Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Cidades Coloniais"

Artesanato, espelho da riqueza cultural do México

13 de junho de 2018 1

Voltei do México meio Frida Kahlo. Eu , que sempre fui básica e equilibrada , só quero me vestir de amarelos e azuis berrantes, quero pintar a casa de cor de rosa e vermelho e decorar com todos os badulaque que eu trouxe , juntos!

Não é brincadeira não , a gente volta com a cabeça chacoalhada e com a certeza de que nunca soube combinar cores! Sempre ousou pouco! É uma mistura de sensações , materiais e texturas que mexe com todos os sentidos, aguça paladares e olfato.

Até a comida segue o arco íris espalhado pelo país! Não apetece muito , mas que é fotogênico , é!

cartonería é uma técnica utilizada para a elaboração de piñatas e judas,  consiste em um modelado de papel. Várias festividades usam estes “bonecos” de papel como decoração. Os alebrijes são uma variação da cartonería, sempre animais imaginários de cores vibrantes. Sua origem se encontra na Cidade do México,  e seu criador, Pedro Linares López, conta que , muito doente,  sonhou que estava em um bosque onde viu estes seres que o acompanhavam em seu caminho de regresso à  conciência  gritando:  “Alebrijes”. Vimos uma exposição de alebrijes gigantes no Zócalo!

Curtimos muito o colorido , mas sentimos imensamente não estarmos no país na semana da Festa do Mortos, dia 2 de novembro. Pudemos admirar alguns elementos usados nas comemorações, principalmente seu personagem principal , Catrina. Este ano ainda dá tempo para aproveitar o dia de finados por lá!

La Catrina de los toletes é a representação humorística do esqueleto de uma dama da alta sociedade. É uma das figuras mais populares da Festa do dia dos mortos. A palavra catrina é a variante feminina da palabra catrín, que significa dândi em espanhol. O personagem se caracteriza como um esqueleto de mulher usando um chapéu, um distintivo da elite do início do século XX e tem uma função  lembrar que as diferenças sociais não significam nada, diante da morte.

As origens da Catrina remontam às festas dos mortos pré-colombianas. Seu nome vem de La Calavera de la Catrina gravura do mexicano José Guadalupe Posada (1852-1913), água-forte  que faz parte de uma série de “Calaveras”(caveiras).

Ficheiro:Posada2.Catrina.jpeg

 La Calavera de la Catrina

 O Dia dos Mortos é uma das festas mexicanas mais animadas, pois, segundo dizem, os mortos vêm visitar seus parentes. Ela é festejada com comida, bolos, festa, música e doces preferidos dos mortos, para as crianças fazem caveirinhas de açúcar.

Casa com varanda decorada em Coyacán

Bonequinhas de pano , tipo aquelas usadas nas cerimônias de vudu, abundam. As meninas vendem nas áreas turísticas , normalmente vestidas com trajes típicos. Mas nem tente fotografá-las sem pedir permissão, e prepare-se para sonoros nãos!

Outro elemento central no folclore mexicano são as árvores da vida. Segundo a Bíblia, a Árvore da Vida é uma das duas árvores especiais que Deus colocou no centro do jardim chamado Éden. A outra é a “Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal“, de cujo fruto, Eva, e depois Adão, acabaram por comer por influência de uma serpente. A versão mexicana é colorida e muito abundante em dádivas, algumas são enormes e enlouquecem quem aprecia a cerâmica.

As flores de papel colorido são usadas em todas as decorações e aparecem em infinitas versões. Nesta época muitas roxas e laranjas, nas celebrações fúnebres.

Panos e mais panos, bordados, tramados ou pintados, a escolha é sua! O que importa é misturar tudo e ver o resultado final.

O mais legal é ver a origem destas estampas exóticas quando visitamos o Museu Antropológico do México no Parque Chapultepec na Cidade do México. O exemplo abaixo faz parte de um dos murais pré-colombianos do museu.

Para uma versão moderna das padronagens mexicanas folclóricas não perca a releitura feita pela designer Pineda Covalin, encontrada em shoppings ou aeroportos mexicanos! Lenços, vestidos e idéia originais sem perder a essência da alma mexicana, um luxo! Uma dica da Alessandra Nunes que adoramos.

Quanto ao sombrero? Não está em alta por lá! Encontramos poucos e sempre em lojas meio duvidosas. Algum mexicano vestindo não vimos nem de binóculo. Tivemos que fazer nossa própria versão.

 Para saber mais sobre roteiros em grupo ou particulares do Viajando com Arte visite nosso site www.viajandocomarte.com.br

Mexico com Arte - Maio de 2015

27 de janeiro de 2015 2

5dc87f8acf21d4583e36ad29b887978e

Um roteiro para exaltar a riqueza cultural e as belezas naturais do Mexico.

