Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Vêneto"

Veneza , a experiência que faz a diferença

14 de setembro de 2015 0

Veneza é uma cidade sui generis. Partindo do princípio de que todo o mundo , literalmente , tem o desejo de conhecê-la , nem que seja para poder criticar , pelo excesso de exposição, reclamar do cheiro ou do que mais lhe aprouver!

IMG_2895

IMG_2754

Pois eu amo Veneza,  sinto romantismo no ar , muito mais que qualquer outro odor, e sempre que posso volto pois entendo que é uma cidade inesgotável , que se tirarmos a casca de imagens pasteurizadas descobrimos belezas e delicadezas incríveis.

IMG_2710

Pois desta vez foi a Bienal de Artes que me trouxe a desculpa perfeita para explorar uma outra faceta da cidade.

IMG_2804

Foram dois dias explorando o Giardini e o Arsenale, e ao contrário dos críticos , a divisão da exposição por países me cai muito bem , organiza um pouco os pensamentos e facilita minimante o entendimento . Já sei , arte contemporânea não é para entender e sim para sentir , não é mesmo Renato Rizzo? Mas não consigo me furtar de buscar uma lógica ou um propósito nos trabalhos, faz parte de minha formação ainda muito arraigada na modernidade.

IMG_2743

IMG_2746

Arte chinesa no Arsenale

No Giardini os Pavilhões históricos em meio à sombra revigorante das árvores valem a visita em qualquer ocasião , nos anos pares abrigam a Bienal de Arquitetura.

IMG_2813

Pavilhão de Israel

IMG_2826

Pavilhão Egito

IMG_2849

Pavilhão Coreia

Porém o grande diferencial desta visita foi a escolha da hospedagem, não sou da turma que defende a ideia de que o hotel é só para dormir e que portanto qualquer cama limpa e chuveiro honesto cumpre a função! Para mim a escolha de uma boa localização aliada a conforto e charme já são meia viagem andada. Curto um bom hotel assim como um bom vinho , não precisa ser caro mas tem que trazer um prazer extra ao momento.

IMG_2657

Bauer Il Pallazo

Nesta linha Veneza é um exemplo perfeito de que vale o investimento, às vezes até uma extravagancia. Todos sabem que a cidade borbulha de turistas da manhã à noite e o hotel passa a cumprir as vezes de um refúgio de paz e conforto mais do que merecido. Escolhemos o Bauer Il Palazzo por tudo isto e recebemos bônus.  Il Palazzo é um verdadeiro palácio pois preserva estilo clássico veneziano em seus ambientes, adornados com lustres de cristal Baccarat,  pisos de mármore, mosaicos e móveis entalhados.

IMG_2908

Pisis Restaurante

IMG_2914

Punta della Dogana

Uma janela para o Canal Grande , com gôndolas passando , um terraço de café da manhã ao ar livre , perfeitamente denominado de Settimo Cielo, com vista para as cúpulas mais lindas da cidade e o Pisis, um dos melhores restaurantes às margens do canal de frente para a Punta della Dogana e Basílica de Santa Maria dela Salute. Além disto oferece possibilidades de experiências em aulas de culinária e confecção de máscaras venezianas.

IMG_2945

IMG_2687

 Settimo Cielo

O conforto e os mimos já seriam suficientemente convincentes se parassem por aí , foi então que numa noite de lua cheia descobrimos o serviço de barco privado para cruzar o canal e conhecer o jardim do Bauer Palladio que fica na Ilha da  Giudecca , um “bairro” bem tranquilo de Veneza , e ainda muito interessante e genuíno. Me senti num filme de James Bond , foram dois dias de luxos e devo confessar que Veneza nunca mais será a mesma depois desta experiência .

IMG_2903

IMG_2942

Posts Relacionados

Burano, a mega colorida ilha da laguna de Veneza

Roteiro pelo Vêneto

A Itália a ser descoberta: Sirmione e Ravenna

Sapori e sole em Verona e Lago di Garda

Para saber sobre roteiros em grupo ou assessoria particular do Viajando com Arte visite nosso site www.viajandocomarte.com.br

 

Roteiro pelo Vêneto

20 de outubro de 2013 13

IMG_5724

 

A região do Vêneto no norte da Itália, é bastante familiar na serra Gaúcha, pois foi de lá que muitos de seus ancestrais emigraram no século XIX em busca de uma vida nova em terras distantes.

