Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Buenos Aires"

Saindo dos trilhos em Buenos Aires

09 de julho de 2015 0

Buenos Aires é uma cidade que chama a gente no inverno , nem que seja como ponto de conexão para alguma estação de esqui . Por isto os programas muitas vezes se repetem e então lembrei de colocar aqui duas sugestões saindo dos trilhos e das lojas.

Uma ótima opção de museu na cidade é a Coleção de Amalia Lacroze de Fortabat (Puerto Madero, dique 4, na frente da Torre Fortabat). É surpreendente pela qualidade e variedade de obras que apresenta, com exemplares de Chagall, Miró, Andy Wharol, Klimt, Peter Brueghel e  vários pintores argentinos.  Inaugurada em Puerto Madero em 2008, tem o acervo baseado na fortuna de uma das famílias mais poderosas do país dona da da  empresa de cimento , Loma Negra. O prédio é um atrativo a parte , todo em aço e vidro é um obra do arquiteto uruguaio Rafael Vigñoli. O teto tem um sistema móvel de alumínio que abre e fecha conforme a incidência do sol.

The Fortabat Art Museum

Museu Amalia de Fortabat

Para completar o programa dá para almoçar no Puerto Madero e ainda cruzar o canal para passear neste bairro super moderno e cheio de opções.

 

 

Pois aqui mais uma ideia super descolada, o  Faena Arts Center , além de ficar na região de Puerto Madero , mas do outro lado do rio onde a sensação é de estar numa metrópole rica e moderna ( calma , eu adoro a cidade velha também) que em nada se assemelha a Buenos Aires tradicional, o centro de artes contemporânea é lindo e oferece exposições itinerantes.

 

 

Ali já rolou uma individual do artista brasileiro Ernesto Neto que anda bombando pela cena Artsy mundial  e até um site specific com o duo artístico do Assume Vivid Astrofocus que simulava uma retrô roller dicoteca  para comemorar os 10 anos do Hotel Faena. A performance foi aberta ao público e contou com um grupo eclético de DJs internacionais. Desde a inauguração do Hotel Faena num silo de 1902, a região,  até então abandonada na beira do rio , experimentou um renascimento cultural .  

2014-10-15-faena-art-center-roller-disco-assume-vivid-astro-focus-02

2014-10-15-faena-art-center-roller-disco-assume-vivid-astro-focus-05

 (http://www.assumevividastrofocus.com/page.html?id=41)

A partir de 23 de julho de 2015 entra em cartaz a exposição

Faena by Studio Jobs : Futopia

Faena Arts Center

Aimé Painé 1169,
Segunda a sexta, 2:00 p.m. – 8:00 p.m.
sábados 2:00 p.m. – 10:00 p.m.

 

Coleccion de Arte Amalia Lacroze de Fortabat

Olga Cossettini 144
Terças a domingos 12 a 20.
Segunda cerrado.

 

Para saber sobre roteiros em grupo ou assessoria particular do Viajando com Arte visite nosso site www.viajandocomarte.com.br

 

Drops de Buenos Aires : novidades gastronômicas e culturais

30 de abril de 2013 0

Algumas novidades na capital portenha me chamaram atenção nesta passada rápida que fiz por lá em direção a Patagônia. Foram somente dois dias mas , apesar de a situação não estar muito tranquila por lá, aproveitamos sem percalços.

Para começar fomos conhecer o restaurante do famoso chef Francis Mallmann, já fazia muito tempo que tinha vontade , mas como é meio fora de mão , no coração da Boca , sempre deixava para depois.

 

Há muito anos atrás , quando fui a Las Leñas pela primeira vez, ele era um chef iniciante e eu me apaixonei pela culinária criativa e na época muito diferente de tudo que já tinha provado. Hoje ele tem várioas restaurantes espalhados pela Argentina e Uruguai com pratos que valoriza a terra e o fogo . O Patagônia Sur é intimista , pequeno e muito agradável, são 3 pratos na refeição e a carne é o carro chef. Valeu o jantar e o passeio para uma zona da cidade pouco visitada em minhas andanças por lá.

