Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

OAB-SC questiona diálogo no Facebook

29 de maio de 2012 38

O diálogo entre Davy Lincoln Rocha, procurador da República Federal, e João Pandolfo Panitz, defensor Público da União, no Facebook, provocou reação na seccional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SC), que avalia quais medidas poderão ser adotadas. Eles questionam a insinuação de que poderia haver um “contratinho”, além do tom preconceituoso com o Estado de Santa Catarina. Ambos estão lotados em Joinville.

Procurado via Facebook, João Vicente informou que não fez nenhum comentário, apenas reproduziu um link de reportagem do clicrbs. Já Davy ainda não havia retornado a solicitação, via também rede social.

comentários

Comentários (38)

  • Felipe Belache Kugler diz: 29 de maio de 2012

    É simplesmente uma palhaçada essa reportagem. Todos sabem que o motivo é distorcer a imagem desses dois exemplares profissionais, que estão lutando pela população carente do Estado contra uma fatia da classe de advogados totalmente omissa que impera nesse Estado. A OAB/SC levou um safanão da Justiça para manter o atendimento à população carente e agora quer “resolver” as coisas na base da perseguição e do maucaratismo, utilizando-se inclusive da midia prostituída. A população saberá distinguir quem está do lado dela.

  • Flavio de Castro diz: 29 de maio de 2012

    Essa atual gestão da OAB é lamentável sob todos os aspectos..

  • Eduardo diz: 29 de maio de 2012

    Reportagem tendenciosa essa. Já ouviu falar em liberdade de expressão? Além disso, a manifestação foi aberta, eles não se esconderam por trás de ninguém. O que eu acho muito bom!

  • Gabriel Faria Oliveira diz: 29 de maio de 2012

    A Associação Nacional dos Defensores Públicos Federai – ANADEF registra que estará vigilante e acompanhando os passos da OAB-SC, Seccional Joinville, sobre o caso, eis que as conversas do Facebook não representam a atuação institucional do Defensor, mas apenas opiniões pessoais natas ao livre pensamento. As investidas por parte da OAB/SC, Seccional Joinville, contra a Defensoria Pública da União e os Defensores Públicos Federais lotados em Joinville não vem de hoje; há ação judicial contestando fato específico com sentença procedente à Defensoria Pública e seus agentes. O ambiente é hostil aos Defensores Federais em razão da ausência da Defensoria Pública Estadual, ainda mais quando se ganha uma liminar para garantir os serviços da Defensoria Dativa até a validade do sistema inconstitucional, o que ocorreu na data de hoje. A OAB/SC, Seccional Joinville, e os nobres Advogados, conviveram tranquilamente com o forma de pagamento por parte do Estado de Santa Catarina até a decisão do Supremo Tribunal Federal. Após, com a determinação da instalação da Defensoria Pública Estadual a OAB-SC e os Advogados decidiram pôr fim aos trabalhos de assistência judiciária gratuita, embora mantendo-se o pagamento por parte do Estado, o que prejudica a população carente. Corretíssima a atuação do Defensor Público Federal João Panitz e do Procurador da República Davi Lilcon que ajuizaram ação para manter, até a criação da Defensoria, os serviços à população carente que não tem qualquer culpa pela implementação originária do sistema inconstitucional de Defensoria Dativa pelo Estado de Santa Catarina, com assentimento da Ordem dos Advogados do Brasil, Subseção de Santa Catarina. A origem desta nota tem fundamento na atuação contundente em prol dos dependentes da assistência judiciária gratuita. A ANADEF está acompanhando a questão e estudará e tomará, assim como a OAB/SC, as medidas que se fizerem eventualmente necessárias.

  • cinthia diz: 29 de maio de 2012

    se eles estão assim entre si OAB X defensoria. defensores federais atuando em joinvile emitindo opinião preconceituosa acerca de piauienses e catarinenses. que tristeza , que lástima está a sra justiça. NÂO dá para ser um cidadão e ser UM advogado ou defensor. ´são um só.

