Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Novo projeto para a Ponta do Coral

26 de junho de 2014 72
Divulgação

Divulgação

Já está na Fatma o novo estudo ambiental com as modificações propostas para a construção do hotel Ponta do Coral na Avenida Beira-Mar Norte, agora em versão reduzida. O documento é complementar ao antigo projeto e traz alterações para se adequar às exigências da prefeitura com o Plano Diretor. A principal delas é a dispensa do aterro, eixo da polêmica do projeto anterior.

O empreendimento antes previa área com 101 mil metros quadrados e 661 apartamentos. Agora, são 30 mil metros quadrados de construção e 230 quartos num terreno de 14 mil metros quadrados, dos quais serão utilizados 3,3 mil metros quadrados de área. O investimento está orçado em torno de R$ 70 milhões, ante os R$ 370 milhões da versão anterior. O grande diferencial será um restaurante panorâmico na cobertura e centro de eventos para mil pessoas. Para a prefeitura, a aprovação seguirá os trâmites de outras edificações.

comentários

Comentários (72)

  • Adriano diz: 25 de junho de 2014

    Isso é redículo!!! …estamos entregues a políticos corruptos que fazem acontecer empreendimentos conforme o benefício próprio, a população não ganha nada com isso… Lamentável..

  • Daniel diz: 26 de junho de 2014

    Esse projeto é tudo que a cidade não precisa!

  • André diz: 26 de junho de 2014

    Espera-se que a Prefeitura não aprove este empreendimento.Noutra ocasião foi negado e justificado o interesse público.O local deve ser reformulado e servir à população e não ao capitalismo selvagem da empresa que é incapaz de cumprir sua obrigação em prédios construídos.Digo isso, pois sou vítima de propaganda enganosa.E mais, o prédio em que moro requer manutenções regulares e a dita cuja só faz o serviço depois de muita pressão,e quanto o faz.

  • Marco Borges. diz: 26 de junho de 2014

    Olá !
    Inacreditável !
    A ideia de um empreendimento privado na ponta do coral, é inadmissível !
    Esta área tem de ser transformada em área de lazer público com infraestrutura mantida pelo poder público… em outras capitais tal área seria encampada pelo poder público e com certeza faria a capital brilhar mais com uma área de lazer digno da qualidade de vida aos seus habitantes.

  • Gualberto Cesar dos Santos diz: 26 de junho de 2014

    O dinheiro faz tudo. E a “preservação ambiental é que se esvai.Tiraram o “gamba” do “recinto”, eliminaram o “cheiro” e ficaram com o “recinto” do jeito que queriam. E a Cidade e a Grande Florianópolis continua uma vergonha em se tratando de “mobilidade urbana”. Quem deveria ter vergonha na cara não se esforça para melhorar de uma vez a “imobilidade urbana”. Estão aí para que? Fazer de contas e catar “coquinhos” em baixo de “aroeira”?

  • Arthur diz: 26 de junho de 2014

    Puxa , fico aliviado ! Agora aqueles seis quilos de berbigão que vivem ali serão preservados para serem mortos e comidos. Belo trabalho do ICMBio, da Fatma e outros órgãos, que , assim, valorizam a nossa cidade.

  • José diz: 26 de junho de 2014

    Isso é uma vergonha. Aterros devem ser área pública. E ainda vão tirar a vista do mar da população inteira, como já fizeram com aquela m… de Centro Sul, a coisa mais estúpida que existe. Mas meia dúzia de milionários da cidade vai ter seu restaurante panorâmico, não é?, e isso é que importa. Isso é aviltante, um escárnio aos florianopolitanos. E essa mídia gaudéria sempre leniente com seus amiguinhos, desde os militares. Cidadão JA uma m…

  • Nelson Andrade Fo. diz: 26 de junho de 2014

    Está na hora de Florianópolis olhar para frente. Uma belíssima obra com diversos fatores positivos: empregos, turismo, divulgação da cidade e o aproveitamento de uma área que nada produz.

  • Aledadam diz: 26 de junho de 2014

    A exploração imobiliária não possui limites, ao invés de se pensar nas estruturas públicas necessária para a ocupação de um espaço que obviamente deve ser público. fica-se tentando a aprovação de um empreendimento que é um absurdo.
    Ainda em um local totalmente sensível ambientalmente falando. Devemos sim é realizar uma campanha para a transformação da ponta do coral em um espaço público definitivo.

  • Emerson Mendes diz: 26 de junho de 2014

    Enfim, talvez agora possamos receber mais turistas e não veranistas. Para economia existe uma grande diferença entre ambos. O turismo no Brasil é ainda muito amador e Floripa é exemplo. Não possui marinas de ponta que iria atrair turistas de grande poder aquisitivo tendo um lindo litoral. Trocamos pelos veranistas.

  • joão campos diz: 26 de junho de 2014

    O terreno em questão é privado. Não tem porque atender a interesse público, assim como o domicílio dos que comentam também não atende. A mobilidade urbana é um problema de toda a cidade, um empreendimento na beira mar não irá piorar o que já é sofrível. E por fim, os que acham que só milionários irão se beneficiar esquecem a grande quantidade de emprego e oportunidade que algo assim gera. É a classe que trabalha que verá mais oferta de emprego e quem sabe puxará para cima a remuneração. Precisamos parar com esse olhar panfletário e míope.

