Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Presos que lerem e entenderem obra de Dostoiévski terão pena reduzida

23 de novembro de 2012 32

A Vara Criminal de Joaçaba, sob comando do juiz Márcio Umberto Bragaglia, deu a largada na manhã desta sexta-feira (23/11) ao projeto Reeducação do Imaginário, que consiste na distribuição de obras clássicas aos apenados da comarca, para leitura e posterior cobrança de pontos em entrevistas com o magistrado e seus assessores. Os participantes que demonstrarem melhor compreensão do conteúdo, respeitada a capacidade intelectual de cada apenado, poderão ser beneficiados com a remição de quatro dias de suas respectivas penas.

   O primeiro módulo do projeto consiste na leitura da obra “Crime e Castigo”, de Fiódor Dostoiévski. No segundo módulo, para o qual já existe etapa de aquisição de livros, os apenados lerão “O Coração das Trevas”, de Joseph Konrad. Depois virão obras de William Shakespeare, Charles Dickens, Walter Scott, Camilo Castelo Branco e outros autores, todos recomendados por intelectuais do calibre de Otto Maria Carpeaux, Olavo de Carvalho, Harold Bloom e Mortimer J. Adler. Os livros serão adquiridos em edições de bolso, diretamente com verbas de transação penal destinadas ao Conselho da Comunidade, que juntamente com o Presídio Regional de Joaçaba participa do projeto encabeçado pela Vara Criminal.

   “O projeto (…) visa a reeducação do imaginário dos apenados pela leitura de obras que apresentam experiências humanas sobre a responsabilidade pessoal, a percepção da imortalidade da alma, a superação das situações difíceis pela busca de um sentido na vida, os valores morais e religiosos tradicionais e a redenção pelo arrependimento sincero e pela melhora progressiva da personalidade, o que a educação pela leitura dos clássicos fomenta”, interpreta o juiz Bragaglia, declaradamente inspirado nas lições de educação do filósofo Olavo de Carvalho, a quem considera o maior pensador brasileiro vivo e em atividade.

   Nesta manhã, reunidos no Salão do Júri, os apenados participantes do projeto – todos voluntários – ouviram palestra do juiz Bragaglia. “Não vou subestimar a capacidade de vocês, não vou sugerir que leiam best-sellers, autoajuda, subliteratura ou outras inutilidades. Ao contrário! Todo ser humano, por mais difícil que seja sua situação ou por mais precária que tenha sido sua educação, tem condições de ler grandes obras com proveito, e é isto que torna essas obras eternas: o quanto elas falam da experiência concreta, da alma humana”, comentou o magistrado. Ao final, cada participante recebeu uma edição de “Crime e Castigo”, acompanhada de um dicionário de bolso. As avaliações ocorrerão em 30 dias. O projeto conta com o apoio e a participação do Ministério Público de Santa Catarina, por meio do promotor de justiça criminal de Joaçaba, Protásio Campos Neto.

comentários

Comentários (32)

  • Vitor Thibes diz: 23 de novembro de 2012

    Parabéns aos idealizadores e implementadores deste projeto!!! Fiquei até emocionado ao ler a notícia. Toda a sociedade saí ganhando quando a inteligência se junta a sabedoria, transformando-se em ação. Vitor Thibes

  • Rosãngela da Silva diz: 23 de novembro de 2012

    Muito boa essa iniciativa! Gostei de ver que estão vendo os presos como pessoas que pensam…e muito…Assim ,com a leitra eles verão o quanto é importante a educação, quem sabe saberam vivem em comunidade, a respeitar o seu semelhante. Que DEUS ajude nessa tarefa. Abençoada seja quem teve essa grande idéia!

  • Egídio Weis diz: 24 de novembro de 2012

    Iniciativa muito louvável do Juiz de Joaçaba. Outras comarcas deveriam fazer o mesmo.

  • Fritzen diz: 24 de novembro de 2012

    Noticia boa.

  • Shasça diz: 24 de novembro de 2012

    Parabéns e boa sorte ao Juiz Umberto e seus apenados na empreitada. {8¬)

  • Sergio diz: 24 de novembro de 2012

    Interessante! Gostaria de, em breve, ter conhecimento da evolução dos apenados.
    Na ‘Categorias’ a minha sugestão é: segurança pública.

