Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de dezembro 2009

Um passeio pela Graciosa

30 de dezembro de 2009 0

Todo curitibano que tem carro e curte viajar já deve ter feito o passeio pela estrada da Graciosa pelo menos uma vez na vida. Assim como o gaúcho gosta de ir para a Serra ou Litoral, o curitibano gosta de uma viagem até Morretes pela Graciosa. A estrada desce pela Serra do Mar, com cascatas e vistas da Serra e até do oceano, em alguns pontos. Parte e asfaltada e parte em paralelepípedo. Nos fins de semana fica congestionada. Em dias da semana é mais tranquilo passear lá. A seguir algumas fotos da estrada da Graciosa, que é o xodó dos curitibanos.

Pórtico de entrada:( a partir da BR-116, a estrada que liga Curitiba a São Paulo)

Parece a Serra gaúcha, mas é a Serra do Mar.

Outras fotos:

Tem cascatas e alguns rios bem legais por lá.

Em Morretes, o programa é saborear um barreado, prato típico da região, num dos vários restaurantes da cidade. Sempre que vou lá escolho o Restaurante Ponte Velha, que fica às margens do rio. No cardápio o barreado, peixe e bolinho de peixe, que é um dos melhores que já experimentei.

O restaurante, visto da outra margem do rio.

Fotos: arquivo pessoal.

Dica de hotel em Caxias do Sul

29 de dezembro de 2009 0

Ontem escrevi sobre um hotel bom para se ficar em Caxias do Sul, o Blue Tree. Falei das vantagens do hotel mas esqueci de dizer porque sugeri hotel em Caxias. Bem, a cidade fica mais ou menos no centro da Serra, perto de Bento e perto de Nova Petrópolis, Gramado e Canela. Além disso, Caxias é uma cidade grande, com ótima infra-estrutura e tem ainda seus atrativos turísticos. Para quem viaja de carro pela Serra e procura um ponto bem localizado para se hospedar, então deve optar por Caxias. E como já falei, nos fins de semana o Blue Tree tem preços promocionais. Vale a pena.

116 ou 101? - vantagens e desvantagens

29 de dezembro de 2009 432

Post atualizado em  29 de janeiro de 2017.

Um dos assuntos mais procurados no Blog. O melhor caminho para fazer entre SP e  RS. Qual estrada é melhor entre Porto Alegre e Curitiba? BR-101 ou BR-116?

Bem, de São Paulo a Curitiba o caminho é a Régis Bittencourt, apesar do trecho ainda não concluído na Serra do Cafezal, em SP. No começo de janeiro saí de Curitiba para São Paulo e fiz a viagem sem problemas. Era domingo, primeiro de janeiro, com pouquíssimo movimento. Eu diria que a BR-116 estava como a gente gosta:

DSCN4466_640x480

Uma das regiões mais bonitas da Régis fica no Paraná, quase na divisa com São Paulo.

DSCN4465_640x480

DSCN4467_640x480

Em dias de grande movimento é preciso ficar atento com os caminhões na subida da serra. Apesar de ser obrigatório trafegar na direita, os menos lentos querem passar dos mais lentos e às vezes caminhões ocupam as 3 faixas. Além disso, caminhoneiro quando vai ultrapassar não quer saber se tem carro ao lado, toca por cima. Ao ultrapassar um caminhão, acelere o máximo possível e fique o menos tempo que puder ao lado do caminhão. Outra coisa: na subida da serra há trechos com velocidade máxima de 60 km. Fique atento às placas que há radares.

O trecho da serra do cafezal em SP ainda é complicado, mesmo que no sentido norte a pista esteja totalmente duplicada. Na subida, a pista da direita está ruim, cheia de calombos. Lá ocorre o mesmo problema com os caminhões, que muitas vezes usam as 2 faixas para ultrapassar um carro mais lento. Outro problema são os motoristas que não sabem dirigir em estrada e andam em marcha lenta na pista da esquerda, sem dar passagem para quem quer ir mais rápido. É preciso muita atenção neste trecho de uns 30 km.

