Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de julho 2013

San Martin de los Andes - Amor antigo

28 de julho de 2013 19


Eu nem lembro bem em que ano conheci San Martin, mas seguramente faz muito tempo.


Chegando em San Martin

Para aqueles que não sabem, San Martin de los Andes é uma cidadezinha que fica na provincia de Neuquén, no sul da Argentina, há 158km de Bariloche. Com pouco mais de 24 mil habitantes, não dá pra se perder por lá.

E garanto para voces, não mudou muito, o que nos dias que correm é uma benção. San Martin não foi tomada por nenhuma febre imobiliária, nem muito menos foi fruto de modismos passageiros. Ela continua lá, linda, charmosa e com muitos moradores que escolheram uma vida mais tranquila, longe do estress das grandes cidades.

A cidade é banhada pelo Lago Lácar

Tenho muitas passagens em San Martin, e lembro que ficávamos contando que tinha mais bons restaurantes do que Porto Alegre, é claro que hoje isto mudou muito, mas a cidade ainda tem uma dezena de ótimos lugares que não ficam atrás de nenhum restaurante bom por aí, com uma diferença bem importante: os preços são pra lá de baratos e tem opções para todos os paladares.

É claro que San Martin não é só restaurantes, a razão maior de ir até lá é a nossa paixão pelo esqui.

Da cidadezinha até a base do Cerro Chapelco são uns 15km, você tem a opção de alugar um carro no aeroporto na chegada para fazer este trajeto, mas também pode contratar um seriço de tranfer diário, muitos hoteis oferecem este serviço.

O Cerro Chapelco tem pistas muito boas para o esporte e nos últimos tempos eles investiram em novos meios de elevação. Se você nunca tentou esquiar e pode, eu lhe dou um conselho: tente!!

O cenário na montanha é espetacular, e de muito lugares se avista o vulcão Lanin, que fica na fronteira entre Argentina e Chile.

 



No Cerro tem várias opções de restaurantes/bares, onde se come desde sanduiches até refeições completas como um delicioso bife de chorizo.

 

Meios de elevação novos substituiram as velhas cadeirinhas da pista dos italianos

É uma sensação incrível, e não tem idade , é claro que uma criança que não tem medo, vai aprender muito mais rápido, mas aqueles que já passaram da adolescência não precisam perder as esperanças, é possível sim!

Os 3 primeiros dias são duros, mas se você vencer este desafio, nunca mais vai querer parar, acredite!! Sem falar que uma estação de esqui tem um astral fantástico, gente bonita, música, bares e restaurantes legais, visuais incomparáveis, enfim, você precisa ao menos tentar, para me dizer que não conseguiu, combinado?

Eles tem uma infra estrutura muito boa para receber as crianças, meu filho esquiou pela primeira vez com 4 anos, neste caso as crianças ficam no jardim de neve, onde esquiam 1h pela manhã, e 1h  na parte da tarde, no restante do tempo, eles brincam, desenham, vêem filmes, fazem todo o tipo de atividade.

Paisagens incríveis com o Lanin ao fundo

Tem alguns lugares muito lindos em San Martin e arredores, vou dar aqui uma dica que pouca gente conhece, mas que vale muito a pena experimentar, pois fica no trajeto de subida entre a cidade e a montanha. Mais exatamente dentro do condominio Pahuén, e chama-se Wine bar, o lugar perfeito para fazer um pit stop na descida, ver o por do sol e simplesmente agradecer por poder estar lá. As fotos falam por si.

 

 

Você pode  tomar um vinho com algumas “picadas” (aperitivo) e apreciar o visual

Uma boa dica de restaurante na cidade é o imperdível La Tasca, um lugar tradicional de San Martim, onde você deve provar a truta ou o javali com molho de frutas del bosco, eu não tenho fotos pra mostrar e acabei de descobrir que eles não tem site na internet, então você vai ter que confiar em mim :) !

Outro lugar que recomento para jantar é o restaurante Doña Quela, que fica na rua principal de San Martin, advinhem?Avenida San Martin!

Este lugar é especial, começando pelo prédio que é de 1910 e abrigou o primeiro hotel de San Martin, decorado dentro do estilo de arquitetura patagônica, com muita madeira, objetos antigos que revivem a antiga glória do hotel.


Em San Martin a gente pode saborear vários tipos de trutas ou este salmão do Doña Quella tem um toque meio tailandês.