  • Filippe Augusto diz: 29 de maio de 2012

    A ironia e o sarcasmo fazem parte do jogo argumentativo e foi dessa forma que os envolvidos comentaram o caso em um ambiente virtual, público e de falando em nome próprio. Não constatei qualquer ofensa a quem quer que seja, mas constatei pesada, pertinente e coerente crítica a um Estado que priva seus cidadãos de um serviço público essencial e constitucionalmente previsto, que é o da Defensoria Pública Estadual. Portanto, crítica mais do que merecida e baseada no exercício de vários direitos fundamentais. Quanto à OAB, que respeite o Estado Democrático de Direito e cumpra as decisões judiciais!

  • Jonas Ricardo diz: 29 de maio de 2012

    Acredito que o tom da conversa do procurador e do defensor não quis ofender os catarinenses, mas somente os políticos, posto que somente em SC existe: 36 SDR (s), o fato de ser o único estado em que não há defensoria pública, e somente agora, 30 anos depois é que estourou o episódio das aposentadorias fantasma da assembléia legislativa, fato que até as pedras sabiam e que era uma verdadeira lenda em nosso estado. Enfim, episódios que dificilmente permaneceriam no tempo em outros estados e também no Turquistão.

  • Murilo dos Santos diz: 29 de maio de 2012

    Sou catarinense e com muuuito orgulho. Sinto-me ofendido pelas palavras destes dois idiotas, hipócritas. Se Santa Catarina é tudo isto que vão para outro lugar, bem longe. Santa Catarina não merece este tipo de agente publico. Isto é preconceito. Não só por Santa Catarina, mas também pelo Piaúi.

  • Leandro diz: 29 de maio de 2012

    Paranaenses lotados em Joinville. Não daria mesmo pra esperar mais do que isso.

  • Paulo Lehmkuhl Vieira diz: 29 de maio de 2012

    Depois que foi decretada a quebra do sigilo fiscal da cópula, digo, cúpula da OAB/SC o movimento intestinal tem balouçado os pólipos de sempre, ou de então, ou das últimas lamentáveis má-gestões preocupadas com as investigações da PF que pode engaiolar “otoridades” constituídas… Tem gente que não dorme. Outros com menos ou nenhum pudor continuam vendendo … digo… devendo… E os caras achavam que iam nomear desembargadores a granel. Pior é a parte que se submete ao cabresto interesseiro!

  • cinthia diz: 29 de maio de 2012

    leandro, inoportuno e sem razão seu comentário.filippe augusto estou concluindo Letras, entendo um pouco de argumentaçao. porém emitir juízo de valor via tom jocoso é preconceito sim. fica evidente o escárnio para piauienses e catarinenses. sugiro a apreciaçao de textos antropológicos.

  • paulo abdala diz: 29 de maio de 2012

    Os caras têm razão, SC não é nada, não tem praias, possui se não o maior, mas estar entre os maiores IDH do Brasil, não possui latinfundiários, é considerada a Suíça Brasileira, possui o maior pólo metal mecânico da América Latina, uma das maiores rendas per capita do Brasil.

    Porque não fazer uma reportagem a quantas andas as defensorias estaduais pelo Brasil, veremos que não é um mar de rosas, muito pelo contrário.

    Meus caros defensores, sejam benvindos a Santa e Bela Catarina

  • Sérgio diz: 29 de maio de 2012

    Duas constatações: a primeira, se era intuito dos interlocutores, é que o serviço público estadual sempre foi tratado de forma amadora quando não muito mal intencionada, principalmente pela classe política.
    a segunda: os dois sofrem daquele ranço oriundo de estados que tem os piores índices de educação das suas regiões, educação esta que, com toda certeza, faltou suas mães lhe passarem, visto que não aprenderam que na casa dos outros devemos dar exemplo de comportamento.

  • Fernando diz: 29 de maio de 2012

    Está claro que a OAB/SC quer mudar o foco do debate.
    O fato é que o estado de SC, em mais de 20 anos da CF/88, ainda não instalou a Defensoria Pública do Estado.
    Defensoria Pública é obrigação. (ART. 134 DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL)

  • kátia diz: 29 de maio de 2012

    Escárnio e deboche com os catarinenses. Será por isto que conseguiram empregos em Santa Catarina? Estão lotados em Santa Catarina? Porque? Não conseguiram colocações em suas maravilhosas cidades? Como Catarinense e Joinvilense que sou, sugiro que se habilitem a empregos longe do Tuzarquistão da região Sul. É por estas e outras……