Na chegada a São Paulo há 2 ou 3 pistas, mas muito movimento e radares. Trecho também requer atenção.

No sentido inverso, de São Paulo a Curitiba, o trecho mais problemático é o da Serra do Cafezal. Na viagem que fiz, em 29 de janeiro de 2017, saí de SP bem cedo, antes das 6h. Era um domingo e o movimento menor. O fato de ter saído cedo ajudou, porque peguei poucos caminhões na Serra do Cafezal. Tinha um pouco de neblina

DSCN5117_640x480

Há uns 5 km em pista simples para quem vai para Curitiba. Depois tem um trecho de uns 2 km duplicado e mais 6 km de pista simples. O asfalto, deste lado da estrada, também tem muitas falhas.

DSCN5123_640x480

DSCN5122_640x480

Para mostrar o que escrevi antes, é preciso tomar cuidado com os caminhões, que muitas vezes usam as 2 pistas, apesar das placas indicando que caminhão e ônibus tem que usar obrigatoriamente a pista da direita. E tem muito caminhoneiro bandido, mesmo.

DSCN5129_640x480

Já a viagem de Curitiba para Porto Alegre, ou vice-versa, agora ficou mais fácil. Só use a BR-116 em caso de extrema necessidade. A BR-101 está duplicada. O maior entrave nesta estrada é o movimento mais intenso nos fins de semana de verão em SC. No mais a viagem é tranquila. No trecho da 376, na divisa de SC e PR, é preciso ter cuidado com os radares e o limite de velocidade, que cai bastante. Às vezes a PRF está com radar móvel. Então, não abuse da velocidade.

A ponte de Laguna ajudou a melhorar um dos trechos mais complicados da 101. Foi inaugurada em julho de 2015.

pontedelaguna

Se o seu destino é a Serra Gaúcha, geralmente a melhor opção é a BR-116, apesar da pista simples e dos trechos de serra, em SC e no RS. A parte gaúcha tem um trecho bonito, mas requer paciência. Outros pontos problemáticos, de lentidão, ficam em Lages, SC, e em Vacaria, no RS. Em Caxias do Sul também há lentidão. No entorno de Curitiba, também há bastante movimento.

Usar a BR-101 para ir à Serra Gaúcha é uma boa opção. Neste caso,  é preciso subir a Rota do Sol em direção à São Francisco de Paula e Canela e Gramado. Lembro que a 101 está totalmente duplicada agora.

101

Tanto a BR-101 como a BR-116 entre SP e RS tem pedágio, mas na Régis os valores são um pouco maior.  Na Régis são 6 pedágios a R$ 3 cada. Na 101 são 4 pedágios em SC, a R$ 2,30. NO trecho gaúcho são 2 pedágios, sendo que apenas o de Gravataí cobra nos dois sentidos. O de Santo Antonio da Patrulha cobra apenas no sentido Porto Alegre – Osório e custa mais de 13 reais. O de Gravataí custa R$ 6,90.

Além dos pedágios, fique atento ao movimento de caminhões, principalmente na BR-116 entre SP e Curitiba.

Na Régis, os principais pontos de parada para refeições ficam em SP, na região de Registro. Há 3 Graal na região, além de outros postos que oferecem boa refeição e banheiros limpos. Dois ficam no sentido Sul e 1 no sentido Norte. O combustível é mais barato no estado de São Paulo, especialmente o álcool. Em Curitiba, a gasolina é barata em alguns postos. Na Régis, depois de Registro em direção ao Paraná, os locais de parada vão se reduzindo, a não ser na região metropolitana de Curitiba, mas aí já é quase o fim da viagem. Na BR-101 em SC, há muitas opções de paradas porque são vários os balneários, especialmente na parte Norte, entre Florianópolis e Joinville. No RS, há bom locais de parada entre Torres e Osório. Depois de Osório até Porto Alegre não tem nenhum. Na BR-116 entre Curitiba e Porto Alegre é difícil encontrar um bom lugar para refeição, a não ser perto das cidades maiores, como Lages, Vacaria e Caxias do Sul.

