 euros a diária.

Para você ver a “cara” do Hotel/Hostel Absolute.

Com esta vista da janela!! :)

Se você quiser conferir aqui vai o linck:  http://www.absolute-paris.com/

Cheguei em Paris num dia ensolarado de primavera, eles já estão com o horário de verão, então imagina você tem até as 10h da noite para desfrutar da luz do dia. Depois de instalada no Absolute, fomos dar uma caminhada nas margens do Canal San Martin, que estava cheia de gente fazendo piquenique, happy hour, o maior astral bom, depois de um longo inverno tudo o que eles querem é um pouco de sol e ar livre.

À tardinha as margens ficam apinhadas de gente que vem curtir o final de tarde e fazer um happy hour.

Pois para a gente curtir o melhor da cidade não precisa muito, basta caminhar, flanar, sentar num café e ficar observando a vida passar, desta maneira parei na frente do Chez Maurice e literalmente abri os trabalhos, aproveitei o calor de 26 graus para tomar vinho rose, que eu adoro, mais uma salada de salmão defumado com preçinho muito camarada 6,50 euros e pão francês, o que eu poderia pedir mais?

Chez Maurice

Não tô dizendo, para que mais?

Se você gosta de produtos orgânicos, comidinhas naturais, sucos, etc vai adorar o Sol Semilla, um lugarzinho transadinho que serve todo este tipo de coisa Bio, conversei com os donos e eles são super seletivos compram tudo diretamente do produtor.

Restaurante e armazém vegetariano, super recomendado!

Andando pelas ruas de Paris a gente descobre coisas incríveis que nem este barbeiro que vimos ali no Marais perto da Place des Vosges

 São poucos lugares ondevocê ainda vê este tipo de coisa…

Aquela região ali do Marais até o Museu George Pompidou tem muitas coisas para serem exploradas, você parte da Place des Voges e vai passando por muitas ruas interessantes como a Rua de Turenne, a Rua Montorgueil, e é claro passear na Rua Des Francs Bourgeois, cheia de lojas abertas aos domingos quando todo o resto em Paris fecha.

Place des Vosges

Inicio da Rue Des Francs Bourgeois

A Rue de Montorgueil é uma festa para os olhos, pois tem todas as especialidades de cozinha pra você escolher, peixarias, padarias, frutas, verduras, queijarias. A primavera é a estação dos arpargos e dos morangos, uma delicia!

Eu aproveitei para pedi-los pois são frescos e parecem uma manteiga!

Mas como Paris a gente não alimenta só a barriga, fui ver uma exposição maravilhosa do artista russo que viveu muitos anos na França – Marc Chagall – Entre a guerra e  paz , no Museu de Luxemburgo. A exposição é muito didática e completa, na verdade uma retospectiva enorme da obra do artista, para quem gosta de Chagall é imperdível e fica até 21 de julho de 2013.

Exposição de Chagall no Museu de Luxemburgo.

Quem não adora uma lojinha de museu?

A boa novidade é que agora tem uma Angelina na entrada do museu, então você já sabe , se a arte der muita fome corra para o Angelina na saida!

A tendência Vintage veio para ficar e o lugar preferido dos Bobôs da vez. Aqui pequena nota do tradutor Bobô ou Bourgeois Bohème, alguma coisa como burgueses boêmios , lançadores das últimas tendências.

Tudo isto pra te dar o endereço da Kiliwatch, que é o parque de diversões dos brechós  um lugar super charmoso e cheio de coisas legais novas e usadas.

Tá afim de roupas vintage? Seu lugar é aqui.

Aqui termina a Parte I, na próxima vou mostrar para vocês a impressionate expo do artista pop americano Keith Haring, mostrar uns restôs ótimos na area do Canal San Martin e falar deste lugar incrível que é o Palais de Tokio.

A bien Tot!!

Endereços:

Chez Maurice
26, Rue des Vinaigriers

Sol Semilla

23, Rue des Vinaigriers

Hotel Absolute

1, rue de la Fontaine au Roi

Kiliwatch

 64, Rue Tiquetonne

 

Se você gostou deste post , e quer saber mais dicas de viagens, exposições roteiros e cultura curta nossa página no Facebook:

https://www.facebook.com/pages/Viajando-com-Arte/121374657937187

Bogotá em dois dias

10 de maio de 2013 3

Sei que é presunção, sei que não sou a pessoa mais indicada para falar no destino onde passei somente dois dias , mas vou sim, me arriscar. O que ver em Bogotá em dois dias e quem sabe ainda acompanhar o Grêmio em seu jogo contra o Santa Fé semana que vem!

