Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Perguntas sem resposta no caso da adolescente que sumiu do hospital

26 de junho de 2012 4

Como é que uma jovem de 14 anos permanece internada no hospital Infantil Joana de Gusmão por sete meses, sem que sequer exista um diagnóstico sobre eventual doença?

Como é que que ela passou pela portaria do hospital sem ser identificada, mesmo tendo anunciado que pretendia fugir?

Como funciona o sistema de segurança do hospital?

Por que tamanho silêncio de todos os envolvidos do poder público: Justiça, Ministério Público, Polícia?

Criança é prioridade para o Estado. Será que estamos cumprindo o que determina a Constituição?

 




comentários

Comentários (4)

  • Thiago Angioletti diz: 26 de junho de 2012

    Caro, Rafael,

    Como ex-conselheiro tutelar da capital, não posso afirmar sobra a segurança do hospital supra, muito menos a respeito da doença da adolescente.

    Mas, afirmo com toda experiência e conhecimento de quase 3 anos a frente da luta pelos direitos de crianças e adolescentes: este é um lado OBSCURO de nosso município…
    Abraço!

  • Nilson Rodrigues da Luz diz: 26 de junho de 2012

    Acompanhando algumas reportagens deste jornal, sob o descaso com que estão tratando a saúde de nossas crianças no HIJG, não é de se surpreender, o importante é cargos para padrinhos políticos.

    Nilson da Luz / Florianópolis.

  • Paulo Pennaforte diz: 26 de junho de 2012

    Pior, Rafael, é que és o único que está dando a notícia.
    Silêncio midiático quase total, também.
    Afinal de contas, não fica bem para o (des)Governador, não é?

  • ZeZinha diz: 2 de julho de 2012

    SETE meses internada, sem um diagnóstico?
    Enquanto isso, outras crianças esperando vagas, correto?
    E os responsáveis por essa criatura?
    E fugiu?
    Me diga que isso é piada, por favor!

Envie seu Comentário