Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Pelo Deserto da Mauritânia III

13 de fevereiro de 2012 0

Num trecho ao sul de Ezauira (bela cidadezinha para férias), mas ainda no Marrocos, tínhamos a indicação de um camping. Chegamos a ele sem dificuldade; era na entrada da pequena povoação. Estava quase vazio, meia dúzia de barracas, mas saber que funciona mesmo fora de temporada nos alegrou. Portanto, começamos a montar as barracas, procurar os chuveiros, etc.

Já estávamos com quase tudo pronto quando se aproximou o responsável pelo local. Conversamos um pouco, pagamos, etc. e perguntamos pela segurança para sair um pouco, jantar, etc.– depois de andar na areia o dia inteiro, você quer ver alguém, tomar um chai (chá), mesmo sabendo que virá com tanto açúcar que você não vai conseguir.

Disse ele não haver problemas, que ele ficaria ali, etc., e “à noite o portão fica fechado e eu solto os cães”.

Olhamos para o canil e estavam dois doberman. Como sabíamos o que era um doberman, já imaginamos dois doberman...

A seguir, veio a pergunta: e se precisarmos ir à toalete? Temos lanternas, etc., mas e os cães? Ele disse textualmente: “não se preocupem, eles só mordem marroquinos!”. Nós nos entreolhamos enquanto ele dissertava sobre o assunto.

Bem, não tínhamos o que fazer senão acreditar. Pois bem, alguns de nós precisaram – no caso das mulheres, depois da compreensível hesitação, com lanternas e marido ao lado (tão assustado quanto elas, mas marido é também para isso). E com todos a experiência aterradora se repetiu. Ao primeiro movimento, os cães vinham como flechas. Quando o casal já se preparava para subir em algum Land Rover, os cães iam reduzindo a velocidade e, a uns 4 ou 5 metros, decepcionados, paravam e iam voltando para o canil.

Esse foi o assunto do breakfast. Ninguém comentou se, após o susto, ainda precisou ir até o toalete.

Foto: <p><a href=”http://www.freedigitalphotos.net”>Image: FreeDigitalPhotos.net</a></p>

Bookmark and Share

Envie seu Comentário