Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Florença"

Um verão na Toscana: Bagni San Filippo

18 de agosto de 2012 4

Fazia quarenta graus à sombra em Florença. Sabe quando a gente começa a ter a visão duplicada pela bruma que sobe e a cidade medieval arde em chamas amareladas! Assim estávamos , e depois de fazer a visita à Galleria Uffizi , perto da hora do almoço, andar na rua tornou-se um martírio.

Quando ouvimos no rádio que o dia seguinte seria pior a decisão foi tomada, vamos escapar deste caldeirão em busca de um lugar mais fresco e de preferência com alguma possibilidade de encontrar água, poderia ser mar , rio ou mesmo uma poça d´água. O Arno não servia porque infelizmente é muito poluído.

Como Florença é bem compacta , os aluguéis de carro são próximos do centro foi  assim que pegamos um Smart na manhã seguinte, bem poucos passos do hotel e saímos “abanando as tranças ” pelas estradinhas do Chianti. Segundo informações locais a Toscana não é muito bem servida de rios e lagos , a sugestão foi seguir até Viareggio na beira do mar. Achei que não seria bem nosso foco , praia cheia  e trânsito … Preferi algo mais bucólico , apresentar a verdadeira paisagem de ciprestes e girassóis para minha filha , debutante na região.

Mudei a direção e seguimos para o sul , Vale d´Orchia . Nosso destino inicial seria Bagno Vignone que eu já conhecia e sabia ser uma região de termas , água haveríamos de encontrar! Chegamos lá e para nosso desespero a piscina central da cidade é fechada para banho ,a particular entra em manutenção toda a quinta-feira, e adivinhem ….era o fatídico dia!

Bagno Vignone

O gerente do local , vendo nosso desapontamento nos indicou outra terma perto, Bagni San Filippo ao pé do Monte Amiata e foram mais 16km em busca do ouro transparente. Não posso negar que o visual compensou os quilômetros rodados, reclamar seria quase um sacrilégio.

Bagni San Filippo

Chegamos num clube público , numa cidade minúscula! Parecia algo como Gravatal , pessoas mais velhas , silenciosas tomando sol ou de “molho ” na água. Novamente 40 graus e o sol do meio dia ardendo,  nossa hesitação foi-se por água abaixo, tudo que queríamos era nos jogar naquela piscina , ou seria melhor dizer banheira. Quando entrei, chegava a queimar , pense numa água quente, pois ali passava de 36.

Mas a surpresa veio quando olhamos atrás do clube , onde passa o rio de água sulfurosa e formando o Fosso Bianco, piscinas naturais onde a pedra foi coberta por sedimentos e ficou com aspecto de glacê! Um visual incrível que lembrava Pamukkale na Turquia , só que em tamanho menor e com infinitamente menos turistas.

O banho mudou de rumo rapidamente e seguimos a corrente , onde a água sulfurosa se misturava a outra fresca e límpida , num ambiente natural e ainda quase intocado!

Nosso dia foi completo com o sol se pondo nas curvas dos vinhedos do Chianti, e o Smart venceu com glórias o desafio!

Se você gostou deste post e curte dicas de viagem, arte, restaurantes e afins, curta a nossa página Viajando com Arte no Facebook:

 https://www.facebook.com/pages/Viajando-com-Arte/121374657937187

Acompanhando os passos de Davi de Michelangelo

15 de novembro de 2010 9

Um grande festejo nos brindou hoje na capital da Toscana.

O famoso Davi , monumental escultura de Michelangelo, está comemorando aniversário  e por isto a cidade de Florença está em festa. Como foi difícil escolher a sua posição final quando finalizado e por isto antes de ser colocado definitivamente na Piazza della Signoria ele teve algumas outras colocações que hoje são repetidas, como a fachada do Duomo. Paradas medievais com música e apresentação de bandeiras coloriram as ruas da cidade , lotadas de florentinos , orgulhosos de seu passado. Todos acompanhavam a escultura que passeava pelas principais avenidas.

A obra, que esteve durante mais de três séculos ao ar livre, em frente à entrada do Palazzo Vecchio, onde agora está uma cópia, foi instalada em 1504 pelo próprio Michelangelo. Hoje a original encontra-se no Museu della Accademia.

Aqui o grupo em frente ao Palazzo Pitti, antiga residência da família Medici, nossos íntimos conhecidos da história local! Para os visitantes da cidade , não deixem de conhecer a Galeria Palatina no Palácio Pitti, riqueza em obras de arte dispostas como foram colocadas na época dos Medici.

Nosso almoço foi na encantadora Piazzale Michelangelo, onde está mais uma cópia do Davi, com a melhor vista das pontes de Florença.

O La Loggia foi uma escolha perfeita, pratos deliciosos mas as sobremesas , babem , porque eu não comi e me arrependi amargamente.


Nos despedimos da cidade que respira arte com uma vista do Arno desde a Ponte Vecchio!

Fotos de Mylene Rizzo

Florença, sempre uma nova descoberta

14 de novembro de 2010 7

Florença: siamo arrivati!