  • Matheus diz: 26 de junho de 2014

    Um prédio colocado em uma área que deveria ser de preservação ou utilizada em algum projeto socioambiental sendo explorada pela iniciativa privada, uma vergonha. Ainda dizem que vai ter um restaurante panorâmico para dar um ar de que a obra vai beneficiar todo florianopolitano, que mentira mais mal contada, ninguém engole essa não!!! Vamos ver o que o nosso novo prefeito vai fazer, será que vai ter coragem de enfrentar os interesses dos poderosos e defender o interesse público? Cumpra seu papel Pref. César Souza Júnior!!!

  • Anderson diz: 26 de junho de 2014

    Sou catarinense e amo o melhor estado do Brasil, porém fico impressionado com a ignorância (de uma parte) da manezada e de seus políticos. Florianópolis apesar de linda é atrasada em relação à maioria das capitais e mesmo assim insistem em aprovar ou desaprovar cada coisa absurda, senão vejamos:

    1) Essa semana li que proibiram os caminhões de lixo de circular com os funcionários na caçamba (isso ocorre em todo o mundo mas em Floripa não pode).
    2) Semana passada li uma matéria criticando os pescadores por causa de uns desocupados que querem surfar enquanto os caras pescam (eu achando que a pesca era mais importante que surf).
    3) O projeto da Ponta do Coral é ótimo (o original), pois além de bonito ia gerar emprego e embelezar ainda mais nossa Capital. Porém os ignorantes protestam e os políticos vetam essa maravilha para preservar “meia dúzia de caramujos” e um monte de coisa inútil num terreno baldio. E nem venham com essa conversa que a área é de domínio público, que deveria ser feito um parque e blá blá blá… Um parque pra quê? Para os usuários de crack usarem como refúgio e daí sim impedir que a população tenha acesso? Ou será que um hotel com toda sua infraestrutura não ia acrescentar ainda mais beleza a cidade? Esse projeto (que me lembra Dubai) e todos os outros que acrescentem desenvolvimento à cidade, DEVEM SIM ser aprovados. Caso contrário a nossa bela capital continuará sendo a terra da imbecilidade!

  • Carlos Roberto Dutra diz: 26 de junho de 2014

    É isso aí Sr. NELSON ANDRADE – o progresso pede passagem e a obra é muito bonita e irá embeleza ainda mais a nossa capital além de outras vantagens- existe o aterro no outro lado, mas ninguém vai lá – sabem porque – ali os “PAVÕES” não podem aparecer fazendo caminhadas (?) ou só querendo aparecer.

  • johnny diz: 26 de junho de 2014

    Ridículo é ter que diminuir o projeto por falta de tino de negócios! Muito melhor o outro projeto, já que a área é um aterro de lixo atualmente. Mais empregos, mais conforto, mais comércio… perdemos pela pequeneza do povo.

  • Ze netto diz: 26 de junho de 2014

    A questão é simples: segundo o plano diretor é possível construir uma obra desse porte naquela região? Se sim, ótimo, constrói. Se não, ótimo, não constrói.
    E o poder público não tem que comprar aquela área de forma alguma, parece até que os donos já prevendo o fracasso da obra querem se livrar do abacaxi que é aquele terreno.

  • Ana Paula diz: 26 de junho de 2014

    Florianópolis não tem carência de subempregos, que é o que este empreendimento irá gerar. Em relação ao turismo, acredito que muitas das pessoas que vem a Florianópolis estão esperando ver paisagens bonitas e respeito ao meio ambiente, o contrário do que é proposto para a Ponta do Coral. Acredito que o melhor para a área é o uso público, qualificar o ambiente para a população, isso sim é o que divulga uma cidade: qualidade de vida!

  • Ricardo diz: 26 de junho de 2014

    Mais uma enganação desse prefeito. Pelo menos o outro projeto tinha área de uso coletivo… Esse não vai ter… Não estou entendendo… Qual é o benefício para o cidadão neste projeto?

  • Tássio diz: 26 de junho de 2014

    Quem tem esse papo de que a área não está sendo utilizada, não gera empregos, nem renda, etc… Caso tenham um terreno ou mesmo um quarto em casa desocupado, então doem, cedam o espaço de suas casas para alguém. Ah, vamos remover também o que sobrou de mata atlântica e de mangue em Florianópolis, já que também não geram empregos.

    Tô pra ver…

  • Mauro Martins diz: 26 de junho de 2014

    Absurdo sem tamanho!! Que seja pública a Ponta do Coral, se faça um belo aquário ou planetário ou concha acústica, mas nunca um monstrengo desses. Quem ama Florianópolis não pode ficar a favor de um projeto desses, vamos ficar de olho!!!!

  • Felipe diz: 26 de junho de 2014

    Espero que o proprietário tenha o direito de construir o que o plano diretor permita e que essa penca de ecochatos não consiga privar o sujeito dos seus direitos. Hotel de alto padrão sempre vai bem à cidade.