Eu me incluo neste passado com a diferença que meu pai emigrou mais recentemente, depois da segunda guerra mundial. Desde muito cedo fui familiarizada com os nomes das cidades, das comidas, lembro de quando comprávamos alcachofra e a moça do caixa invariavelmente tinha que perguntar o que era aquilo tão diferente…

É uma região muito bonita e interessante, e para aqueles que tem vontade de conhece-la, resolvi montar um roteiro básico onde inclui as coisas que são imperdíveis neste trajeto.  

Nosso roteiro começa na cidade de Verona, imortalizada na tragédia de Shakespeare que narra o romance impossível de Romeu e Julieta.

Saindo do Brasil até Milão, você pode optar alugar um carro no aeroporto e pegar a auto estrada, ou pegar um trem até Verona e lá alugar um carro.

Verona 

Vista da cidade de Verona.

Dois dias em Verona dá para fazer muita coisa, não é uma cidade enorme, o centro histórico é lindo e bom de fazer a pé ou de bicicleta.

As principais atrações são a arena romana, um anfiteatro romano, construído no ano 30dc, que está muito bem conservado, e até hoje são apresentadas óperas e shows durante o verão.

Anfiteatro romano.

A casa de Julieta também atrai muitos turistas e apaixonados que deixam bilhetinhos de amor na entrada do túnel que leva até a famosa sacada.

IMG_5742

A famosa sacada de Julieta.

O comércio de Verona é especialmente atraente, pois tem concentrados em uma única rua, que vai da Arena até a casa de Julieta, as melhores grifes italianas.

Passeie pela cidade, entre em suas igrejas, elas as vezes escondem raros tesouros.

Seguindo nosso roteiro , nossa próxima parada é a pequena cidade de Soave, onde videiras e um lindo castelo medieval no topo de uma colina, dominam a paisagem. Estacione o carro e vá caminhando até o castelo, vale a subida, pois de lá se tem uma vista de 360 graus de toda a região. E a cidadezinha nos dá a sensação de ter voltado nos tempos de Ticiano e Tintoretto. Pare em algumas das tantas caves e bares para saborear um Spritz, bebida muito em moda por estas bandas.

soave

Soave

images

 

E o Spritz, a bebida de verão italiana que já chegou no Brasil.

Depois de uns 45km chegamos na cidade de Vicenza, famosa pela suas feiras de ourivesaria. Vicenza é outra cidade que vale muito a pena conhecer, não é uma cidade que transborda de turistas como a maioria das cidades italianas.

Vicenza-la_Piazza_dei_Signori

Piazza del Signore -Vicenza Foto: Wikipédia

No centro tem a Pizza del Signore, com um café estrategicamente colocado de onde se pode ver a vida dos vicentinos passar.

Não deixe de visitar o, projeto do ilustre arquiteto renascentista Andrea Palladio. O teatro  agenda apresentações até hoje e tem incrivelmente bem conservados cenários da sua criação.

DSC05620

Jardins do Teatro Olímpico.

DSC05623

 

A perfeita ilusão do cenário em perspectiva no Teatro Olímpico.

Passeie pela rua principal, a Corso Palladio, cheia de lojas, cafés, livrarias e muitos restaurantes nas adjacências. Antes de deixar Vicenza reserve um tempo para conhecer ao menos 2 das villas projetadas por Palladio, talvez a mais famosa seja a La Rotonda, um belíssimo exemplo da arquitetura renascentista, só confira os horários de visitação, que são poucos. Em Vicenza suba o Monte Bérico e almoçe no Restaurante Sette Santi, a comida é muito boa e você tem uma vista incrível da cidade.

