Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Liminar determina proibição da circulação de veículos em praias, dunas e restingas de Florianópolis

28 de julho de 2014 12

Decisão liminar da Justiça Federal determina que a prefeitura proíba toda e qualquer circulação de veículos em praias, dunas e restingas em Florianópolis. Joaquina, Moçambique, Praia do Forte e todo o Rio Vermelho serão atingidos diretamente pela medida judicial.

Praia da Joaquina. Foto: Guto Kuerten, BD, 18/04/2014

Praia da Joaquina. Foto: Guto Kuerten, BD, 18/04/2014

comentários

Comentários (12)

  • Lauro Jose diz: 28 de julho de 2014

    Enquanto isto no nordeste, bugs
    nas dunas é fonte de turismo.

  • Hans diz: 28 de julho de 2014

    Entre a Joaquina e o Campeche , área de dunas e restinga, o uso de quadriciclos e motos é constante e estarrecedor, porque a destruição de plantas é grande , o impacto ambiental é enorme, e a policia ambiental não aparece por não ter viaturas a disposição… Quem vai fiscalizar o que já é regido por lei, qual seja área de proteção ambiental por lei federal!!

  • Jeferson diz: 28 de julho de 2014

    Acho até que demorou. Se tem uma coisa que me tira do sério é carro circulando na praia ou parado na areia tocando som no último volume. Estou ali prá relaxar e escutar o barulho do mar, não prá ter que olhar pros dois lados da praia antes de entrar na água prá evitar atropelamentos.

  • Leandro diz: 28 de julho de 2014

    Novamente gente de fora mandando na ilha, vai no maranhão ver a farra nas dunas, é o turismo, mas lá ninguém de fora apita nada. E já deixo claro que não estou aqui dizendo que sou a favor ou contra. O que não gosto mesmo é desses procuradores, promotores, juízes e doutores afins que saíram de suas terras pra vir querer decidir o que pode ou o que não pode aqui na terrinha, e tudo isso provavelmente porque não alcançaram seus objetivos em sua terra natal.

  • Maso diz: 28 de julho de 2014

    …enquanto isso no Pântano do Sul, veículos de todos os tipos trafegam. Sem limite de velocidade, entre banhistas (crianças, idosos). Além do mais disputam lugares, quando não os tiram, de embarcações. Puro interesse dos proprietários dos restaurantes. Interesse do particular prevalecendo sobre interesse coletivo, inacreditável!!!!

  • Floripa diz: 28 de julho de 2014

    Esse comentário do Jeferson tem que imprimir e colocar em todos os postes da cidade. Parabéns, sou da mesma opinião.

  • Marcos cabral diz: 28 de julho de 2014

    A prefeitura deveria se preocupar é a construção desenfreada de prédios clandestinos em Ingleses, na qual os fiscais continuam fazendo vista grossa pra essa vergonha.

  • Carlos Calvo Canabal diz: 28 de julho de 2014

    Pisar na areia da praia com o pneu do carro ou da moto não pode… mas retirar areia dos rios para a construção civil ou destruir um morro inteiro para vender brita para a prefeitura (como faz a empresa Pedrita no Rio Tavares) sim????.
    A hipocrisia de alguns ambientalistas me dá nojo. Protegem a mata para que ninguém pise nela, mas todo domingo compram um saco de carvão de lenha de mata nativa (muitas vezes explorando mão de obra infantil) para fazer o churrasquinho com a turma da ONG. Vou tomar Plasil.

  • Luciano diz: 28 de julho de 2014

    Acho a decisão acertada e deve ser estendida as demais praias da região como Palhoça (Praia do Sonho, Pinheira, Guarda do Embaú), Governador Celso Ramos E não só em Florianópolis.

  • Luis diz: 29 de julho de 2014

    O estranho, além da demora da decisão, é o fato de ainda aparecer alguém contrário… A turminha que vê ecochato em tudo e todos, que é a favor do pseudodesenvolvimento, que considera a natureza uma mera ferramenta para obtenção de lucros. Turminha do atraso que sempre inventa um mal exemplo a distância pra justificar o mal aqui. Desenvolvimento SUSTENTÁVEL e ÉTICA empresarial, duas coisas que o empreendorismo parasitário, corruptor e tacanho preponderantes nesta cidade precisam incorporar. Limpem-se.

  • Gabriel diz: 29 de julho de 2014

    Acho uma ironia como outros já citaram!
    Tem praias que realmente ñ se pode ter veículos transitando mas outras como Moçambique é de tradição dos moradores e até visitantes transitarem pela praia. Construções como loteamento do novo campeche pode rolar com tranqüilidade mas o cidadão colocar o carro na praia não pode.
    Os problemas de Florianópolis são grandes e vem piorando com o tempo, o problemas são pessoas que vem de outras cidades que ñ tem a cultura de entender o modo de vida e o passado de quem nasceu e sempre morou aqui.
    Eu tenho 24 anos e minha infância inteira foi acampando na praia do Moçambique, hoje não temos o direito de entrar nessas praias isoladas nem pra visitação com o seu carro. Então vamos proibir a navegação, os barcos de pesca da barra da lagoa!!! Não sou contra as pessoas de outro estado. Sou contra hipócritas que não jogam o lixo no lixeiro e falam em proibir o que sempre foi liberado de maneira controlada. Controlada pelos moradores locais de cada bairro ou praia. Tente entra na praia do campeche com um carro na época da tainha! Só conseguirá se estiver ajudando os idosos pra puxar os barcos pela praia.
    Fora a ironia e a hipocrisia das pessoas, cada um cuida do seu. Juntos cuidamos da natureza mas sem construírem hotéis como costão do santinho ou suas mansões em jurere internacional onde era restinga. Pensem nisso antes de vir falar em proibição de veículos nas praias.

  • Alberto Garbin diz: 30 de julho de 2014

    Não vamos cumprir e pronto; se nos multarem quem paga no final é o cidadão mesmo. O que não podemos é perder os votos dos invasores e baderneiros. No morro do Lampião, no Campeche, os invasores estão avançando mas, o que importa são os votos, não é assim Srs. vereadores?

Envie seu Comentário