Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Tão certo quanto Natal e Ano-Novo

08 de maio de 2014 27

Quarenta minutos parado em Coqueiros no trânsito complicadíssimo durante paralisação dos funcionários do transporte coletivo, constato que a cidade está mais uma vez refém de um grupo que usa o movimento político para parar Florianópolis. O restante todo é consequência.

Se a questão fosse estritamente trabalhista a negociação já teria sido feita. Há quantos anos nós acompanhamos exatamente as mesmas figuras, as mesmas peças no tabuleiro, movimentando esse jogo político? Tão certo quanto Natal e Ano-Novo aqui em Florianópolis são essas paralisações. A população está dando sinais evidentes de insatisfação, as pessoas não suportam mais ficar à mercê desse tipo de movimentação. Mais uma vez houve tentativa de levar a cidade a uma situação de caos.

comentários

Comentários (27)

  • Gilberto diz: 8 de maio de 2014

    Exatamente isso, e como sempre já prevendo a impunidade sobre seus atos, e agora com mais um agravante, utilizarem as pontes como palanque político, se escondendo por trás da dita população indignada.
    Indignados ficamos todos, que todos os anos, religiosamente no mesmo período ficamos a merce desses grupos político-encrenqueiros que travam o já caótico sistema in-viário.
    Fazem dessa paralisação, porque nisso, ninguém se movimenta, com propósitos escusos, fazendo da população verdadeiros fantoches, que como sempre tem que abrir a carteira, e tirar do seu dinheiro fara financiar essa lastima de sistema in-viário.

    Fico aqui pensando com meus botões, e se o sistema de transporte urbano de Florianópolis não da lucro para as empresas, porque eles não largam o osso?

    Nem relógio trabalha de graça, e muitos pouco fazem serviço voluntário, que ao meu ver, não é o caso em questão.

    Nós moradores da Capital já estamos cheios até o grugumilo, já basta de tanto teatro para extorquir dinheiro do pobre trabalhador, que passa todos os dias pela humilhação de vir socado em grandes latas de sardinhas sobre rodas.

    BASTA.

  • Guilherme diz: 8 de maio de 2014

    Tem é que acabar com esse sindicato de M**** que só atrapalha , e mandar esses “trabalhadores” insatisfeitos pra rua , por justa causa! Tem um monte querendo o lugar deles!!!!

  • Gustavo Rolim diz: 8 de maio de 2014

    Obrigado Rafael Martin, por utilizar este espaço para falar exatamente o que tem que ser dito! Mesma manobra a mais de 20 anos.

  • Canela diz: 8 de maio de 2014

    Enquanto certos sindicalistas profissionais ficam pulando de sindicato em sindicato, é este o País da falsa democracia, ora todos pediram mudanças no transporte coletivo, ai está, em toda mudança sempre haverá ganhos e perdas, neste caso alguns profissionais terão de ser alocados e ou dispensados, ou seja enxugar a folha e reduzir os custos. Beneficiando coma redução das passagens, ótimo. Isto já ocorre em outras cidades de SC. Cadê a Justiça para punir este baderneiros.

  • Marília Medeiros de Mesquita Bittencourt diz: 8 de maio de 2014

    Sr.Guilherme, procure conhecer melhor o trabalho deste sindicato antes de fazer comentários agressivos como o que o Sr. fez! Um Sindicato que luta por melhora de salários e condições de trabalho, e impedir que o empregado seja obrigado a aceitar o que lhe foi imposto pelo empregador tem que ser respeitado.

  • José Carlos diz: 8 de maio de 2014

    O grande problema é que os SINDICATOS viraram MAFIA, no comando destes Sindicatos tem BANDIDOS veja a ficha do presidente do sindicato no tre como candidato a vereador no municipio de palhoça
    ,, alem de tudo e este mesmo coloca um especialista em agitação , que é nomeado diretor, que não é motorista e nunca foi. portanto Sindicato hoje é só manipulação dos seus associados. portanto votem no PT para que tudo isso continue.

