Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Câmara recua e nudismo segue garantido na Galheta

21 de agosto de 2014 12

galheta

Uma dose de pressão política aliada a umas gotinhas de bom senso foram suficientes para que o vereador Jerônimo Alves Ferreira (PRB) decidisse pelo arquivamento do projeto de lei de sua autoria que pretendia proibir a prática do nudismo em qualquer área do Parque da Galheta (foto).

O anúncio foi feito durante audiência pública nesta esta quinta-feira à tarde para discutir o assunto. Vale lembrar que o naturismo é permitido na Galheta por lei municipal desde 1997. A região, incluindo-se aí o canto esquerdo da Praia Mole,(no acesso à Galheta), é tradicional reduto do público gay. O que em nada deprecia na região. Pelo contrário, o que menos se vê por lá é confusão.

Bem diferente, inclusive, de alguns surfistas frequentadores de praias como o Campeche.

Volta e meia estes mesmos assuntos (Galheta e Haoles) ganham destaque. Uma pena, porque a Florianópolis tem mais com o que se preocupar. É só deixar a Galheta como está. E tratar agressores como merecem, nos rigores da lei. Simples assim.

Leia mais:
::: Arquivado Projeto de Lei que proíbe naturismo na Galheta, em Florianópolis

 

comentários

Comentários (12)

  • Rudolph diz: 21 de agosto de 2014

    Esses surfistas vagabundos e violentos têm que ir pra cadeia.
    Eles sujam o nome da cidade.
    A Galheta atrai turistas.

  • Macarrão Bobgueira diz: 21 de agosto de 2014

    Perfeito Rafael. Não tenho nada contra gays, e desde que me conheço por gente sempre foi assim. Mole surf e mulher bonita e galheta naturismo e gays. harmonia perfeita… em poucos metros vários gostos… cada um na sua, mas com alguma coisa em comum…. e que esse comum seja: RESPEITO

  • José Carlos diz: 22 de agosto de 2014

    vereador Bispo Jerônimo Alves claro que tinha que ser ele a apresentar tal projeto, nada mais do que retrogrado e puritanismo, sempre a falsa ideia de ser integro, ora bolas o cara não vai na praia pq a RELIGIÂO dele diz que é pecado e ai acha-se no direito de proibir, estamos num estado laico e com estas raposas travestidas de ovelha que querem o retrocesso social, mas no intimo são uns pervertidos. tira esta mascara bispo….. vai viver a vida vai servir a Deus e pare de servi-se dele para proveito próprio .

  • José Carlos diz: 22 de agosto de 2014

    caro vereador Bispo Jerônimo Alves claro que tinha que ser ele a apresentar tal projeto, nada mais do que retrogrado e puritanismo, sempre a falsa ideia de ser integro, ora bolas o cara não vai na praia pq a RELIGIÂO dele diz que é pecado e ai acha-se no direito de proibir, estamos num estado laico e com estas raposas travestidas de ovelha que querem o retrocesso social, mas no intimo são uns pervertidos. tira esta mascara bispo….. vai viver a vida vai servir a Deus e pare de servi-se dele para proveito próprio .

  • Marcos Henrique Martins diz: 22 de agosto de 2014

    Não acredito que um carioca venha ditar regras em Florianópolis…somente nós manezinhos autênticos para aceitar tal imposição.
    Aliás, como pode elegermos um vereador que, em minha opinião, tinha que ser alguém nascido na cidade e conhecer de fato e de direito as necessidades das comunidades, vir para Florianópolis, dar pitacos nas coisas de nossa terra e nossa gente ainda mandar e desmandar no nosso povo.
    Ou somos muito incompetentes ou somos péssimos de escolha. Creio que péssimos de escolha.
    Acorda manezada!

  • Benedito diz: 22 de agosto de 2014

    “Naturismo”…isso é o que chamo de um campeão dos eufemismos… Um monte de cara andando pelado com os penduricalhos e o lordo pastel na cara de quem caminha pela praia esperando realmente curtir a paisagem natural…bando de sem noção…alguns até apelam para o desespero na cara de todo mundo. E não venham com esse papo de homofobia, porque sei que tem muito gay inteligente e educado que não fica esfregando suas “partes” na cara das pessoas com a desculpa de que é “naturista”.

  • Leandro Oliveira diz: 22 de agosto de 2014

    Olá José Carlos! Para ter publicado esse comentário malicioso, é por que você provavelmente não conhece o vereador Bispo Jeronimo, se você tivesse interesse realmente pelo assunto desta audiência, estaria presente, e saberia qual o principal objetivo, que é parar com os abusos que acontece no local, como a pratica de sexo, sem falar do lixo que se acumula.

    Em relação de o bispo ir à praia, infelizmente você é mais um que, quando algo é publicado, você cai na onda, sem ao menos pesquisar um pouco, se fosse feito isso, você encontraria nas mídias sociais do vereador, fotos e vídeo dele na praia, inclusive praticando esportes.

    Sabe de nada inocente!

