Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Audiência pública não repara os erros do passado

13 de abril de 2011 3

Do leitor Waldemar Siqueira:

Parece piada, enquanto não há cimento para suprir a indústria da construção civil nas principais cidades catarinenses há uma  fábrica de cimento prontinha no município de Vidal Ramos e não pode funcionar por falta de energia elétrica. Outras indústrias impedidas de funcionar também por falta de suprimento de energia e o porto de Itapoá , parado por falta de estrada e energia elétrica.

Os ecochatos  ficaram anos e anos embargando obras na BR-101 Sul. O túnel em Palhoça não poderia ser construído para preservar o “modus vivendi” de índios quaranis que vivem por alí.   O DNIT teve que refazer todo o projeto, optando por viadutos e rotas alternativas para preservar o sossego dos índios. Passados  alguns anos foi descoberto que tais índios eram migrantes do Paraguai, e aí volta a refazer o projeto do túnel.  

Todas as obras ainda pendentes decorrem de questões ambientais.  Há obras que não têm ainda o licenciamento ambiental. Há lotes que desgraçadamente caíram nas mãos de construtoras que não tinham capacidade técnica para tocar a obra. Tais construtoras não são reveladas para o conhecimento público, envoltas num denso mistério.

Enquanto isso, a BR-101 no Rio Grande do Sul está pronta, inaugurada com túneis e pontes, sem nenhum embargo.  É que em nosso Estado as questões ambientais são tratadas com seriedade.  As residências têm tratamentoe esgoto e o nosso mar é absolutamente puro.  Nenhum estaleiro será instalado por aqui. 

Desde 2004 a Infraero tem um projeto pronto para o o novo Aeroporto de Floripa.  Enquanto isso,  construíram em Curitiba, Porto Alegre e em outras cidades com maior potencial turístico.   O operoso e zeloso governo do Estado não concluiu as vias de acesso para viabilizar a execução do projeto o licenciamento ambiental e a construção da via de acesso.

O Ministério Público exige que a Infraero só faça a licitação para as obras, quando a via de acesso estiver pronta.
Numa audiência pública não se repara os nossos erros do passado.

comentários

Comentários (3)

  • Marcos Rios diz: 13 de abril de 2011

    Acho que o problema está na nossa Constituição…….. é garantista demais…… e, aliada a entendimentos preservasionistas, temos isso que vemos a todo momento……. ecochatos e instituições tendenciosas……..

  • Fernando Augusto diz: 14 de abril de 2011

    Realmente, questiona-se a competência de nossos homens (ou ratos?) públicos… Mandou bem o leitor Waldemar. Fui a Porto Alegre a trabalho estes dias, até o “barulho do carro” na estrada muda! Asfalto bom, liso, túneis, etc… tudo muito bom. E aqui, enfim… quero só ver a novela do aeroporto.
    No mais, se aqui fosse como o blog do cacau, que é aberto para comentários, teríamos em pouco tempo os seguintes comentários-padrão (tô fazendo uma média geral):
    - 3 comentários atacando o Waldemar e não o conteúdo do texto;
    - 1 comentário do tipo “fora haole”, de novo desprovido de menção ao texto;
    - 1 comentário defendendo a mudança da capital/aeroporto para algum lugar longe de tudo e de tudos, porque “a ilha é nossa” ou alguma outra coisa do gênero, de novo, totalmente fora do contexto;
    - 1 comentário culpando “o turista malvado”.
    Claro que teria um que outro relevante, mas a maioria é isso… enfim: As coisas não andam aqui porque o povo não quer. Simples assim. Cada um tem sua idéia do que é melhor, e somente a sua vale. Não existe consenso, não existe “vamos trabalhar pelo bem comum”. O importante é o mané se dar bem, e ele vai conseguir porque é amigo do deputado que é amigo do diretor da companhia municipal que é amigo do amigo do amigo… enfim, Floripa e o litoral ainda vivem no século passado, certo? Então nem adianta querer infraestrutura e serviços modernos, simplesmente não encaixa…
    Abraços do catarinense cansado de ver que pra conterrâneo abrir a cabeça, só com marretada!

  • Ernani diz: 14 de abril de 2011

    Caro Amigo Waldemar, o Sr. escreveu uma grande verdade, porem para lhe ajudar, mais uma pouca sobre a cultura da ECO-CHATISSE, sempre digo que moramos na cidade do não pode, mais concordo com o Sr. inclusive em um outro comentario que fiz neste espaço, a pergunta sobre varias areas na Ilha, onde não aparece eco-chato e men MPF para coibir a depredação, tem areas que estes aparecem para ao meu ver APARECER, tais como do hospital SOS Cardio, no caso dos indios falsificados do Maçiambu, e por ai vai, mais com respeito as obras no Rio Grande do Sul, e aqui em Santa Catarina, é bem facil de explicar, em todas as ultimas eleições para presidente aqui em SC, o PT não ganhou, será que isto explica alguma coisa.

Envie seu Comentário