Quem curte fotografia, pode me seguir no Instagram ou Twitter.

De Porto Alegre a Curitiba

27 de dezembro de 2009 1

São pouco mais de 700 km pela BR-116. Pela BR-101 a distância é uns 50 km maior e a desvantagem são as obras de duplicação no sul de SC. Além disso, acho a 101 no trecho de Santa Catarina uma das estradas mais perigosas do País, mesmo na parte duplicada. O movimento de caminhões é intenso. É preciso andar a uma velocidade nunca menor do que 100 km/h, acompanhando o tráfego. Ao mesmo tempo, é preciso muita atenção aos caminhões que querem correr mais e colam na traseira dos automóveis. A tensão é muito grande e dirigir nesta estrada exige do motorista concentração total. Por isso, desta vez, ao sair de Porto Alegre para Curitiba preferi a BR-116, apesar do trecho em subida e com curvas na Serra gaúcha. Depois de Lages, em SC, o movimento na estrada diminu e, mesmo não sendo duplicada, a viagem fica mais rápida. Na minha viagem em questão, tudo saiu perfeito. Na subida da Serra gaúcha, pouco antes de Nova Petrópolis, havia um galho na pista, mas era no lado que descia e mesmo assim não houve problemas. Houve temporal na madrugada.

A chegada em Curitiba, mesmo conhecendo a cidade, foi um pouco complicada. Mas cheguei ao centro e logo ao hotel. Fiquei desta vez no Elo Inn, com diária de 110 reais para 3 pessoas. É um hotel simples, mas localizado perto do calçadão.

Durante o dia, o calçadão de Curitiba é um lugar legal para caminhar. Há muitas lojas, cafés, livraria e até barzinhos com mesas na calçada.

É no calçadão que fica o prédio do HSBC, antigo Bamerindus, onde em dezembro há o show de Natal que ficou famoso em todo o Brasil. O local lota nas noites de show, que é de graça e termina com queima de fogos de artifício. De dia o prédio é assim:

À noite fica assim:

Curitiba é uma cidade fantástica. Nos próximos dias volto a postar sobre a capital do Paraná e a publicar ou republicar mais fotos de lá.

Fotos: arquivo pessoal

Relembrando a Rio - Santos

21 de dezembro de 2009 1

A seguir algumas fotos tiradas da Rio – Santos, ou a Rota das Lombadas. São quase 120 no litoral paulista. É de tirar a paciência de qualquer um. Mas apesar disso há lugares bonitos. E sempre com a presença da Serra do Mar, que faz um visual interessante por causa das nuvens e do verde em contraste com a estrada e o mar.

Uma vista do mar a partir da estrada.

Outra:

Um arco-íris em Bertioga:

Ainda em Bertioga:

O litoral paulista é quase todo assim: foto de Itanhaém.

A Pousada Vesúvio vista da praia em Itanhaém. O dono é um italiano que ficou frustrado porque não comemos a lasanha que ele preparou à noite. É que fomos ao centro da cidade passear e acabamos jantando por lá mesmo. Quando voltamos à pousada o cara nos esperava com a lasanha. Mas não foi possível comer. E olha que devia estar saborosa, já que o cara é italiano… E pensar que comemos uma pizza meia boca…

Na viagem em direção ao litoral sul de São Paulo, a gente passa por Cubatão, que já foi a cidade mais poluída do Brasil. Acho que continua sendo.

No post abaixo detalhes do melhor hambúrger do mundo.

As fotos são do meu arquivo pessoal.

Já experimentou o melhor hambúrger do mundo?

