Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Cena cotidiana: caos na saúde pública

27 de abril de 2011 2
Poucos minutos no saguão da emergência do Hospital Regional de São José bastam para sentir o inferno vivido por quem busca atendimento no local. As queixas principais são a demora de horas ou até dias no atendimento, como vivenciou Ivan Avani Machado, durante o feriadão de Páscoa. Ele procurou atendimento para a mulher, Ana Rita Aguiar dos Santos, que havia torcido o pé. Primeiro buscou atendimento na UPA do Rio Tavares, onde foi informado que não havia ortopedista e que o aparelho de raio-x estava quebrado… Depois, teve de “mendicar” novamente no Regional. No local são comuns discussões acaloradas de pacientes em busca de atendimento. Seguidamente a PM tem sido chamada…

comentários

Comentários (2)

  • carlos alberto diz: 28 de abril de 2011

    Desculpe por utilizar um “post”de outro assunto, mas o tema foi veiculado somente no jornal impresso:
    Sobre sua NOTA dando conta de que as câmeras da lagoa da Conceição não estão funcionando, informo, como Comandante do 4o BPM, responsável pelas áreas centro, sul e leste da Ilha de Santa Catarina, que elas estão funcionando em tempo integral desde o anúncio do início dos serviços. Solicito, se possível, datas e nomes para averiguar o que possa ter ocorrido e convido o colunista a conhecer, a qualquer tempo, a estrutura disponível ou obter mais informações através de meu telefone pessoal: 99088395.
    Me coloco ainda à disposição para expor e discutir os projetos e ações que estão sendo implementados pelo 4o BPM ou outro assunto relativo às atividades da Polícia Militar em minha circunscrição, em qualquer horário ou dia da semana.

    Tenente Coronel Araújo Gomes
    Comandante do 4o Batalhão de Polícia Militar

  • Luis diz: 2 de maio de 2011

    Hospitais funcionado pela metade, reformas sem fim de vários setores, inaugurações eleitoreiras, sucateamento da rede pública, um estado de coisas que parece trama para entregar a rede para a conveniente “pilantropia” que está à espreita. E, no âmbito municipal, muito tapete preto e pouca parede branca. Tudo conspirando para empurrar as pessoas -e a culpa- para as sobrecarregadas emergências hospitalares. E o silêncio obsequioso da imprensa e do MP!!! Está tudo dominado.

Envie seu Comentário