  • Jorge Destri Jr diz: 26 de junho de 2014

    Esse local está abandonado a pelo menos 30 anos, só o mato floresce sobre as ruínas de diversas construções que já existiram ali. Nesse tempo todo os ecochatos só se lembram de transformar a área em lazer público quando alguém quer fazer algo para melhorar o local. Ali não tem o que ser preservado nem em terra nem no mar em volta. Hotéis e marinas a beira-mar são comuns em vários países do mundo, inclusive naqueles onde a consciência ambiental é muito mais evoluída que no nosso.

  • Paulo Roberto diz: 26 de junho de 2014

    ISSO MESMO, NÃO APROVEM ESTE EMPREENDIMENTO, E TRANSFORMEM NUM PARQUE. ASSIM ELE VAI SERVIR PARA DROGADOS IR CONSUMIR SUAS PORCARIAS, DEPREDAÇÃO DO PATRIMÔNIO E ASSALTAR AS PESSOAS QUE POR ALI TRANSITAREM. ENTÃO DEPOIS RECLAMEM DA FALTA DE SEGURANÇA DO LUGAR, QUE NÃO TEM POLICIAMENTO E TODO MIMIMI DE SEMPRE QUE NÃO RESOLVE NADA.

  • Marcelo diz: 26 de junho de 2014

    O terreno é de propriedade particular? Então, acham que deveria a Prefeitura transforma-la em área pública? Para ficar largada como vários parques e aterros? Certo está o proprietário. Não esqueçam que aquilo é uma area particular, com escritura e tudo mais. Os tupiniquins é que tem que parar com a visão de século passado. Florianópolis necessita crescer. Meu Deus, nem transporte maritmo sai do papel nesta aldeia! Aterro da via expressa sul, área tão grande e largada as traças, saco da lama , se não fossem os moradores, aquilo seria um aterro sem nada.
    Saia do papel a obra proposta, cresça florianópolis.

  • Nelson Vieira diz: 26 de junho de 2014

    Engraçado! Todos acham Dubai maravilhoso, Miami fantástico, Kuala Lumpur incrível, Abu Dhabi sensacional, Mônaco espetacular… E Florianópolis, bem Florianópolis foi agraciada pela natureza e só.
    A população não deveria ter inveja do crescimento de uma cidade maravilhosa como Florianópolis e sim orgulho. Os olhos do mundo se voltam para Florianópolis e deveríamos utilizar isto com inteligencia, aproveitar as oportunidades.
    Acho que não deveriam ter “obras” publicas a beira mar e sim obras inteligentes. Por que não ter um ponto turístico como este http://www.amazingtoursbd.com/wp-content/uploads/2012/05/dubai_hotel_2.jpg
    Vender terrenos a beira mar que ficam abandonados por décadas pelas administrações publicas, o que tem de errado nisto? Prefeitura de São José construída em um terreno a beira mar que poderia valer milhões. Milhões estes que poderiam ser utilizados para bancar a construção do prédio da prefeitura em outro local e ainda sobraria dinheiro para os cofres do município. E para que fizeram ali? Para dizer que a prefeitura fica a beira mar… Ridículo isto.
    Um terreno do porte deste na Ponta do Coral poderia valer muito para a população. Poderia bancar um nova ponte, ou parte dela, a reforma da ponte Hercílio Luz, obras de mobilidade urbana, praças bem cuidadas, um tratamento de esgoto digno de Florianópolis, não aquela bomba relógio fedorenta na entrada da cidade e que em décadas não despoluiu nada das baias.
    Alias, o desserviço prestado pela companhia de águas do estado no município de Florianópolis e região é que deveria ser discutido, debatido, enfrentado e resolvido pela população, entidades de classe e órgãos competentes como o ministério público.
    Florianópolis foi populada nas ultimas décadas por “estrangeiros” (Gaúchos, Paulistas, Paranaenses, etc) que vieram para cá, na grande maioria aposentados e que a unica coisa que querem é não querer nada, nada contra hein, mas, vamos no ajudar pessoal.
    Vejo muito isto principalmente no Campeche onde o não querer nada faz o bairro crescer desordenadamente, ilegalmente, e de forma muito mais perigosa para o meio ambiente.
    Já passou da hora de Florianópolis parar com bairrismo e utilizar seus recursos de forma inteligente. Chega de órgãos públicos a beira mar, em terrenos caríssimos.
    Um pouco de inteligencia não faz mal a ninguém.
    O ixtepô, deixa de ser chato e reclamão. Vamos fazer Florianópolis ficar cada vez mais bonita, utilizando os recursos que se tem em mãos e crescendo de forma inteligente?

  • Márcia Maria Martins diz: 26 de junho de 2014

    Achei maravilhosa esta obra, apoio totalmente, esses atrasados que fazem estes comentários ridiculos contra o progresso da cidade, melhor do que fazer parquinho para craquelento e bandido se estalarem lá. ótimo empreendimento, parabéns.