Confira o site : http://www.settesanti.it/homepage.html

 

Villa_rotonda_15

 Villa La Rotonda, projeto de Andrea Palladio. Foto WikiArquitectura.

De Vicenza você tem algumas opções de passeios, se quiser um pouco do ar da montanha, minha sugestão é subir até Asiago, uma espécia de Gramado dos vicentinos, uma cidadezinha que guarda muito as características austríacas, e centro de esqui no inverno. A paisagem é muito bonita, no verão com aqueles gramados que parecem campos de golfe. O queijo famoso é o chamado grasso de Asiago. Esta região de montanhas nas proximidades de Vicenza eram muito utilizadas como estação de veraneio, assim como as pessoas se retiravam para as praias nos meses quentes de verão, muito vicentinos vinham para a montanha onde o ar era mais fresco e o contato com a natureza maior.

A familia do meu pai possuia uma pequena casa num vilarejo chamado Mazo, este lugar povoou a minha infância pois meu pai falava dele como fosse o paraíso sobre a terra. Nas suas memórias ligadas a Itália, este lugarzinho perdido é o que ocupa o lugar mais importante e ele fez questão que todos nós fossemos lá conhecer. É um lugar de onde sai uma linda trilha montanha acima, muito agreste, perfeito para um piquenique.  Casa de verão em Mazo de tempos imemoriais….  não deixe de conhecer, é linda! Na descida de Asiago em direção a Vicenza não perca de parar na Birreria Sumano, além da cerveja produzida por eles, tem umas bruschettas de presunto de parma e parmiggiano de Asiago que são o acompanhamento perfeito.

DSC05588

Birreria Sumano

DSC05578

DSC05587

Casa de Mazo

Nossa próxima visita é a cidade universitária de Padova. Entre as atrações de Padova ou Pádua em Português está a Basílica de Santo Antônio, este mesmo o santo casamenteiro, além de você ir lá pedir uma ajudinha ao santo, você aprecia as 29 peças executadas por Donatello para o altar desta igreja.

Se você for devoto passe por trás do altar e lá está exposta a lingua(!) de Santo Antônio.   É claro que qualquer roteiro no Vêneto que se preze deve incluir sua cidade mais famosa,  Veneza, também conhecida por La Sereníssima.

Veneza capital de uma das repúblicas mais poderosas da Itália, a República de Veneza, onde existia um intenso comércio com o oriente, principalmente com Constantinopla e conserva até hoje em sua arquitetura influências bizantinas. Veneza que sedia umas das bienais de Arte mais prestigiadas e importantes do mundo.

DSC05627

Ponte do Rialto.

Se você já foi a Veneza certamente terá alguma queixa de mau atendimento de garçons, uma vez um garçom se negou a nos servir só saladas… essas coisas acontecem em Veneza, hordas de turistas?? Essa é uma constante em Veneza, mas não desanime, a cidade vale a pena estes transtornos. Meu conselho durma ao menos uma noite em Veneza, está provado que a grande maioria dos turistas vai apenas passar o dia e a noite você pode passear tranquilamente e se transportar no tempo quem sabe para  clima da peça de Shakespeare, o mercador de Veneza! Que no filme atual com Al Pacino tão bem soube reproduzir a cidade dos tempos do gueto judeu.    

Este post já está longo demais, espero que vocês tenham se inspirado e estejam planejando em incluir a região do Vêneto na sua próxima viagem para a Itália!!

Arrivederci!

O que comer na Itália? Dicas de gastronomia por região

05 de outubro de 2012 1

A Itália é uma festa para o paladar. Para um italiano , falar sobre um destino de viagem começa sempre com a pergunta básica:  come-se bem por lá? Não é por nada que a Inglaterra seja um roteiro maldito no país.

O ritual da mesa tem uma aura mística , nenhum encontro social que se preze acontece sem um bom vinho e muitos pratos e o célebre movimento slow food, que estimula a valorização das tradições culinária regionais, surgiu na Itália em 1989.

