Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Pediu pra sair

21 de outubro de 2014 12

Um grupo de 10 policiais que atua na Divisão de Repressão a Entorpecentes (DRE) solicitou transferência da Deic por divergir das mudanças na chefia da equipe.

Nota de repúdio do Sindicato dos Policiais Civis
“O episódio recente ocorrido com os policiais da Divisão de Repressão a Entorpecentes (DRE) da DEIC, no qual um policial civil se negou a fazer mais horas do que as pagas pelo Estado – causando desconforto entre os “chefes” e ocasionando sua dispensa – foi acompanhado de uma revolta geral em toda Divisão de Repressão a Entorpecentes. Os policias desta divisão, solidariamente apresentaram suas vontades de não abandonarem um irmão, e solicitaram também suas dispensas, mostrando que estamos certos quando lutamos por mudanças no atual modelo de polícia, o qual beneficia, na maioria das vezes, pessoas incapazes de administrar, por óbvio não ser essa sua formação, e de reconhecer o serviço prestado por competente equipe. Sempre dizemos que o respeito é a base de tudo e a forma desrespeitosa como nossos irmãos policiais civis foram tratados, atinge diretamente todos os policiais civis catarinenses e demonstra como querem fazer o papel ao qual se prestaram, vendendo nossa categoria a alguns “chefes”. O Sindicato dos Policiais Civis do Estado de Santa Catarina (Sinpol-SC), repudia tal medida e afirma que caso não haja uma solução pacífica para o caso, irá conclamar todos os policiais civis para juntos demonstrarem a insatisfação com o atual tratamento desigual e desumano ao qual estamos sendo submetidos.” Anderson Amorim Presidente Sinpol-SC, vice-presidente Cobrapol/Regional Sul

comentários

Comentários (12)

  • Manoel diz: 21 de outubro de 2014

    Boa tarde,

    Caro Jornalista e leitores, não é novidade, episódios semelhantes aconteceram em Palhoça, São José, Caçador, Lages…., desta forma Policiais Civis competentes são removidos ou melhor, como diz a chefia, REMANEJADOS, e quem perde com isso é a própria população. Esse é o modelo de “Meritocracia” que se instalou na PCSC.

  • Jaides diz: 21 de outubro de 2014

    É isso colegas sou RR. da PM e concordo com vcs pois sempre quem da a cara a tapa no enfrentamento são os guerreiros e quem geralmente fica por detrás da mesa se acha dono da situação e faz o que bem entende por conta do poder e acha que os policiais são apenas instrumentos e que são objetos.
    Parabéns. Fico feliz pois é assim que tem que ser unidos se nossas corporações fossem unidas também não seriam muitas vezes feito de escravos por pessoas sem respeito ao ser humano e pai de familia .Deus os abençoe.Sou sogro do filho do Jorge Borges Correa que trabalha ai em Floripa.Na Policia Civil. é isso ai irmãos vamos mostrar nosso poder ok .Abraço

  • Mario diz: 21 de outubro de 2014

    Desde a saída do Delegado Cláudio Monteiro da DRE não foi mais a mesma. Incrível como o Akira, junto com o Aldo Pinheiro conseguiram acabar com a melhor divisão do Deic. Inestimável o quanto a população perdeu, por um mero capricho ou cobiça de um Diretor. Nunca vi ocorrer mudanças numa divisão em que o nivel de produtividade se aproximava dos 100%.
    Alguém avisa ao Akira que time que esta ganhando não se mexe! Ele deu tiro no escuro, e agora vai colher pelo erro de sua incompetência. Se quer fazer politicagem Diretor, PEDE PRA SAIR e se candidate a um cargo eletivo, vamos ver quantos votos vc. consegue!

  • Francisco diz: 21 de outubro de 2014

    “Pra cabá”, enquanto isso o processo de promoção todo atrasado, sem perspectiva de se chegar ao ultimo nível porque não tem vaga e querem que o policial trabalhe de graça. Coisa de especialista mesmo!!!

  • Gustavo Fachinni diz: 21 de outubro de 2014

    Isso que está acontecendo na PCSC também acontece com a PF e em outras Polícias Civis do país.

    A PEC 51 está ai para modernizar a Segurança Pública. Cargo de Delegado de Polícia só existe em um país do mundo, o Brasil.

