Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Associações de ciclistas de Florianópolis promovem conscientização com empresas de ônibus

29 de julho de 2014 5

O pessoal da ViaCiclo e do Bike Anjo Floripa esteve reunido com representantes das empresas de ônibus de Florianópolis para falar sobre segurança e convívio pacífico no trânsito. A intenção é desenvolver um trabalho de conscientização.

Foto: Reprodução, Facebook Via Ciclo

Foto: Reprodução, Facebook Via Ciclo

comentários

Comentários (5)

  • Joaquim diz: 29 de julho de 2014

    Dia desses vi entrevista na RBS, de um ciclista que participa de competição, extremamente lúcida, dizendo que os ciclistas devem seguir o que estabelece o CTB, ou seja, não furar sinal, andar na mão de direção e não andar sobre as calçadas. Pois é, não é o que fazem esses ciclistas que andam paramentados, cheios de razão, exigindo muitos direitos mas não cumprindo praticamente nada do que está disposto no Código de Trânsito Brasileiro. A conscientização tem que partir deles.

  • Luis diz: 29 de julho de 2014

    Ciclovias, mais ciclovias!! Tem sido assim por todo mundo civilizado. País desenvolvido promove a bicicleta como meio de transporte. Aqui na terrinha da Moeda Verde, Tapete Preto Bolso Verde e viadutos, vivemos o atraso da valorização do transporte individual, do famigerado e decadente automóvel! È o reflexo do atraso, de prefeitos como o Dário e de desmiolados o suficiente para elegê-lo por dois longos e ruinosos mandatos.

  • Fabiano diz: 30 de julho de 2014

    Eu discordo um tanto, Joaquim! Primeiro que a maior parte dos ciclistas respeita as leis. Segundo pq, de acordo com a pesquisa Bici SC, feita pela UDESC em 2011, 70% dos motoristas em Florianópolis desconhecem o CTB nos itens que se referem à proteção ao ciclista – o que é ainda mais grave, pois os motoristas frequentam autoescolas para poder dirigir. Terceiro, pq o potencial lesivo de um ciclista é extremamente menor do q o de um condutor de veículo automotor. De fato, de todas as dezenas de mortes de ciclistas na Grande Florianópolis desde 2008, em apenas 2 o condutor não teve (tanta) culpa. Quarto: são os ciclistas que fazem a conscientização de outros ciclistas. Quinto: a Prefeitura Municipal de Florianópolis resolveu, pela primeira vez em anos, não alocar um centavo do orçamento de 2014 para Campanha de Conscientização para o Uso da Bicicleta, vinda do orçamento previsto pelo IPUF. Sexto: no ano passado, além de não contarem com nenhum estagiário para a parte de bicicletas, ainda praticamente expulsaram a profissional de carreira do órgão – veja só como serão as próximas ciclomerdas a saírem nestes meses que se seguem – e retiraram mais de R$300 mil de campanha educacional e projeto cicloviário previsto. Esse valor, é superior ao que foi investido, tanto no ano passado, quanto praticamente na década passada. Ou seja, a conscientização e as considerações têm que partir através da INFORMAÇÃO!
    Um abraço.

  • Vinicius diz: 30 de julho de 2014

    Joaquim, se você clicar no link do Bike Anjo Floripa vai ver que o que nós fazemos é exatamente educar os ciclistas. Temos um alcance modesto, o ideal é que isso fosse ensinado nas escolas, mas temos um projeto para isso também.

    Se quiser saber mais sobre o trabalho, entre em contato. Mas não fique falando besteira assim.

  • Joaquim diz: 30 de julho de 2014

    Vinicius, eu tenho o maior respeito por ciclistas quando estou dirigindo. Na Rua Lauro Linhares, na Trindade, chego a parar o carro quando vem uma moto no sentido contrário e na minha frente, na mesma direção, se desloca um ciclista. E por que? Exatamente em respeito a distância lateral que a ele, ciclista, devo dispensar. Já quando estou caminhando, seja na calçada do Santa Mônica ou na Admar Gonzaga, é sobre a calçada, em alta velocidade que os ciclistas, pelo menos a maioria, se deslocam. Como já frisei, os devidamente paramentados. Digo mais: alguém sem querer, ainda vai jogar um ciclista sobre a via, ao se virar abruptamente na calçada, no bairro Santa Mônica. Minha intenção não foi de ofender ninguém, tão pouco de chama-los de besta.

Envie seu Comentário