Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.

Retirada de ocupações irregulares é mais um desafio para a reforma da ponte Hercílio Luz

24 de julho de 2014 1
Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Existem desafios a mais para a polêmica e arrastada reforma da ponte Hercílio Luz: a desapropriação de algumas áreas e a retirada de imóveis e famílias irregularmente instaladas sob a área do vão central e das cabeceiras. Além de impedir obras nos acessos, a situação também causa perigo de acidentes para quem está, literalmente, embaixo da ponte.

Providências
A construtora Espaço Aberto, ainda responsável pelas obras, pediu providências ao Estado e à prefeitura para proceder a retirada dos casebres – alguns erguidos antes do início da reforma, em 2008, outros no decorrer dos trabalhos.

Mais essa
Outro pepino precisa ser resolvido no acesso continental à ponte. A pista da Beira-Mar Continental foi construída por cima de estacadas que reforçavam as fundações da ponte. A área teve que ser reprojetada, somando outro atraso à coleção.

Foto: Divulgação

Imóveis irregulares vistos de cima. Foto: Divulgação

 

comentários

Comentários (1)

  • Floripa diz: 24 de julho de 2014

    Obra sem fim…

    Um tempo atrás assisti a um desses programas de TV, que os japoneses fazem um planejamento de obras tão preciso, que o “erro” máximo fica entre um ou dois dias de atraso na obra, e isso é bem justificado, pois para eles atrasar é algo que deprecia a obra e denigre a imagem da empresa.

    Já aqui no Brasil, fica tudo na amizade, nos tapinhas nas costas, está tudo certo… tudo na base do jeitinho, da política…

    Enfim, culturas diferentes, claro. Merecemos mesmo ver todos os dias uma ponte que não serve para nada há mais de 30 anos. Já gastaram mais do que se fosse construir uma outra ponte…

    Deveriam estar de olho mesmo na reforma da ponte Colombo Salles, fico me perguntando as vezes: “será que o povo se dá conta do caos que seria se uma das pontes venha a ser interditada por falta de manutenção básica?”

    Acho que ultimamente é muito estudo para pouca ação.

Envie seu Comentário