Para um passeio diferente o novo Faena Arts Center é a pedida perfeita, além de ficar na região de Puerto Madero , mas do outro lado do rio onde a sensação é de estar numa metrópole rica e moderna ( calma , eu adoro a cidade velha também) que em nada se assemelha a Buenos Aires tradicional, o centro de artes contemporânea é lindo e oferece exposições itinerantes.

Homenagem Juan Manuel Fangio , em frente ao Faena Arts Center

Ernesto Neto , artista neo-concreto carioca , cuja produção situa-se entre a escultura e a instalação foi um das grandes exposições de 2012.

Em novembro passado a Sala Molinos apresentou um site specific de 260m2 de Franz Ackermann , isto é só para dar um clima do que anda acontecendo por lá. Para se informar que qual exposição estará durante sua visita , de uma olhada no site : http://www.faenaartscenter.org/exhibiciones-actuales

Para fechar com chave de ouro o jantar no novo Osaka, um restaurante peruano/japones de estilo fusion moderno que fica no mesmo prédio do Faena Arts Center. Eu já conhecia e até tinha falado aqui do Osaka de Pallermo , este é mais bonito e conserva a mesma culinária insuperável . O mais novo Osaka abriu este mês em Sâo Paulo seguindo Lima, Santiago e Cidade do México, sendo assim , são muitas oportunidades de comprovar , eu boto minha mão no fogo , não tem como não gostar.

Na hospedagem resolvemos não inovar e não nos arrependemos , perto da central Praça San Martin uma rua charmosa chama atenção pela profusão de galerias de arte e pelo clima retrô chic que conserva, a Calle Arroyo. Ali reina solitário o Hotel Sofitel , um projeto arrojado e super confortável! Tudo perfeito e além disto próximo do Aeroparque de onde embarcamos de volta!

Se você gostou deste post , e quer saber mais dicas de viagens, exposições roteiros e cultura curta nossa página no Facebook:

https://www.facebook.com/pages/Viajando-com-Arte/121374657937187

Montevideo - Buenos Aires: um fugida rápida com buenas dicas de restaurantes

29 de julho de 2011 13

Fizemos um pit-stop em Montevideo em nossa viagem de carro até Buenos Aires. Não que a cidade não mereça uns dois dias bem aproveitados para conhecer o centro histórico e passear na Rambla, mas nosso tempo era limitado. De qualquer forma foi ótimo porque assim pudemos descansar e aproveitar um pouquinho as delícias da cidade. Almoçamos no Perdiz (Guipuzcoa , 350), um restaurante bem tradicional que fica nos fundos do Shopping Punta Carreta, os chipirones (espécie de calamar) são divinos uma pedida diferente e muito apetitosa. Para jantar escolhemos o Francis (Luis de la Torre ,50), cotado como o melhor restaurante da cidade em 2011, oferece um menu com pratos japoneses e variedades de frutos do mar. Aproveitamos para dar uma volta no comércio, cada vez mais variado e interessante , mas para quem vai a Argentina os preços não são tão convidativos.

Restaurante Francis

Para fazer a travessia compramos passagens de Buquebus. Escolhemos o combinado ônibus/ferry (http://www.buquebus.com.uy/), saímos da rodoviária de Montevideo às  6h e andamos duas horas de ônibus até Colônia de Sacramento onde pegamos o ferry para fazer a travessia em 45 minutos. Estava muiiito frio, o vento da beira do rio piorava a situação, mas chegamos a capital portenha com um sol maravilhoso.

 

A Buenos Aires do centro já faz tempo que não me atrai em nada, prefiro me hospedar em Palermo Soho onde é muito agradável caminhar e estamos perto dos restaurantes e lojas mais descolados. Desta vez optamos pelo Hotel Ultra (Gorriti, 4929), um hotel design muito charmoso e bem localizado , mas que deixa um pouco a desejar nos quartos muito simples e meio barulhentos e café da manhã fraquinho.