Santa Fé de Bogotá é uma cidade grande e com trânsito caótico , aliás , como quase todas as grandes cidades sul americanas que conheço. Capital da Colômbia ostenta o título de terceira capital mais alta do mundo , atrás apenas de La Paz e Quito. Por isto muita calma na chegada , sem exageros de nenhuma ordem, para não sentir muito os efeitos nocivos da altitude.

Em primeiro lugar tente uma opção de hospedagem na Zona Rosa, um bairro mais descolado em com boas opções de shopping centers, também mais perto do centro histórico. Recebi a indicação do Sofitel Victoria Regia como uma boa pedida. Não fiquei lá, mas adorei o Charleston Casa Medina , localizado numa casa meio colonial é puro charme , além de ser muito bem localizado.

Para começar bem o dia se der a sorte de pegar sol ainda melhor, porque Bogotá é meio chuvosa e normalmente bem “fresca”, subir ao Monserrate de funicular, para ter uma belo visual da cidade.

Aqui começa a Cordilheira dos Andes que abraça a cidade e se “derrete” ao sul. Duas lindas opções de restaurante para um café ou mesmo almoço ficam no monte: Santa Clara e San Izidro.

Logo abaixo fica o centro histórico de Bogotá , La Candelária. Não é muito grande e algumas ruas lembram outras cidades coloniais da América do Sul. Aqui encontramos o centro administrativo e os museus do Ouro e do mais famos pintor colombiano : Fernando Botero.

O Museu Botero divide com a cidade de Medellín os mais famosos trabalhos do pintor. Uma casa super simpática e bem conservada, uma museu pequeno e acolhedor. As releituras do artista , Monalisa e As Meninas são impagáveis, além do autoretrato ! Eu particularmente gosto muito das esculturas , que são expostas numa sala especial.

Saindo para a Praça Simon Bolívar , uma opção é experimentar o ajiaco , prato típico colombiano uma sopa com batatas , galinha, abacate e uma erva chamada guasca. Para pratos rápidos a arepa , uma panqueca de milho que pode ser recheada de vários sabores. Na praça a catedral , o palácio da justiça e outros prédios dão uma clima mais solene.

A principal atração de Bogotá, ou mesmo da Colômbia, é o Museu do Ouro, o prédio que mais parece um banco, abriga um tesouro das várias culturas indígenas que passarem por aqui. O país não foi palco dos povos mais conhecidos por nós como incas, maias ou aztecas. Os Muisca dominaram a montanhosa Bogotá e os Zenu se fixaram na costa de Cartagena, outros povos se espalharam pela região formando um mosaico fantástico de culturas!

O Museu do Ouro é um primor , inclusive em se falando em museologia. A apresentação dos objetos da gosto de se ver.

O primeiro dia está bem completo , e para jantar é imperioso ir ao Andrés D.C. Aqui faço a mea culpa , quando nos indicaram dizendo que era um restaurante de seis andares para comer carne , refuguei na hora! Imaginei uma churrascaria de luz branca e lotada de famílias felizes e barulhentas! Julgamento equivocado e preconceituoso!!! O restaurante é uma instituição nacional e tem sua matriz como um atelier de artes no distante bairro de Chia ,o Andrés Carne de Res perto da catedral de sal. Em Bogotá fica entre o Shopping Retiro e o Alpino, descolado , colorido , divertido e acima de tudo delicioso!

Só para dar o clima é dividido em inferno , purgatório, terra, paraíso e céu . Tem performances pelas escadas e um cardápio enorme onde a carne em trampo é uma pedida deliciosa depois de muitas entradas e uma espumante cerveja Club Colômbia. Apesar de acreditar que bons restaurantes tem cardápios enxutos porque não é possível oferecer produtos frescos quando a variedade de opções é muito grande , o caso do ANDRÉS parece ser uma exceção.

Para o segundo dia a pedida é a Catedral de Sal em Zipaquirá. Catedral católica subterrânea , construída nas antigas minas de sal desativadas, é um monumento totalmente inusitado . A Catedral atual foi começada em 1991, 60 m abaixo da Catedral antiga com projeto do arquiteto Roswell Garavito Pearl.

As galerias começam com a Via Crucis e segue até a parte mais profunda onde fica a cúpula da Catedral, nas últimas semanas foi colocado um fundo musical que nos faz quase levitar. Ao final um maravilhoso espelho d´água completa o encantamento.

Se a visita for pela manhã, já aproveitem para almoçar no original Andrés Carne de Res. Para perambular no fim da tarde sem medo , a Zona Rosa. A Colômbia está muito tranquila para o turismo , Bogotá bem policiada e até viagens por estradas , antigamente intransitáveis estão liberadas.

No próximo post voamos para o Caribe , para conhecer a famosa Cartagena das Índias.