Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

No Dia da Pizza, aposte em pizzas integrais

08 de julho de 2011 0

Já que domingo, dia 10, é o Dia da Pizza, que tal comemorar a data com receitas saudáveis?

Apesar de ser uma criação importada, a pizza  faz muito sucesso em nosso país e se tornou uma das iguarias mais consumidas, tanto que São Paulo é a segunda cidade do mundo onde mais se come pizza, perdendo apenas para Nova York. Os sabores são os mais diversos e sua cobertura pode ter os mais variados ingredientes.

A receita é da nutricionista da Nutrihouse, Ellen Yonobi. A pizza é muito fácil de ser feita e o resultado é bem apetitoso.

 INTEGRAL

Para a massa:
1 tablete de fermento para pão
1/2 xícara de água morna
1 xícara de farinha de trigo integral
1 xícara de farinha de trigo branca
1 colher (sopa) de óleo
1 colher (sopa) de açúcar mascavo
1 colher (chá) de sal marinho

Recheio:
- 2 berinjelas cortadas em cubos
- 2 cebolas pequenas picadas
- ½ pimentão vermelho cortado em cubos
- pimenta do reino a gosto
- sal marinho a gosto 

Decoração
- 3 colheres de molho de tomate
- 1 tomate cortado em rodelas
- orégano a gosto

 Modo de preparo
Misturar o fermento e o açúcar mascavo até dissolver por completo o fermento. Acrescentar a água morna e farinha de trigo integral. Deixar descansar por 10 minutos. Acrescentar o restante dos ingredientes, sendo que a farinha aos poucos, até que a massa desgrude da mão. Deixar a massa crescer por aproximadamente 1h30. Moldar a massa em forma redonda e levar para assar por 15 minutos.

Recheio
Refogar a cebola e acrescentar o restante dos ingredientes, refogar até que a berinjela esteja cozida.

 Montagem
Colocar sobre a massa pré-assada, o molho de tomate, o recheio e o tomate em rodelas. Levar ao forno por mais 5 minutos. Retirar e salpicar o orégano.

Opções de recheio: ricota e peito de peru; rúcula e tomate seco; frango e milho; brócolis; atum.

OUTRA RECEITA

A coordenadora do departamento de nutrição da rede Mundo Verde, a nutricionista Flávia Morais dá a seguinte receita de uma pizza saudável e saborosa. 

MASSA DE PIZZA INTEGRAL

Ingredientes
1 Kg de farinha de trigo integral
1 e 1/2 tablete de fermento para pão
1 e 1/2 xícara (chá) de água
1/2 xícara (chá) de leite desnatado
1/2 colher (sopa) de azeite extra virgem
1 pitada de sal marinho
1 pitada de açúcar

Modo de preparo
Misture a água, o leite e o fermento. Em seguida misture o açúcar, o óleo, a farinha (aos poucos) e mexa até que a massa fique uniforme. Divida a massa em seis partes e deixe-a descansar por cerca de 20 minutos. Em seguida basta abri-las em disco e pré-aquece-las em forma untada por 4 minutos.

Sugestão de recheio: Molho pesto, tomate e mussarela da búfala

Ingredientes
8 colheres de sopa de molho pesto de manjericão
4 tomates cortados em fatias finas
Sal marinho e pimenta do reino a gosto
¾ de xícara de mussarela de búfala ralada

Modo de preparo
Em cada disco de pizza espalhar 2 colheres de sopa de pesto, cobrir com as rodelas de tomate, temperar com sal e pimenta do reino e salpicar a mussarela de búfala. Levar ao forno até o queijo derreter e a massa estar ligeiramente dourada.

Parece chocolate, tem gosto de chocolate, mas é alfarroba

08 de julho de 2011 0

Apesar de não ser tão difundida como o cacau, a alfarroba é uma ótima alternativa para quem deseja comer um doce mais nutritivo e um pouquinho menos calórico que o chocolate comum.

