Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Crise na segurança ou herança maldita?

26 de junho de 2011 4
Fuga de mais de 70 presos, policial militar assassinado, Pliat fechado e sem nenhum lugar na Grande Florianópolis para adolescente infrator, onda de arrombamentos de casas e veículos, principalmente na região continental de Florianópolis. Para muitos policiais, esse é o retrato dos oito anos da “segurança política” em SC que serviraram para eleger um deputado federal…

comentários

Comentários (4)

  • Joaquim diz: 26 de junho de 2011

    Pergunta para o Dário se ele está reclamando dessa bagunça no presídio. Ele está faturando com a empresa de segurança privada da qual é sócio e só interesses privatistas. No governo do Estado temos um ex-Dem(o), que está olhando com aquela cara de tanso para a educação, com a qual não tem intimidade, bem como nada faz para acabar com a farra das fugas.
    Policiamento de trânsito não existe. Só aparece o efetivo policial quando o problema toma proporções gigantescas, mas como sempre isso é só paliativo e não combate a causa.
    Quando estudantes fazem protestos parece que nasce policial do chão para descer a borracha neles, quando empresários do transporte coletivo mandam os funcionários entrar em greve para aumentar a tarifa a polícia some de novo.
    Nossos últimos governantes deram uma aula de como não se deve administrar a segurança pública.
    Estamos inseguros e assim permaneceremos até que algum desses foragidos resolva entrar na casa de algum líder do governo e executar lá tudo que faz na casa dos demais mortais.
    Santa incompetência !

  • Décio diz: 29 de junho de 2011

    O governo Raimundo recebeu uma herança maldita que não admite, A Secretaria de Segurança publica nos ultimos 8 anos só serviu para pavimentar a eleição de Deputado Federal de RONALDO BENEDET, alguem tem duvida disto?
    Porem o descaso continua pois criar mais uma Secretaria e colocar ADA DE LUCA a comanda-la é muita hipocrisia, e quem acompanhou suas entrevistas após mais uma fuga em massa do presidio de Florianópolis pode comprovar, esta Senhora demonstra total falta de conhecimento da pasta que dirige, não sabe distinguir sequer focinho de porco de tomada elétrica. E assim caminha nossa Segurança, Educação, Saude, que são prioridades sómente durante os processos de eleições. Governador Colombo acorde pois ja esta completando 6(seis) meses de mandato e o governo esta parado, engessado e sem rumo, e o que nós cidadões Catarinenses estamos vendo é um bando de colobaradores seus incompetentes, escolhidos não pelo conhecimento e competencia mas sim para satisfazer arranjos politicos da flamigerada “TRIPLICE ALIANÇA”. Rompa as amarras do Governo passado, acabe com a farra das 36 SDRs, tenha pulso, busque solução para esta greve de mais de 40 dias dos professores, caso contrario renuncie pedindo desculpa aos Catarinenses pela sua omissão e incompetência.

  • luiz fernando vidal da rocha diz: 30 de junho de 2011

    Caro Martini

    Florianópolis tornou-se uma cidade cosmopolita com intenções de metrópole. Para cá foram atraídos milhares de pessoas que buscavam tranquilidade,qualidade de vida entre outros atrativos. Cariocas,paulistas, gaúchos,paranaenses e também pessoas de outros países foram se estabelecendo como funcionários públicos transferidos, comerciantes bem sucedidos, profissionais liberais,executivos de fim de semana, ou seja, uma população com poder aquisitivo considerável. Como consequência dessa “colonização” abastada, incluindo ai grupos empresarias e estatais, sem esquecer que temos uma universidade federal com altíssimo conceito nacional e internacional – os filhos do interior do estado quando se formam não voltam para suas cidades de origem, se estabelecem na ilha maravilha- para dar suporte operacional a essa nova população a comunidade nativa não se adequou. Foi necessário trazer trabalhadores de outros estados para cumprir tal função.E como uma onda de grande extensão, junto a esses trabalhadores vieram os parasitas, aproveitadores,oportunistas e toda uma gama de marginais que formaram cinturões de violência para a outrora pacata floriano polis..ai começa a super lotação do pequeno presidio situado no bairro trindade. A cidade cresceu e junto a marginalidade, no entanto o sistema de segurança publica continuou provinciano não acompanhando as necessidades da comunidade. Agora o que se faz urgente serão medidas paliativas até que se pense em um projeto maior que não so inclua a segurança publica mas também uma releitura da cidade como um todo. Repensar Floripa se faz urgente ou em um futuro não muito distante o caos humano estará estabelecido, onde a violência so sera combatida com mais violência….

  • Luis diz: 1 de julho de 2011

    Ô sos tanço, a segurança pública já não é segurança, muito menos pública, há muito tempo. Ela esta privatizada, politizada e partidarizada. Salve-se quem puder, contratem a segurança privada dos Berger ou, como fazem boates/restaurantes/postos de gasolina/supermercados/etc um policial de folga: tu levas a corporação toda que fica dando assistência!!! Quem não manjou isto, ao ver os congraçamentos de seguranças de estabelecimentos comerciais com a polícia, além da forte presença dos carros com policiais na ativa no entorno?? Pagou, levou!! E a imprensa, MPs, corregedorias fazem o quê????

Envie seu Comentário