Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Cheiro de pizza na Câmara

11 de fevereiro de 2011 3

A repórter do Mayara Rinaldi, que está na Câmara de Vereadores, liga para informar que o presidente da Comissão de Ética, Renato Gerske, acaba de sair da reunião às pressas. Vai analisar um pedido de vistas do processo. A pizza já está no forno….

comentários

Comentários (3)

  • Maria Teresa Gonzalez Perez diz: 11 de fevereiro de 2011

    Como todo factoide politico ,não devera chegar a lugar nenhum, toda denuncia deve ser antes de uma votação, como é que eles vao anular uma eleição? apos perder, inventar uma barbaridade de essas , ninguem acredita…o vereador Ricardo é conhecido pela sua honestidade, foi votado por uma comunidade super bem atendida, ele ganharia mais como medico que como vereador , seu espiritu comunitário levou a ele sacrificar a sua tranquilidade pela politica.

  • gustavo diz: 11 de fevereiro de 2011

    A população espera que os nossos vereadores mostrem transparencia neste episódio.Não estamos em Brasilia para acabar esta pouca vergolha de compra de votos em pizza.

  • Pedro diz: 13 de fevereiro de 2011

    Menos caro Colunista, muito menos, você – pelo título da postagem – está fazendo juízo de valor antes mesmo de a questão ter sido resolvida. Você, como articulista, não pode se antecipar aos fatos, seria especulação. Se a questão é “tomar” lado no caso, então, devia avisar aos seus leitores. Afinal, qual das decisões configuraria a “pizza”? A absolvição ou a condenação? Sim, porque até agora a comissão tem apenas a palavra de uns contra os outros. Não há qualquer prova fática. Nadica de nada. E como a presunção de inocência é regra basilar do direito, como condenar? Condenar pelas palavras do Berger e do Bega? Por que não absolver os vereadores pelas palavras deles? Como condenar pelas palavras de quem lá compareceu e disse que apenas ouviu o Berger e o Bega fazerem as acusações? Na verdade, a Câmara devia, isso sim, preparar-se para fazer a cassação do Berger e do Bega por falso testemunho, quebra de decoro público. Haja paciência.

Envie seu Comentário