Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

A ética da maozinha

21 de junho de 2010 13

 

O golaço de Luís Fabiano contra a Costa do Marfim foi irregular. Mesmo assim, comemoramos sem a menor parcimônia. O juiz validou e o atacante garante que foi involuntário. Não há o que  discutir. Apoiamos a irregularidade sem questioná-la, porque nos beneficiou. Mas se fosse contra o Brasil, o que estaríamos dizendo, agora?
O Visor acaba de conversar com o professor de Ética da Unisul,  Jaci Gonçalves, para saber se o brasileiro foi antiético ao comemorar o gol de Luís Fabiano. Em, tese, ele diz que não. Ética, explica Gonçalves,  pode ser compreendida, também, como Justiça. Até admite que a irregularidade tirou um pouco do brilho do gol, deixando a torcida sem o gostinho da vitória plena, mas não pode ser vista como um retrocesso à máxima do ex-jogador Gérson, de que brasileiro gosta de levar vantagem em tudo. Qual a sua opinião, você  acha que fomos antiéticos ao aprovar o gol do Fabuloso? Deixe sua mensagem:

comentários

Comentários (13)

  • paulo stodieck diz: 21 de junho de 2010

    O GOL VALEU MAIS PELA ESTÉTICA DO QUE PELA FALTA DE ÉTICA. E ESTAMOS CONVERSADOS. ABRAÇOS – PAULO STODIECK

  • Pedro diz: 21 de junho de 2010

    Estamos mortos. E enterrados. Se o professor de Ética é capaz de um disparaste desses, então, não temos mais cura, porque a Ética, caro professor, é imutável, ao contrário da moral que se deixa levar pelos costumes. Pobres alunos. E, caro Colunista, podemos levar o assunto à qualquer campo da humanidade e, em nossa comemoração, sim, está demonstrado o humano de que falou o filósofo: aquele, sim, ético.

  • Amaro Juvenal Neto diz: 21 de junho de 2010

    Todos os movimentos de natureza fascista no mundo, apelavam para a ética e a moral como fim em si mesma. Lamentável é constatar que alguns líderes mundiais e mesmo setores da imprensa, vez por outra, ainda se apegam a essa questão aparentemente desideologizada.

  • Guillermo Usinger diz: 22 de junho de 2010

    PREZADO “Professor ” de Etica:
    CALA A BOCA!!!!!!!!!
    Como Prodessor, voce e um bom torcedor!!!!!!
    Falta Etica, muita Etica. Parabens Pedro.

  • Carlos Henrique diz: 22 de junho de 2010

    Caberia à FIFA punir o jogador que cometeu a irregularidade, pois as imagens estão aí. Não o fazendo, dá a entender que tudo não passou de um lance normal de jogo. Estamos liberados para comemorar.

  • Eduardo Daniel diz: 22 de junho de 2010

    Não foi Gérson quem criou esta “lei” de “querer levar vantagem em tudo”. Ele foi protagonista de um comercial dos cigarros Vila Rica, ao qual se apresentava como o melhor e o mais barato, oferecendo vantagens aos seus consumidores.

    No final do comercial Gérson, então dizia, após anunciarem as vantagens do produto:

    - Gosto de levar vantagem em tudo, certo? Leve vantagem você também.

  • Edson diz: 22 de junho de 2010

    Hummm…que duvida, nao vou nem dormir hoje a noite por causa do gol do Luis Fabiano, agora anti etico é a passada de mao que os politicos dão no dinheiro publico, isso sim tem que ser discutido, roubar dinheiro publico (do povo) alem de ser crime, mata pessoas que deixam de receber beneficios em prol de vantagens proprias…Mas foi um golaço…

  • pepo lofredo diz: 22 de junho de 2010

    Concordo com Pedro. Que professor é esse? Seguimos mostrando para nossos descendentes que da no mesmo qualquer coisa. Não estou de acordo com o jogador, não estou de acordo com seus companheiros, não estou de acordo com o treinador, não estou de acordo com a comissão tecnica, não estou de acordo com quem quera que seja que admita que isso e legal. Para que as leis de jogo?, as normas?, o regulamento? Estamos brincando de vale tudo, por acaso? Pujnição para todos os envolvidos. Já. Fora da copa. Já. SeMvergonhas.

  • Ademir diz: 22 de junho de 2010

    Não usar o MONITOR pelo quarto arbitro, da entender que a FIFA não adere a tecnologia e gosta do conviver com o ERRO, seria o mesmo que a MEDICINA, ABRISSE MAO Da RESSONANNCIA MAGNETICA,RAIO X, ANESTESIA pois assim ficaria mais discutivel o final cirurgico, piada tem hora…então é triste ver que gol de mão/braço vale!

