Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Isolde Espíndola será substituída na SPU

01 de outubro de 2013 8

A mulher responsável pela análise de projetos polêmicos como a licença para construção da Ponta do Coral e os beach clubs em Florianópolis será substituída do cargo que ocupa há cinco anos como superintendente do Patrimônio da União (SPU) em Santa Catarina

Foi informada da decisão na sexta-feira, sem maiores explicações.

De Brasília, a versão do Ministério do Planejamento, pasta ao qual a SPU é vinculada, é de que se trata de uma mudança de gestão em andamento em todo o país.

Isolde é uma das fundadoras do PT em Santa Catarina e disse que aceita a mudança por ocupar um cargo de confiança, mas não esconde a mágoa pela frieza com que o assunto foi tratado.

Pelas mãos de Isolde Espíndola passaram assuntos polêmicos com a licença para a Ponta do Coral e os beach clubs.

Ela é professora aposentada da UFSC.

comentários

Comentários (8)

  • Carlos diz: 1 de outubro de 2013

    Quero registrar a cordialidade com que a Professora Isolde sempre atendeu todos buscando sempre dar encaminhamento às demandas do SPU, mas quero registrar que lamentavelmente este é o presente que seu partido tem dado àqueles que se dedicaram e ajudaram a conduzir o Lula e a Dilma ao poder, votei no PT mas hoje me convenço que tá na hora de mudar, se seus seus dedicados militantes são tratados desta forma estou convencido de que este cargo deva servir de barganha em alguma aliança. Triste…

  • QUERO SER PRESIDENTE – EU TAMBEM BEBO diz: 2 de outubro de 2013

    PELOS COMENTÁRIOS O CARGO PERTENCE A IDELI, ENTÃO BOA COISA NÃO VEM…….TREMAMOS DE MEDO, POIS A ESTELIONATÁRIA MENTAL ESTÁ AGINDO……..

  • Nildomar Freire – Nildão diz: 2 de outubro de 2013

    Com espanto e estranheza, tomo conhecimento desse fato.
    Resta-me deixar minha congratulação pela conduta séria e pela defesa permanente do interesse público na posição que ocupava, algo basilar, principalmente em um ambiente cuja relação de promiscuidade entre o público e o privado tem lastro histórico significativo.

  • Jair Batista Ramos diz: 3 de outubro de 2013

    Como militante do movimento comunitário de Florianópolis, sinto-me na obrigação de externar minha indignação quanto à forma como foi dispensada a Superintendente do Patrimônio da União no Estado de Santa Catarina (SPU), Isolde Espíndola. Um ato que não pode passar despercebido, pois se trata de uma atitude arbitrária dispensar por telefone uma pessoa idônea de histórico profissional ilibado, que gerenciou um órgão público estadual com transparência, zelo e esmero, superou desafios inerentes à condição de gestora pública, principalmente em Florianópolis, que está vivenciando grande histórico de corrupção nos últimos anos, onde funcionários públicos são envolvidos em casos suspeitos de corrupção no exercício de suas funções. Neste sentido, a Ex-Superintendente do SPU conduziu com afinco suas atribuições, dialogou com os movimentos sociais e os diversos atores afins na definição de projetos, conduziu com ética a missão desta importante Instituição, que assim se define: “Conhecer, zelar e garantir que cada imóvel da União cumpra sua função socioambiental, em harmonia com a função arrecadadora, em apoio a programas estratégicos para a nação”.
    Portanto, a Drª Isolde Espíndola é digna de um tratamento correspondente de gentileza e gratidão, não pode ser vítima de uma atuação política pragmática do Partido dos Trabalhadores (PT), enquanto governo, onde suas indefinições políticas futuras deixam em suspeição a demissão intempestiva de uma profissional dona de uma imagem pública incontestável, que estava gerenciando a ocupação ordenada do solo urbano, na garantia de preservação para as futuras gerações. Sua demissão pode macular e colocar em risco o futuro de importantes projetos em curso para a Orla de Florianópolis em terrenos da União, sobretudo projetos de inclusão social pioneiros, colocado em prática pela SPU na gestão da Dra. Isolde, coordenados pelo GTE – Grupo de Trabalho Estadual para Habitação de Interesse Social. O grupo é integrado por diversas entidades, que está planejando a destinação de terrenos da União para fins de habitação popular em diversas áreas no Estado de Santa Catarina. Esperamos que esta demissão sem fundamento não comprometa o andamento destes importantes projetos.
    Jair Batista Ramos – Membro do GTE, Diretor Regional da Ufeco União Florianopolitana De Entidades Comunitárias

  • Andy Schmidt diz: 3 de outubro de 2013

    Triste noticia para os catarinenses !!!
    D. Isolde, parabéns pelo trabalho e sentiremos falta de suas ações.

  • Paulo Ricardo da Silva diz: 3 de outubro de 2013

    Os meus aplausos para Isolde Espindola. Fez um trabalho exemplar frente ao SPU ( juntamente com seus colaboradores) que são incansáveis em dar uso e fazer com que as terras da União possam cumprir sua função social e ambiental. Araranguá, conseguiu grandes avanços no empenho desta guerreira. Que pena, perde Santa Catarina.

  • Marcia Espindola de Castro diz: 5 de outubro de 2013

    Como irmã de Isolde, foi com surpresa que recebi a notícia de sua saída frente a SPU, hoje quando regressei de viagem. Isto porque, conhecendo-a desde sempre, vi em seu trabalho a frente do PU nestes 5 anos e pouco, refletido sua idoneidade e seu amor, dedicação, lisura e senso de justiça, e principalmente seu compromisso com o bem comum. Entendo assim como ela, que essas mudanças podem acontecer, por ser cargo de confiança. No entanto, a forma “fria” como conduziram o assunto, deixou muito a desejar em se tratando de uma grande apaixonada pelo PT, construtora deste Partido em nosso Estado. Parabéns minha irmã, não só pelo seu trabalho, mas principalmente pela pessoa que você é. Como já disseram, perde a cidade de Floripa, perde o Estado.

  • Wesley diz: 8 de fevereiro de 2014

    Será que tem a ver com o projeto Ponta do Coral e a necessidade do PT angariar doações de grandes empresarios para financiar a campanha eleitoral qie já se avizinha???

Envie seu Comentário