Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Esta é a praia que você quer frequentar?

23 de outubro de 2014 23

Com trajes de banho e máscaras de oxigênio, os alunos do curso técnico em Meio Ambiente do Campus Florianópolis do IFSC fizeram na manhã desta quinta-feira (23) uma ação de educação ambiental na Avenida Beira-Mar Norte, na altura do Majestic Palace Hotel. A ação baseia-se na pergunta “Essa é a praia que você quer frequentar?”, e questiona a qualidade da água no local. O projeto, coordenado pela professora Cristiane Felisbino, chama a atenção para a situação da balneabilidade das praias, rios e mananciais da região da Grande Florianópolis. Segundo a professora, este cenário de poluição já está tão presente em nosso dia a dia que se considera normal a prática de exercícios e passeios em locais poluídos e contaminados onde, há algumas décadas, havia uma praia com condições perfeitas para a prática de atividades de lazer.

Leia mais:
::: Problema sem fim: 59% das ligações de esgoto em Florianópolis são irregulares

Foto: Ricardo Wolffenbüttel

Foto: Ricardo Wolffenbüttel

Fotos: Marina Empinotti

Foto: Marina Empinotti

untitled2

Foto: Marina Empinotti

Foto: Marina Empinotti

Foto: Marina Empinotti

comentários

Comentários (23)

  • souto maior diz: 23 de outubro de 2014

    Bela iniciativa e manifestação de altíssimo nivel.
    Parabéns aos organizadores e manifestantes.

  • Eduardo Piovesan diz: 23 de outubro de 2014

    É realmente triste que, apesar de morarmos em uma ilha, tenhamos que nos deslocar para tão longe do centro pra chegarmos até a praia. Bela iniciativa!

  • Marcelo diz: 23 de outubro de 2014

    Muito bacana a iniciativa do pessoal!!

    Poderiam ter convidado algumas autoridades para colocar suas narinas ali na beira-mar, talvez eles passem com seus carros com os vidros fechados e não sintam o cheiro de m…da que atinge toda a região.

  • sergio diz: 23 de outubro de 2014

    adorei , pena que não foi divulgado, senão eu iria participar

  • Maurice Stambouli diz: 23 de outubro de 2014

    O assoreamento da beira mar é o principal motivo de não permitirem a construção de marinas, hotéis, etc. (diga-se Ponta do Coral). Durante muitos anos foras despejados os dejetos e, se revoltearem este assoreamento, causará um tragédia ambiental. Uma solução teria sido (apesar de eu ser contra) a construção de emissários submarinos longos.

  • Matheus diz: 23 de outubro de 2014

    Bela iniciativa, estão de parabéns!
    E a professora tem toda razão quando fala que já estamos acostumados com esse tipo de situação.
    A prefeitura precisa tomar providências.

  • Revoltado diz: 23 de outubro de 2014

    Porque não convidaram o AMIN?

  • lizandra diz: 23 de outubro de 2014

    Galera, nao foi divulgado porque foi um trabalho de aula. E sim, convidamos algumas autoridades, mas os mesmos nao compareceram.

  • Tiago Muza diz: 23 de outubro de 2014

    Foi muito positiva a receptividade de quem passou pelo local! Com certeza estenderemos a ação para outras praias em situação crítica na região, como por exemplo os Ingleses e Canasvieiras.

    Faremos uma divulgação maior para que mais pessoas possam participar e ajudar!

  • Vanessa diz: 23 de outubro de 2014

    Infelizmente para o poder público de Florianópolis a questão ambiental parece não ser prioridade. Com órgãos ambientais defasados, deixando sempre o meio ambiente em segundo plano. Moramos em uma ilha que deveria ser referência mundial, mas pelo contrario deixamos muito a desejar. Empregos na área ambiental (técnicos ambientais) são escassos o que mostra descaso com nossa ilha. Profissionais não faltam! O que faltam são oportunidades! Palavras de uma Técnica Ambiental!!! #manifestaçõesdessetipotemquevirarrotina, com apoio de todos nós ambientalistas!!!!

  • Lais Cora diz: 23 de outubro de 2014

    É realmente uma pena o Estado não ligar para uma questão tão importante!
    A maioria das praias de Florianópolis já tem suas condições de águas poluídas, todos os anos, os comerciantes retiram as placas informando que trata-se de uma área poluída, não existem mais praias que seja apenas, o mar, a areia e a vegetação natural, todas, com raríssimas exceções são tomadas de bares e restaurantes imundos que sujam cada vez mais as praia de Florianópolis.
    É lamentável!

  • pedro paulo diz: 23 de outubro de 2014

    O Pessoal do IFSC, deveria ir em busca dos jornais e noticias… quando o Sr. Esperidião Amin, foi candidato a Prefeito de Florianópolis e tinha o Sr. Bulcão Vianna como seu vice… prometeu em sua campanha que no final da sua administração faria da despoluição da Bacia Sul… e inclusive iria tomar banho neste praia onde os alunos do IFSC hoje fazem sem belo e correto protesto…
    O Amin foi eleito… depois sua mulher… e a praia continua LINDA……

    Promessas e mais promessas….

  • Farta de Hipocrisia diz: 23 de outubro de 2014

    A Beira Mar Norte e a orla de Coqueiros são dois dos maiores exemplos de como a falta de educação e consciência dos moradores pode destruir o que a natureza tem de mais belo. Em Coqueiros desde a década de 1980 há rede de esgoto, desde a Praia do Riso até a Praia das Palmeiras, mas mesmo assim muitos moradores jogam seu esgoto na rede de captação da água da chuva, uma pena.
    Não adianta cobrar das “autoridades” como se esse não fosse um problema nosso, dos moradores. E a mesma hipocrisia da Lagoa da Conceição. Quem poluí a Lagoa? Os moradores da Trindade, dos Ingleses, de Biguaçu? Não, quem polui a Lagoa são os moradores e comerciantes DA LAGOA!