 

E para o café a tarde nada melhor do que o Tio Paco, com mil opções de tortas, croissants e demais pecados da gula.

No próximo post vou mostrar para vocês um passeio que fizemos ao Parque Lanin, que fica perto de San Martin. É o passeio ideal para aqueles dias que por alguma razão não deu para esquiar. Um lugar lindo demais. Olhem só:


Se você gostou deste post e curte dicas de viagem, arte, restaurantes e afins, curta a nossa página Viajando com Arte no Facebook:

https://www.facebook.com/pages/Viajando-com-Arte/121374657937187

Roteiro pelos Alpes da Alemanha e Áustria - de Innsbruck ao Lago Konstanz (parte II)

24 de julho de 2013 4

Innsbruck

Voltamos para a capital do Tirol por paisagens encantadoras. Innsbruck está localizada no vale do rio Inn e é cercada por montanhas altíssimas , o que lhe confere o estatus de excelente ponto de esportes de inverno, tendo abrigado duas Olimpíadas em 1964 e 76. Mas além do ambiente e do ar bucólico , a cidade busca a modernidade do século XXI com equipamentos de inverno projetados pela festejada arquiteta iraquiana/inglesa Zaha Hadid.

Um passeio lindo em qualquer estação é subir o teleférico Nordkette, uma sensação incrível , visual estarrecedor e ainda a possibilidade de descer a pé ou de bicicleta para uma aventura mais radical.

 

Para um passeio mais tranquilo sugiro subir , de carro , até Igls e passear, ou mesmo se hospedar, nas cercanias de Innsbruck . Qualidade de vida , arquitetura típica e montanhas deslumbrantes , tudo com a vista da cidade. Na subida , uma visão especial da pista de esqui , também projeto de Zaha Hadid.

Lindau

Seguindo em direção a fronteira com a Suíça a estrada fica mais impactante , com montanhas mais altas e por incrível que pareça , paisagens ainda mais lindas. Paramos, meio por acaso, num vilarejo para abastecer e comer alguma coisa e vejam o que encontramos , um canion onde acabamos fazendo uma belíssima trilha .

Para quem já andou pelo blog sabe de minha fascinação por cachoeiras. Pois foi só ouvir o barulho da água e sair em busca. Só para sentir o clima , a cidade era tão pequena que nem estacionamento para o início da trilha havia, deixamos o carro em uma casa , por gentileza dos donos. Na entrada do canion , uma gurizada escalava as paredes , ahhh meus vinte anos!

 

O Mas nós não nos michamos , seguimos a trilha até o topo e o visual foi compensador, além do cheiro deliciosos da natureza.

 

 O vilarejo chama-se Schnann e o Canion Schnanner Klamm, fica no caminho entre Innsbruck e a Suíça.

Seguimos pela famosa Estação de Esqui de Sankt Anton am Arlberg, que estava repleta de motoqueiros curtindo a estrada de muitas curvas, até entrarmos na região de clima mais ameno , os balneários lacustres de Konstanz.

Um lago enorme que divide o território da Alemanha, Áustria e Suíça , pelos alemães é chamado de Bodensee. Optamos pela hospedagem na Ilha de Lindau , onde chegamos num final de domingo. Importante ter reservas no verão , é muito procurada e bomba mesmo!

Lindau -site divulgação

Torre da Rapunzel em Lindau , com a trança e tudo! Amei

Aqui é imprescindível alugar uma bicicleta , todo mundo passeia e as descobertas são maravilhosas, Detalhe , os aluguéis são muito baratos , EU$ 10 ou 12 por dia e só precisa um documento de comprovação (pode ser até carteira de motorista brasileira).

 

A viagem foi regada a muito vinho rosé , pois esta região dos lagos é grande produtora de vinhos, principalmente ao redor da cidade de Meersburg, o que já confere um charme especial as estradas. Além de muita apfelstrudel.

As flores são um capítulo à parte , sempre perfeitas e repletas de botões! Queria saber o segredo das roseiras com flores em profusão.

O roteiro completo durou 7 dias , foi estudado com carinho mas curtido sem pressa e sem compromisso, a não ser com com a busca de experiências de bem viver!

Roteiro pelos Alpes da Alemanha e Áustria - Tirol e Bavária (parte I)

22 de julho de 2013 15

Para quem gosta de viajar de carro e evitar as filas e tempo perdido em aeroportos , sugiro um roteiro que acabamos de fazer aproveitando o verão europeu. Saindo de Salzburg , entrando na Alemanha para curtir o sul da Estrada Romântica e chegando até o Lago Konstanz .Com isto exploramos  Bavária e Tirol , os Alpes que dividem os territórios de Áustria e Alemanha com paisagens incríveis e uma organização invejável! Se falam inglês, nem todo mundo , mas tudo funciona tão bem que nem precisa falar muito!

