Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Um país sem livrarias?

24 de agosto de 2015 0

24-08-15

 

Há alguns dias no Rio, fui informado pelos meus amigos numa conversa de bar, ou melhor, numa conversa de Boteco ex-pé-sujo (hoje de piso limpo) e com fila na porta. Seu nome? Jobi. Com boa comida, algumas pinturas de parede (que ali ficam muito bem) e um cartazete dizendo: que ali dentro é proibido cantar, batucar na mesa e tocar qualquer instrumento etc, etc (nas mesas da calçada a proibição não se aplica).

A cozinha do Jobi tem não mais de 2x2m e com forno, fogão, chapa e freezer, mas sem micro (o que é importante). O segredo?  Além de garçons terem cabeça branca e conhecerem todos pelo nome, inclusive o jornalista e autor Paulo Scali, cujo cachorro Tui, tem ali todas as regalias… crianças não são muito bem vindas, mas os cachorros são amados, inclusive com um potinho de água mineral e gelo (tanto para os cachorros íntimos, quanto para os passantes).

Bem, voltando ao assunto, fiquei abismado em saber e postei que algumas livrarias estavam fechando num bairro como Ipanema/Leblon e… isto é grave. Os nomes eu não anotei e esqueci.  A culpa não é do tio alzheimer, isto é certo, porque segundo a filosofia de bar, pra ter alzheimer é preciso cérebro portanto … as caipiras que são ótimas foram causadoras.

Mais tarde leio na coluna do leitor esta nota e vi que o assunto é ainda mais grave do que relatei. Leia você mesmo, quem assina é Ricardo Cruz.

*Depois Da Vinci, agora vão acabar a Saraiva (no Village Mall), a Nobel (no Via Parque) e a Solário (na Rua da Carioca). A caminho devem estar também, as da Rua Sete de Setembro (Saraiva e Livraria da Travessa), por causa de uma nova obra do VLT (tipo de ônibus) da prefeitura.

Um país sem livrarias? Triste fim. Causado pela gestão econômica equivocada do governo federal e pelas intermináveis obras do governo municipal. E o que dizer dos comerciantes de outras atividades que “afundam” junto? Sem compensações fiscais, sem estímulos de crédito, sem políticas de valorização do comercio tradicional, vai nos restar navegar pela internet em busca de compras nas vitrines virtuais.

Bookmark and Share

Envie seu Comentário