  • Marcelo diz: 26 de junho de 2014

    Recomeçou a campanha pelo hotel? Nossa, que força tem esse anunciante, hein?

  • Adriana Fangmann diz: 26 de junho de 2014

    Se é para construir um prédio, o outro projeto era muito melhor, com uma super estrutura de lazer e marítima. Assim é palhaçada, derrubam um projeto espetacular para fazer um meia boca. Pelo menos o outro misturava área pública de lazer e área privativa, este é só a área privativa e nem acrescenta a marina. Uma vergonha, qual é a vantagem de investir R$ 300 milhões a menos? Lamentável!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  • ademir diz: 26 de junho de 2014

    ATE QUE ENFIM PODEREI PASSAR NO LOCAL SEM SER IMPORTUNADO POR MENDIGOS VAGABUNDOS E OUTROS.
    ESTE TERRENO SO TEM NO LOCAL DROGADOS COM EXCESSÃO DE ALGUNS PESCADORES DE OFICIO

  • Daniel diz: 26 de junho de 2014

    Acho engraçado as pessoas criticarem os que são contra esse projeto os chamando de atrasados. Basta ter um mínimo de conhecimento sobre planejamento urbano e mobilidade que se torna impensável liberar uma construção desse porte em uma área já densamente populada. Coloco alguns motivos abaixo:

    (1) Acho o projeto muito interessante, inclusive com a marinha, no entanto existem áreas melhores na cidade para faze-lo. O aterro da baia sul por exemplo.

    (2) Para quem passa na beira mar todo dia de carro sabe que o trânsito já é horrível. Imagina com mais um empreendimento desse porte.

    (3) Outro ponto que deve ser considerado é que com esse empreendimento fica inviável um futuro alargamento da beira mar norte.

  • Eduardo diz: 26 de junho de 2014

    Sempre fui contra ao projeto, mas da forma originalmente prevista, ou seja, com a criação de um aterro. Agora, fazendo-se a obra apenas e tão somente na área privada, entendo perfeitamente possível e viável, e a Prefeitura Municipal já tinha sinalizado que, feitas as adequações em conformidade com o atual terreno, não teria o pq de inviabilizar. A falta de interesse público era apenas e tão somente em relação ao aterramento da área.

  • Mariana Thomé diz: 26 de junho de 2014

    …. Estamos todos desacreditados no poder público, pois se for para ser uma área pública: o parque serviria para drogados causando insegurança no local. Ou seja, deixar uma praça nas mãos exclusivamente do poder público nada resolveria. Inteligente seria uma ocupação mista em que haveria esta construção privada e parte do terreno cederia ao público. Aí sim, esta empresa seria responsável pela criação, segurança e manutenção do espaço de uso público.

  • Renan diz: 26 de junho de 2014

    Ao menos um amparo.
    Coisa ridícula é esse prefeito, por pura BIRRA POLÍTICA, negar a construção de um excepcional empreendimento, com diversas áreas de lazer, espaços públicos de qualidade (coisa que a prefeitura não consegue por em prática) valorização da cultura e da pesca, entre outros benefícios.
    Desejo ao Srº Nelson (grande homem) que consiga tocar seu empreendimentos de forma correta, sem rixas políticas, como sempre fez. A Hantei é fruto nosso! Tínhamos que nos orgulhar por termos uma construtora DAQUI com tanto potencial!
    Viva a Hantei! E que esse prefeitozinho saia logo deste posto que NÃO LHE PERTENCE!

  • ERALDO diz: 26 de junho de 2014

    tinha que ser construido ali o empreendimento anterior.
    mas como temos um Prefeito mediocre e uma prefeitura pior ainda temos agora um segundo projeto.
    gente atrasada… tem que expulsar da ilha esses ecochatos atrasados.
    essa gente ja devia ter ficado no seculo xx.

  • Jonas diz: 26 de junho de 2014

    Adoraria um parque público naquela área, mas o governo à vendeu no passado. Não acho justo tomar o terreno sem uma justa indenização. Se foi barato ou caro essa venda já não cabe mais mencionar.
    O plano diretor permite a obra desse novo projeto, o principal empecilho da antiga obra era o aterro. Por a desculpa de proteção ambiental (falsa) negam o primeiro projeto que embelezaria a cidade num lugar onde hoje só tem esgoto e viciados. Outras áreas com muito mais relevância ambiental não recebem os mesmos cuidados. O antigo projeto também traria marina, área verde, e investimentos na comunidade pesqueira do lado. Fora o dobro de leitos numa cidade essencialmente turística.
    Querem nos enganar. Quem se diz protetor da cidade é quem realmente à detona.

  • Mario Quintanilha diz: 26 de junho de 2014

    Temos que fazer pressão pra voltar o projeto anterior…com áreas públicas pra a população. Aquele projeto era lindíssimo.

  • fernando diz: 26 de junho de 2014

    o poder público essa ponta é um dos pilares da futura ponte estaiada (comprimento de 3 km e custo de 800 milhões de reais que será paga em 25 anos)que vai ligar a ponta do coral e aponta do leal.

