Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Passeando por Amsterdam

20 de dezembro de 2010 0

A capital da Holanda me encantou deste a primeira visita. Mas antes de se aventurar de automóvel, leia o que foi escrito sobre viajar de carro na Europa.

Além disso, tem mais o problema ( ou solução)- os canais.

O transporte aquático percorre quase toda a Cidade Velha e os inúmeros canais me fizeram criar uma imagem ainda mais romântica da cidade, até porque entre os barcos ancorados, me surpreendi ao ver casais no deck tomando seu café da manhã.

Na verdade são casas/ barcos. São moradias flutuantes que permanecem fazendo parte da cidade, algumas até mesmo servindo como hotéis.

Circundar o centro histórico de barco ajuda a entender um pouco sobre o passado desta cidade cuja área atual já esteve em grande parte submersa no mar.

Hoje são 160 canais, por isso a região também é conhecida como a Veneza do Norte. Barcos fazem passeios de cerca de uma hora.

Encontra-se facilmente uma fila deles em Damrak, uma das principais áreas da região onde lojas de souvenirs expõem os simpáticos gatinhos que vivos decoram as janelas.

De alguma forma, a antiga vila de pescadores continua lá até hoje em pequenos detalhes. Por debaixo das pontes e curvas fechadas a embarcação passa continuamente pelos principais canais.

Numa das paradas está o Centro Nacional de Tecnologia, Nemo, uma homenagem ao capitão famoso e numa outra o restaurante oriental, um palácio que  lembra o que está flutuando em Hong Kong há muito tempo.

Vistas dos barcos a arquitetura das casas impressiona ainda mais. Coladas umas às outras as taxas eram cobradas de acordo com a largura das fachadas e isso fez com que todas fossem erguidas estreitas e compridas.

A conseqüência foi janelas grandes e roldanas perto do angulo do telhado para alçar a mobília que jamais subiria pelas estreitas escadas. E por que inclinadas para frente? Para que os móveis a serem içados não raspassem nas paredes.

Muitas construções estão visivelmente tortas. Algumas parecem querer se apoiar na casa vizinha.

O terreno pantanoso onde foram construídas deve ser a causa que acabou se tornando uma característica.

O idioma é outro fator que nos deixa a vontade. Não é preciso tentar o  “dutch”. Os holandeses  recebem os estrangeiros em qualquer língua, nas escolas estudam quatro. O inglês é falado por todos.

Cuidado, actung, atenzione com as bicicletas.

Elas estão por todos os lados e nós desatentos como bons turistas invadimos o caminho delas. Aliás, a Holanda tem a  rede de ciclovias das melhores da Europa,  obedecem ao sinal e descansam em estacionamentos de três andares. Quase todas são pretas. Como é que as acham? Só perguntando para um holandês!

 


Bookmark and Share

Envie seu Comentário