Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Detentas da Capital vão trabalhar em telemarketing

18 de julho de 2012 7

As detentas do presídio feminino da Capital irão receber treinamento da empresa de tecnologia BMTech para trabalharem como operadoras de telemarketing dentro da própria unidade localizada no complexo penitenciário da Agronômica em Florianópolis. O convênio foi assinado nesta quarta-feira entre a secretária de Estado da Justiça e Cidadania, Ada Faraco De Luca, e o diretor da empresa BMTech, Yhul Gutierrez.

Na uma primeira etapa, 40 reeducandas serão capacitadas durante o período de três meses, com quatro horas de aulas como português, informática e comportamento. Após este período, 20 serão contratadas pela empresa para iniciarem o trabalho com vendas em banda larga, telefone fixo e TV a cabo, e 20 ficarão de reserva.

A seleção das reeducandas será feita pela Acadejuc (Academia de Justiça e Cidadania) em parceria com o presídio feminino, que hoje abriga um total de 120 detentas.

comentários

Comentários (7)

  • Bruno diz: 18 de julho de 2012

    Acho esse iniciativa um erro. Muitas das que estão ali, foram presas por roubo, furto, tráfico, enfim, diversos crimes, acho que existem outras formas da empregá-las sem que seja necessário que as detentas tenham acesso a dados cadastrais de pessoas que nem se quer saberão que estão tratando com PRESIDIÁRIAS, que fique bem claro. Elas ainda não cumpriram com o que a lei mandou, então, sou totalmente contra. E se meus dados caem nas mãos dessa empresa, quem me garante que alguém não o usará de forma indevida? Não estamos tratando com pessoas idôneas, visto que ainda estão confinadas. Acho de extremo mau gosto que DETENTAS saibam onde moro, quando estarei livre para receber técnicos para instalação, com quem vivo, onde trabalho, número de contas e coisas do tipo. É um desrespeito com o cidadão de bem, que jamais saberá que estará entregando seus dados para um presidiário.

    Justiça falha.

  • Edenir Silva diz: 19 de julho de 2012

    Medida simplesmente sensacional.

  • vai capinar!!! diz: 19 de julho de 2012

    Já e chato ter que ouvir este telemarkting agora com detentas imagina o quanto, se não atender sofre ameaças, bom assim quando forem fazer falso sequestro por telefone vão saber p/ quem ligar e iludir mais vitimas.

  • joao figueiredo pereira diz: 19 de julho de 2012

    é o fim !!! aquilo de que um condenado é privado;: sua perda de liberdade e contato aberto com a sociedade chegou ao fim. só falta neste pais alguém ser preso por denunciar a corrupção.
    é a exploração pura; porque não dizer corrupção social.
    já não chega as terceirizações da sjc . chega agora o trafico de influencias .qtas pessoas na sociedade buscam um trabalho ??
    preso deve trabalhar em serviço de utilidade publica e não para corrupção de impostos e salários.nw9i

  • Juliana diz: 20 de julho de 2012

    É isso aí,sr Bruno e sr João.
    Brasil,país da impunidade.
    E viva a impunidade.

  • DA ILHA diz: 21 de julho de 2012

    acredito que elas e eles tem que trabalhar, agora se a função que vão execer é a correta ai eu não sei

  • joao figueiredo pereira diz: 23 de julho de 2012

    e ai sr DA ILHA ; foi exatamente isso que falei.. mas lembre-se guando tinham a liberdade eles tinham possibilidade de trabalho ;o mais provável ;mas não queriam nada; nadica de nada com o trabalho. agora o trabalho para presos dever ser de utilidade publica. e não exploração e sonegação de impostos e salários..
    há !!!! um ministério publico atuante…mas só tem filhinho de papai no MP.

Envie seu Comentário