  • fernando diz: 26 de junho de 2014

    o poder público essa ponta é um dos pilares da futura ponte estaiada (comprimento de 3 km e custo de 800 milhões de reais que será paga em 25 anos)que vai ligar a ponta do coral e ponta do leal.

  • Diego Mayer diz: 26 de junho de 2014

    Não vejo problema na construção de um hotel de alto nível. Como já dito acima, praça pública, no Brasil, é espaço recreativo de drogados e mendigos. Ao meu ver, o grande problema é a falta de estudo de impacto de vizinhança, pois, sabidamente, um empreendimento desse porte gera um alto fluxo de automóveis e, pior, de ônibus de turismo, o que vai ferra de vez com aquele trecho que já anda bastante congestionado.

  • Nery Artur diz: 26 de junho de 2014

    É isso mesmo pessoal favorável a construção na Ponta do Coral.
    Para que serve um mangue que fede como o do Itacorubi? Construção nele.
    Para que uma Praça XV num terreno supervalorizado? Construção nela.
    Para que preservar a Fortaleza Santo Antônio de Ratones, um verdadeiro desperdício de terras? Construção nela.
    Para que serve alguns morros com matos? Construção neles.
    Para que serve uma Beira-Mar Norte sem um bonito paredão de concreto? Construção nela.

    O hilário disso tudo é que para colocar proteção nas pontes de 1,20 m para evitar que carros desabem sobre o mar não foi possível porque afetaria o visual da Ponte Hercílio Luz!!!!

    Abaixo as florestas, matas, mares e rios. Vamos trocar tudo por floresta de concreto, essa sim, símbolo do desenvolvimento e beleza. E, além do mais, enche os bolsos dos especuladores, facilita a vida de prefeito tacanho e de um governador que pouco acrescenta ao cenário catarinense.

  • André Peres diz: 26 de junho de 2014

    Respeito e parabenizo o trabalho mas, não cabe para Florianópolis, e sim para outro município, ja que o foco é o Estado de Santa Catarina. É inviável e impactante, de forma negativa, para a cidade. Este foco de botar, chamar mais gente e mais carros pra dentro da Ilha não pode continuar acontecendo, uma vez que falta a consciência, para as pessoas, de que moramos e vivemos em uma Ilha simplesmente, com água em volta, além da falta total de comprometimento da Prefeitura e autoridades governamentais com a infraestrutura da cidade.
    Acho interessante essas pessoas defenderem o crescimento da cidade divulgando cada vez mais e querendo construir mais coisas para promover o turismo da Ilha pro mundo, sem ter primeiramente que arrumar a casa que esta uma bagunça. Como é que vas oferecer um jantar na tua casa se não tem mesa. Vamo acordar né!!!!
    Sou contra total a promoção e divulgação do turismo da Ilha pro mundo.
    Porque não tiram o foco aqui da Ilha?
    Porque não focam no continente para investimento?
    Porque o investimento aqui não pode ir pra linha do Ecoturismo e sim para o turismo edificado e ostentação financeira pra que investidores de fora estejam mais presentes e o nativo mais ausente?
    Aonde esta o respeito com o Nativo e a cultura local?
    Isso tudo esta sendo perdido indiretamente com todo esse turismo que estão querendo promover.
    Porque não investem no turismo edificado em Fernando de Noronha?
    Isso é uma visão geral, temos que mudar esse tipo de pensamento.
    Lembrando, vivemos numa democracia e todos têm o direito de se pronunciar, independente do lado que tiver. Não tem nada que achar ruim nem ridículo. André Peres

  • Luiz Rogério diz: 26 de junho de 2014

    Nossa capital é, possivelmente, uma das que mais se recente de áreas verdes e parques. Por isso, melhor seria aproveitar aquele espaço para a construção de um parque, com equipamentos para uso público. Isso humanizaria um pouco mais a cidade que, hoje, tem o desenvolvimento voltado para os interesses privados, especialmente da construção civil.

  • jose carlos diz: 26 de junho de 2014

    A torcida contra o empreendimento e grande infelizmente, realmente Floripa nao vai deixar de ser provincia nunca, o terreno e particular, que façam nele o que quizerem dentro da lei, sem falar na geraçao de muitos empregos.
    Acorda Floripa.

  • Tamara diz: 26 de junho de 2014

    Pra bom entendedor, meia palavra bas
    Eu vou denunciar a sua ação nefas
    Você amarga o mar, desflora a flores
    Por onde você passa, o ar você empes

    Não tem medida a sua ação imediatis
    Não tem limite o seu sonho consumis
    Você deixou na mata uma ferida expos
    Você descora as cores dos corais na cos
    Você aquece a Terra e enriquece à cus
    Do roubo, do futuro e da beleza augus

  • Daniela Duarte diz: 26 de junho de 2014

    Estamos a merce dessa exploração imobiliária e a ineficiencia de nossos governantes, que se juntam ao mesmos, para tirar vantagens. Onde tiver um espaço, vão passando com seus tratores. E a POPULAÇÃO fica so observando tanta ganância. A ponta do coral é um patrimônio público, e como tal deve continuar e ser PRESERVADA e aproveitada por todos. Temos que gritar por SOCOROOOOOOOOOOOOOOOOOOOO, que estão acabando com nossa ilha.

