Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 13 julho 2011

Índia, encanto do subcontinente

13 de julho de 2011 0

Ao pisar em solo indiano, esqueça a lógica que nos norteia no mundo ocidental.

Com mais de 1 bilhão de habitantes, 25 línguas oficiais, 4.500 anos de civilização e milhões de deuses, entenda, não é possível encarar a Índia da mesma forma que um país ocidental. A pobreza ali convive com a opulência sem limites dos palácios e hotéis.

Portanto, viajar pela Índia exige esforço, discernimento e bom estômago.

Ao se postar em frente à primeira refeição made in Índia, é possível se entender porque Salman Rushdie transformou a pimenta em protagonista de seu livro ” O ultimo suspiro do Mouro“: simplesmente é usada em tudo e em quantidades industriais.

Andar pelas metrópoles indianas significa se acostumar com motoristas enlouquecidos e com uma sintonia de buzinas e motores barulhentos de carros, triciclos e motos.

Dar de cara com uma vaca atrapalhando o trânsito ou ver macacos destruindo antenas de carros é comum. Vacas roubando legumes de feirantes também é freqüente. Imagino o drama do devoto feirante: a vaca está ” roubando”( elas pegam algo e saem), mas é uma divindade. Como se enxota um Deus da sua banquinha?

É dever nosso exercitar a paciência com a legião de miseráveis que nos aborda insistentemente sem nos tocar.

Mas também é de se deslumbrar com as indianas de sáris e cabelos enfeitados com flores.

Visitar a Índia é topar com uma diminuta capela multicolorida e adornada com imagens numa esquina, no momento em que uma oferenda está sendo feita.

É visitar um templo jainista que resplandece de tão limpo.

É ainda, viajar de avião e na poltrona vizinha tem um sadhu( homem santo) descalço, de pernas cruzadas em posição de lótus sobre o banco e enrolado em um pano amarelão que faz as vezes  de manto.

Nos mercados, quinquilharias chinesas disputam espaço com tecidos de seda e pashiminas( feitas de lã de cabra do Himalaia) que custam algumas centenas de dólares.

O país da não violência vive em prontidão militar há muito tempo, mas teve que reforçá-la desde que num entardecer foi surpreendido por rajadas de metralhadoras e granadas explodindo em Mumbai em 2008. Foram três dias de combate, 187 mortos e só um preso.

Bookmark and Share

Machu Picchu, 100 anos de descoberta

13 de julho de 2011 0

Esses dias falamos de Machu Picchu. Pois bem, a hora da grande festa chegou (não sei se você lembra bem). É o centenário da descoberta da mais antiga ruína inca, uma semana ininterrupta de festa. Começou dia 3 de julho. O auge da festa foi no dia 7, quando Cuzco despertou com disparos de canhão. Grupos de diversas correntes expressaram sua arte nas praças da cidade.

Nesse mesmo dia, o sítio arqueológico foi palco da encenação do Tinkay, cerimônia cuja finalidade é transmitir força e energia para a preservação de toda a história.

Ao cair da noite, a cidade sagrada foi cenário para um espetáculo de luz e som, com a participação da Orquestra Andina e da Sinfônica de Cuzco, exclusivo para convidados (tem que ser, pois a ruína é pequena). A 2.700 m de altura, orquestra ao vivo, quem sabe um céu estrelado e a lua surgindo… Quem resistiria? Ainda bem que o grande público acompanhou por meio de um telão instalado na Praça de Armas de Cuzco.

Outros eventos antecederam a semana oficial. Em primeiro de julho, foi promovida uma caminhada de sete dias até a maravilhosa ruína. A saída ocorreu no Templo do Sol, em Cuzco.

Mas a briga continua. Como em toda a descoberta arqueológica, os nativos dizem que foram logrados ou roubados. A festa toda faz menção à chegada do pesquisador americano Hiram Bingham a Machu Picchu, em 1911, no dia 24 de julho, sendo que apenas parte do material retirado do sítio arqueológico há um século teria sido devolvido ao Peru. Por isso, o governo do país deu um ultimato semana passada à Universidade de Yale pedindo a devolução total dos 46 mil itens levados. Não sei se há limite de tempo, mas isso deveria ocorrer até o dia 7.

Em todo caso, não esqueça, ainda dá tempo para ver alguma coisa além da própria Machu Picchu: Porto Alegre agora está ligada a Lima em vôo direto, a preço bastante acessível.

O assunto desperta controvérsias. Os puristas dizem que Machu Picchu foi descoberta para os ocidentais invasores, mas que, para os autóctones, nunca foi encontrada, simplesmente porque nunca esteve perdida…

Bookmark and Share