Meu objetivo hoje é dar algumas dicas do caminho das “massas, tomates , queijos e vinhos ” para quem vai para Itália e não quer perder as delícias de cada região. As diferenças são muitas, e cada um se orgulha de seus produtos. Além disto não adianta você chegar na Toscana e querer comer um canolli siciliano que vai levar um desaforo de alguma mamma, tem que aprender a saborear também na época certa. Respeito pela tradição faz parte fundamental da cultura italiana. Mas vamos ao que interessa!

 

Piemonte : Queijo castelmagno, robiola e taleggio. Vinhos Barbera e Barolo e Barbaresco. Vinho doce de Asti. Trufas brancas e  negras de Alba. Panacota , doce de nata cozida com calda. Panetone Milanese.

Panacota Piemontesa

Ligúria: Pesto de Gênova, Vinho Valpolcevera.

Lombardia : Queijo gorgonzola e belpaese. Salames. Torrone de Cremona

Trentino Alto Adige : Vinho Santo e biscoito de amêndoas cantuccini.

Friulli- Venezia Giulia : Queijo montasio. Grappa. Presunto San Daniele. Vinho Pinot e Tocai.

Vêneto : Vinhos Valpolicella, Bardolino e Soave, que não é doce e nem suave.

Emília Romana : Vinagre Balsâmico de Módena. Mortadela de Bologna. Queijo Parmigiano Reggiano Grana        Padano de Parma e o frisante vinho Lambrusco.

Toscana : Vinhos Sassicaia , Tignanello e o Brunello de Montalcino. Queijo pecorino. Panforte di Siena, um doce de frutas secas.

Úmbria: Trufa negra de Norcia. Porchetta.

Lácio : Queijo pecorino romano. Spaghetti alla matriciana e carbonara e o leve vinho Frascati.

Sicília : Mini Tomates, pistache ,amêndoas e limão siciliano. Spaghetti alle vongole. Canollo, doce de ricota . Granita e Gelato em Notto. Caponata siciliana.

Granita , uma raspadinha com sabor de amêndoa e morangos

Sardenha : Queijo sardo. Vinho Cannonau e Carignano.

Mesa típica italiana

Se você gostou deste post e curte dicas de viagem, arte, restaurantes e afins, curta a nossa página Viajando com Arte no Facebook:

https://www.facebook.com/pages/Viajando-com-Arte/121374657937187

Burano, a mega colorida ilha da laguna de Veneza

14 de agosto de 2012 7

Era 15 de julho , o dia do meu aniversário. Eu queria algo bem especial , afinal estar em Veneza já era algo fantástico mas a cidade estava lotada e nós buscávamos um lugar mais calminho. Pegamos o vaporetto em Fondamenta Nuove , um porto de onde a ilha fica a menos de 40 minutos de Veneza . A primeira parada de nosso vaporetto foi em Murano, decidimos não descer , a ilha bombava e seria trocar seis por meia dúzia na nossa tentativa de fugir da multidão.

Esta “viagem” de barco é muito interessante , nunca tinha visto a Sereníssima do mar, e desta forma temos a dimensão de Veneza ligada a laguna e suas diversas ilhas, sua importância como grande República Marítima.

 

Burano é conhecida como a ilha mais colorida e a meca das rendas. Todas as lojas oferecem artigos lindos , mas com preços estratosféricos. O museu das rendas é a maior atração de Burano , mas confesso que me deixei encantar mais pelos canais e pelas casas coloridas.

Eu apreciei  seu lado mais bucólico , seus pouco mais de 4 mil moradores levam uma vida pacata, com barcos em frente as casas e conversas entre janelas e portas entreabertas , atrás de cortinas que servem para cortar o calor.

Senti uma familiaridade , um ambiente de cidade do interior e de solidariedade que fazia tempo não experienciava.

E as janelas…

Poucos restaurantes servem os turistas que se arriscam por aqui. Escolhemos bem , o  Rivarosa foi uma delícia mas cobra bem pela sua localização estratégica. Para três pratos crus e 2 cálices de vinho pagamos mais de cem euros.

Burano localiza-se sete quilômetros de Veneza, na volta nos enganamos e pegamos o vaporetto em direção oposta , acabamos aportando em pela Piazza de San Marco , o que foi mais um belo presente para o meu dia especial.