Hotel Ultra

Palermo ferve nos finais de semana, é o point para comer , passear e principalmente comprar. Para se localizar , tenha como ponto de referência a Praça Serrano e perca-se nas ruas Honduras, Costa Rica, Soler, Gorruchaga , Thames e Jorge Luis Borges. Mas um detalhe, nada acontece antes do meio-dia, lojas fechadas e ruas às moscas.

Para almoçar nossa melhor pedida foi o Mama Racha na esquina da Armênia com Costa Rica, um menu conciso com ótima sugestão do dia. No jantar acertamos em cheio com a dica dos Destemperados (http://www.destemperados.com.br/category/regiao/argentina/page/3/) , nos deliciamos com o bom atendimento e o ceviche do Crizia (Gorriti ,5143) . Repetimos a ida ao Osaka (Soler , 5608), um restaurante fusion peruano/oriental , que já figura entre os meus preferidos quem qualquer paragem . Vou colocar o linck para o post que fiz ano passado sobre um jantar por lá! Este ano optamos pelo menu degustação, todo em pequenas porções divididas entre frias e quentes , de acordo com a vontade do freguês, custou R$ 120,00 por pessoa com 2 doses de caipirosca de frutas vermelhas e lima, um delírio!

(http://wp.clicrbs.com.br/viajandocomarte/2011/04/29/buenos-aires-cidade-de-contrastes-parte-2/?topo=77,1,1,,,77)

Restaurante Mama Racha

No domingo nosso destino foi a Recoleta, o famoso brunch do tradicional   Alvear Palace Hotel nos chamou. Acordamos cedo e chegamos antes de abrir , às 11:30h, acabamos desistindo e tomando um café simples. Mas acho que é um programa imperdível , nem que seja para conhecer este ícone da cidade.

 Alvear Palace Hotel

Uma ótima opção de museu na cidade é a Coleção de Amalia Lacroze de Fortabat (Puerto Madero, dique 4, na frente da Torre Fortabat). Uma dica da nossa amiga Miriam Schlatter, é surpreendente pela qualidade e variedade de obras que apresenta, com exemplares de Chagall, Miró, Andy Wharol, Klimt, Peter Brueghel e  vários pintores argentinos.  Inaugurada em Puerto Madero em 2008, tem o acervo baseado na fortuna de uma das famílias mais poderosas do país dona da da  empresa de cimento , Loma Negra. O prédio é um atrativo a parte , todo em aço e vidro é um obra do arquiteto uruguaio Rafael Vigñoli. O teto tem um sistema móvel de alumínio que abre e fecha conforme a incidência do sol.

The Fortabat Art Museum

Voltamos de Montevideo porque o aeroporto de Buenos Aires estava fechado. Acho  que o Aeroporto de Carrasco é o  mais bonito da América Latina, inaugurado em 2009 faz parte do portfolio do mesmo arquiteto da Fundação Fortabat, Rafael Vigñoli, valeu a pena o cansaço , uma obra maravilhosa!

Ficheiro:Aeropuertodecarrasco.jpg

Aeroporto Carrasco

http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Aeropuertodecarrasco.jpg

 

Buenos Aires cidade de contrastes

29 de abril de 2011 7

Eu sou do tempo que ir a capital dos Portenhos era se hospedar em hotéis caros e sujos, comer no Palácio das Papas Fritas e passear na Florida e seu entorno. Dou graças que este tempo passou, hoje Buenos Aires tem ótimos hotéis com preço muito razoável, regiões antigas e restauradas e muitos bairros novos e modernos, sem falar na excelente e variada gastronomia.