  • Schéroon diz: 29 de maio de 2012

    Lamentável o preconceito manifestado.
    E quanto à defensoria dativa, mantida através de contrato, ao contrário do argumento de muitos, sempre foi exercida de forma exemplar pelos advogados catarinenses.
    Os pagamentos, diferente do comentário da ANADEF não são pagos em dia.
    Por último, lamentavelmente o SR. Governador do Estado vem se aproveitando da decisão do STF sem se pronunciar quanto ao pagamento (quer dos atrasados, quer dos serviços prestados atualmente).
    Este é o motivo da suspensão dos serviços.
    Ou quem sabe alguém tem um argumento para obrigar os advogados a trabalhar de GRAÇA?

  • kesio diz: 29 de maio de 2012

    Primeiro. esses idiotas deveriam ser banidos de nosso Estado a ponta-pé.
    Segundo. Se a defensoria dativa é inconstitucional, como é que a justiça vai se explicar ao determinar que ela continue até a realização de concurso. É a mesma coisa que mandar roubar enquanto não tiver comida para todos. Incoerência.

  • Cristiano diz: 29 de maio de 2012

    São dois babacas. Idiotas convictos. Além de preconceituosos e deslumbrados

  • Lívia Bittencourt diz: 30 de maio de 2012

    Não vi ofensa nenhuma aos catarinenses, nem aos piauienses. É de uma clareza franciscana que a crítica é dirigida aos governos dessas unidades federativas. E por favor, dizer “quem não está satisfeito, que se mude” é vergonhoso. Ter orgulho do seu estado não significa fechar os olhos aos absurdos que acontecem nele. Não, eu não estou satisfeita com o fato de que SC ainda não tenha uma Defensoria. E não, não vou mudar de estado, porque eu nasci aqui e quero esse lugar fique melhor.

  • Alexandre diz: 30 de maio de 2012

    Fica “evidente o escárnio” só para quem não sabe interpretar texto e, pior do que isso, não tem o mínimo de conhecimento sobre o que estão falando. A questão da Defensoria Pública no Estado de Santa Catarina nos envergonha desde 1988, quando a Constituição da República determinou que fossem criadas as defensorias.

    O que foi dito sobre Santa Catarina e Piauí é que o estado do Nordeste possui vários casos de corrupção em várias cúpulas do poder, de modo que foi comparada essa característica com o que ocorre aqui em Santa Catarina em algumas áreas. Desculpe-me, mas quem se sentiu ofendido merece ofensa pior por ser tão ingênuo e desprovido de raciocínio.

    Santa Catarina é um belo estado, mas é onde oligopólios fazem a festa. Ao invés de criticarem quem expõe a verdade, comecem a refletir mais, principalmente antes de irem às urnas.

  • Paulo Pennaforte diz: 30 de maio de 2012

    Foram brincar com os donos da Capitania Hereditária de Santa Catarina…
    Também não concordo com preconceitos, mas não é curioso que um tal aí, para criticar o preconceito, destila preconceito contra nossos vizinhos do Paraná?
    E se fossem gaúchos ou paulistas, aí já teria mais de 100 comentários falando mal e mandando embora.
    Não fiquei ofendido porque tenho certeza de que não falaram mal do nosso povo, mas sim das nossas “otoridades” que são, sim, das piores que temos no país. Por culpa delas e da sua incompetência é que nosso valoroso Estado não tem a consideração que merece no cenário nacional.

  • Débora Caon diz: 30 de maio de 2012

    Esperem para ver o que será a Defensoria aqui… Agora sim o povo não terá mais advogado… Os defensores vão atender apenas Júri, talvez alimentos e olha lá… Cidade pequena jamais terá defensor… ACORDA SC!

  • CristianTM diz: 30 de maio de 2012

    Preconceituoso contra SC??? Tá mais que claro que eles atacam as autoridades do estado, não o estado em si… É só interpretar minimamente o que falaram.

  • Nidia Nobrega diz: 30 de maio de 2012

    Infelizmente o que os dois profissinais afirmaram -independentemente do tom – é verdde.
    Santa Catarina, a despeito de seu desenvolvimento social,econÔmico,cultural,acadêmico tem exagerado nas doses de incorreções delibeadas e na falta de isenção e de independência entre os poderes.