  • Fabiana diz: 8 de maio de 2014

    Todos tem sim, direito a buscar melhorias e “lutar” por seus direitos. Mas os excessos deveriam ser punidos! Para começar, deveria existir uma regra contratual onde, sendo julgada ilegal ou abusiva a greve ou paralisação, a empresa PERDERIA A CONCESSÃO! A empresa ainda deveria ser impedida de contratar com o serviço público, de qualquer forma, por ma prazo mínimo de 10 anos. Os “trabalhadores” que fizeram a greve ou a paralisação também não poderiam empregar-se nas novas empresas. Dai os coitadinhos que trabalham 6 horas ganhando quase R$ 1.500,00, talvez conseguissem arrumar emprego como servente de pedreiro, carregando cimento durante 08 horas de trabalho, por R$ 885,00 que é o piso da categoria! E eles estão ai, suando “o coro” para manter o emprego, porque na iniciativa privada é assim meu caro: não tá feliz? Vai embora que tem 500 pais e mães de família precisando do teu lugar!!!! Com certeza tem muito mais a se dizer sobre isso ainda, porque é demasiadamente revoltante!

  • lemos diz: 8 de maio de 2014

    Caro amigo. Se é tão certo, dê nome aos bois, de forma clara e transparente para que toda a população conheça quem são as pessoas, quem é esse grupo.
    Faça um favor a toda a comunidade.

  • José Eduardo diz: 8 de maio de 2014

    Pior é ter que escutar o carro de som do sindicato falando em alto e bom tom: “Se esta ruim pra população, imagina pros motoristas e cobradores”.

  • Sandro Luiz diz: 8 de maio de 2014

    Motoristas e cobradores estão achando que são diferentes dos demais trabalhadores regidos pela CLT.
    Não há garantia de emprego vitalício. No caso de demissão sem justa causa, cabe a eles receber uma indenização, nos termos do art. 477 da CLT, o que sequer é o que está se ventilando atualmente, já que se fala em demissão incentivada.
    Eis o texto legal:
    CLT. Art. 477 – É assegurado a todo empregado, não existindo prazo estipulado para a terminação do respectivo contrato, e quando não haja ele dado motivo para cessação das relações de trabalho, o direto de haver do empregador uma indenização, paga na base da maior remuneração que tenha percebido na mesma empresa.

    Não podemos esquecer que a Lei n. 12.587/2012 assegura aos usuários do transporte coletivo o recebimento dos serviços de forma adequada, e não é isso que Florianópolis está vivenciando ao longo dos últimos anos.

    Para conhecimento geral da população, vale a pena indicar a leitura do art. 14 da Lei n. 12.587/2012, que possui a seguinte redação:
    Art. 14. São direitos dos usuários do Sistema Nacional de Mobilidade Urbana, sem prejuízo dos previstos nas Leis nos 8.078, de 11 de setembro de 1990, e 8.987, de 13 de fevereiro de 1995:
    I – receber o serviço adequado, nos termos do art. 6º da Lei no 8.987, de 13 de fevereiro de 1995;
    II – participar do planejamento, da fiscalização e da avaliação da política local de mobilidade urbana;
    III – ser informado nos pontos de embarque e desembarque de passageiros, de forma gratuita e acessível, sobre itinerários, horários, tarifas dos serviços e modos de interação com outros modais; e
    IV – ter ambiente seguro e acessível para a utilização do Sistema Nacional de Mobilidade Urbana, conforme as Leis nos 10.048, de 8 de novembro de 2000, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000.

    Parágrafo único. Os usuários dos serviços terão o direito de ser informados, em linguagem acessível e de fácil compreensão, sobre:
    I – seus direitos e responsabilidades;
    II – os direitos e obrigações dos operadores dos serviços; e
    III – os padrões preestabelecidos de qualidade e quantidade dos serviços ofertados, bem como os meios para reclamações e respectivos prazos de resposta.

    Eis os nossos direitos básicos, sem prejuízo dos assegurados em outras leis, tais como o Código de Defesa do Consumidor. Agora fica a pergunta, será que estamos sendo respeitados? Concessionárias, motoristas e cobradores, nos respondam!