Escolhemos nos hospedar em Palermo Viejo, como um taxista bem humorado nos contou as gargalhadas, uma fantástica jogada de marketing que transformou um antigo bairro em duas regiões cobiçadas e valorizadas: Palermo Soho e Palermo Hollywood. Já tinha visitado as cercanias como “turista” de um dia , mas ficar sediado por ali foi muito mais interessante.

Como o nome diz , Palermo Soho busca o cosmopolitismo do bairro novaiorquino, e na minha opinião é bastante feliz em sua ambiciosa comparação. Tem lojas transadas em antigas casas e fabriquetas, bons restaurantes e bares e um pessoal muito descolado para dar o toque final.

O centro de tudo é a Praça Serrano , mas hoje o bairro se espalhou e as ruas Gurruchaga, Honduras, Solere muitas outras tem muitas atrações.

Escolhemos o Hotel Duque, um pouquinho fora do coração do Soho mas o preço, a decoração meio design e principalmente a gentileza dos funcionários, compensam de sobra alguns passos a mais. Os quartos são bonitinhos, disponibilizam bicicletas para alugar e no subsolo uma jacuzzi para relaxar.

 


 


 


 





Entre as ruas Armênia e Costa Rica estão diversas opções gastronômicas, em uma única esquina mais de 8 restaurantes e bares se oferecem aos passantes.

 


 


 


 

Esta é a Parrilla Mama Racha,  Costa Rica 4602.

 


 


 


 





Eu já estive duas vezes no restaurante Cluny, na El Salvador 4618, e indico com ênfase pois pode-se comer no jardim interno saladas e massas deliciosas por um preço muito convidativo, algo como U$ 20,00 por pessoa com vinho.

Palermo Hollywood é um pouco mais trash e o forte são os restaurantes. Por lá o Osaka, Soler 5.608,  foi uma das melhores opções que provei em muito tempo. Um restaurante fusion , isto é uma modinha atual e quer dizer mistura de duas culinárias, no caso peruano e japonês. Mas não estranhe , sushi e cebiche tem muito em comum e as entradas regadas à “caipirinhas ” de pisco são de babar. Quando já estávamos quase satisfeitos resolvi pedir um prato principal, é foi uma glória, polvo na parilla com molho agridoce e arroz com verduras, só o que posso dizer é que seria o prato escolhido para a última refeição antes de minha execução! Perto da média o Osaka é bem mais caro , mas por esta refeição de comer ajoelhado e ainda com uma sobremesa, pagamos U$ 50,00 por pessoa.

As compras em Buenos Aires estão uma perdição, tudo muito barato e os brasileiros reinam em todas as lojas. Só cuidado , o somatório do cartão de crédito pode surpreender depois de algumas horas em Palermo.

Meu objetivo de compras era um lustre , por aqui chamado de aranha. Dei uma volta nas lojas indicadas por perto , inclusive o Revista Viagem de junho de 2010 tem como chamada “Compras em Buenos Aires ” e tem boas dicas, mas no meu caso específico nada encontrei. Acabei no tradicional bairro San Telmo, onde aos domingos acontece a famosíssima feira de antiguidades, no entanto lojas maravilhosas funcionam normalmente , menos segundas-feiras.

 


 


 


 





O bairro tem na praça Manoel Dorrego carros antigos que fazem tours como antigamente e seus bares guardam um pouco da história da cidade , mas muito está mudando e lugares com fachadas tradicionais tem o interior renovado e estão se tornando mais uma ótima opção.

 


 


 


 





Puerto Madero é o que causa maior contraste com o resto da cidade, um local com escritórios, restaurantes e atualmente muitos edifícios de moradias, um local para deixar os portoalegrenses tristes vendo nosso porto tão mal aproveitado! Numa outra oportunidade me hospedei por aqui e curti muito o cosmopolitismo de ruas fechadas para o esporte e a modernidade pulsante da região.

Do outro lado dos armazéns está o famoso Hotel Faena (http://www.faenahotelanduniverse.com/) , obra do arquiteto Philip Stark  que mistura elementos de um antigo prédio industrial com móveis de desing e decoração muito louca! Eu amei.