A alfarroba parece chocolate, tem gosto de chocolate meio-amargo e sai na frente do cacau por não conter glúten, cafeína, lactose e açúcar. 

Apesar de não ter sido tão difundida como o cacau, a alfarroba já era usada pelos egípcios há mais de 5 mil anos. Fruto da Alfarrobeira, árvore nativa do mediterrâneo, a alfarroba é uma vagem da qual se extrai a polpa que é torrada e moída para se obter o pó usado na substituição do cacau.

Naturalmente doce, a alfarroba dispensa o uso de açúcar na fabricação de seus produtos. É uma ótima alternativa ao chocolate, pois além de não conter estimulantes como cafeína e teobromina, ela é rica em vitaminas e minerais.

Em 100 gramas do produto encontra-se 303mg de cálcio, 633mg de potássio e 126mg de fósforo, além de outros minerais como ferro e zinco e vitaminas E, B6 e B12. Uma barra de 50 gramas de alfarroba contém, em média, 230 calorias. Um chocolate Sufflair, por exemplo, contém 271 calorias.

É fácil encontrar alfarroba em lojas de produtos naturais.

Abacate: a gordura dele é do bem

06 de julho de 2011 0

O abacate é uma das frutas mais calóricas. Cada 100 gramas da fruta contém cerca de 180 calorias, 85% delas proveniente da gordura. 

Mas, apesar de a palavra gordura soar como um golpe à saúde, estudos recentes indicam que o abacate pode trazer benefícios à saúde, pois a maior parte da gordura da fruta é monoinsaturada.

Esse tipo de gordura ajuda a diminuir os níveis de colesterol total, LDL colesterol (mau colesterol) e triacilgliceróis além de aumentar os níveis de HDL colesterol (bom colesterol).

O abacate também é fonte de muitos nutrientes, destacando-se as fibras e vitaminas. Esteróis, álcoois, tocoferóis e carotenos também estão presentes. Mesmo não podendo ser considerado como fonte de proteína, o abacate contém quantidades muito superiores desse nutriente quando comparado às outras frutas.

Rico em vitaminas E e C, potentes antioxidantes, o abacate ajuda a promover a saúde dos dentes e gengivas e proteger os tecidos do corpo dos radicais livres. Também contém vitaminas A e do complexo B, uma delas, o folato, promove o desenvolvimento saudável de células e tecidos.

O consumo de meio abacate 3 a 4 vezes por semana é recomendado para podermos obter os benefícios descritos. O abacate é recomendado para pessoas que querem engordar, mas também pode ser consumido por pessoas que estão fazendo regime desde que em quantidades moderadas (2 colheres de sopa), devido à elevada densidade calórica da fruta.

fonte: livro Alimentos Funcionais, de Jocelem Salgado

Os poderes da beterraba

05 de julho de 2011 1

Foto: Stock Photos

Pouco badalada entre os alimentos funcionais,  a  beterraba é um alimento riquíssimo. A cor avermelhada e forte guarda uma série de benefícios à saúde.

Seu consumo fortalece o sistema imunológico e ajuda a combater os radicais livres, responsáveis pelos surgimentos das doenças.

A beterraba tem pouca caloria e é rica em vitaminas e minerais como o betacaroteno, vitaminas B6 e C, ácido fólico, manganês, ferro, potássio e fósforo. Seu consumo favorece o funcionamento dos rins e evita a formação de cálculos renais.

Em sucos, pode ser misturada com cenoura, espinafres e couve. O suco da beterraba é diurético.  Também pode ajudar a controlar a pressão alta e auxiliar no funcionamento do intestino.

Farinha de soja preta é promessa para emagrecer

05 de julho de 2011 0

A gente sabe que não existe milagre para emagrecer. Mas um novo produto está fazendo sucesso no mercado com a promessa de ajudar a acelerar o processo de perda de peso. Trata-se da farinha de soja preta.

Segundo um estudo da Universidade Hanyang, na Coreia do sul, um grupo que passou 28 dias consumindo soja preta absorveu 50% menos gordura em comparação ao grupo que não consumiu – e obteve redução de 60% do nível do colesterol ruim.

