Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

A casa azul - A perfeita tradução da vida e obra de Frida Kahlo

15 de dezembro de 2014 4

Seguindo nossa programação na Cidade do México, no dia seguinte fomos visitar a mística  La casa azul em Coyoacán, na época uma pequena cidade nos arredores da Cidade do México e hoje um distrito.

 Na Casa Azul nasceu Frida Kahlo, em 6 de julho de 1907, uma das mais renomadas e talentosas artistas latino americanas,uma curiosidade sobre Frida é que ela sempre declarava que nascera em 1910, o ano de revolução mexicana e sobre isto ela dizia:

“Nasci com a Revolução. É preciso pensar nisso. Foi nesse fogo que eu nasci, levada pelo impulso da revolta até o momento de vir ao mundo… Tive essa sorte: 1910 é a minha data.”

Coyoacán, um bairro hoje já incorporado a grande cidade, mais parece mais uma cidadezinha do interior, aqui o trânsito intenso dá uma trégua, a gente consegue ouvir os passáros, ver muitas árvores e devagarinho começamos a ser indelevelmente envolvidos pela aura de Frida Kahlo.

Já nos muros que cercam a propriedade  vemos as cores das telas de Frida e do artesanato mexicano.

Na entrada referências ao grande amor da vida da artista – Diego Rivera.

La Casa Azul foi o lugar onde Frida Kahlo veio ao mundo, viveu, e deu o seu último suspiro. O prédio que data de 1904, não era uma construção enorme. Hoje a área construida é de 800m2 em uma área de 1200 m2. Diego and Frida encheram a casa com muita cor, arte folclorica e objetos pré hispânicos para demonstrar sua admiração pela cultura e pelo povo mexicano. 

Eu me sentia dentro do filme Frida,ou melhor dentro da vida de Frida, como se fôssemos velhas amigas, e eu estava em completo estado de graça, pois a casa transpira a personalidade da artista, tudo que se vê, os objetos, os móveis, as fotos antigas, tudo me remetia as suas telas e a sua trágica vida que, em muitos momentos ela conseguiu imprimir tanta leveza, seja pelas cores vibrantes ou por sua atitude desafiadora de nunca aceitar os limites de seu corpo prejudicado por uma poliomelite na infância e por um acidente grave na juventude.

O atelier da artista

 O que transparece não só na sua obra, mas naquele espaço que tão indiscretamente invadíamos, era de uma mulher forte, guerreira, que nunca se deixou abater. Uma mulher totalmente a frente de seu tempo, que despertou muitas paixões entre homens e mulheres, André Breton, o polêmico teórico do Surrealismo, não declarou seu amor a Frida?

A cama que foi adaptada com um espelho para seus famosos auto retratos, depois que a artista sofreu o acidente que a prenderia deitada por meses a fio.

 A cozinha, pintada em cores do folclóre mexicano.

A sala da Casa Azul

No fundo, seu coração sempre pertenceu a um único homem – Diego Rivera, a quem ela carinhosamente chamava de  pançon, a quem amou com devoção até o fim.

 Se você é fã de Frida como eu, vale a pena uns minutos na lojinha, tem coisas incríveis pra trazer pra casa…

Foto clássica, Mylene e eu ( reparem na minha cara de abobada, totalmente babona… depois desta visita, eu já podia ir embora do México.

La Casa Azul

Londres 247
Col. del Carmen
Coyoacán
c.p. 04000
Tel. 5554 5999
Fax. 5658 5778
http://www.museofridakahlo.org.mx/

Comentários (4)

  • ricardo tramunt diz: 15 de dezembro de 2014

    Encantador! Só pela descrição histórica percebe-se a áurea que deve existir neste sítio.
    Parabens.
    Kdo

  • ANDREIA RIFF diz: 15 de dezembro de 2014

    Oieeee….vi seu post no nosso grupo VIAJAR É PRECISO, VIVER NÃO É PRECISO….E estou aki conferindo estas lindas fotos…incríveis…Amei…Engraçado q. tenho uma amiga q. me disse q. era proibido tirar fotos no interior da casa….Uhmmmmm… enfim….fiquei aki de queijo caído…Gosto muito da obra da Frika…vi o filme, peça de teatro aki no Rio …Bato palmas de pé… E aribá Muchachás….Lindas vcs…parabéns….!!
    Bjitos mil
    Andréia Riff

  • Inacio Brito diz: 15 de dezembro de 2014

    Será que seu coração pertenceu unicamente a Diego?
    E Trotsky? Ele não entra nessa hestoria?

Envie seu Comentário