21 de dezembro de 2009 0

Um passeio por Curitiba não pode faltar uma visita ao Shopping Estação, que entre os que eu conheço, é um dos mais bonitos. De uma antiga estação ferroviária, fizeram este shopping muito bacana.

Eles aproveitaram a antiga plapaforma da estação, que agora fica dentro do shopping. É um exemplo de como espaços podem ser reaproveitados. Bem diferente do cais do porto de Porto Alegre, que está abandonado há milênios.

Lá no Estação tem o Restaurante Madero, que serve simplesmente o melhor hambúrguer do mundo. E olha que acho que é verdade.

Curitiba é uma cidade ótima. O calçadão do centro, na Boca Maldita, é bem diferente do centro de Porto Alegre. Nos domingos pela manhã é agradável de se caminhar porque tem menos movimento, mas as lojas já estão abertas.

E Curitiba tem um monte de parques, o Jardim Botânico, dezenas de shoppings e a Praça do Japão.

Depois de Curitiba fui para Ponta Grossa. A estrada é ótima, com 2 faixas em cada direção e o asfalto nota 10. Tem pedágio, claro, mas este a gente não se importa muito de pagar. Abaixo 2 flagrantes da BR-277, a estrada que corta o Paraná até Foz do Iguaçu.

Em Ponta Grossa fiquei num hotel excelente. Apartamento enorme, super confortável e com 2 piscinas, a externa e a térmica. Confesso que apesar do calor preferi a térmica porque a outra estava com a água muito fria…

De Ponta Grossa voltei para Curitiba. Hoje, segunda, fico aqui e amanhã desço a estrada da Graciosa em direção ao Litoral. Vou almoçar um Barreado em Morretes e depois seguir para Guaratuba, que é uma das praias do PR.

Até agora, pouca chuva. Em todos os lugares foi possível aproveitar praia e/ou piscina. Estou um pouco queimado, numa coloração meio avermelhada, por isso é bom dar um tempo em Curitiba até pegar uma praia amanhã.

Fotos> arquivo pessoal;

Bye bye litoral paulista

19 de dezembro de 2009 1

Mudança de planos. Por isso viajar de carro é bom. Decidi sair do litoral de SP mais cedo. Voltei para Curitiba. E amanhã vou para Ponta Grossa, ficar num hotel que descobri no Guia 4 Rodas. Tem uma piscina enorme, além de outra, térmica. Na saída de São Paulo em direção ao Paraná, um flagrante da BR-116, também conhecida como Régis Bittencourt.

Por ser sábado, o movimento de caminhões estava bastante reduzido, mas mesmo assim em alguns trechos havia muitos.

Curitiba é sempre uma cidade maravilhosa. Logo depois da chegada,pausa para um chocolate gelado e um brownie, já que o almoço foi apenas um lanche na estrada.

O café fica na Boca Maldita, bem no centro de Curitiba, que tem um calçadão bem legal, bem diferente do centro de Porto Alegre em que pouco ou quase nada se aproveita.

Tem até bares com mesas na calçada. Ou calçadão…

Também no calçadão fica oprédio do HSBC, antigo Bamerindus, onde à noite tem o show de Natal cuja foto já publiquei outro dia.

Antes de sair de Itanhaem, no litoral sul de SP, bati fotos de uma das praias de lá.

Hoje à noite vou comer o “melhor hambúrger do mundo” no shopping Estação, em Curitiba. Amanhã coloco uma foto do hambúrger que, se não é o melhor do mundo, certamente éo melhor que já experimentei…

Um pouco de Itanhaem

18 de dezembro de 2009 1

Depois de rodar pela Rio Santos acabei em Itanhaem, uma praia que não estava no meu roteiro inicial. Não tem o glamour de uma Maresias, por exemplo, mas em quase nada difere das demais praias do litoral paulista. O mar é comum: uma longa faixa de areia e água escura, bem parecida com Capão ou Tramandaí, no RS. A diferença é que a água é quente.  Num dos cantos da praia tem um pequeno morro que lembra Torres. Do outro lado, ao longe, a presença da Serra do Mar. Abaixo uma geral da praia de Cibratel 1, em Itanhaem.