  • Flecha Certa diz: 26 de junho de 2014

    Esse pessoal do contra são um bando de invejosos que não tem nem um pé de chinelo para calçar. Como não possuem nada são contra tudo. Qualquer pais desenvolvido tem obras maravilhosas como essa. Mas os pés de chinelos preferem ranchos de pescadores, esgotos e favelas.

  • Sérgio diz: 26 de junho de 2014

    Não temos nenhum atrativo turistico na area central. Um local bem urbanizado atrairia maiores visitantes. Ninguém vem a Florianópolis para ver prédios. O que atrai é a natureza!!! Esse empreendimento é gerador de subempregos, isto sim. Precisa-se potencializar o ambiente para a população, a qualidade de vida é o que faz a divulgação de uma cidade.

  • Silva diz: 26 de junho de 2014

    Vergonha nascer e morar numa cidade onde áreas nobres e ambientais são só para poucos…..

  • floriano vital sezanowski jr diz: 26 de junho de 2014

    Eu não curto. Isto é mais poluição e menos visual. Aqui não é Balneário Camboriú nem Rio de Janeiro. O bendito hotel que vá pra outro lugar.

  • Leonardo diz: 26 de junho de 2014

    Incrível como pensam pequeno, o que essa ponta do coral representa, o lugar é PARTICULAR, já serviu de acampamento de cigano, ponto de droga, dai querem melhorar o local, fornecer emprego e o povo fica contra, igual os beach clubs, moramos em cidade que vive quase que exclusivamente de turismo e os cabeça de camarão querem espanta-los. Comprem um sitio la pra Xanxerê e vivam isolados.

  • ivan diz: 26 de junho de 2014

    O grande Mal destas obras é que estao cercando o mar de tal jeito, que
    nao teremos mais acesso nem pra olhar pro mar, me diga, onde temos um pequeno acesso para sair com um barquinho pra passear? nao existe neste terra cercada pelo mar se quer um lugar adequado pra vc vir com seu barquinho o botar na agua pra passear com a familia, ou simplesmente uma pescaria….onde vamos parar?? é tudo errado nesta cidade…coisa estranha.

  • MARCELO diz: 26 de junho de 2014

    os mesmos abobados que pedem a transferência das repartições públicas para o continente (custo biilionário) “para desafogar o trânsito na ilha” defendem a construção dessa obra medonha estilo centrosul que vai gerar muito tráfego (apenas uma entrada e uma saída, ambas na já saturada Beiramar) e uma dúzia de vagas de manobrista e camareira que serão preenchidas por imigrante gaúchos ou nordestinos.

  • Christiano diz: 26 de junho de 2014

    Sr. Anderson

    Só em sua cabeça atrasada e preconceituosa surfista é desocupado!!
    O Sr. fique sabendo que sou funcionário público concursado e surfo todos os dias antes de trabalhar, assim como muito dos meus amigos surfistas, dentre os quais: promotores, médicos, jornalistas, empresários, etc …
    Surf é saúde e alegria, coisas que devem faltar em sua vida!!
    Depois as prais são bens públicos de livre acesso a todos cidadãos, não pode uma minoria, ilegalmente, impedir outros cidadão de usufruir o bem público.
    Por último, e não menos importante, os surfistas não atrapalham nem impedem a pesca da tainha (na Australia pescadores e surfistas dividem pacificamente as praias durante a pesca da tainha) somente gente desprovida de conhecimento como o senhor pode fazer uma alegação absurda como esta.

  • waltencir josé da silva diz: 26 de junho de 2014

    entendam, ali é uma APP, área proibida para pobre, ali só rico tem direito de fazer o que quer, aliás na cidade toda, só quem tem poder e dinheiro manda.

  • Leonardo diz: 26 de junho de 2014

    Pois é… derrubaram o bar do seu Chico no campeche com a desculpa q estava em area de preservação e esse hotel esta aonde? Mais alguns centimetros vai esta dentro do mar e depois de pronto e só pescar pela janelas dos quartos kkkk absurdo isso…. mais uma poluição visual para completar a vergonha que é o Centrosul e a aquela fossa na entrada da ilha.
    E a passos lentos o mar vai sumindo e a ilha se isolando das belezas naturais.

  • Ricardo diz: 26 de junho de 2014

    Tem cada ECOCHATO aqui… o pior é quem vem de outros estados pra latir aqui. Vejo coisa.

  • Fabricio diz: 26 de junho de 2014

    Eu acho lindo como tem gente aqui oferecendo o terreno alheio para o uso público. Se ali existe uma propriedade privada, e esta não passar por cima das demais nem da lei urbana, que o dono do terreno faça o que bem entender ali. O pessoal aqui que comenta acha que pode dispor da propriedade de terceiros, com argumentos do tipo “não posso mais ver o mar”, “a Ponta do coral é patrimônio público” – desde quando? FAZER CARIDADE COM O DINHEIRO DOS OUTROS É UMA DELÍCIA, BANDO DE HIPÓCRITAS. Se querem um espaço “público”, por quê não oferecem suas casas?