  • Luzia diz: 24 de novembro de 2012

    Dou meus parabéns a esse juiz pela iniciativa, pois temos que orientar essas pessoas a serem seres humanos mais dignos, pois nem todos que estão presos cometeram seus crimes com conciencência dos atos praticados ou por falta de uma educação de qualidade e de famílias com estruturas.

  • Professor diz: 24 de novembro de 2012

    cuidado com a língua portuguesa, jornalista. pega muito mal escrever remissão com ç

  • MARTINHO ALOISIO PETRY diz: 24 de novembro de 2012

    Parabéns ao Magistrado por esta iniciativa. Eis uma sábia forma de educação, com leituras que forçosamente levarão a reflexão e ao crescimento do ser humano. Acima da lei e do direito: A JUSTIÇA.

  • vaimasdemora diz: 24 de novembro de 2012

    O nobre juiz tem que mandar eles lerem a BÍblia, joão10-10.

  • Leonardo Wollinger Koerich diz: 24 de novembro de 2012

    Parabéns ao Senhor Juiz Bragaglia!

    Excelente iniciativa!

    Ao orientar obras de tamanho calibre, O Senhor Juiz está prestando um serviço não somente ao sistema prisional como ao sistema educacional brasileiro. E aos detentos podem ter certeza, que estarão recebendo educação e valores objetivos muito mais elevados que atualmente se encontra nas cátedras universitárias brasileiras!

    Iniciativas como essa fazem lembrar-me de uma máxima proferida pelo Olavo de Carvalho. “A única diferença entre a educação brasileira e o crime organizado é que o crime é organizado!”

  • Fabrício Schweitzer diz: 24 de novembro de 2012

    Esse mesmo projeto deveria fazer parte da nossa reforma política – para ocupar um cargo público, o sujeito deveria ser capaz de escrever resenhas críticas a respeito de importantes obras da literatura universal. Assim, você testaria a capacidade de interpretação e escrita: critérios básicos para sermos cidadãos!

  • liaseal diz: 24 de novembro de 2012

    Olavo de Carvalho é o vigarista astrólogo que pede dinheiro ao brasileiros pra viver no bem bom dos EEUU ou outro de mesmo nome? Desde qdo OC é ‘intelectual’?
    E as vítimas deles foram ouvidas, estão de acordo em sustentar condenado que não trabalha para que possam ficar lendo o que nem as vítimas e familiares podem fazer porque precisam rala pra viver e recuperar o que perderam por roubos? As pessoas que mataram vão ter como abonar 4 dias a menos na cova e sair antes da pena da eternidade? As que foram furtadas, roubadas, assaltadas terão algum ressarcimento equivalente,digamos assim, deixar de pagar 4 impostos abonados de forma permanente ( como os dias abonados da pena que tb são permanentes)?
    É por isso que ser bandido compensa, os vagabundos do Judiciário e dos direitos dos ‘manos’ só vão pra criminoso. E se o cara já leu isso tudo? Já pode usar como crédito antecipado para cometer crimes? A mistura de ‘gente’ letrada e intelectuais na mesma prisão foi o que gerou o crime ‘organizado’. Fernandinho Beira-Mar é um caso exemplar da vigarice sugerida pelos idiotas citados de Joaçaba. O traficante irrecuperável é leitor voraz de livros, incluindo Nietzsche. O vidão que ele tem numa prisão federal, onde só come, dorme, joga e lê é a vida que todo mundo fora da cadeia queria ter, incluindo a segurança que nós não temos nem pagando segurança extra, pagamos a nossa e não temos, pagamos a dele e ele tem.
    Tenho sugestão melhor pra a reeducação e ressocialização: levar os apenados para a casa do juiz e lá ele pode ficar sentado e lendo junto com os familiares do juizinho, aproveita e junta com a família do apenado tb. grande família feliz e moderna. Por que ele não tenta?