Em Itanhaem descobri uma pousada bem legal. Na frente dessa praia aí em cima e com uma piscina ótima.

Para quem não conhece o litoral de SP. A Serra do Mar é presença constante. A faixa de litoral é bem estreita em algumas áreas. No caso da Serra, é até bom, porque acho que ela acaba servindo como uma barreira, impedindo por exemplo a chuva. Nesta semana choveu forte em São Paulo. No litoral ameaçou um temporal mas veio apenas uma chuva forte e só.

Antes de vir para Itanhaem passei um dia em Bertioga, outra praia paulista sem muita badalação. As fotos do temporal acima foram tiradas lá. No hotel, a descoberta de um hóspede bem incomum. Me senti em Hogwarts – acho que é assim que se escreve a escola de magia de Harry Potter…

Para encerrar este post algumas fotos da Rio Santos:

Na divisa de SP com o Rio de Janeiro a descoberta da Cascata da escada.

Amanhã vou para Peruíbe, última praia no litoral de SP antes da BR-116. Se não conseguir hotel, sigo direto ao Paraná.

Parati oy Paraty?

15 de dezembro de 2009 0

Não importa se é com I ou com Y, a cidade de Paraty é um lugar bem bacana prá se visitar. Lembra Ouro Preto pelas casas coloridas do tempo do Brasil Colônia. Para chegar aqui, foi um caminho cansativo. Depois de 2 dias em Sâo Paulo, peguei a Imigrantes para o Litoral. É a terceira vez que venho ao litoral de SP e pela terceira vez consegui errar o caminho. Em vez de seguir por Cubatão e depois ao Litoral Norte, entrei em Santos. Depois de várias voltas, peguei a balsa para Guarujá, que era o caminho mais indicado, em vez de voltar pela estrada até o ponto certo. A foto abaixo foi tirada da balsa, com vista para Santos.

O Litoral de São Paulo pode chamado também de a Terra das Lombadas. Nunca vi tantas. É impossível dirigir numa velocidade média aceitável. A todo momento é preciso quase parar para passar pelas lombadas. É um exercício de paciência que chega a irritar. Depois de horas nas curvas e lombadas, chega-se ao estado do Rio, pela BR-101, também conhecida como Rio – Santos.

Um pouco sobre a viagem de Curitiba a São Paulo:

Viajar de carro de Curitiba para São Paulo é complicado, mesmo num domingo. O movimento de caminhões é grande, principalmente na saída de Curitiba. Além disso, o trecho não duplicado de MIracatu tem mais de 39 km e é demorado. Os caminhões na Regis Bittencourt não dão folga, mesmo em domingos.

Tentei postar mais fotos mas está difícil achar um computador aceitável. Quem sabe na volta das férias em faça um resumo da viagem e publique muitas fotos que estou tirando pelo caminho.

De Curitiba

13 de dezembro de 2009 0

A viagem para Curitiba foi tranquila, via BR-116. Na chegada a Nova Petrópolis, o único (pequeno) transtorno, uma árvore em parte da pista.

Na divisa do RS com SC.

Curitiba continua uma cidade legal. À noite, assistimos ao tradicional show de Natal no calçadão, os meninos cantantes do prédio do antigo Bamerindus, agora HSBC. Todo ano tem, mas sempre diferente, se renovando. Bem diferente do Natal Luz de Gramado, que é quase sempre a mesma coisa…

fotos: arquivo pessoal.

Agora já estou em Sâo Paulo. Até agora pouca chuva, apenas em parte do RS. Curitiba amanheceu com sol e frio no domingo. Em SP céu nublado, apenas uma leve garoa de vez em quando. Amanhã vou postar algumas fotos da viagem e fazer um relato.