Depois de uma viagem bem tranqüila chegamos à Itália num dia chuvoso de outono , nada frio , algo em torno dos 14 graus , mas muito animado e com uma aura meio misteriosa.

Florença tem um ambiente elegante, os florentinos se arrumam em homenagem a uma cidade que exala arte por todos os poros, principalmente no inverno as vitrines são uma tentação para nós moradores do hemisfério sul, menos acostumados aos rigores do frio. A grande vantagem de viajar nesta época do ano é a calmaria das ruas , quase sem turistas e com muitos florentinos aproveitando o mês mais calmo do ano!

Jantamos em Oltrarno, no bairro que fica do outro lado do rio Arno , próximo ao Palazzo Pitti. O restaurante San Jacopo fica na beira do rio , com uma belíssima vista para a Ponte Vecchio , o maior cartão postal da cidade. Jantamos como reis , ou melhor como gran-duques, título máximo da família Medici por aqui. Um ravióli de ricota de entrada , cordeiro com molho de vinho e finalizamos com uma releitura de tiramisu, mais leve e muito mais gostoso do que qualquer outra versão que eu já provei.

Nosso dia de hoje foi dedicado a arte, a Galeria degli Uffizzi nos encantou numa manhã que passou voando, grandes mestres estão dispostos de maneira cronológica e didática num prédio que remonta ao século XVI.

Abaixo uma visita a maravilhosa Igreja de Santa Maria Novella já ao cair da tarde!

 

Almoçamos na Trattoria Del Magazino, uma triperia , algo muito típico na culinária local , mas somente o Eduardo  Linhares se animou a provar a iguaria e disse ser uma delícia .

A mais conhecida praça, Piazza  della Signoria em belos ângulos fotográficos.

 

O Duomo ou Igreja Santa Maria Del Fiore é o coração da cidade, todos os caminhos levam a ela e sua cúpula gigantesca foi projetada por Brunelleschi. Agora está cercada por um tapete de grama para comemorar a colocação de uma cópia de Davi de Michelangelo em sua fachada. 

Seguiremos com novidades do interior da Toscana! Que o sol nos acompanhe.

Toscana - um giro saindo de Florença

23 de agosto de 2010 11

Saimos de manhã de Florença determinados a conhecer ao menos 2 cidadezinhas próximas, a primeira foi Vinci, a cidade natal de Leonardo que fica  a 47km de distância. Eu sempre prefiro andar por estradinhas secundárias, auto estrada só quando estamos atrasados para chegar no aeroporto. No mais sempre vamos escolhendo as estradinhas menores no mapa, eu adoro me perder um pouco, explorar o interior, e quando acho uma estradinha de terra em plena toscana, é a glória.

 

Imagino que Vinci não cresceu muito desde que Leonardo partiu daqui muito jovem para ser aprendiz de Verrochio em Florença. A cidadezinha cercada de campo, de lavouras e córregos abriga um pequeno museu com algumas reproduções dos inventos de Leonardo.

Existe uma trilha pelo campo que se pode fazer a pé pelo meio das oliveiras, uma caminhada de 30minutos, onde se chega na propriedade que pertenceu a familia de Leonardo e onde ele passou a sua infância. O lugar é lindo, fica  mais alto, é muito tranquilo, e acreditem, só estávamos nós!!! Fiquei obeservando a paisagem e imaginado Leonardo criança observando os pássaros, o céu, a natureza, enfim tudo, pois nada escapava ao interesse do gênio.

Seguimos viagem até Volterra, mas no caminho paramos num super mercado , o Coops, que tem tudo, pra mim é uma perdição ficar olhando todas aquelas comidas maravilhosas, os presuntos, queijos, fungi, é uma alegria. Paramos para comprar toda a comida para um providencial piquenique no campo. Você já deve ter feito piquenique em viagem alguma vez, mas se não fez programe um para a próxima, é bom demais!!

Vou ter que confessar para vocês o porque de ter escolhido Volterra entre várias outra tão lindas quanto, nesta época eu havia recém terminado de ler a saga adolescente de Stephenie Meyer, o Crepúsculo, e estava tão envolvida com a estória que quis ver de perto o cenário que serviu de fundo para a familia nobre de vampiros os Volturi, que depois pude rever no filme Lua Nova. Pronto contei o inconfessável :roll:  . Independente de qualquer razão valeu, pois Volterra é como um mergulho no passado, é como se fossemos transportados para a idade média.

Volterra tem um longo passado pois foi um centro Etrusco importante que foi absorvido pelo Império Romano em 260 ac . Desde os Etruscos Volterra tem sido um centro de extração de alabastro e de artesania desta matéria prima que resulta em luminárias e lindo objetos de decoração.

A arma do crime..

 

Já era finalzinho de tarde quando pegamos o rumo de Florença,  os dias curtos são  para mim o único grande incoveniente de viajar a Europa no inverno, porque minha experiência nesta viagem só reforçou os pontos positivos de viajar no inverno. Um exemplo rápido só para ilustrar vocês imaginam que entramos na Galeria degli Uffizzi em Florença assim .. direto sem fila?? Gente cheguei até a pensar que tinha alguma coisa errada, ameaça de ataque terrorista, sei lá,  pois das outras vezes as filas davam voltas a qualquer hora do dia… é vão pensando nisso e quem sabe em janeiro você não troca Atlântida ou Imbé pela Toscana?