  • André Luiz de Oliveira diz: 22 de agosto de 2014

    José Carlos quanto a dizer que o Bispo não vai a praia esta muito equivocado, pois ele promoveu no Grupo Jovem um projeto que se chama Por Sobre as águas. Projeto que leva os jovens a praia e ensina SURF. Esta mal informado.

  • Daniel Ferreira diz: 22 de agosto de 2014

    Boa Tarde,
    Com certeza devemos respeitar a todos!
    então como SER HUMANO, deve respeito a todos, então se vocês querem respeito, NOS DÊ O DEVIDO RESPEITO!
    Sou cidadão Catarinense, e a praia da Galheta é uma das praias mais belas do MUNDO!
    Mas o que acontece nessa praia, não é de devido respeito! Naturismo não é Cabaré, muito menos Orgia!

    Concordo com meu amigo Leandro Oliveira!
    O Vereador Jeronimo esta lutando pelos direitos humanos! direitos onde se começa com RESPEITO!
    então os que estão imcomodados é pq GOSTAM de desrespeitar!
    Vereador Jeronimo conta cmg!
    Vamos acabar com essa Pouca-Vergonha!
    O Vereador Jeronimo Luta pelo respeito do cidadão, da familia catarinense!

    se você faz parte do Naturismo, que seja feliz. Não sou contra há nenhuma ser humano!

  • Sidiane Padilha diz: 22 de agosto de 2014

    Fico assustada com a ignorância de algumas pessoas. A falta de conhecimento resulta em um comentário totalmente equivocado e sem fundamento. Antes de falar do Vereador, procure pesquisar os trabalhos realizados por ele, os projetos aprovados e tente conhecer a intenção que o motivou ao tal projeto de lei que ele mesmo já arquivou.

  • Celina Miranda diz: 24 de agosto de 2014

    Olha, eu sou gaúcha e não conheço esse bispo, mas se ele não quer ir a essa praia, que não vá. São tantas e maravilhosas praias, tem para todo o gosto. Quem não gosta de mar muito perigoso, não vai à Praia Brava, frequenta outra. Quem não gosta de muita quietude, não vai à Solidão. Eu, por exemplo, não gosto de marcas no corpo (tatuagens, marcas de sol etc.). A única praia que posso ir é essa, porque quando vou a outra, fico meses tentando tirar a marca. Oras, é preciso respeito e maturidade para frequentar a Galheta. Ela é tão livre de preconceitos, que a gente não se importa com a diversidade. E tem de tudo: surfista com roupa de surfista, turista com roupa de turista, gente de tudo que é cor, raça e opção sexual. É a melhor praia que conheço e não a considero de nudismo. É uma praia livre, onde cada um é o que é e pronto. Se fosse de naturismo, talvez eu nem fosse lá, porque acho horrível o amontoado de regras que são impostas: não pode usar roupa, homem sozinho não entra etc. É a única praia livre que conheço e, de quebra, é lindíssima. Me sinto uma índia local e não troco essa sensação por nada. Ao contrário das outras, onde as mulheres desfilam, rebolam e se preocupam em ajeitar aqui e ali ao sair do mar, na Galheta ninguém rebola justamente para não chamar a atenção e se sai da praia como quem sai do banho. Aliás, quem nunca ficou nu? Nascemos nus, tomamos banho nus, passamos por exames e cirurgias nus. Alguém já viu parto natural de mulher usando calcinha ou amamentar no peito sem desnudar o mamilo, artistas proibidos de ter modelos nus? O pudor foi uma grande besteira que alguém inventou e só serve para traumatizar as pessoas. Sai fora! E um último detalhe: essa praia respeita o tempo de cada um. A pessoa pode usar roupa na primeira visita, usar biquíni na segunda, fazer topless na próxima e só então perceber a naturalidade do nudez. Quando ela chegar a esse estágio, pronto, se livrou de anos de preconceitos. Em anos, nunca vi nada de errado ou antinatural e espero que vocês de Floripa, povo evoluído, continuem lutando se não pela abertura de mais praias livre, pelo menos pela manutenção desta, totalmente natural. E também acho exagero dizer que se tornou praia Gay. O que tinha de hetero, tanto homens quanto mulheres. Também não presenciei ato sexual de nenhum dos grupos citados. A vida é curta e tem tanta coisa para se estressar, esquentar a cabeça com Não pode isso, Não pode aquilo? Por favor!

  • marcelo diz: 25 de agosto de 2014

    Celina Miranda, não conheces de perto a realidade da praia da Galheta. Se tens o hábito de frequentar sozinha aquela praia advirto que podes vir a ser mais uma vítima de crimes que são cometidos lá em plena luz do dia. Estupros, assaltos, pervertidos masturbando-se e praticando sodomia nas trilhas daquele parque são bem mais comuns do que imaginas. Certa vez fui surfar lá como sempre faço e tive a infeliz idéia de levar minha noiva, e esta teve a desgradável surpresa de se deparar um animal doente destes se masturbando em plena luz do dia no caminho para a praia…

Envie seu Comentário