  • liaseal diz: 24 de novembro de 2012

    Esse juiz citado é o mesmo que consta numa notícia de atropelamento com morte em 2000? O mesmo que faz defesa do ‘saudável’ hábito de fumar e a sociedade depois que pague a conta dos tratamentos das doenças decorrentes do fumo? Se for, então, explica muita coisa. Não tem só a boca torta pelo cachimbo, tem o cérebro tb.

  • Emerson diz: 24 de novembro de 2012

    Acredito que a meta a ser alcançada é nobre, porém ingênua. A realidade que levou esses cidadãos ao crime e a privação da liberdade é muito mais profunda do que qualquer realidade (ou não) apresentada em uma obra literária.
    A massa carcerária no Brasil é alimentada pelo ausência do estado, á falta de investimentos para mudar a realidade de classes menos privilegiadas, que é a que alimenta o sistema carcerário (há quem discorde). A leitura ainda pode ser interpretada como um castigo, ao qual remete o preso as experiências ruins no começo de sua educação. A busca pela educação não pode ser moeda de troca. Acredito que a andragogia pode fazer mais por esses apenados.

  • daniele diz: 24 de novembro de 2012

    Finalmente uma iniciativa que visa a reeducação e o aprendizado durante o período de detenção, ao invés de focar só na punição que em geral leva ao agravamento da situação.
    Parabéns a todos os envolvidos!

  • Eugênio Moretzsohn diz: 24 de novembro de 2012

    Sou favorável às boas iniciativas que contribuam para a humanização dos campos de concentração brasileiros (nossas cadeias) e para a recuperação e ressocialização dos condenados. Entretanto, quando temos profissionais pouco qualificados nesse processo, passo a colocar em dúvida seus resultados. Por exemplo, quem assistiu nos noticiários de TV à demonstração de pouco domínio da técnica de entrevista pela juíza do caso do goleiro Bruno, há de concordar que não dá para acreditar que, por entrevistas, o juiz irá poder avaliar se o preso compreendeu a tese contida nas complexas obras do genial autor russo. A “entrevista de elicitação” é uma técnica de Inteligência, usada por agentes de campo, para extrair dados e informações contidas nas entrelinhas de depoimentos, sem que o entrevistado perceba. Algumas poucas pessoas dominam essa capacidade de forma inata: são dissimuladas, ao mesmo tempo envolventes, sagazes e perceptivas. Outras, modéstia à parte como eu, após muito treinamento, aprenderam a ler o corpo do entrevistado (é, o corpo fala), suas expressões corporais e ritmo respiratório, tão reveladores quanto um depoimento. Aplicar a entrevista de elicitação é necessário para atingir a parte oculta do iceberg, onde está disfarçada a verdade, dado muitas vezes negado pelo condenado. Quem garante que o advogado não levará colinhas escritas , em cada visita, e treinará seu cliente para memorizar só o que interessaria responder ? Sinceramente, acho que não irá funcionar.
    Eugênio Moretzsohn

  • carlos diz: 24 de novembro de 2012

    Oba! Vamos todos aprender, e assim diminuir a criminalidade!!! Isso serve para os nossos governantes também!

  • Rogério diz: 24 de novembro de 2012

    é o maior absurdo que eu já li, essa notícia. E esse juiz, meu Deus, é uma vergonha! Saia um pouco da fantasia e cai na real, senhor juiz! Ao invés de dar livros pros alunos nas escolas, vai dar pra quem cometeu crime e que deveria e deve pagar pelos crimes. É muita mordomia, só falta o juiz mandar dar internet wi fi pros apenados. Daqui a pouco vão ganhar salários também.

  • ze diz: 25 de novembro de 2012

    bom dia,

    Só pode ser piada o bandido mata, rouba e sequestra, ainda leva vantagem mas pra vitima nada!!.

  • Vinicius Ouriques diz: 25 de novembro de 2012

    Parabéns pela iniciativa do Magistrado. Os livros possuem a grande capacidade de libertar a mente….quem sabe agora libertem vidas. Espetacular. De qualquer forma, mesmo sem perceber agora, os apenas estão ganhando e muito com a tentativa de remir através da leitura. É conhecimento que se absorve. Show.

  • almanaque do roberto diz: 25 de novembro de 2012

    O flanelinha risca o carro de quem tem carro. O miliciano risca o rosto de quem não tem carro. Entendeu a diferença ?