  • Suzana diz: 8 de maio de 2014

    Sindicato dos palhaços… Batendo ponto com o cartão da greve novamente. Se não fosse tão irritante, seria comédia! De um lado a prefeitura dizendo que não vão haver demissões e do outro o sindicato se fazendo de surdo. De um lado a população se revoltando, reclamando, pagando caro pelo taxi, sendo atropelada e do outro o sindicato se fazendo de cego. Teria tanta coisa pra dizer, mas esse assunto me deixa com preguiça da vida! Essa cidade não tem jeito mesmo…

  • oldemar jose diz: 8 de maio de 2014

    Um dos grandes problemas que o Brasil enfrenta são os Sindicatos dos Trabalhadores com ideologia de esquerda radical. Os verdadeiros “pelegos”. Está claro que estas paralisações tem um viés político partidário.

  • waltencir j da silva diz: 8 de maio de 2014

    motoristas e cobradores, ganham bem mais do que eu que estou me matando a estudar na faculdade, esta greve não tem justificativa

  • mario diz: 8 de maio de 2014

    Calma meu povo ! A GREVE DOS MOTORISTA DE ONIBUS JÁ FAZ PARTE DO CALENDÁRIO DA CIDADE. É igual aniversário. TODO ANO TEM.

  • jorge diz: 8 de maio de 2014

    Como bem disse o Sandro Luiz, essa é uma categoria que se acha especial. E não é. Tem que demitir mesmo e dar multas ainda mais pesadas pra esse Sindicato. Chega de mandar e desmandar na cidade. Quem depende de ônibus não aguenta mais isso.

  • Priscila diz: 8 de maio de 2014

    Hoje me deparei com uma cena lastimável… enquanto um ônibus parava no meio do caminho largando os passageiros, fazendo todos descerem, os “trabalhadores” do transporte coletivo que estavam do outro lado da rua se cutucavam, olhavam a cena e riam dos pobres coitados que realmente são trabalhadores e estavam tentando chegar aos seus trabalhos e que estavam sendo largados no meio do destino, onde sequer havia ponto de ônibus. Comentavam: “Olha lá, olha lá…” E gargalhavam! Nojo! Apenas nojo!!!
    Minha vontade era de perguntar se eles queriam trocar comigo de trabalho, pois eu estudei, sou formada e não tenho nenhum dos benefícios que essa classe tem (VA, VR, Convênio Médico, Odontológico, etc), trabalho 8 horas e 45 minutos por dia, quando não preciso fazer hora extra pra dar conta do meu trabalho. E com certeza ganho a mesma coisa que um motorista de ônibus ou pouca coisa mais, mas sem nenhum benefício e trabalhando mais horas. Não tenho o estresse do trânsito o tempo todo, como eles alegam, mas me estresso e muito no meu dia a dia, sem contar que preciso usar pensar, raciocinar pra trabalhar e fora o trânsito que pego todos os dias no horário de ida e volta do trabalho (ou seja, me estresso sim no trânsito, até mais, pois pego trânsito nos dois horários de pico, eles não, pela carga horária reduzida, se estão trabalhando no horário de manhã, não estão trabalhando no final do dia) Querem mais o que? Essa é minha pergunta, me desculpem, mas não consigo entender… Nunca está bom! Todo ano a mesma coisa! Esse texto disse tudo, as paralisações e greves são certos, assim como natal e ano novo! Acho super válido lutar por seus direitos, mas não desta forma. Além do que, não está satisfeito em trabalhar 6 horas por dia e ganhar o que ganham com os benefícios? Estudem, procurem outro emprego com garga horário de no mínimo 8 horas diárias para ganhar igual ou pouca coisa a mais, aí sim valorizarão! Chega, é uma vergonha! Querem reajustes todos os anos, ninguém tem salários reajustados todos os anos! A população que necessita de transporte público não pode ficar a mercê disso todos os anos!

