Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Coincidência?

30 de março de 2010 3

Coincidência ou não, a decisão do prefeito Dário Berger de adiar a entrega do Plano Diretor Participativo à Câmara de Vereadores, prevista para hoje, foi sugerida pela procuradora da República Analúcia Hartmann, na última sexta-feira, durante conversa com o então prefeito em exercício, João Batista Nunes. Há três semanas, junto com o Ministério Público do Estado, Analúcia tem apurado informações sobre a proposta. Segundo ela, a confusão durante a audiência pública realizada no TAC só evidencia a falta de elementos técnicos no projeto. Tanto o MP estadual quanto o federal defendem a retomada do grupo gestor – formado por vários representantes da comunidade – para revisar todo o projeto, juntamente com a Fundação Cepa, contratada para prestar consultoria no desenvolvimento do plano. A boa notícia é que as reivindicações dos movimentos comuntários poderão ser atendidas. A dúvida é quando este projeto será ofcialmente finalizado.

comentários

Comentários (3)

  • Maria Aparecida Nery diz: 1 de abril de 2010

    Discordo da procuradora de que “a confusão durante a audiência pública realizada no TAC só evidencia a falta de elementos técnicos no projeto”. O que a BADERNA (patrocinada pelo mesmo grupelho que tumultuou sistematicamente as atividades do Núcleo Gestor do PDP, muito oportunamente extinto após a tentativa de “golpe” perpetrada em nov/08 por esses militantes do oposicionismo irresponsável) evidencia, é que detestáveis práticas stalinistas nos comandam na base da foice e do martelo enferrujados, mantendo a sociedade refém do ultrapassado ideário que move o militantismo dos tais de “movimentos sociais comunistários” e “sociedade civil ONGanizada”. Por outro lado, é preciso saber: se o Núcleo Gestor vai ser retomado, antes o Ministério Público dará resposta às várias representações que dormitam pelos gabinetes, sobre as fraudes durante as audiências públicas para eleição dos representantes distritais, envolvendo boa parte dos atores da baderna que impediu a audiência pública? E quanto à malversação no uso dos celulares que a Prefeitura entregou para eles? E quanto às entidades através das quais essas pessoas dizem representar “a população” da cidade? O MP vai abrir sua contabilidade, suas listas de filiados, vai examinar com profunda atenção os documentos no Cartório de Registro? Ou vamos simplesmente tendo que continuar “engolindo” aquilo que elas nos dizem sobre a amplitude de sua representatividade, através de notinhas plantadas na imprensa engalada e na mídia amiga?

  • Rafael diz: 1 de abril de 2010

    Martini: 90% dos que se dizem representantes de entidades, entre as comunitárias e as ONGs, NÃO O SÃO. Se pedir-lhes que apresentem uma Ata de assembléia da entidade que os tenha indicado como representante legítimo de tal comunidade, não terão o que apresentar. Florianópolis possui mais de 300 entidades comunitárias. A maioria delas não está legalizada conforme o previsto no Código Civil, tal como as ONGs. Muitas são de fachada. Só o MP de Floripa não sabe disso!!! É por isso que sempre os mesmos grupinhos se manifestam. A população há muito se afastou deste movimento que nada tem de legítimo.

  • Maria Aparecida Nery diz: 3 de abril de 2010

    Apenas para ilustrar, Martini: novembro/2007 – “UMA GRANDE FARSA CONTRA O COSTÃO GOLF: Durante audiência de conciliação realizada no dia 9 de fevereiro de 2006, na Vara Ambiental da Justiça Federal, a procuradora Analúcia Hartmann opinou favoravelmente ao pedido da “OSCIP” Luzes da Ilha, também designada O.L.I., que requereu ingresso no pólo ativo da ação civil pública contra o empreendimento Costão Golf. Sérgio Luís Guaraldi, advogado da ONG, havia protocolado a petição apenas três dias antes da audiência. Mesmo com a manifestação contrária do advogado do Costão Golf, o juiz substituto Jurandi Borges Pinheiro deferiu o pedido no ato.” Leia mais sobre o caso da ONG OLI, formada por oito moradores da favela do Siri que ocupa as dunas de Ingleses e que integra o polo ativo da ação civil pública que pretendia impedir a implantação do Costão Golf: http://ilhacap.com.br/Edicao_novembro07/farsa_costao_nov07.html – Há mais em maio/2008 – “ONGs – OPERAÇÃO MOEDA FALSA”: http://www.ilhacap.com.br/edicao_mai08/operacao_moeda_falsa_mai08.html

Envie seu Comentário