  • leoveral diz: 25 de novembro de 2012

    Legal mas poderiam estender este projeto aos jornaistas da RBS. Com mais cultura seriam capazes de fazer uma leitura mais critica e menos sensacionalista da realidade e da sociedade. AH! Remissão não é com ç jovem colunista!

  • FABRICIO diz: 25 de novembro de 2012

    Caro professor,

    Remição com ç é um termo jurídico, que significa diminuição no tempo de cumprimento de pena através da satisfação de determinados requisitos, logo neste caso remição com ç está absolutamente correto.

  • Shasça diz: 26 de novembro de 2012
  • Juliana Desterro diz: 26 de novembro de 2012

    Interessante,por que não leram livros,aprenderam na escola o que pode e o que não pode ser feito em sociedade?Livros,bons livros tem que ser dados na infância e na juventude.
    Pais,mães,filhos e amigos,lendo livros terão seus entes queridos de volta?Terão seus bens furtados ou roubados de volta?Terão sua paz de volta,depois da tortura psicológica que criminosos fazem dentro de uma família?É uma boa iniciativa,um paliativo?Pode ser,mas é muita demagogia.Deveriam ler os livros,mas não pena reduzida.

  • manezinho diz: 26 de novembro de 2012

    carlos, voce é muito otimista, os governantes nunca se arrependem quando desviam as verbas para a comida em creches, asilos, albergues, merenda de escolas de bairros ditos da periferia. Não se arrependem e tão pouco sofrem quando majoram obras, quando percebem seus salarios e sabem que não produziram nada de valor para isso. Muito pelo contrario não aprendendo a lição acabam tornando-se piores qo que já são, remoendo derrotas e tramando revanches.

  • Carlos Cojeka diz: 26 de novembro de 2012

    Alguns “comentaristas” aqui do blog também merecem alguns livrinhos. Vamos falar com o juiz para mandá-los pelos Correios. Antes de corrigir alguém, certifique-se de estar correto! Remição foi escrita corretamente. Sem mais.

  • Rogério diz: 26 de novembro de 2012

    pois é , esse pessoal que fica corrigindo erros de português na internet enche o saco mesmo. Por isso escrevo errado de propósito nos meus comentários nos blogs e sites, pra irritá-los. Ora, vamos ser sinceros: além do internetês e as gírias, os próprios escritores famosos pagam revisores e copidesques, então esse povinho metido a besta corrigindo erros de português na net não tão com nada.
    Agora esse juiz aí quer é aparecer. Bandido tem que botar a trabalhar pra pagar as despesas na cadeia. O juiz será que foi oferecer um livro pras vítimas dos bandidos? Esse juiz é um “jênio”.

  • Revolta Catarinense diz: 27 de novembro de 2012

    Que Liaseal reaparece em fase absurda. A não ser que a criminalidade seja genética, hereditária, incidente em raças inferiores… Quanto ao professor é outro maníaco por correção… certo ou errado vai caneteando de vermelho. Amanhã tem assembléia unificada de servidores… Já que cortaram o comentário da Guerra Civil Catarinense quem sabe pubicam a Revolta…

  • Renan diz: 28 de novembro de 2012

    Bela iniciativa.

    Agora, uma das primeiras coisas que os presidiários poderão aprender lendo esses grandes clássicos é o velho conselho cristão de perdoar o próximo e não decretá-lo incapaz de salvação.

    O curioso é que, se a iniciativa der certo, grande parte das pessoas que comentaram a notícia acima estarão mais próximas de compreender essa verdade fundamental se cometerem um crime em Joaçaba do que se continuarem destilando seu ódio em blogs como este.

    É curioso, sim, mas não chega a ser surpreendente, porque o próprio Cristo já nos mostrou também que um delinquente arrependido tem mais chance de ir pro Céu do que um “sujeito de bem” absolutamente incapaz de perdoá-lo.

    Enfim, essa notícia acompanhada de tais comentários só vêm a provar que o Brasil está num estágio cultural tão deplorável que é bem possível que a alta cultura neste país venha a ser em breve exclusividade de assassinos, estupradores e agentes carcerários.