  • Guilherme diz: 8 de maio de 2014

    Muito engraçado os comentários. Devem ser de pessoas que não utilizam o transporte público. Temos a pior mobilidade do Brasil, nosso sistema de transportes não funciona. Todo movimento é político. Vejo aqui na matéria e nos comentários os argumentos clichês, o velho lugar comum de sempre, “tão certo quanto natal e ano novo” é que o transporte público de Florianópolis não funciona. E o povo deveria unir-se ao movimento e brigar junto por essa melhoria que beneficia a todos. Como está só uma minoria têm benefícios, e não sou eu que dependo desse ônibus caro e raro de horários e rotas.

  • Julian diz: 8 de maio de 2014

    Em qualquer cidade no mundo isso é normal. Vá para Paris e verá paralisações como essas acontecendo todo ano também… Se aqui demora mais para se resolver é culpa do poder público e sua morosidade de resolver não apenas esse tipo de assunto como qualquer outro (vide obras da copa do mundo mais do que atrasadas).
    Reivindicação trabalhista é um direito de todo cidadão incluindo ai motoristas e cobradores. Essa paralisação é tão “abusiva” que os carros já voltaram as ruas desde as 11 da manhã (3 horas de paralisação)… Vejo que tem muito revoltado de plantão, que na onda das manifestações reclama de tudo e cria conspiração em tudo…

    Gilberto, quem quis fechar a ponte foram algumas pessoas “revoltadas” com a paralisação dos funcionários do transporte coletivo e não os motoristas e cobradores…

  • Wender diz: 8 de maio de 2014

    Além de vergonhoso é descabido e já perdeu o sentido a muito tempo. Me parece as empresas e empregados das empresas de ônibus do transporte público de Florianópolis estão acima da lei. Não há punição e o que se vê é a Prefeitura passando a mão na cabeça de todos. Uma vergonha!

  • Juliano Camargo diz: 8 de maio de 2014

    Os que defendem os sindicatos sempre vem com esta estória que o interesse deles está alinhado com o da população. Balela. A população que pega ônibus trabalha tão duro quanto eles e ganha menos do que os que a transportam. Como qualquer sindicato o que eles querem é aumentos para seus membros, E NADA MAIS! É nisso que consiste um sindicato.

    Algumas categorias como a deles possui grande poder de greve, porque as empresas de ônibus em que trabalham desfrutam de um privilégio que é o monopólio no transporte de passageiros.

    Existe uma maneira muito simples de evitar os abusos tanto das empresas quanto dos seus trabalhadores. Basta liberar vans e o transporte pago em veículos particulares, ao menos em caráter emergencial.

  • Lucas diz: 8 de maio de 2014

    A greve é um direito, certo. Então parem os ônibus e não sejam pau mandado de políticos covardes e obscenos fechando ruas e tentando fechar as pontes. Sindicalistas covardes que andam com seguranças, tal Ricardo quando o povo decente apertou ele hoje, se borrou todo dizendo que estamos todos do mesmo lado. Que lado cara pálida? fanfarrão. Afirmou que sem os cobradores as mulheres seriam molestadas nos ônibus, são cobradores ou seguranças? No mundo civilizado já não existem cobradores há anos. Sindicalistas corruptos, emprenhados pelas orelhas servindo de capacho para partido político deve ser escorraçado pela população que acorda cedo e quer trabalhar, por quem deve ir ao médico, por quem é decente. O povo do Rio Vermelho e os cidadãos de bem devem dar uma lição nos baderneiros travestidos de sindicalistas, capachos de partidos políticos.

  • Priscila diz: 8 de maio de 2014

    Gilberto, o grande problema é que essa classe está pouco se lixando para as melhorias aos usuários, eles querem melhorias para eles e ponto. Tanto é assim que se não fosse eu não os veria gargalhando do povo que estava descendo do ônibus no meio do caminho, onde sequer havia ponto.

    Julian, concordo com você que não há abusividade por pararem apenas três horas, mas é que como isso acontece todos os anos, acredito que a população, os usuários do transporte coletivo, já não aguentam mais.
    E acho sim que é abusivo quando essa classe ri, gargalha, da população que tem que descer no meio do caminho, no meio da rua, pra mim abusivo e no mínimo falta de respeito é sim.