  • Orestes diz: 22 de junho de 2010

    Estamos diante de uma séria questão a ensejar volumosos compêndios argumentativos. Seria uma discussão merecedora da atenção de Platão. Assim como ele dialogou acerca da hierarquia das virtudes, poderíamos debater sobre a prevalência entre o valor estético e o valor ético, quando aparentemente se contrapõem em determinada ocorrência fática.

  • SHASÇA diz: 22 de junho de 2010

    A postura do tal “professor” deixa claro que melhorar salário não garante BOA EDUCAÇÃO. O sindicato dos professores deveria multá-lo por comprometer a imagem da profissão.
    Quanto ao gol, além de ilegal, uma questão: O Luiz Fabiano teria feito o gol se não tivesse utilizado a mãos duas vezes?
    Quanto à tal Ética, sabemos que também nas prisões, entre os condenados por esta nossa Sociedade ilibada, existem sua ética. No filme CABEÇA À PRÊMIO, de Marco Ricca, pode-se conferir que um matador de aluguel também pode ter sua ética.
    A questão é de HONESTIDADE. E honestidade é uma das opções que se faz na vida. Relaciona-se com o cumprimento das leis estabelecidas.
    E a comemoração do GOLAÇAO? Oras, depois de um assalto exitoso, seus executores também comemoram.
    Ainda bem que o projeto de lei FICHA LIMPA foi aprovado com várias facilitações. Senão, ficaria difícil a situação de muitos elegíveis, eleitos e, principalmente, ELEITORES.
    Boa sorte pra nós todos!

    Ps.: Caro Rafael, tomei a liberdade de postar teu post e meu comentário no meu blog FRATURA EXPOSTA (www.shasca.blogspot.com )

  • josé ernani freitas diz: 22 de junho de 2010

    No futebol como na vida, muitas vezes somos punidos sem merecer, outras recebemos um
    prêmio indevido. Quando ocorrem as punições reclamamos, bradamos, esperneamos. No
    caso do prêmio não merecido, como o gol do Luís Fabiano, comemora-se com algumas
    restrições e vergonha, pelo menos isso aconteceu comigo.
    Se me fosse concedido o poder de decidir, certamente, anularía o gol e brindaria o atleta
    com cartão amarelo, por anti-jogo.
    A FIFA se estivesse preocupada com situações da espécie, aderería a tecnologia farta, como
    disse o Ademir em seu comentário.

  • Affonso Ghizzo Neto diz: 23 de junho de 2010

    La mano de Dios

    Como amante e apaixonado pelo futebol, considerando as estórias consagradas nas copas, desapercebido não passa a beleza estética do segundo gol de Luís Fabiano durante o jogo da Seleção Brasileira contra a Côte d’Ivoire. Por duas vezes o atacante brasileiro utilizou indevidamente os braços para o domínio da pelota, finalizando para os fundos da rede. Aliás, constata-se evidente similitude com o questionado gol de Maradona na Copa de 1986, no jogo entre Argentina e Inglaterra, até hoje recordado como “la mano de Dios”.

    Oportuna, portanto, uma reflexão sobre a aceitação ética de tal conduta. Estaríamos legitimando a “Lei de Gerson”? A ação irregular, apesar de validada pelo árbitro, é ética? Como se sabe, a ética possui caráter relacional estando associada à cultura humana e à vivência prática cotidiana. A partir da fermentação moral de valores individuais e coletivos, considerados num espaço aberto, a representação dos atos humanos edifica exemplos educativos (ou não) para reprodução positiva ou negativa das experiências humanas.

    Nesse contexto complexo, no futebol, assim como na vida, torna-se imprescindível uma escolha coerente do padrão ético a ser observado por todos. Argentinos ou brasileiros, gregos e troianos. No espaço regrado, o que vale para mim, vale para o outro. Ser ético é se colocar também no lugar do adversário, ainda que diferente e em condição diversa.

    Desrespeitar ou descumprir, em proveito próprio ou mesmo de uma seleção, regras previamente estabelecidas, é prejudicial a todos. Hoje podemos ser favorecidos e aplaudimos. Amanhã – sujeitos à mesma condição – nos consideraremos vítimas de uma grande injustiça. O que escolher então? Um gol lindo sem as mãos e o Brasil hexa!

    Abraço, Affonso Ghizzo Neto.

Envie seu Comentário