    Se desejam onfirmar o que todo mundo sabe que se faça umapesquisa sobre o que apopulação acha da justiça.

    O resultado mostrará o que todo mundo sabe mas não tem coragem de confessar.

    A comparação com o Piauí – mesmo que injusta como Piauí,deseja quebrar aquele sentimento bairrista de que somos os melhores em tudo…o que está longe de ser verdade…

    Nossas práticas não diferem em nada dos estados que ainda sofrem pela sua longa história de exploração e pecados jurídicos,econõmicos e políticos cometidos peo coronelismo de lá e que aqui talvez tenha apenas mais um pouco de verniz….

    Rever essas feridas e corrigi-las é dever de todo snós.Jogar o lixo para debaixo do tapete não muda a sujeira..É lamentável,mas verdadeiro.

  • verdadeiro diz: 30 de maio de 2012

    Será que estao errados mesmo ? Vejamos:
    BR-101 em SC, 100 anos de obras e nada….
    Ponte, 101 anos em obra e nada (obs:para o povo)….
    Contorno de Floripa, 4 anos e nada.agora teremos mais 4/5 anos…mas o pedagio vai bem, obrigado…
    Alunos aprovados de qualquer maneira…passsam de ano na “marra”, obrigado LHS…
    Piso nacional dos professores NAO cumprido….
    Segurança e saúde caóticos…
    Nao temos governador…
    Bancada catarinense em Brasilia é uma piada…
    Manezinho tem fama de nao gostar de trabalhar…só pensa em surf e ostras…
    Nao temos defensoria publica (unico estado a nao ter)….
    Os Bornhausen´s sao daqui…
    Sede da federacao de futebol nao é na capital (só aqui….)….
    Coronéis mandam e desmandam …..
    LHS eleito 2x governador e depois para o senado….
    Ufa..cansei…
    Estao mesmo errados em comparar SC com alguns estados do nordeste ?

  • Carlos Henrique diz: 30 de maio de 2012

    Também sou catarinense com orgulho, mas tenho VERGONHA de nossos políticos. A comparação com o Piauí é indevida, talvez nosso estado seja mais parecido com o Maranhão. Nas palavras do procurador, “aqui, tudo é diferente”, basta ver a polêmica em torno de nosso código florestal e os recursos ao STF para postergar o pagamento do piso salarial da educação. Tudo isso em um estado com os MELHORES níveis de renda per capita e que paga os PIORES salários para seus professores e policiais. E tem o CAOS na saúde, claro, mas vou parar por aqui…

  • Alexandre diz: 30 de maio de 2012

    Ironias impertinentes à parte, as colocações das autoridades apenas desnudam o corporativismo e a forma interesseira como um segmento dos advogados catarinenses trata o convênio estatal que estabelecia uma tal de “defensória pública dativa”. Àqueles que veem a coisa pública como própria, e o direito coletivo à assistência jurídica como um negócio, terão mesmo de se preocupar com o MPF e a DPU. Desejo força ao Procurador Davy Licoln e ao Defensor Público João Panitz.

  • Fava diz: 30 de maio de 2012

    Apesar de ser catarinense, com a devida vênia, o que o procurador e o defensor falaram é verdade minha gente. Aqui, é a terra do jeitinho e da politicagem barata. Faz tempo que não temos tripartição de poderes em Santa Catarina, por que os três ditos poderes, precipuamente o judiciário e o legislativo não são autônomos, e vivem, atrelados as politicagem do executivo. O episódio do Fundeb (lembram do caso?) escancara isto. Só para lembrar o episódio do FUNDEB: Quando LHS era governador, ele fez um acordão com os demais poderes, leia-se: ALESC, TJSC, MPSC e TCE repassando para estes poderes e órgãos verba federal que tinha a destinação específica, qual seja, a Educação. E qual a consequência disto? Enquanto os professores viviam à mingua, os nobres representantes dos órgãos acima mencionados ganhavam durante ano, 14º, 15º, 16º………………………………., por que “havia sobras no orçamento do órgão/poder. Então, não têm muito o que discutir não. Aliás, tenho saudades do mosquito (blog tijoladas do mosquito) que diariamente trazia à tona as falcatruas ocorrentes nos poderes de SC.

