Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de agosto 2014

Exposição fotos "India Inspirations"

14 de agosto de 2014 0

Nosso olhar sobre a Índia gerou esta exposição de fotos que ficará aberta a visitação no Pátio Ivo Rizzo em Porto Alegre até novembro ! Passem por lá e nos mandem suas impressões.

painel1india painel2india

painel 3india

10547430_508013322667107_8241861030076295324_n

10603403_691286867606618_722885088347388886_n

10523868_844802488864241_2532615027730734477_n

WebIndia_save

Kefallonia, o lado mais selvagem da Grécia - Parte I

09 de agosto de 2014 12

Você provavelmente nunca ouviu falar em Kefallonia, mas talvez já tenha visto imagens deste lugar paradisíaco, pois foi o set de filmagens do filme Capitão Corelli, com Nicolas Cage e Penélope Cruz, que se passa durante a Segunda Guerra mundial.

 Há 3 anos atrás eu conheci Corfu, (http://wp.clicrbs.com.br/viajandocomarte/2010/05/26/corfu-um-pedacinho-do-paraiso/)que também é uma ilha Jônica, só para você se situar as ilhas Jônicas são aquele grupo de ilhas que ficam à esquerda no mapa, entre a Grécia e a Itália, e foi paixão à primeira vista.Não é a toa que Onassis escolheu uma entre estas ilhas para ser sua propriedade, a Ilha de Skorpio é aqui. Amei a simplicidade, a beleza, e principalmente por ser uma ilha mais verde, florida e sem quase turistas. Decidi que iria conhecer cada uma destas ilhas, e este ano voltei, agora para conhecer Kefallonia.

As ilhas Jônicas são menos exploradas turisticamente e se você gosta de grandes restaurantes, resorts luxuosos então é melhor rumar para o grupo de ilhas do mar Egeu que ficam do lado direito do mapa, como Santorini, Mikonos, Ios, etc.

Kefallonia é a maior das ilhas Jônicas e a mais agreste, para mim é o verdadeiro paraíso, fica a menos de 1h de vôo de Atenas, e tem praias cinematográficas com pouca gente, estrutura boa, pois as mais bonitas tem sempre algum barzinho/restaurante e cadeiras e guarda sol para alugar, ou seja, alegria garantida, pois sempre vai ter um polvo grelhado e um vinho ou uma Mythos (cerveja) gelada.

Fiz umas pesquisas valiosas na internet antes de reservar meu hotel e acabei reservando através da www.booking.com um hotel muito bom, e o que melhor bem localizado, pois fica perto de Sami ( lugar onde filmaram Capitão Corelli) que é mais para o norte da ilha onde estão as praias e os portinho mais legais.

O Hotel é o Ionian Emerald Resort que fica em Karavonmylos, um ponto bem estratético para ir a todos os lugares.

A praia mais linda e famosa de Kefallonia é a Mirtos beach, e  depois de passar o portinho de Agia Efimia que é de onde tirei esta foto, fica mais uns 8 km e a gente chega lá

Estas mini capelinhas tem por todas as ilhas, e são miniaturas das igrejas ortodoxas gregas, algumas marcam lugar de acidentes, outras são pura devoção religiosa.

Então devagarinho a gente vai tendo a vista do alto da praia de Mirtos….

 

E notem, a quantidade de gente na praia, nesta que foi apontada pelo Lonely Planet como uma das 10 praias mais bonitas da Europa. Além da beleza de tirar o fôlego, foi isso que me encantou em Kefallonia, esta sensação de “privacidade”, de entrar num tunel do tempo, onde nem todos os lugares eram lotados de turistas, onde se chega num restaurantezinho na beira de um penhasco com apenas uma parreira de cobertura, atendido por uma família e que eles te servem o peixe pescado no dia, mais ou menos como Taormina é retratada naquele filme imensidão azul, lembram? 

Vinho local

IMG_4468

Saindo de Mirtos em direção ao norte a gente passa por vários lugarejos, numa estradinha que vai sempre costeando o mar, fomos até Fiscardo, um portinho lindo de onde sai o ferry que vai a Ithaca, a famosa ilha do lendário Ulisses, protagonista do clássico de Homero, a Odisséia e também a outra jóia das ilhas Jônicas, Lefkada.

Como este post já se alongou dividi ele em duas partes, aguardem pela continuação!!