  • Carlos Strauch diz: 26 de junho de 2014

    Florianópolis é tão linda, merece no mínimo um projeto mais aprimorado, que se destaque arquitetonicamente. Conseguiram uma façanha, o primeiro grandalhão era um horror, agora cortaram as pernas do bicho, ficou um monstrinho pior ainda. A natureza nos deu um paraíso, mas nada de bom tem sido feito para agregar á Ilha algo que a valorize. Pensam apenas no tilintar das moedas e num conceito ultrapassado de progresso.
    Alguém sugeriu que se fizesse um planetário ou aquário ali na Ponta do Coral, endosso a ideia!!! Vai atrair muito mais turista que um arremedo de hotel de luxo.

  • Anderson diz: 26 de junho de 2014

    Éh Christiano,

    Suas colocações e o fato de ser funcionário público, só comprovam o que eu disse e ajudam a justificar porque Floripa é bela mas atrasada. E de forma alguma sou contra o surfe, mas enquanto você está praticando seu hobbie, os pescadores estão buscando o sustento. E ao contrário do que você pensa, eu sei muito bem que ambas as atividades podem permanecer sem interferir uma na outra…

  • Carlos Magno diz: 26 de junho de 2014

    Comunada tentando atrapalhar a vida de quem faz a cidade crescer. Vão achar o que fazer.

    ¬¬’

  • jeferson diz: 26 de junho de 2014

    É impressionante como falsos moralistas que escrevem bonito, julgam e falam das pessoas e das situações. Chamar um surfista de desocupado por praticar um esporte isso sim é de uma real ignorância. Sr. Anderson já que deve estar muito e sempre ocupado, a hora que tiver um tempinho de uma passada no rancho dos pescadores da ponta do coral que lhe mostrarei a meia dúzia de caramujos que ali se encontram, e um pouco mais da diversidade da baía como : borriquetes, tainhotes, canhanha,camarão, corvina etc…e um local onde existe uma berço e criadouro de cavalos marinho.Tenho rancho ali e conheço na palma da mão essa parte de nossa baía, de repente serei taxado de desocupado por praticar a pesca no local, porém posso sim falar e defender com propriedades o local onde frequento há 33 anos que foi de meu avô, é de meu pai e que se os interesses econômicos que falam em nome do progresso deixar, um dia será meu. Penso que quem acha Dubai e esses lugares onde realmente são maravilhosos que se mudem para lá, ou para onde acharem melhor.

  • Luis diz: 26 de junho de 2014

    Por que quando escuto/leio “emprego e renda” me vem a mente lucro e propina?? Por que criaram a falsa dicotomia: ou megaempreendimento ou favela? Por que a história da posse daquela área está até hoje envolta em mistério? Por que? Por que?

  • Paquistanes diz: 26 de junho de 2014

    O gente. Pra que a celeuma? Se engarrafar mais ainda aí o poder público promove mais um aterrozinho de mar, mais uma beira-mar. Aliás, pra que estas baías todas? Que desperdício, vamos aterrá-las todas e encher de prédios, ruas, carros… Que gente atrasada esses “do contra”. Nossa construção civil , nossos políticos e os advogados que servem a ambos, são uns anjinhos do bem, da honestidade, do espírito público… O “pobrema”? O “pobrema” são esses ecochatos.

  • Empreendorismo! diz: 27 de junho de 2014

    “Puxa , fico aliviado ! Agora aqueles seis quilos de berbigão que vivem ali serão preservados para serem mortos e comidos. Belo trabalho do ICMBio, da Fatma e outros órgãos, que , assim, valorizam a nossa cidade.”

    Parabéns pelo comentário! Até quando ficaremos REFENS desses ecoxiitas, que nem de Florianópolis são! Voltem para suas insignificâncias e deixem FLORIPA ser CAPITAL DO TURISMO novamente!

  • Priscila diz: 30 de junho de 2014

    Florianópolis atrai turistas por causa das paisagens naturais… Sem ingenuidade, por favor… as pessoas vem pra cá por causa das praias, poucos vem pra cá por causa da nossa história, cultura, arquitetura.
    Então pra falar em turismo a prioridade deveria ser preservar, não fazer o contrário! Simplesmente não faz sentido destruir o nossos maiores atrativos: a orla, a paisagem, o mar.

  • Guilherme diz: 1 de julho de 2014

    Poderia ser um terminal fluvial! Algo muito mais benéfico a todos!
    Com restaurantes e comercio, gerando empregos tb…
    Não é esse o interesse dos interessados?
    Gerar empregos… crescimento e bla bla bla?
    Conta outra rapaziada!!
    A natureza depois de destruída jamais volta!!!
    Da uma olhada la no Guarujá! prédios gigantes em costões lindos!
    LAMENTÁVEL!!!!
    mas para uns… progresso! affff

  • Guilherme diz: 1 de julho de 2014

    Poderia ser um terminal fluvial!
    Algo muito mais benéfico a todos!
    Com restaurantes e comercio, gerando empregos tb…
    Não é esse o interesse dos interessados?
    Gerar empregos… crescimento e bla bla bla?
    Conta outra rapaziada!!
    A natureza depois de destruída jamais volta!!!
    Da uma olhada la no Guarujá! prédios gigantes em costões lindos!
    LAMENTÁVEL!!!!
    mas para uns… progresso! affff

    E Anderson… Tu não sabe de poha nenhuma!