Veja alguns benefícios da farinha de soja preta segundo a revista VivaMais!

Emagrece
A casca da soja preta tem um fitoquímico poderoso, a antocianina. O estudo coreano provou que tal substância age nas células que armazenam gordura  ajudando na produção de uma substância que queima a gordura armazenada nessas células. Com isso, você emagrece.

Tira a fome
A farinha da soja preta tem alto teor de fibras responsáveis por dar saciedade. Você fica satisfeita rapidamente e demora para ter fome outra vez.

Dá mais disposição
É rica em proteína, substância essencial para transportar as vitaminas no corpo, combatendo a fraqueza e a anemia.

Previne doenças
Três substâncias poderosas da soja preta ajudam a prevenir diversas doenças. A isoflavona é anticardiogênica, ou seja, evita o câncer. As antocianinas previnem o câncer de mama e também ajudam a reduzir os níveis de colesterol. No estudo, o grupo que consumiu soja preta teve nível 60% mais baixo do LDL (colesterol ruim) que o grupo que não consumiu. E as antocianinas ainda melhoram os valores de HDL (colesterol bom), amenizando o risco de doenças cardíacas, como infarto e trombose. Por fim, o zinco combate gripes e resfriados, pois melhora nosso sistema imunológico, deixando as células de defesa mais fortes.

Top 10:alimentos contra a gripe

01 de julho de 2011 0

Refeições balanceadas, ricas em vitaminas e minerais, são um santo remédio para fortalecer o sistema imunológico, aumentando a resistência às bactérias e vírus.

Além de ajudar a prevenir gripes e resfriados, uma dieta nutritiva ainda ajuda a encurtar a duração dessas doenças quando contraídas, uma vez que as defesas orgânicas conseguem trabalhar de maneira mais eficaz contra esses agentes externos indesejados.

Confira, a seguir, como colocar em prática uma dieta contra a gripe. As orientações são de Jocelem Salgado, doutora em Nutrição e presidente da Sociedade Brasileira de Alimentos Funcionais (SBAF), da nutricionista Karine Oliveira Daud, coordenadora da Equilibrium Consultoria em Nutrição e Bem-Estar, de São Paulo, e Daniela Kappes, médica e nutróloga de Caxias do Sul.

TOP 10

Água
Beber muita água é essencial porque ela hidrata o organismo, faz o transporte de nutrientes para as células e a remoção de resíduos do metabolismo. Se, com o frio, é difícil engolir um copo d’água, opte por chás, chimarrão e sopas.

Alho
Contém uma substância chamada alicina que é antibacteriana e antiviral. Pode ser introduzido na alimentação como tempero ou, se bem tolerado, em forma de chá.

Brócolis
É fonte de ácido fólico, vitamina A e E. Fortalece a imunidade, protege o cérebro e previne o câncer, segundo um estudo da Universidade de Pittsburgh. Outros alimentos que possuem propriedade semelhantes são: espinafre, couve e feijão.

Carne vermelha
É fonte de proteína e vitaminas B6 e B12, importantes na formação de anticorpos. Também são boas fontes desses nutrientes: frango, ovos e leguminosas.

Castanha-do-pará
É fonte de vitamina E, selênio e zinco, que retardam o envelhecimento das células. Fortalece a imunidade. Um dos estudo da Universidade de Loma relaciona o seu consumo ao baixo índice de obesidade e doenças coronárias. 

Cogumelo Shitake
Contém lentinana, que estimula a produção e a atividade dos glóbulos brancos, defensores do organismo.

Gengibre
Tem poderes antioxidantes, antiinflamatórios e atua como protetor do organismo.

Iogurte
Estudos científicos mostram que os lactobacilos presentes no iogurte recuperam a flora intestinal e fortalecem o sistema imunológico.