    O problema que vejo é que mesmo que atendam todas as solicitações da classe, ano que vem farão novamente paralisações, greves e irão requerer mais e mais benefícios, mais reajustes, como li em um outro comentário, acham que são uma classe especial de trabalhadores, onde na verdade não são!

  • Lucas diz: 8 de maio de 2014

    Guilherme

    Você é outro “emprenhado pelas orelhas” deve possuir apenas um neurônio, sobre mobilidade deve ter lido apenas uma reportagem. Você não conhece o transporte público no Estado, muito no menos no Brasil, não sabe o que está falando. Se você não sabe porque o cabrito defeca redondo como quer entender de mobilidade? No próximo “post “desenho para você entender, ei, para de fumar no bosque da UFSC…….! seu único neurônio vai atrofiar….

  • Paulo Hames diz: 8 de maio de 2014

    É exatamente isso que eu penso. Está claramente anunciado que não haverá demissões, mas sim eliminação de postos de trabalho para cobrador. Ou seja, o próprio cobrador ao pedir sua demissão (como acontece normalmente), não terá seu cargo subtituido por outro candidato. Mas como esse sindicato tem fins políticos e anarquistas, quer porque quer causar o terror na cidade. É como você disse, são as mesmas peças do jogo.

  • Giovani diz: 8 de maio de 2014

    Pois é, chega ser ridículo comentários hipócritas que atingem diretamente os funcionários, médicos fazem greve, algumas pessoas morrem ninguém fala nada, correios fazem greve atrasam documentos a mesma coisa, professores ficam quase uma semana a um mês de greve sem ensinar seus filhos e nada, entre outros órgãos públicos que prejudicam as pessoas diretamente, etc.
    Parem um pouco e pensem porque só quando os funcionários do transporte fazem paralizações vocês reclamam, criticam, xingam, muitos de vocês nunca foram cobrador ou motorista pra saber o que se passa internamente e externamente, garanto que quando teve as manifestações a maioria de vocês não foram as ruas protestar, agora ficar em casa digitando e falando asneiras sem saber o real motivo é fácil em menos de 5 minutos se faz isso.
    Se o Sindicato contém algum órgão político fod…o fato é que eles lutam pelos direitos destes trabalhadores, se não forem eles, vai ser quem vocês? conformistas indignados.

  • Henry Ford Neto diz: 9 de maio de 2014

    Parem todos só um instante e raciocinem sobre o que já foi dito acima: alguém notou que nenhuma irritação, culpa, raiva ou ódio foi dirigida aos donos do campinho ? Sim, os empresários, aqueles que reclamam mas nunca largam a teta ? Eles estão aí, há muito mais tempo que os barbudinhos de plantão, mas solução que é bom neca de pitiribas… Parece que o problema do transporte é exclusivo desta “horda” de magnatas chamada de trabalhadores, que ganha salários estratosféricos de R$ 1.500,00, mora no Jardim Janaína IV, nos cafundós de Biguaçu, e acorda por volta das 4 horas da manhã para levar o povo ao trabalho… Nunca vi aqui menção a qualquer patrão, de qualquer escalão, como provável co-autor desta situação a qual a cidade como um todo é submetida. Sobra sempre para o trabalhador e para a prefeitura, nunca para o cara que enche os bolsos com as latas de sardinha atrasadas que circulam por aí… E o protesto, na verdade, é porque estes profissionais transportam parte das demais peças que se encaixam na engrenagem capitalista da produção; transportassem apenas amarildos para biscates e ninguém daria bola para eles.

  • Guilherme diz: 9 de maio de 2014

    Triste que pessoas como o Lucas, na falta de argumentos, tente desqualificar minha opinião julgando meu conhecimento, e também me caluniando como só um fanfarrão faz quando sua inteligência não sustenta o debate. Devo ter idade para ser teu pai, mas meus filhos ainda bem que são mais críticos e melhor informados do que o senhor. Recomendo que continue lendo a Veja para ser feliz. Aliás garoto, nossos bosques têm mais vida…

Envie seu Comentário