  • João Campos diz: 2 de julho de 2014

    Um monte de comentários motivados pela engessada ideologia. Se é privado, sou contra. Tem que ter utilidade social. Quer saber? Não precisa não. No meu terreno eu construo o que quiser, dentro da lei. E você também. O estado vendeu e agora o choro é livre.

    Falam de subempregos, porque provavelmente estão empregados. Em repartição pública tomando cafezinho. Para muita gente um emprego desses é o começo de uma carreira, mas gente como vocês provavelmente acha que o estado é que deveria empregar todos. Haja imposto para pagar salário e cafezinho! Ou que todo desempregado tenha que virar dependente do estado ganhando um bolsa qualquer coisa.

    E o pior é a apelação para as hipérboles e os absurdos: não vamos mais ver o mar, aterrar mangue e as baias, prédio em costão, atrativo turístico no centro, ilha vendida e etc. O amigo que falou que não cabe carro na ilha, venda os seus! Vá trabalhar de bicicleta como eu, mas cuidado ao passar ao lado de praça pública para não ser assaltado. Me digam o que é que turista faz no centro exceto tomar chopp no mercado público? Venderam a ilha? Porque qualquer um fez qualquer coisa que não te agrada? Ninguém quer acabar com o mangue, aquilo é área de preservação, mas no terreno privado, porque não? E turista aqui quer praia, ou você vai para Natal/RN por causa da feirinha de artesanato no centro? Me poupe!

    Muita retórica sinistra e da sinistra nesses comentários, muito esquerda caviar, muito socialista concha y toro. Se você está muito bem obrigado, mas tem muita gente querendo trabalhar. E não depender de governo. Coisa que você deveria experimentar, é ótimo e liberta!

  • Rafael R. diz: 4 de julho de 2014

    esse papo de poderia ter… ja tem mais de vinte anos!. Mas nao tem m# nenhuma lá!!! é um lugar de maconheiros e estupradores que ali habitam hoje.
    Que saia esse hotel, pelo menos haverá segurança para quem frequenta a beira mar. E nao para teóricos que ficam falando, poderia ter a pqp la… No Brasil tb poderia ter menos estádios e mais escolas…

  • Priscila diz: 4 de julho de 2014

    É sempre essa mesma justificativa de criação de empregos, pra convencer a população a aceitar as coisas…
    Mas esse tipo de emprego não está faltando, está inclusive sobrando em Florianópolis na temporada! Muitos hoteis e restaurantes tem falta de mão de obra para as mais variadas funções.

    [ Setor de serviços em Florianópolis enfrenta falta de mão de obra no verão
    http://diariocatarinense.clicrbs.com.br/sc/economia/noticia/2013/12/setor-de-servicos-em-florianopolis-enfrenta-falta-de-mao-de-obra-no-verao-4371351.html ]

    Então, por favor, arranjem outra desculpa pra fazer seus resorts!

  • Cráudio diz: 5 de fevereiro de 2015

    Porque não constroem um hospital tipo Dubai ali?? Ou então uma escola referência estadual?? Mas não, um hotel, para apenas um pequeno grupo de pessoas lucrarem, ao custo de um sufocamento ainda maior da BeiraMar, impactos ambientais e a expulsão da comunidade pesqueiro local.

    Estranho mas válido notar que, nas últimas semanas, os semáforos da beira mar deram pane, o que provocou o caos no trânsito. Dias depois, as verbas para a construção do anel rodoviário foram liberadas. As obras estranhamente começaram em dia, seguem a toque de caixa e exatamente em frente a Ponta do Coral. Ontem o prefeito “perdeu a paciência” e corrigiu os semáforos.

    Galera, as cartas são todas marcadas!

  • Cráudio diz: 5 de fevereiro de 2015

    @Rafael R.

    Maconheiros e estupradores? Que generalização vazia!

    E como solução construir um hotel ali? Rafael, essa questão tem de ser abordada de forma mais profunda e técnica sim. Para maconheiros, temos que tratá-los, visto que se trata de uma dependência química e um tanto quanto social local. Aos estupradores, poderíamos aumentar a rotatividade de policiais que por ali circulam, ou até mesmo manter uma base policial fixa.

    Quando dizem que ao invés de se construir um hotel, construíssemos hospitais ou escolas, vejo como uma argumentação desesperada no sentido de substituir o tipo de ocupação. Uma ocupação que socialmente se agregue maior valor.

    São exatamente essas generalizações rasas que contribuem com a perpetuação dessa política para poucos.

    Precisamos no Brasil de estádios e escolas, mais dos dois! O que não precisamos são os políticos egoístas e generalizações preconceituosas.

    #Maishospitais #maisescolas #legalizemarijuana #vsfpreconceito #Prefeituralixo

Envie seu Comentário