 


 


 


 

 


 


 


 





O Hotel oferece um show de tango intimista que é muito mais caro que outras casas da cidade , mas que para conhecer o hotel e quem sabe jantar no El Mercado ou no El Bistro, os dois restaurantes do hotel, seria uma boa dica.

 


 


 


 





Para finalizar indico o Museu Malba (http://www.malba.org.ar/web/informacion.php)  , do colecionador Eduardo Constantini,  guarda em seu acervo obras muito significativas da arte incluindo o nosso “Abaporu” de Tarsila do Amaral , ícone do Modernismo brasileiro. O Malba funciona num prédio especialmente construído para a Fundação Eduardo Constantini a partir de um concurso internacional vencido pelo estúdio cordobês AFT Arquitetos.

O Museu de Belas Artes também vale uma visita, não é um Masp, mas é de graça e tem um acervo com alguns artistas importantes. Como fica na Recoleta , depois pode-se esticar até o tradicional bairro chic da cidade , que na minha opinião está muito descaracterizado pelas bancas de camelô espalhadas por seus caminhos.

Bom, fica a dica para aproveitar nosso momento “da-me dos”, espero que curtam e nos mandem notícias de suas andanças por aí!

Me despeço com uma imagem das estradas do Uruguai , nosso caminho de volta.

No próximo post , dicas de Montevidéo!





Porto Alegre - Colônia - Buenos Aires de carro

20 de abril de 2011 102

A idéia de passar o feriado em Buenos Aires surgiu um pouco “em cima do laço” e é claro que não conseguimos mais passagens aéreas. Partimos então para enfrentar os quase 900km por terra, uma empreitada para o pouco tempo disponível , mas resolvemos encarar como um passeio por terras e mares nunca dantes (por nós) navegados!

O câmbio está muito favorável , a grosso modo divide-se os valores por 2 e tudo está mesmo a metade do preço do Brasil. Nosso objetivo era turismo bem básico , pois o casal acompanhante era marinheiro de primeira viagem!

Saímos de Porto Alegre na quarta-feira ao meio dia e seguimos via Jaguarão, um caminho mais curto do que ir pelo Chuí , via Punta del Este. A primeira parte da Estrada , Porto Alegre -Pelotas é a pior de todas. A estrada, apesar dos vários pedágios,  é mal conservada e estreita. São 256km que levamos 3 horas para percorrer. De lá seguimos por uma estrada bem mais tranquila para Jaguarão, fronteira com Rio Branco no Uruguai.

Chegamos a tempo de comer um delicioso pancho uruguaio vendo o sol se por no rio, no Restaurante da Malu. Coincidências da vida, a Malu era uma amiga da época do colégio que morando em Pelotas resolveu abrir um negócio em Rio Branco, para aproveitar a zona franca e o movimento que os free shops trouxeram à cidade, olha onde fomos nos encontrar.

Na verdade não é muito difícil de encontrar alguém por aqui pois a cidade se resume a uma rua meio faroeste, com o free shop da Neutral e alguns outros armazéns de queijos e vinhos.

Depois de nos reabastecermos, seguimos até nosso primeiro destino que seria Montevidéo. Mais 400km de viagem pela Ruta 8 via Treinta y Três, uma estrada bem sinalizada e completamente vazia, a não ser pelo animais que cruzam perigosamente o caminho! Fomos recebido num apartamento no Bairro do Buceo, pelo melhor anfitrião que poderíamos imaginar, o Rodrigo Garcia. Caminhas arrumadas e uma reserva para jantar no Panini’s . O detalhe é que nosso anfitrião tem 19 anos! Este guri vai dar bom!

Panini’s : 26 de Marzo, 3586 – Puerto Buceo, (5982) 622-1232

O restaurante é muito gostoso, ambiente acolhedor e uma entrada de peixes e presuntos maravilhosa. O pratos mais interessante foi este risoto de parmesão com cordeiro.