Foi uma viagem linda e tranquila, alugamos um carro mas só para grandes percursos, pois todos os passeios pelas cidades e proximidades fizemos em bicicleta. A estrutura para passeios ciclísticos é perfeita em todos os lugares por onde andamos. Sem muitos desvios foram 529km , mas claro que sempre entramos em cidades pequenas e acabamos aumentando bastante o percurso , o que vale cada quilômetro rodado.

Passeando em Füssen

Salzburg

Uma cidade concentrada , onde todas as principais atrações estão no centro histórico a poucos passos de distância umas das outras. Aqui começamos nossa saga ciclística com um passeio pelos arredores , o que significa menos de cinco quilômetros de distância do centro para estar em meio as montanhas e clima de interior. Fomos em direção a Elisabethbühne, seguindo pela beira do rio e depois até o sopé das montanhas.

Salzburg é dominada pela Fortaleza de Hohensalzburg e pelo charme da Getreidegasse, a rua principal da cidade antiga.  Mas me chamou atenção pelas novidades em termos gastronômicos e artísticos . O restaurante do Hotel Blaue Gans é um achado (assim como o hotel) , uma culinária inspirada nos pratos tradicionais austríacos ,é inovadora e super saborosa . Tão bom que repetimos a dose nos dois dias que por ali ficamos, algo inédito na minha trajetória. Uma sopa de tomates doce e branca , sem nada de acidez , vai ficar na minha memória para sempre!

Aqui esta o Blaue Gans, bem no coração da Getreidegasse

A outra super dica é o Museu der Modern , MDM, desde o projeto até a exposição de Alex Katz que vimos por lá, é show! Para subir o elevador corta a montanha e descortina toda a cidade. Tem ainda um restaurante super transado que oferece uma das mais belas vistas da cidade , imperdível.

MdM vislumbra Salzburg

Obras de Alex Katz

Bad Tölz

Optamos por parar em alguma cidade bem pequena e até desconhecida depois de Salzburg, aqui não tínhamos reserva e achamos bom desbravar um pouco. Passamos por Oberammergau que é famosa pelos entalhes em madeira e pela encenação da Paixão de Cristo a cada dez anos.

Oberammergau

Mas não era isto que buscávamos , queríamos algo mais genuíno e Bad Tölz caiu como uma luva . Conhecida como estação de águas termais , que os alemães adoram , mantém um clima amigável e ao mesmo tempo tem uma vida própria com turismo interno.

Cortada por um rio de águas cristalinas , aqui tivemos nosso jantar mais elaborado e de custo mais baixo de toda a viagem €45,00 para duas pessoas com entradas , pratos e vinho! Na Landgastoh Einbachmühle , que também funciona como hotel, fomos atendidos pelo dono que traduziu o cardápio(todo em alemão) e nos tratou como reis. Descobrimos uma culinária alemã moderna e leve, um achado.  Viajar pelo interior é muito mais barato e pode reservar muitas surpresas para quem esta aberto a se aventurar.

Landgastoh Einbachmühle

Füssen

Conhecida mundialmente por estar no final da Estrada Romântica e por abrigar o Castelo de Ludwig II , o Neuschwanstein, Füssen é um doce de cidade. Localizada às margens do Forggensee, cinco quilômetros ao norte da fronteira austríaca é um lugar de descanso, belas paisagens para velejar e boas trilhas  de caminhadas.

Forggensee

Aqui, onde os músicos divertidos circulam, nos Biergärten (jardins da cerveja) e tabernas rústicas as Masskrüger (canecas de cerveja de um litro) estão sobre as mesas a noite demora a cair no verão.

Meninas na primavera , escultura de rua

Para visitar o Neuschwanstein aconselho fazer reserva no site (http://www.neuschwanstein.de/englisch/tourist/index.htm) , e chegar em ponto na hora marcada. É uma caminhada e tanto até a entrada do castelo , mas o visual e a decoração do interior, baseada na óperas de Wagner e na mente louca e rocambolesca de Ludwig , são imperdíveis. Um detalhe é que Ludwig foi noivo da irmã da Imperatriz Sissi e morreu afogado junto com seu psiquiatra , o que até hoje gera controvérsias.