 

 

Eu sei, eu sei, faltaram ainda San Gimigniano, Assis, mas também tenho que ganhar a vida né? Essa estória de blog acaba virando uma cachaça!!

Super beijo!

 

 

Florença sempre

17 de agosto de 2010 4

Eu vou contar pra vocês aqui um roteirinho que fiz em pleno fevereiro e que foi maravilhoso, tivemos sorte e pegamos dias de muito sol, e uma grande vantagem, poucos turistas, não fiquem achando que sou fóbica de turistas… na verdade sou uma, o problema é que muitos turistas significa filas, restaurantes lotados, serviços ruins e demorados, entenderam? :-D

Você deve ficar no mínimo 3 dias em Florença, não só tem muita coisa para fazer na cidade, como tem muitas atrações nos arredores,você pode optar por ficar baseado em Florença para conhecer as cidadezinhas mais próximas ou pode seguir adiante e escolher outro lugar para servir de base para explorar novas cidades, o que eu não recomendo é ficar trocando de hotel todo o dia, é muito cansativo e rouba tempo precioso de viagem.

Ficamos hospedados no Hotel Balestri, um 3 estrelas muito bom  com a diária de 140 euros em quarto duplo com café da manhã incluido, mas sua principal qualidade era a localização, fica na beira do rio Arno e há 3 quadras da Ponte Vechio e do Museu degli Uffizzi. Nós já demos a dica aqui da Booking.com que é uma central de reservas de hoteis on-line, tem várias outras, mas eu acho a booking a mais fácil de trabalhar e na grande maioria dos casos você pode cancelar sua reserva até 3 dias antes sem nenhum custo.

Um dia desses me perguntaram qual é a cidade que estava associada com a palavra Arte pra mim? Bom nem preciso dizer pra vocês que a cidade que veio direto à minha mente foi Florença, impossível não andar pelas suas ruas e não imaginar Leonardo da Vinci ou Michelangelo ou até mesmo um dos importantes membros da familia de banqueiros – os Medici, vivendo aqui e produzindo aquelas obras incriveis cuja fama correria o mundo.

As Portas do Paraíso

Entre tantas, a visita ao Duomo ou Santa Maria del Fiore, é imprescindível, porque além de ser linda, foi aqui que o grande arquiteto Filippo Brunelleschi aceitou o desafio de construir uma das maiores cúpulas já projetadas só ficando atrás da Haia Sophia em Istambul.

As portas que você vê acima, apelidadas por Michelangelo de Portas do Paraíso foram feitas por Lorenzo Ghiberti que ganhou um concurso público realizado na cidade em 1401. O trabalho em bronze levou quase 20 anos para ser concluido, anos depois Auguste Rodin se inspiraria no trabalho de Guiberti para criar a sua ” Porta do Inferno” baseada em passagens da Divina Comédia de Dante.

Uma boa dica é subir até a Piazzale Michelangelo, lá em cima tem uma ótima pizzaria com lugares na rua onde se pode curtir uma bela vista da cidade.

Lá também fica a Basílica de San Miniato al Monte, descrita como uma das igrejas românicas mais belas da Toscana.

Um restaurante indicado por uns amigos locais que recomendo é o Cinghiale Bianco, (Javali Branco), é uma cantina bem típica e acolhedora, mas onde se come maravilhosamente bem acompanhado por um Brunello di Montalcino, vinho produzino aqui na Toscana. Podem conferir no site :http://www.cinghialebianco.it/italiano.html

Nos arredores de Florença, fica a cidadezinha de Fiesole que foi uma cidade Etrusca importante. Fiesole fica na montanha oposta da Pizzale Michelangelo, é um passeio bonito, pois tem muitas mansões antigas, ela ainda guarda um pouco do seu glamour do passado quando abrigou muitos artistas no inicio do século XX, como a Escritora americana Gertrude Stein.

Ruinas romanas em Fiesole

Aqui começa um belo passeio pela Toscana!

Florença e Leonardo Da Vinci

19 de outubro de 2009 3

O Dr. Maurizio Seracini, professor da Universidade de San Diego, Califórnia, vem agitando o meio das artes no mundo inteiro, pois  está conduzindo uma pesquisa, em que acredita  que a maior pintura realizada por Leonardo Da Vinci, estaria oculta na câmara cerimonial do Palazzo Vechio em Florença.

A hipótese de Seracini é que a pintura de Leonardo, conhecida como a Batalha de Anghiari teria desaparecido no curso do século XVI atrás de outro mural pintado por Giorgio Vasari.

A Zero-Hora de hoje relata que uma nova tecnologia está sendo utilizada para mapear toda a sala com lasers, radares e outras parafernálias modernas.

Seracini espera concluir sua pesquisa dentro de um ano e esta otimista de encontrar a pintura em bom estado, afinal ela esteve protegida do tempo por cinco séculos!

Ele está otimista e eu também, pois está seria uma ótima razão para voltar à Florença, não é mesmo? ;-)