Pardal de barco na laguna

Termino com esta placa que disse muito sobre o encantamento que Burano exerceu sobre mim.

Se você gostou deste post e curte dicas de viagem, arte, restaurantes e afins, curta a nossa página Viajando com Arte no Facebook:

 https://www.facebook.com/pages/Viajando-com-Arte/121374657937187

A Itália a ser descoberta: Sirmione e Ravenna

26 de maio de 2012 1

Meu roteiro começa no Lago de Garda, numa cidadezinha que parece tirada de contos de fadas pois situa-se numa ilha cuja entrada é feita por uma ponte pênsil aos moldes dos castelos medievais.

Sirmione é conhecida como a pérola do Lago di Garda e se orgulha de ser um importante local de veraneio desde os tempos do Império Romano , o poeta Catullo tinha uma vila nas imediações da cidade e cantou suas belezas em versos, hoje está em ruínas e é um belo passeio saindo do centro de da cidade. O Lago di Garda é muito transparente e para quem gosta de água gelada pode oferecer um ótimo banho nos dias de verão.

A cidade é bem turística, mas a beleza das flores e o cuidado com as construções é encantador. Pode-se fazer passeios de barco pelo lago e também visitar outras cidades costeiras. Para hospedagem , os hotéis que ficam na entrada da cidade , na península antes de chegar no centro histórico são bem ” praianos” e mais baratos. No centro os preços sobem proporcionalmente ao charme!

Passamos por Peschiera del Garda antes de seguirmos para nosso próximo destino. Também é bonitinha mas mais estilo férias em família, muitas cantinas e um grande calçadão faz a alegria da criançada.

Verona é a cidade maiorzinha mais próxima do Lago de Garda e é imperdível. Era temporada de ópera na Arena e mesmo não sendo muito fã do estilo compramos entradas para assistir Carmen de Bizet em grande estilo. Um espetáculo grandioso e arrebatador, a música com uma excelente orquestra , os personagens em número quase incontável , várias cenas acontecendo concomitantemente! Um arraso.

Se um dia estiverem por lá nesta época , não percam! A temporada de 2012 começa logo, logo com Don Giovanni em 22 de junho e os tickets já estão à venda . http://www.veronaticket.com

 

Para quem estiver de carro pela região , o que aconselho muito, vale a pena subir nas colinas em volta de Verona e apreciar o visual do centro histórico, o rio Ádige e suas diversas pontes. Muitas vilas privadas se espalham pela região e os ciprestem compõem o cenário perfeitamente.

Nosso objetivo final era chegar até Ravenna, antiga cidade ostrogoda que é dos melhores exemplo da arquitetura e arte Bizantina no Ocidente. No século VI, quando o Imperador Justiniano reconquistou a Itália para o Império Romano do Oriente ( Império Bizantino) , transformou Ravenna em capital e lá construiu as grandes monumentos ao cristianismo primitivo e os melhores mosaicos, que se conservam até hoje. As únicas imagens de Justiniano e Teodora, sua controversa esposa, estão em Ravenna.

Não muito conhecida fora da Itália, Ravenna guarda um clima de cidade do interior. Foi aqui que o poeta Dante escreveu a Divina Comédia e morreu no século XIV. Seus tesouros estão espalhados pelas ruas da cidade que ainda não foi totalmente explorada pelo turismo. http://www.turismo.ravenna.it/

Para estadia o Villa Santa Maria in Foris é um hotel super charmoso no centro de Ravenna. Os quartos são enormes , a decoração linda e o atendimento um primor , não poderia ter sido melhor escolha!

O Mausoléu de Gala Placídia e a Igreja de San Vitalle estão bem no centro de Ravenna, tem fachadas muito simples de acordo com a arquitetura bizantina e mosaicos encantadores e bem trabalhados nas paredes internas. Gala Placídia foi a filha do Imperador Teodósio que dividiu o Império Romano entregando cada região para um de seus filhos governar, Gala acabou sendo casada com um general bárbaro e seu filho também reinou sendo ela , filha , irmã e mãe de Imperadores. Reparem que a plantas destes prédios guardam o formato de cruz grega, ou seja, são octogonais!