 

Vista desde o Castelo

Caminhando mais um pouquinho depois do castelo,  tem-se este encontro com a natureza

Em seguida posto a parte II , de Füssen até Lindau. Fiquem ligados.

Tailândia -Trilha e visual em Krabi

20 de julho de 2013 1

Se você for a Krabi e esta em forma de verdade, não pode perder esta trilha, que sai do paredão atrás do Resort Rayavadee, na praia de Phranag.

Saímos em torno das 3 e meia da tarde, eu sei, no auge do calor, mas não dá para arriscar pegar noite pelo caminho pois se com luz já é difícil, sem luz pode esquecer que você vai pernoitar na floresta. Mas o caminho é quase totalmente na sombra, leve água, pois a subida é puxada.

O primeiro estágio da trilha é tranquilo e quem aguenta uma subida forte pode encarar numa boa, até o lugar chamado de “view point” onde se tem uma vista privilegiada das praias de Krabi.

 

Esta é a vista do ponto intermediário da trilha, dá para ver um pedacinho da praia de baixo (leste) e a Baia de Railay lá na frente (oeste).

 

Depois deste ponto a subida vai ficando mais complicada, pois a gente tem que subir uns paredões de 6 metros apoiando os pés nos buracos que vai encontrando pelo caminho, e tem só uma corda do lado para se apoiar, tipo rapel, sim porque tem subidas e descidas para chegar ao topo onde tem uma lagoa.

Alguém comentou que a paisagem parecia cenário do filme Jurassic Park, e realmente as árvores lá em cima são gigantes, as samambaias, a natureza é exuberante, a impressão é que  a gente vai ser sugado pela floresta.

E depois de várias etapas a gente chega no topo onde tem esta lagoa que junta água da chuva, como estamos na estação seca ela estava com pouca água, mas aqui em cima parece mesmo a cratera de um vulcão.

Mais umas subidas e descidas e chegamos de volta no View point. 

 

Um esporte bem popular e praticado aqui nesta parte da Tailândia é o Rock climbing, alpinismo, já que a formação das rochas facilita muito, cheias de reentrâncias favorece a gente poder ir subindo e se segurando nas pedras, a gurizada do nosso grupo fez uma iniciação com um professor, passaram a tarde em um paredão para iniciantes, mas subiram mais de 20m, adoraram, tanto que repetiram a aventura em Chiang Mai, no norte da Tailândia.

Depois de quase 3h de trilhas chegamos na praia e tanto esforço mereceu mais um daqueles por do sol maravilhosos.

 

 

E na volta para o nosso hotel a natureza nos brindou com esta lua cheia nascendo na praia do lado leste! Gente, isso é a Tailândia!!!

Sawadee ka!!

Tailândia , praias de sonho em Krabi

17 de julho de 2013 9

Sawadee ka!

Fiquei uns bons 5 minutos olhando para a tela do computador em branco pensando de que maneira eu poderia descrever Krabi para vocês com a maior fidelidade possível, a verdade é que achei Krabi um lugar perfeito  e sei que é lugar comum, mas gente, é um paraíso.

A natureza é tudo aqui, para aproveitar este lugar com tudo que ele oferece,  é importante estar atento a tudo o que te cerca, o mar, a vegetação, os penhascos que adrentam o oceano verde, azul, transparente, já é mais do que suficiente pra fazer desta uma das melhores viagens da sua vida.

Nosso hotel ficava na Baia de Railay que é como um ístmo, uma ponta estreita que tem praia dos dois lados, no oeste e no leste, a praia do lado oeste é a mais bonita, onde o sol se põe, no lado leste onde sempre sopra uma brisa, mas não é tão bonita, pois é uma praia de mangue.

No primeiro dia saimos de barco para fazer um reconhecimento das ilhas aqui perto, para escolher alguma para voltar para passar o dia depois, mas foi dificil escolha pois é uma mais linda que a outra.

Nossa praia vista do barco.

 

Este é o barco que leva a gente pra todos os passeios, para as ilhas mais próximas, para mergulhar, você vai ver dezenas deles, todos com fitas coloridas na frente para afastar os maus espiritos.

Esta é a Chicken Island ou a Ilha da galinha, se você tiver uma boa imaginação pode ver uma cabeça de galinha naquela formação rochosa.