Montevidéo é uma cidade bonita e muito tranquila, a orla em frente ao Rio da Prata tem um ar meio Rio de Janeiro, mas as pessoas são bastante tradicionais e  conservadoras. Não tivemos muito tempo por aqui, na verdade almoçamos no ponto mais tradicional da cidade , na volta! O mercado do porto é um programa imperdível e toda a região está sendo revitalizada num ambicioso projeto urbanístico. Nossa opção por aqui foi o tradicional Palenque.

O Teatro Solis, no centro, também foi reformado e está deslumbrante.

Com um dia radiante, nos despedimos de Montevidéo e seguimos para Colônia de Sacramento pela Ruta 1, por 175km. As paisagens bucólicas do Uruguai são um bálsamo para o olhar!

Colônia é uma joia lusitana que quase parou no tempo e é Patrimônio da Unesco desde 1995. Pomo da discórdia entre Portugal e Espanha desde sua fundação no século XVII, guarda na arquitetura bem conservada parte importante da história do país. As ruas arborizadas criam um ambiente mais poético com as folhas caindo e tudo é cuidadosamente mantido para criar um clima nostálgico! Sugiro passar uma noite por aqui , dizem que ao anoitecer tem-se a impressão de que o tempo realmente não passa por aqui!

É um lugar extremamente charmoso , com ótimas opções de gastronomia e algumas pousadas. O forte e o farol dominam a paisagem à beira d’água.

O restaurante mais famoso é o Drugstore, uma gracinha e onde estão os carros antigos com mesas postas dentro, não percam! Um detalhe, lembrado pela Ana Carolina Bolsson, é que muitos restaurantes em Colônia não aceitam cartão de crédito, incluindo o Drugstore.

De Colônia partem ferry-boats que chegam a Buenos Aires em 1 hora, uma maneira agradável de economizar alguns quilômetros na viagem. A estação do Buquebus foi recém inaugurada e é um luxo. Aqui vai o site para horários e preços: http://www.buquebus.com/cache/HomeARG.html

Nós optamos em deixar o carro num estacionamento , mais econômico e prático. Os três dias nos custaram R$ 32,00 e economizamos bastante stress no alucinado trânsito da capital Portenha, onde os táxis são muito baratos!

O melhor de tudo é ver Buenos Aires por este ângulo inusitado, desde o Rio da Prata!

Seguiremos em Buenos Aires e Montevidéo nos próximos posts!

Os restaurantes secretos de Buenos Aires

21 de abril de 2010 0

 

Alguns chefs portenhos estão transformando suas casas em restaurantes, oferecendo belos jantares a preços razoáveis criando um ambiente descontraido onde é possivel fugir dos restaurantes turisticos e encontrar a tribo local.

Espalhados pela cidade em ruas residenciais, em ambiente caseiro se esconde a última mania gastrônomica. E o desafio é acha-los.

Almacen Secreto, como o nome sugere (+54 11 48549131) é literalmente impossível de ser encontrado. Na verdade se você não tiver o endereço completo, não se iluda, pois não existe nenhuma pista na fachada da casa que indique que atrás daquelas paredes estão servindo delicias como um suculento cordeiro Patagonico.

 Este é apenas um dos vários puertas cerradas, que aumentam de número a cada dia em Buenos Aires. Maria Morales, a proprietária do Almacen diz que antes a ideia era “ver e ser visto”, mas que a tendência é de as pessoas buscarem algo mais intimo,mais pessoal.

Os restaurantes secretos se conhece pelo boca- a- boca dos amigos, e para a nossa felicidade  a Time Out Buenos Aires http://www.timeout.com/buenos-aires/ deu o mapa de alguns.

Então com o inverno chegando eu já preparei a minha listinha de “secretos” mas shhhhhh não contem pra ninguém! ;-)