  • Dejair vicente Pinto diz: 30 de maio de 2012

    Pois agora, como díria uma querida e sábia senhora…a Dona Humildade
    É aqui no Piauí do sul, como debocham as ilustres personalidades, que muitas coisas acontecem, em que pesem tantos problemas que temos. Menores índices de criminalidade em relação aos demais estados mais evoluídos, inclusive do sul, melhor nível de vida para idosos, jovens e crianças, longevidade maior do país, indice de doadores de órgãos superiores a países desenvolvidos, com pouco mais de 1% (Um por cento) do território nacional e uma população relativamente pequena, bem distribuída no território, trabalhadora de Sol a Sol, somos uma das forças econômicas do Brasil. Santa Catarina, ou como queiram as ilustres personalidades, e sem desmereçer nossos irmãos piauienses, o Piauí do Sul, tem sido reiteradamente escolhida como um dos ou o principal destino preferido para o turismo nacional e mesmo, já entre os estrageiros. Terra de gente que trabalha, de gente bonita, que esbanja belezas naturais, terra cheia de graça, de amores mil. Deus! Como é bela a minha terra em todos os seus recantos e em toda a sua gente.Já disse alguém que se o Brasil fosse uma grande Santa Catarina o país seria outro. Com certeza!

  • Dudu o Carequinha diz: 30 de maio de 2012

    O Davy fala propositalmente desta forma, para chocar e chamar a atenção da população anestesiada pela dominação dos poderosos desviados. É uma questão de estilo. É uma forma de chocar pelo escândalo, que no fundo traduz uma realidade (que ninguém quer ver, ouvir, seja por incapacidade cognitiva ou por comodismo mesmo). Foi assim com o caso Buracoville, e tantos outros. Ele é ácido na forma de se expressar, mas não destoa um milímetro da realidade. Davy, vc é um dos poucos que ainda tem a coragem (e possibilidade pelas garantias de irredutibilidade, inamovibilidade e irredutibilidade) de dizer o que ninguém quer ouvir e o que muitos endossariam. Eu particularmente apoio todas as condutas do Davy. Ele coloca o dedo na ferida, cujo esparadrapo podre e infectado os detentores do Poder tentam colar todos os dias…DETONA DAVY!!!!!!!!! ARREBENTAÇÃO!!!

  • Dejair vicente Pinto diz: 30 de maio de 2012

    Pois então, já disse um sábio que palavra dita, pedra atirada e tempo perdido não tem volta. Mesmo que seja no twiter, o ventilador também gira.

  • Débora Caon diz: 31 de maio de 2012

    É que o Paraná é um mar de bons políticos e zero de falcatrua. Escutei da boca de um juiz federal que lá trabalhava que; saiu fugido do Paraná, que tudo que era rolo grande no Brasil, tinha algum envolvimento do Paraná, ou começava ou terminava lá. Agora ele está atuando em Fpolis… Casos como moeda verde, etc ele atuou. Eu sei o que é ter a sua cidade minada de paranaenses que vem trabalhar na colheita e acabam no presídio. O interior é uma pobreza sem fim… Só madeireiras… Daí vem falar mal do meu estado??? Pra ser funcionário público federal, pelo menos tinha que ter um pouco de respeito… Aposto que a carne que eles comem é BRF, produzida aqui. Que a camisa que eles usam é Dudalina. Que já tiveram um eletrodoméstico Cônsul, uma malha Hering ou Malwee, já tomaram um leite Tirol… Um estado tão rico e valoroso não merece ser insultado deste jeito por ninguém… Vai pro DF!!! Vai lá ver o que é aquilo!!!