Paramos por ali para fazer snorkeling, e tinha muuuitos peixes e corais, você não precisa trazer máscara e nadadeiras, tem tudo para alugar aqui e custa em torno de R$8 reais por dia.

 

Uma  caipirinha tailandesa de qualquer maneira sempre cai bem. 

 

Melhor ainda se acompanhado de camarões gigantes com um molho suave de curry. 

Uma outra boa opção é alugar um caiaque para andar pelas praias vizinhas, é muito bom , a gente passa por dentro de algumas cavernas e quando o calor aperta é só dar um mergulho, pois subir de volta é bem fácil. Negociamos o aluguel  por mais ou menos R$ 10 reais a hora ou R$ 35 reais por 4 horas.

 

 

  

Esta que é a praia do leste, praia de Nammao ou dos manguezais, e é o caminho para a praia de Phranang, lugar para ver o mais lindo por do sol.

Para chegar na praia a gente passa por este paredão cheio de grutas e estalactites gigantes e ….. muitos macacos.

 

Na praia esta tailandesa super simpática vende milho doce assado, uma delicia!

 

 

E depois desta caminhada de uns 1o minutos chega-se em Phranag, uma das praias do hotel Rayavadee Já vi que este post está longo e não consegui mostrar nem metade das coisas legais daqui, e aqui já é tarde, então me despeço por hoje . Aguardem o próximo onde vou falar para vocês de uma trilha punk que fizemos aqui montanha acima, muita adrenalina.

 

 

Me despeço com outra imagem de por do sol, só para não quebrar a tradição!

Até breve,  Sawadee!!!

 

 

 

 

 

Roteiro "Tailândia com Arte" - Novembro 2013

15 de julho de 2013 0


 

Copenhague, não tem como não se apaixonar à primeira vista

05 de julho de 2013 3

Conhecer um novo país sempre desperta em mim uma curiosidade gostosa , misturada com uma certa preguiça, porque atire a primeira pedra quem tem toda a disposição para desvendar mapas e direções em um local totalmente desconhecido. Pois Copenhague me arrebatou desde o primeiro momento , chegando numa sexta-feira a tardinha a cidade era tranqüila , sem engarrafamentos e com um ambiente cálido.

 

Descobri logo que tudo se devia ao  “hygge”, arte dinamarquesa do bem viver, traduzida num jeito simples e acolhedor , que valoriza as relações interpessoais e a luz. Isto mesmo, a valorização da luz em suas três formas: natural , artificial e viva , ou seja a luz de velas ou do fogo em lareiras e fogueiras é uma constante em qualquer lar ou bar da Dinamarca. 

 

 

Só por aí já começamos bem, mas a conquista não se esgotou rápido ,  o famoso design e a arquitetura são um colosso! Definidas pela busca de um equilíbrio perfeito entre forma e função , a simplicidade e a utilidade prevalecem sobre a beleza , que não é um fim em si,  em teoria!

 

Jacobsen

Na prática a beleza é incrível, em formas simples e limpas , abrem sempre muito espaço para , novamente , a luz, sempre uma preocupação num país castigado pelo clima e pelas nuvens que frequentemente escondem a luz do sol.

 

Copenhague é fácil e plana , um convite para descobri-la em duas rodas. Muitos castelos pontuam a cidade , mas foi a arquitetura moderna e contemporânea que roubou meu olhar. Olhem que eu sou uma apaixonada pela aquitetura histórica , mas aqui não tem como ficar indiferente ao que de mais novo se produz.

 

Para completar este mergulho na arquitetura contemporânea , vimos no DAC ( Dansk Arkitektur Center) uma exposição de Zaha Hadid , a iraquiana-inglesa star da arquitetura mundial , primeira mulher a receber o maior prêmio da arquitetura mundial , o Pritzker, o Nobel desta área.

 

Um museu pequeno , quase um estúdio onde se pode sentir o ritmo do trabalho na mão do artista, as maquetes, , as idéias se formando. Além da localização , tudo de bom com um café e um restaurante super charmosos.

O Noma, melhor restaurante do mundo por vários anos seguidos,  fica bem pertinho. Pena que não conseguimos reserva, somente com seis meses de antecedência.

 

Almoçamos no restaurante do Teatro , do outro lado do canal . Sem reparos , uma escolha perfeita tanto pelo visual, de frente para a Ópera ,  quanto pela delícias dos pedidos. Um dia memorável e ainda muitas promessas para descobrir pela cidade.


Este foi somente um aperitivo, na volta prometo contar muito mais!