Do voo num colorido balão sobre as Pirâmides do Sol e da Lua ao aroma da moderna culinária mexicana em restaurantes superestrelados e descolados. Dos ateliers dos artesãos de Oaxaca até a impressionante história da artista Frida Kahlo e seu companheiro Diego Rivera. Do centro do poder Zapoteca , em Monte Alban, até os sete tons de azul do mar em Playa del Carmen.

Um destino para todos os sentidos.

Veja o Roteiro completo aqui:

http://www.portobrasil.com.br/files/docs/88a466ef1a8ce79add8c7093f84a5604.pdf

021

image

 

Informações (51) 3025.2626 Porto Brasil Viagens

Um México profundo e colorido : San Miguel de Allende

24 de setembro de 2014 1

Assim como você , nós também nunca tínhamos pensado em colocar San Miguel de Allende num roteiro do Viajando com Arte , até chegarmos lá e nos apaixonarmos. Na verdade o México é um grande desconhecido por aqui e , tirando Cancún e para os mais antigos Acapulco , a Cidade do México é nossa única referência. Mas as cidade coloniais são encantadoras , coloridas e muito divertidas. O povo mexicano é hospitaleiro e adora os brasileiros, ainda mais quando visitam o interior, não somente as famosas praias do país.

San Miguel de Allende, junto com Querétaro ,  Guanjuato e Oaxaca (entre outras) são cidades coloniais espanholas, mas sua peculiaridade é que foi eleita pelos “gringos” uma cidade de veraneio , os mexicanos chama seus veranistas de “snow birds” , algo como pássaros do inverno. Isto mateve um ar mais preservado e estimulou o artesanato e o cuidado com a preservação do patrimônio histórico. É uma delícia caminhar pelas ladeiras e se perder entre contruções típicas e coloridas.

A cidade é bastante pequena para os padrões mexicanos. Segundo os dados do recenseamento de 2005, o município de Allende tem uma população de cerca 140 000 habitantes, dos quais cerca de 62.000 residem na cidade. A população estrangeira residente em San Miguel de Allende ronda as 12.000 pessoas. Quase todos trabalhando com arte em pequenos ateliers que podem ser visitados e são muito charmosos.

Os mexicanos não gostam de ser fotagrafados

Historicamente San Miguel tem uma relação estreita com a Guerra da Libertação do México , já que seu nome vem de Inácio Allende um herói desta odisséia. A sorte de San Miguel é que ficou esquecida no tempo até o início do século XX e só foi redescoberta por artistas que se mudaram para cá e fundaram um Instituto de Artes onde o muralista David Alfaro Siqueiros foi professor.

Igreja de San Francisco , estilo “gótico mexicano”

Flores de papel . exemplo do colorido artesanato mexicano

Bomba de gasolina antiga no centro de San Miguel

Mas o melhor na cidade é caminhar sem destino, descobrir ruelas, se encantar com o colorido artesanato e ao fim da tarde beber uma tequila num dos tantos bares e restaurantes espalhados pelos terraços e  ruas estreitas. Galerias de arte não faltam para encher o dia, muitos americanos usam a cidade como fonte de inspiração e tem aqui casas para descanso do frio que grassa na América nos meses de janeiro e fevereiro. A temperatura por aqui não chega a ser de calor extremo, mas o frio também não assusta.

Pátio interno de um restaurante local

San Miguel também é conhecida pelas festas populares, quase todas ligadas a algum acontecimento religioso. No mês de novembro acontece uma das maiores e mais coloridas, a festa do Dia dos Mortos, em 2 de Novembro, que para os mexicanos não tem uma conotação taciturna. Perdemos por questão de dias , mas ainda pudemos ver alguns altares dedicados a personagem símbolo , Catrina.

Catrina

O Hotel Sierra Nevada é um achado, espraiado entre várias casas bem preservadas, é puro charme e cuidado. O restaurante fica num pátio interno e além de lindo é super gostoso. Recomendo também pela localização, dá para conhecer a cidade toda a pé partindo do hotel. Aqui ficará o grupo do México com Arte em maio de 2015! Vão preparando as malas , voltarão repletas de lembranças coloridas.

Restaurante do Hotel Sierra Nevada

Casinhas onde ficam os apartamentos do Hotel Sierra Nevada

Fim de tarde com tequila e por do sol!

Para quem quer saber mais sobre o roteiro México com Arte ligue para (51) 3025.2626 ou pelo  link  :

http://www.portobrasil.com.br/files/docs/88a466ef1a8ce79add8c7093f84a5604.pdf