Nas cercanias de Ravenna a Basílica de San Apollinario Nuovo era parte da capela palatina de Teodósio, do século VI. Os mosaicos são muito bem conservados e somente a localização já vale a visita. Os campos de girassóis no início do verão são deslumbrantes.

Ravenna é muito visitada por localizar-se no litoral, o Lido de Ravenna é a praia local. Mas as fotos não me deixam mentir, acho que foi das piores praias que já vi na vida ! Ufa , já que em termos de arte e história eles nos deixam com água na boca, em termos de praias não temos do que nos queixar, Lido de Ravenna parece uma praia do Guaíba!  

Segundo uma moradora de Ravenna esta praia não reflete o litoral local, ela escreveu mandando simpáticas dicas sobre as praias, se pudesse mandar algumas fotos seria bem legal:

” Existem praias maravilhosas com águas limpas e transparentes, como Milano Maritima, Punta Marina, Cesenatico, e outras tantas, todas em Ravenna.”

Então já sabem , se o calor apertar , Lido de Ravenna não é o canal.

Se você gostou deste post e curte dicas de viagem, arte, restaurantes e afins, curta a nossa página Viajando com Arte no Facebook:

 https://www.facebook.com/pages/Viajando-com-Arte/121374657937187

Sapori e sole em Verona e Lago di Garda!

23 de agosto de 2010 6

 

 Hoje o Viajando com Arte traz outro depoimento da nossa amiga viajante Sabrina Porcher, ela descreve com muito encantamento esta região lindíssima no norte da Itália.

Valeu Sabrina por mais esta!!!

 

Em maio de 2009 fui com um grupo de amigos para o norte da Itália. Mais precisamente Verona e a região do lago de Garda. Fiquei impressionada com as paisagens e a beleza da região! Muito lindo! E foi sem dúvidas onde eu melhor comi em toda minha vida!!! Tinha ficado um pouco decepcionada quando fui a Roma, Firenze e região da Toscana, não comi nenhuma pasta italiana que tenha me feito delirar e tampouco a melhor pizza do mundo. Mas claro, estavamos só entre ‘gringos’ e não tinhamos nenhuma dica boa de restaurantes.

 

 


Mas dessa vez a viagem foi toda organizada por 2 amigos italianos, um que inclusive mora na  região. Ou seja, ele não só conhecia os restaurantes como os donos dos restaurantes. Por isso fomos muito bem tratados por onde passamos! Só pra dar uma idéia, teve um restaurante que o chef fez questão de improvisar um “pout-pourri” do menu de entradas e sobremesas, só para nos fazer experimentar de tudo um pouco! Delizia!

 

 

 

 

A viagem foi sensacional, proporcionou calor, sol, banho de lago e sensação de estarmos na praia e no verão nas cidadezinhas em torno do Lago di Garda, mas também frio e neve no topo do Monte Baldo! E também foi muito bom pois eu não havia organizado nada, apenas me dexei levar e confiei nos amigos italianos!  Então foi surpresa e descoberta total!

 

 

 

Alugamos um carro no aeroporto de Bergamo e fomos até a cidadezinha de Sandra, onde ficava nosso hotel. Ao todo foram 4 dias, percorremos 600 km (o ‘tour’ do Lago di Garda leva pelo menos 200Km) e visitamos 14 cidades (Verona, S. Martino Buon Albergo, Malcesine, Limone, Riva del Garda, Garda, Bardolino, Lazise, Borghetto, Valeggio sul Mincio, Peschiera del Garda, Castelnuovo, Sirmione e Desenzano).