  • Crítico diz: 31 de maio de 2012

    A expressão, seja em palavra, gestos, sinais, ou qualquer outra forma de exteriorização do pensamento é bem vinda, desde que seus efeitos sejam positivos. E aqui o são. A boa dialética só é criada com a crítica. A bem da verdade, em Santa Catarina não temos órgãos de comunicação imparciais. O que temos são jornalecos de terceira categoria (quando muito), que acham que por ter uma diagramação simpática, podem ser erigidos à codição de Órgãos confiáveis…na minha opinião, e sem querer ofender, mas somente a título de critica de cidadania, são assinados por pessoas pouco ou nada qualificadas (alguns nem são jornalistas), que tem uma pulsão de inferioridade que retrata flielmente aquilo que são: uns paus mandados dos poderesos da notícia filtrada propositadamente para defender os interesses daqueles que lhes patrocinam. Sem falar no monopólio…São notícias rasas, sem muito contepúdo, pra emburrecer mesmo… sem o mínimo lastro científico muitas vezes (quando deveriam ter nalguns casos), asseverando, amiúde, mentiras dirigidas, para iludir um povo ignorante, e que se acha superior por ter origem européia. Os europeus de verdade ficaram no outro continente faz tempo. Nao foram covardes, resistiram. O que temos aqui são simulacros de fragmentados de europa, que nem ela mesmo reconhece (basta conferir isto lá mesmo. ..ouvi da boca de um alemão isto, lá de Frankfurt) Eu apoio o Davy, o conheço, e sei que é uma excelente pessoa, um cara de bons princípios. Vivemos num lixo de país, e num estado (que se assemelha muito ao Piauí,na exata proporção da comparação contextual feita, pra quem nao conhece).É claro que aqui é bem melhor que o Piauí, mas no contexto geográfico é parecido em termos da analogia feita. Aqui quem tem meio olho é rei,um sobrenome pomposo princípe, e quem tem o poder é Deus. Quem acusa, investido constitucionalmente em sua função incomoda muita gente. E o Davy é compentente, e para sê-lo tem que vazar algumas verdades, para alguns ogros que insistem em considerar um buraco como pólis, sem malha asfáltica e de esgoto…chega a beirar o risível “manchester catarinense”….alguém já foi até Manchester pra conferir? Ridículo. A questão da OAB da forma que foi exposta pelo “profissional da notícia” é dirigida ou acéfala , e tendenciosa..o que o Davy quis dizer foi que abriram 30 e poucas vagas, que isto será insuficiente, e que o governo e a OAB farão um contrato para suprir a demanda….aliás, até o tempo verbal do “colunista” é sofrível…”poderia” ao invés de poderá..ou é ignorância vernacular ou tendencionismo mal propositado…VAI DAVY, CONTINUA FIRME EM TEUS PROPÓSITOS, SAIBA QUE VC TEM O APOIO DE MUITOS, E MESMO ASSIM SE NÃO TIVESSE, EXERCE O SEU DIREITO DE EXPRESSÃO, COMO CIDADÃO. DETONA GAROTO!

  • Jorge Luiz Roque diz: 31 de maio de 2012

    Sou manezinho, catarinense, e acima de tudo brasileiro, confessso que aquelas palavras apresentadas no Diario Catarinense não me ofendem, temos que encarar a realidade nua e crua. Qualquer acadêmico formado na área de ciencias humanas, sabe que nossos indices sociais, tais como: educação, saúde e segurança em muitos se igualam aos dos países ditos do 3º Mundo. Não foi em vão que o Exército Brasileiro fez treinamento militar na região do Brejaru (Palhoça/SC), para enviar militares junto as tropas de paz da ONU no Haiti.
    Fiquei indignado com o eco da mídia catarinense (Diario Catarinense – 30.05.2012; p. 2) em dar holofote a este episódio insignificante.
    Conhecer como conheço a pessoa do Sr. João Pandolfo Panitz que na qualidade de Defensor Público da União em Santa Catarina, é um ferrenho paladino dos excluidos, o que por si só demonstra ser um profissional de alta qualidade, voltado aos interesses sociais, adjetivos esses que o credenciam à sua vida pública.
    Por outro lado, fiquei pasmo em saber que a OAB/SC, sentiu-se ofendida com mensagens veiculadas no Facebook. Acorda OAB/SC … vai aqui minha sugestão, vocês deveriam, isto sim, promover prêmios aos profissionais que se dedicam à assistência juridica aos necessitados neste pais.

  • kesio diz: 1 de junho de 2012

    Querem ofender a OAB/SC, que o façam, mas não generalizem o Estado. Ademais, de ferrenhos paladinos o País esta cheio. Que diga o Senador Demóstenes. o grande batalhador pelos menos favorecidos -sic- vejam o que deu, e, não esqueçam do lulalá, e sua turma do mensalão. Não voltem pro Paraná não, eles não merecem, vão pra Brasília, junto aos iguaís…..