 

Serra de Lousã: um pedacinho de Portugal que parou na Idade Média

06 de agosto de 2014 2

Um delicioso relato do Felipe Sant’Ana Pereira, um grande viajante e descobridor recantos pelos 4 cantos do mundo que vai colaborar com o Viajando com Arte de agora em diante

Bastam alguns segundos vagando por uma ruela local para que se perceba que, nas Aldeias de Xisto, os segundos duram mais do que o normal. A neblina teimosa, a abundância da rocha escura que os portugueses chamam de xisto, e a lentidão do caminhar dos habitantes conferem à região um ar pesado – mas nem por isso desconfortante. Pelo contrário: é como se esse peso ancorasse os vilarejos ao leito do rio do tempo, e os impedisse de seguir o fluxo da história.

Foto 1

O entardecer colorindo a aldeia de Candal

Localizada a cerca de 40 quilômetros de Coimbra, a Serra de Lousã é o pit-stop perfeito para uma viagem de carro. Ao longo das encostas, e debruçadas sobre o vale profundo, enfileiram-se doze aldeias, cada uma povoada por poucas dezenas de casas. Em nenhuma delas há mais de meia dúzia de ruas (todas de paralelepípedo ou barro). Carros não se adequam à fauna local. Passeando por lá, o mais provável é que, além dos bois e das hortas, você só tope com serenos artesãos, agricultores e outros tipos que insistem em não emigrar rumo à modernidade.

Foto 2

Pedro, dono de um (talvez o único) bar da aldeia de Talasnal

A acomodação mais luxuosa da serra é o Palácio da Lousã Boutique Hotel (4 estrelas), que dispõe de belos jardins e é tombado como um Patrimônio da Humanidade. No entanto, a experiência ganha autenticidade quando se fica hospedado em algum dos chalés que em nada diferem das residências de nativos.

 

Foto 3

O quintal do Palácio da Lousã, ©Palácio da Lousã

O Cerdeira Village, na vila de mesmo nome, oferece acomodação em casinhas de xisto de 2 andares, aquecimento elétrico e, para os mais nostálgicos, fogão a lenha. A partir delas, pode-se desfrutar da piscina natural localizada na aldeia, cuja água vem de um riacho. Ainda nesse vilarejo, moram alguns artesão e botânicos que saudosamente abrem suas portas para visitantes. Um exemplo é Antônio Carlos, que cultiva e vende plantas aromáticas e medicinais na casa de número 31. Outro é a alemã Kerstin Thomas, que esculpe lindos calendários com iconografia própria, em madeira de castanho, na casa 23.

 

Foto 4

Um dos calendários de Kirsten Thomas, ©Kirsten Thomas

A Casa de Urze é a melhor opção para se hospedar na adeia de Talasnal, provavelmente a mais pitoresca de todas. Com interior de madeira e pedra, acomoda bem um casal, em um quarto duplo ladeado por uma sala de refeições e outra de estar. O restaurante vizinho é uma boa pedida: não deixe de experimentar a típica carne de javali, nem o licor de bolota (a fruta da castanheira), cuja doçura agradável lembra a Amarula. Além desse restaurante, vale conferir o Casa Ti’Augusta, na aldeia de Figueira, e o Pátio do Xisto, na aldeia de Gondramaz. Ambos oferecem um cabrito assado que deixa qualquer um babando, e uma vista do vale que tem o mesmo efeito.

Foto 5

A sala de jantar da Casa de Urze, ©Casa de Urze

 

Os programas mais populares entre os visitantes são a pedalada pela trilha que percorre todas as doze aldeias (e que conta com incontáveis subidas e descidas!), o passeio até as praias fluviais na região da Ribeira da Alge, a 20 minutos da aldeia de Casal de São Simão, e a degustação de licores tradicionais. O Castelo de Lousã, ainda que icônico, não faz frente àquilo que se vê em outras cidades europeias, ou até mesmo às construções monumentais de Sintra, perto de Lisboa. Para os mais aventureiros, vale a pena perguntar na recepção de qualquer hospedaria sobre passeios de cavalo, mountain bike, rafting ou parapente, para que se aproveite os declives do terreno com um pouco mais de adrenalina.

 

Foto 6

O nome mais do que adequado de um dos únicos bares de Talasnal

A Serra de Lousã fica a 2 horas do Aeroporto Internacional do Porto, e 2 horas e meia do Aeroporto Internacional de Lisboa. A melhor época para visitar é a primavera, com seu clima ameno, cores deslumbrantes e lotação tranquila. Não esqueça de levar roupas quentes: as temperaturas despencam depois do entardecer. E pode esquecer de levar o relógio: quando chegar lá, você não vai mais querer ver o tempo passar.

 

Para quem gostou deste post , visite nosso site e descubra outros passeios ou contrate uma assessoria particular para montar sua própria viagem :)

https://www.viajandocomarte.com.br