Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Chacina nas rodovias brasilerias

28 de março de 2011 3

O balanço dos acidentes no carnaval 2011 nas rodovias federais apontou o maior número de vítimas fatais dos últimos anos. Porém, considerando também as vias urbanas e municipais, o número pode ser ainda mais surpreendente. É o que alerta a Seguradora Líder DPVAT, que indeniza vítimas de trânsito por invalidez e morte e reembolsa despesas médico-hospitalares desse tipo de acidente.

De 2006 a 2010, a Seguradora pagou mais de 4.470 indenizações por mortes no trânsito considerando os seis dias de carnaval, de sexta-feira a quarta-feira de cinzas, quando o movimento nas estradas e o consumo de álcool aumentam.

- Esse é um problema muito sério, que requer uma profunda reflexão da sociedade brasileira e precisa estar na agenda do governo. É uma média de quase 900 mortes por ano no trânsito só no período de carnaval – aponta Ricardo Xavier, Diretor Presidente da Seguradora Líder DPVAT.

A região que mais apresentou pagamento de indenização por morte foi o Sudeste, com 1.731 registros fatais nos carnavais de 2006 a 2010. Em seguida, a região Nordeste apresentou o maior número de óbitos, 1.287, seguida pelo Sul (717), Centro-Oeste (420) e Norte (309), considerando o mesmo período.

 Só em referência ao carnaval do ano passado, até então, foram pagas 320 indenizações por mortes no período. As estatísticas alarmantes podem ser ainda mais graves, já que o levantamento da Seguradora reflete apenas o número de indenizações por morte pagas até o momento, não contabilizando os pedidos de indenização que ainda não foram efetuados, o que pode ser feito em até três anos da data do acidente.

Além dos números de indenização por morte, a Seguradora Líder DPVAT também contabilizou os dados de pagamentos por invalidez e despesas médico-hospitalares no período. Nos últimos cinco anos, pelo menos 9.487 vítimas de acidentes de trânsito durante o carnaval ficaram inválidas e mais de 7.997 pessoas receberam reembolso por gastos hospitalares e com medicamentos. “A maior parte dos meios de transporte no Brasil transitam em rodovias.

Por isso é tão importante o investimento em campanhas de educação no trânsito, que devem ser intensificadas antes de feriados prolongados e férias escolares”, afirma o Diretor Presidente da Seguradora Líder DPVAT, que no último ano destinou cerca de R$ 290 milhões ao DENATRAN para serem aplicadas em campanhas de conscientização.

comentários

Comentários (3)

  • Pedro diz: 28 de março de 2011

    Caro Colunista, melhor seria dizer a “chacina brasileira”, em que as rodovias entram apenas como “coadjuvantes”. Seria interessante, inclusive, verificar a quantidade de mortes não naturais ocorridas na época, para ver-se qual percentagem delas foi em decorrência do trânsito. Ainda, retirar das ocorrências rodoviárias aquelas em que o motorista perde o controle e morre ribanceira abaixo ou de encontro a algum obstáculo (árvores, muro, poste, por aí). Talvez as rodovias não sejam, assim, tão “chacineiras”.

  • Silvano diz: 28 de março de 2011

    Já passou da hora do Brasil prestar atenção em como o trânsito funciona em países mais desenvolvidos.
    Qualquer pessoa que já dirigiu na Europa ou EUA percebe quantos problemas temos aqui. Desde a fiscalização precária, que chega a parecer ser sacanagem, pois apesar da lei teoricamente servir para todos, na prática a história é outra. Até as rodovias que são estreitas, esburacadas e mal sinalizadas.
    Conscientizar o cidadão é bom, mas o foco deveria ser dar condições decentes para que ele possa transitar.

    Gostei da matéria, mas soa como que o problema está no dinheiro gasto com indenizações e não nas vidas perdidas.

  • Silvano diz: 28 de março de 2011

    Complementando… também vale citar a nossa frota de veículos que não passariam em testes de requisitos de segurança em outros países. Para nós só chega o refugo e a preço de ouro!

    Um Golf que na Europa já está na 6a geração, aqui ainda está na 4a…

    É muito atraso para a época que vivemos.

Envie seu Comentário