 

 

No primeiro dia visitamos Verona que tem uma história que vem desde os tempos romanos, quando seu território era disputado por diversos países europeus. Além disso a cidade tem uma das mais bonitas arquiteturas romana, românica, gótica e renascentista. E fora isso tudo… o que Verona tem de mais famoso? Romeu e Julieta, é claro! A peça escrita por Shakespeare (inspirada num conto italiano de Masuccio Salernitano) se passa na cidade de Verona, e é la que fica a casa e o famoso balcão da Julieta. Hoje os apaixonados deixam bilhetinhos e recadinhos grudados com chiclé, ou escritos diretamente nas paredes da entrada da casa! 

 

 

 

 

Outras atrações de Verona são o piazza Brà, via Mazzini, Piazza Erbe, via Sottoriva, Castelvecchio, Teatro Romano, etc.. A noite fomos no restaurante onde o chef nos fez provar um pouco de tudo! Como entrada: polenta, mozzarela de bufala, proschiutto, salada, salami… E como prato, risotto ao vinho e nhoqui de trufas (olhem a foto do nhoqui, não tem nada a ver com o que conheçemos!!!). E as sobremesas… Hummmmmmm!!!

 

 

 

Não preciso comentar que a média era de 3 sorvetes por dia!!! Ahhh e nossos “apéros” eram sempre regados à muito Spritz! A bebidinha tipica da região! Uma delícia!

 

SPRITZ:

2 medidas Prosecco

1 1/2 Aperol Orange Liqueur

1 Soda or Seltz

1 rodela de laranja

 

 

 

Segundo dia seguimos rumo à Malcesine, pegamos um teleférico até o Monte Baldo (2.000 metros de altitude). A paisagem é linda, a neve ainda estava lá e fazia frio!

 

 

De Malcesine, que é uma cidadezinha muito bonitinha, pegamos um barco para Limone, que como o nome ja diz tem limões incríveis! Como eu nunca tinha visto na minha vida! Primeiro que eles são gigantes, parecem mais melões! Gigantes, lindos e quase fluorescentes de tão coloridos!

 

 

De Limone pegamos outro barco e fomos para Riva del Garda. Esses 2 passeios de barco também foram geniais! Da pra ver a paisagem de outro ângulo, e fica tudo ainda mais lindo!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Rive del Garda é outra cidadezinha cheia de charme. Onde apenas passear pelas suas ruelas ja é um programa, e claro… mais um apèro com Spritz! Nesse dia a noite fomos ao restaurante Foci da Rita, um ambiente super acolhedor e uma comida MARAVILHOSA, só para variar! O fato é que na Itália a comida não só é boa, como é em grande quantidade! Provamos a famosa “Carne salà”, que a tradução seria uma carne salgada, uma delícia, e muuuuuitas outras coisas!

 


No terçeiro dia visitamos diversas outras cidadezinhas pitorescas nas margens do lago di Garda. Pegamos muito sol, calor, tomamos banho no lago e comemos muito bem, é claro! A noite fomos para a cidadezinha do nosso amigo italiano Marco onde estava tendo um festival típico italiano, daqueles bem de vilarejo, no meio da praça, com banda ao vivo e quiosques vendendo pasta, risotto, tortelline, barbecue, vinho e grappa! Foi pura diversão!

 

 

 

Último dia… Ainda faltava conhecer Sirmione e Desenzano. Uma graça, paisagem linda, e atmosfera medieval. Em Desenzano finalmente experimentamos o limão que tanto vimos pela região. Isso mesmo! Comemos limão puro! E mais… é uma delicia, e claro não é forte e azedo como o nosso limão verde!

Foi essa a nossa dolce vita na Itália!!!!

 

 

 

 

 

 

 


Albergo Ristorante Al Sole (Hotel onde ficamos)

Via Gen. Zamboni 43 – 37010 Sandra’ (VR) – Italia
Tel: +390457596231

Quarto para 2 pessoas com café da manhã: € 55 a diaria

Ristorante “Il Coppiere” (Restaurante do nhoqui com trufas)
37036 San Martino Buon Albergo (VR) via XX

Settembre, 48/B

Tel: 045 8820199


Restaurant Foci da Rita (Restaurante da especialidade da região a “Carne salà”.

Via Grotta Casata Località Tenno n°10

Tel 0464555725

 

Ciao!!!