  • Fernando Souza diz: 23 de junho de 2014

    “Teacher” and Guru Olasninho

    Em primeiro lugar quero pedir desculpas pelas palavras sem acentuacao pois meu teclado esta com defeito em alguma teclas. Em varios artigos e videos publicados na internet, o pseudo duble de filosofo e vigarista Olasno de Carvalho(Olasno=Olavo+Asno) defeca pela boca teorias sobre as mais diversas areas do conhecimento humano bem como as regras que regem as relacoes humanas no mundo atual. A Historia ja presenciou o surgimento de inumeros charlatoes e vigaristas ao longo de seu curso, mas nunca houve alguem que pudesse chegar perto do autointitulado “filosofo” Olasno. Em materia de mentira, vigarice e charlatanismo, Olasno é imbativel e esta num patamar superior e inalcansavel da burrice humana. Senao vejamos: Olasno proclama aos 4 ventos que ninguém pode acreditar na Teoria da Evolucao e que nao ha evidencias que possam comprova-la. Nao bastasse isso o vigarista contumaz afirma que a Teoria da Relatividade, as Leis de Sir Isaac Newton e outras ideias e trabalhos brilhantes de espetaculares mentes humanas nao sao validas. Vigarista mentiroso. A humanidade so alcancou o atual estagio devido ao esforco de cientistas inteligentissimos que precisaram conviver e vencer ideias retrogadas e falsas, a maioria delas embasadas em puro fanatismo religioso. Olasno afirma tb ser capaz de provar que certas teorias nao existem, como a Primeira Lei de Newton, a Lei da Inercia. Burro imbecil. Se nao ha inercia como ele explica que um corpo nao esteja em movimento? Ha! Ja sei! Olasno explica tudo atraves da sua “fantastica” e “revolucionaria” teoria da “Paralaxe Cognitiva”. Se a ciencia e os cientistas que proporcionaram o desenvolvimento humano sao falsas, por que o “filosofo” picareta nao apresenta evidencias contrarias e provas cabais sobre suas teses idiotas e sem nenhum ebasamento cientifico?
    Mas a picaretagem e a vigarice nao param por ai. Na sua ansia de explicar os problemas e questoes envolvendo a mente humana, o pequeno Olasninho(perdao pela redundancia) profere diversos cursos sobre estudos das mais diversas areas do conhecimento humano. Engracado. Nunca tinha visto um vigarista exercer tantas “profissoes” como Olasninho o faz: Medico, Engenheiro, Fisico, Psicologo, Historiador, Filosofo, Advogado, Administrador, Economista, o sujeito se arroga sabedor de tudo, absolutamente tudo em todas as areas do conhecimento humano. Entretanto, a mais “impressionante” “habilidade” do burro Olasno é aquela na qual ele afirma ser capaz de fazer previsoes sobre o futuro, tudo gracas ao seu “poder” de “astrologo”! Sim, o sujeito é “astrologo”, inclusive disse que pode fazer “previsoes” sobre qualquer coisa, tais como desastres naturais que possam acontecer no planeta. Incrivel nao? So nao entendi como é que ele ainda nao ficou rico, pois ja que pode prever o futuro por que nao joga na Mega-Sena? Parece que o pequeno Olasninho aprendeu tudo com o seu grande mestre Walter Mercado. Ligue dja!!! As “Olasnetes” podem ficar tranquilas pois o Guru e chefe da Seita Olasniana ja deixou ate um trabalho postumo feito em vida. Quem quiser conhecer Os “Postulados” do “Teacher” e Guru Olasninho basta ir no link a seguir e conferir alguns pensamentos e a “obra” (obra no sentido fisiológico da palavra evidentemente) do Asno Mor: http://medicoanimosico.blogspot.com.br/2012/03/olavo-de-carvalho-o-palhaco-mor-da.html
    O que Olasninho escreve e produz sobre o conhecimento humano e ciencia nao causa surpresa a mim e a ninguem. Esta perfeitamente de acordo com as cretinices que o imbecil costuma zurrilhar enquanto esta pastando. Afinal de contas, faz juz ao seu proprio nome: Olasno de Carvalho.

    Fernando Souza de Porto Alegre, RS/Brasil.

Envie seu Comentário