Laranja
A cor amarela indica que a fruta é rica em vitaminas A e C, antioxidantes naturais. Um estudo do Instituto Americano de Saúde mostrou que a vitamina C fortalece a imunidade e previne o câncer. Além da laranja, são boas fontes: cenoura, mamão, goiaba, damasco e beterraba.

Peixes
Peixes de águas profundas, como sardinha, salmão e atum, são ricos em ácidos graxos Ômega-3 e melhoram o sistema imunológico. Também reduzem o risco de doenças cardiovasculares e antiinflamatórias.

Acredite, até o ar-condicionado está por trás do ganho de peso

30 de junho de 2011 0

Como já escrevi aqui, o ganho de peso não é só um problema de quem come demais, mas também de quem gasta energia de menos. E nessa conta matemática, quem diria, até o ar-condicionado ajuda no ganho de peso. 

Isso ocorre porque nosso corpo acaba se acostumando com a temperatura ambiente, que é regulada pelo aparelho. Assim, o organismo não tem que gastar calorias para se ambientar às variações climáticas, ou seja, não precisa se aquecer quando está frio ou se resfriar em dias quentes.

Se calorias não são gastas logo se acumulam no organismo em forma de gordura!

Outro aspecto que facilita o ganho de peso é o estresse. O nervosismo faz aumentar os níveis de um hormônio conhecido como cortisol. Essa substância, por sua vez, aparece em diferentes estudos como uma das responsáveis pelo crescimento das células de gordura no organismo.

Para piorar, como em uma espécie de círculo vicioso, quando há células de gordura demais, os níveis de cortisol tendem a se elevar. Assim, o estresse faz aumentar a barriga, que gera mais ansiedade, que faz engordar…

Solução à vista?

LEIA E LEMBRE: é mito que se pode comer bem mais no inverno

29 de junho de 2011 0

Quando chega o inverno, a disposição para sair debaixo do edredon e ir malhar diminui e, ao mesmo tempo, a oferta de guloseimas como chocolates e fondues aumenta de supermercados a restaurantes.

Bom, mas como com o frio o corpo exige alimentos calóricos, tudo bem, né? ERRADO.

A nutricionista e fisiologista do esporte Jaqueline Bernardini explica que, no frio, os vasos sanguíneos e os músculos se retraem, o que demanda uma quantidade maior de energia para o corpo manter a temperatura média (cerca de 37,5 graus).

Mas, segundo ela, a necessidade calórica adicional é muito pequena – cerca de 50 kcal (menos que um bombom). O erro nas dietas, segundo Jaqueline, está em como a pessoa supre essa necessidade extra. “O corpo pede alimentos quentes.” Mas cabe a cada um escolher se irá tomar um chá verde ou um chocolate quente.

Aline de Piano Ganen, nutricionista da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), explica que o inverno no Brasil não exige mudanças na alimentação. Somente em locais muito frios, como nas proximidades dos polos, demandam uma dieta mais calórica na estação.

Além disso, nesses locais, os dias são mais curtos o que, segundo a nutricionista da Unifesp, provoca queda nos índices de serotonina (transmissor responsável pela sensação de bem-estar). Alimentos calóricos, como o chocolate, dão essa sensação – fato comprovado em pesquisas científicas.

Outra questão que, segundo professores de educação física, também seria cultural é a fuga dos exercícios físicos. “No frio, as pessoas fazem menos atividades físicas”, diz o doutor em Ciências pela Unifesp, Denis Foschini. “No verão, expõem mais o corpo e, por isso, procuram controlar a alimentação e fazer mais exercício.”

O preparador físico Marcos Paulo Reis aconselha os praticantes de exercícios a redobrar o aquecimento nos dias frios. Também é importante manter pés, mãos aquecidos e cuidar da hidratação .

As informações são do Jornal da Tarde e da Agência Estado.

Suplementos: o que você precisa saber antes de comprar

28 de junho de 2011 1

O consumo de suplementos alimentares vem crescendo no país, principalmente por malhadores de carteirinha. Eles são apresentados na forma de comprimidos, cápsulas, pós ou líquidos. Mas é preciso saber como e quando usá-los. O uso em excesso ou sem orientação de um profissional pode causar danos graves, explica a nutróloga e médica ortomolecular Liliane Oppermann.