  • pablo diz: 1 de junho de 2012

    Quem fala a verdade, nao merece castigo. FALARAM NADA MAIS DO QUE A VERDADE. TERRA SEM LEI.

  • Paulo Pennaforte diz: 2 de junho de 2012

    O Coronel escreve um belo e sentimental texto que poderia, com certeza, ser impresso em folder da Santur.
    Nada ali está em desacordo com a realidade, Coronel.
    Mas o senhor apenas “esqueceu” que o nosso belo e trabalhador povo catarinense não é dignamente representado por seus (des)governos, a um dos quais o senhor serviu. Por isso entendo sua crítica, pois que atingiram seus iguais.
    Mas não queira embaralhar tudo, Coronel.
    Nós, povo catarinense digno, somos uma coisa.
    O senhor e sua turminha de politiqueiros, são outra coisa. E como fedem…

  • Everaldo diz: 2 de junho de 2012

    Muitas pessoas confundem a defesa de uma causa com a defesa incondicional das pessoas que também a defendem. O procurador da República e o defensor público da União foram extremamente infelizes e desrespeitosos em seus comentários, mas, como defendem a causa (justa, por sinal) da defensoria pública, alguns defensores públicos, aspirantes e simpatizantes da defensoria pública se colocaram automática e incondicionalmente ao lado deles. Muitas famílias vivem em crise porque seus integrantes agem assim, “partidariamente”, cegamente, desprezando a importância do bom senso.
    Ao contrário da defesa feita por alguns neste espaço, Davy e João Vicente agrediram sim Santa Catarina. Como são pessoas inteligentes, se quisessem se referir aos políticos catarinenses teriam falado deles e não de Santa Catarina. Teriam dito que os políticos daqui são piores que os demais (com o que não concordo, pois nossos políticos não são melhores ou piores que os demais). Mas não, falaram de Santa Catarina, diretamente, e da pior forma possível, depreciando este maravilhoso Estado e também o Piauí. O fato de não serem catarinenses não lhes retira o direito de crítica, mas exige maior cuidado quando a crítica é dirigida ao estado e ao povo que os acolheram. Isto se chama educação.
    Liberdade de expressão é um direito indispensável em ambientes democráticos. E é salutar (embora não obrigatório) que ela seja exercida com responsabilidade. Também tenho eu, portanto, o direito de discordar da forma com que os dois ilustres funcionários públicos se referiram a Santa Catarina, sujeitando-me, obviamente, às críticas daqueles que de mim discordam.
    A propósito, para quem discorda de meu ponto de vista pergunto: as instituições Ministério Público Federal e Defensoria Pública da União teriam se manifestado sobre o assunto em debate com as mesmas expressões utilizadas pelos senhores Davy e João Vicente? Acredito que não. Também acho que os demais membros destas duas respeitadas instituições também não teriam feito o mesmo. De qualquer forma, acredito que os dois estão arrependidos da forma pela qual expressaram seus pensamentos e críticas.
    Mas, para quem lembra, a crítica à OAB/SC (“contratinho” não pode representar outra coisa) não começou com o diálogo de Davy e João Vicente. Durante o recente julgamento da ADI referente à defensoria dativa, os ministros do STF falaram em “pacto não expresso entre o poder político local e a Ordem dos Advogados”. E também fizeram menção, no julgamento, ao tal “contratinho”. O problema é que não havia alguém no julgamento para questionar a crítica feita pelos ministros à OAB/SC. Embora tenha sido chamado nominalmente pelo presidente do STF para que fizesse sua sustentação oral, o advogado Márcio Vicari lá não estava. E assim a OAB/SC ficou sem defesa. Mas não vi, após o julgamento, qualquer dirigente da OAB/SC questionando as falas dos ministros do STF ou falando em medidas contra os julgadores. Por que o fazem agora?
    Finalmente, penso que já demorou demais o início do diálogo entre os representantes das defensorias públicas, o Estado e a OAB/SC. Sem ele, o indispensável debate, continuará perdendo a assistência jurídica aos necessitados.

Envie seu Comentário