    Na verdade o nome não deveria ser “Delegado” e sim JULÍCIA. Não é Juiz e nem Polícia

  • fernando diz: 21 de outubro de 2014

    Policia e politica nunca deram certo, onde politico mete a mão só da m….. Tem servidor na PC que faz o que pode, com a estrutura medíocre que lhes é oferecida, tem uns que estão la como trampolim para um concurso melhor, tem gente da época que se entrava no serviço publico pela janela, quanto ao Monteiro, ninguém é insubstituível, outra coisa é que não a interesse do estado em aparelhar a segurança publica , porque quem mas perde são os próprios ” políticos enrolados” que são investigados, outra coisa, quanto mais violência melhor para para segurança privada crescer…

  • Vinicius diz: 21 de outubro de 2014

    Estão querendo acabar com a Policia Civil só não enxerga quem não quer.. varias aposentadorias acontecendo, efetivo ínfimo, mais de 8 mil classificados no ultimo concurso e só 400 vagas entre delegados e agentes.. obvio que alguma coisa não esta certa.

  • Eduardo Bastos diz: 21 de outubro de 2014

    Por isso tenho saudade da Ditadura. Existe uma política de esquartejamento das Polícias e uma política de muito amor e carinho para a bandidagem! Quem estará no comando da Segurança Pública? Será que a Segurança Pública é comandada de dentro dos presídios?

  • Indignado diz: 22 de outubro de 2014

    Quanto ao fato que ocorreu na DRE isso é só o começo dos confrontos Delegados x Agentes que virão em seguida, confronto esse incentivado pelo próprio governo quando aumentou ainda mais a diferença salarial entre as partes, desrespeitando e desmoralizando mais agentes e escrivães.
    Os delegados, nem todos, ganhando bem querem escravizar e tirar o sangue do policial. Só que o policial não é um simples número, é um ser humano.
    Aposentadorias vindouras e delegacias sucateadas reflete no visível desmantelamento da PC.
    Ainda há o problema das relações interpessoais, que me parece que é o caso deste Del. Fleury, que em tão pouco tempo de polícia criou inimizades por onde passou. Esperar o quê de um parente de Sérgio Paranhos Fleury!
    A PCSC não merece tal figura!
    O Diretor da DEIC e o responsável pela DRE acabaram com uma equipe que muito já fez pela família e pela sociedade catarinense. Talvez estes paulistas não liguem pra isso.

  • João diz: 22 de outubro de 2014

    Os atuais chefes da PCSC acham que a Polícia é deles. Do conforto de seus gabinetes dão ordens, determinam escalas inexistentes de sobreaviso, escravizam! Recusam pagamento de horas extras excedentes para quem tem ordem judicial para isto, como se estivessem acima da lei e do Judiciário. Mas esta restricão não é para todo mundo não. O portal da transparência esclarece isso. Aos amigos do rei, tudo!

  • Janaina Ferreira diz: 22 de outubro de 2014

    Lembro-me que a pouco era vinculado na televisão propaganda com o delegado Cláudio Monteiro, que “sozinho” apreendeu toneladas e toneladas de drogas pelo Estado. Hora, agora é a hora de mostrar toda a habilidade de um delegado de polícia, trabalha sozinho, vai lá, apreende toneladas e toneladas de drogas… Isso acontece com quem não sabe valorizar quem está ao seu redor, empresas privadas, e até organismos públicos não são feitos só de autoridades e chefias, é preciso valorizar a todos, não só a casta. Fica o recado…

  • André diz: 23 de outubro de 2014

    Não existe esta de prender sozinho, atrás de um Delegado está toda uma equipe de Agentes, escrivães e psicólogos, juntos formamos uma Equipe embora alguns esqueçam disto!! A polícia civil já foi uma família, e trabalhava em harmonia até que um projeto no ano passado aprovado na ALESC contra a classe e com protestos do SINDICATO, criou um abismo salarial entre a base e os Delegados. Hoje Delegados e Oficiais recebem salário de ministro do supremo e a base foi esquecida deixada para trás! As promoções estão atrasadas, processo arcaico e totalmente fora da realidade, falta de gestão e administração na PCSC!!!

Envie seu Comentário