Para orientar o consumidor e garantir maior controle o Ministério da Saúde divide os suplementos em grupos.

Energéticos: podem ser usados antes, durante ou após treinos e provas, dependendo das características do indivíduo e do esporte. Fornecem basicamente energia, vinda sobretudo de carboidratos, e são encontrados em pó ou gel.  São exemplos: maltodextrina, dextrose. 

Protéicos: indicados para completar a ingestão protéica da dieta. O horário de consumo depende de uma série de fatores, mas muitas vezes são indicados para após o treino. Podem ser encontrados em pó, gel ou barra.  Fazem parte do grupo a Whey Protein, a Albumina, a Caseína e o Isolado Protéico de soja, além das barras de proteína

Compensadores: contém carboidratos, proteínas e lipídios, além de vitaminas e minerais. Encontrados em pó ou líquido. Indicados para desnutridos ou para atletas com necessidades aumentadas devido ao estado fisiológico, limitações na dieta ou tipo de exercício. 

Repositores: São bebidas esportivas com o objetivo de repor água, eletrólitos e carboidratos de forma mais rápida, evitando a desidratação de uma atividade intensa/longa. Indicado para corredores, ciclistas. 

Aminoácidos: fazem parte deste grupo os aminoácidos, indicados para aumento da massa muscular. Como exemplo temos os BCAAs, nome dado aos aminoácidos da cadeia ramificada, Leucina, Isoleucina e Valina. Os BCAAS, são indicados para recuperação muscular e para exercícios de longa duração.

A suplementação deve sempre ser acompanhada por um profissional e associada a uma dieta já planejada para a modalidade esportiva em questão.

ANTES DE COMPRAR UM SUPLEMENTO

 Organize a sua agenda para conseguir malhar e ter uma dieta saudável. Os suplementos agem como coadjuvantes dessa dupla.

Não acredite em todas as pesquisas publicadas na internet. Grande parte é financiada pelos próprios laboratórios que comercializam os produtos.

Procure uma nutróloga para saber a dosagem e a forma correta de utilizar um suplemento. Além de mais seguro, funciona melhor.

Duvide de produtos que não apontam os princípios ativos da fórmula e só utilizam apenas o termo “poderosas substâncias” para endossar sua eficácia.

Malhar no inverno? Encare essa sem riscos.

27 de junho de 2011 0

Num dia frio, trocar o edredom por uma hora de malhação não parece tentador.

Mas, para não cair no desespero às vésperas do verão, é melhor saltar da cama. Além de evitar ganho de peso, a vantagem de se exercitar no inverno é que o corpo gasta mais calorias para manter-se aquecido e também para se movimentar.

Só é preciso tomar cuidado com lesões. O corpo em repouso está mais frio do que o normal e, por conta disso, os riscos aumentam. Para evitar problemas, é fundamental aumentar os cuidados com o aquecimento, antes e depois do treino. O recomendável é de 15 a 20 minutos de aquecimento antes do treino pelo menos mais 10 minutos ao final do treino, quando também é preciso alongar.

E nada de se encher de agasalhos na hora de malhar.

Leia e obedeça o que diz Renato Dutra, professor de Educação Física e colunista de VEJA.com: “o treino deve ser feito com roupas próprias para exercícios. Se a temperatura  estiver muito baixa, pode-se manter um agasalho leve, mas deve-se tomar cuidado com o risco de superaquecimento do corpo. Ao terminar o treino, deve-se imediatamente tirar a roupa molhada de suor e colocar uma roupa seca e um agasalho para manter a temperatura do corpo”.

Cuide também da alimentação. É importante comer alimentos que demanda mais energia para ser digeridos e, por tanto, elevam mais a temperatura do corpo. Nessa lista entram as proteínas (carne, peixes, frios, leites e derivados) e os líquidos quentes.