  • Max Sanear diz: 23 de outubro de 2014

    Boa tarde, ótima iniciativa da professora e dos alunos, manifestação adequada digna de país de primeiro mundo. Meus parabéns. Só pra deixá-los a par do assunto. Em 2007 em um trabalho feito por mim para conclusão, só que em Saneamento, na mesma escola técnica destes indivíduos. Fiz um monitoramento ambiental na região da ponta do coral, neste monitoramento foram feitas coletas da água do mar durante 3 dias em condições climáticas adversas, e todas as amostras indicaram que a qualidade da água estava tão comprometida naquela região, que a quantidade de coliforme de acordo com a legislação, não indicava nem o contato primário com o efluente. Quer dizer, que as pessoas não poderiam colocar sequer os pés na água, que o risco de contaminação era altíssimo. E com o levantamento de informações de pescadores da comunidade e associação de pescadores da ponta coral, foram colhidos relatos de muitos dejetos oriundos dos hospitais a montante, como seringas, embalagens de reagentes, camisinhas plásticos de variados tipos sempre foram recolhidos junto de suas redes de pesca e os mesmos relatos confirmavam que estes problemas já acarretavam mais de 20 anos. Contudo, imaginem o tamanho do descaso dos órgãos públicos perante a saúde de nosso povo. O quanto não é investido. Por quanto tempo a natureza e meio ambiente desta ilha vem sofrendo com o descaso e a falta de informação. Detalhe, a economia de Florianópolis é gerida pelo turismo, o mesmo que depende muito das condições em que o meio ambiente se encontra. até quando os almejados políticos irão dar as costas para esta problemática????

  • Roberto diz: 23 de outubro de 2014

    Quem nunca viu os esgotos transbordando pela cidade inteira? A verdade é que NÃO existe saneamento em Florianópolis, nem onde DIZEM ter esgoto, pois está sempre transbordando e indo para a rede pluvial. De lá adivinha pra onde vai?! Direto pro mar. E ainda cobram o ‘esgoto’ da população, como se fosse efetivo. Acabamos pagando por MAIS um benefício que não nos é entregue. Parabéns aos nossos administradores públicos e ‘representantes’ do poder municipal e estadual, estão todos de parabéns, bando de PORCOS.

  • Ivo diz: 23 de outubro de 2014

    Com a palavra o nosso ex-prefeito Esperidião Amin, que prometeu abrir um guarda-sol nesta linda e maravilhosa praia da capital catarinense.

  • revoltado com todos partidos políticos diz diz: 23 de outubro de 2014

    Podem ficar preparados quem tomou essa iniciativa digna de aplausos, vem retaliações, nossas otoridades, de todos partidos, não gostam de serem contrariadas, ainda bem que ainda existam pessoas preocupadas com o meio ambiente, porém temos que fazer a nossa parte, ensinando nossos, filhos, netos, lugar de lixo é no lixo. Quando faço com meu grupo caminhadas por diversas trilhas, tudo que achamos, plásticos e outras coisas deixadas por outros, temos o hábito de recolher, a natureza não possui braços e pernas.

  • roberto diz: 23 de outubro de 2014

    Pior é pagar tarifa abusiva de tratamento de esgoto, e o mar estar poluído…

  • ISTEPO!!! diz: 23 de outubro de 2014

    A SOLUÇÃO???

    SERIA FACIL SE TODO, ABSOLUTAMENTE TODO O POLITICO ELEITO FOSSE OBRIGADO A:
    1) EM CASO DE DOENÇA. SEU FILHO, NETO, PAI OU MAE..SO PODERIAM USAR O “SUS” “UPLAS”…
    2) SEUS FILHOS, NETOS..OBRIGATORIAMENTE DEVERIAM ESTUDAR EM ESCOLAS PUBLICAS…
    3) EM CASA DE IDADE DE CRECHES…OBRIGATORIAMENTE SEUS FILHOS, NETOS…DEVERIAM FREQUENTA-LA..(obs. comendo a mesma merenda..)
    4)USAR COMO MEIO DE LOCOMOÇÃO DA FAMILIA INTEIRA…O TRANSPORTE PUBLICO…
    5) FREQUENTAR AS PRAIAS (TIPO ESTA DA BEIRA MAR), OBRIGATORIAMENTE COM..”.IMPROPRIA PARA BANHO “…DEIXAR SEUS FILHOS, NETOS…SE BANAHAREM LONGAMENTE E DELICIOSAMENTE…
    OLHA….JA ME CONTANTARIA…..
    NAO TINHA 1 QUE IA QUERER..(desses que estão ai…)
    POR FIM O QUE ESPERAR DESTA RAÇA…QUE MUDA DE PARTIDO COMO MUDA DE ROUPA…!!!

  • Luis diz: 23 de outubro de 2014

    O estágio civilizatório de uma sociedade é medido muito pelo que ela faz com seus resíduos. Os nossos, jogamos nas ruas, nos rios, nos mares…e nas urnas!

  • Ernesto São Thiago diz: 23 de outubro de 2014

    Há culpados por todo lado, mas a falta histórica, há décadas, de efetiva fiscalização sobre concesionária (CASAN) e usuários (todos nós) tem um único responsável: a Prefeitura. Não há planejamento sanitário que vença, por exemplo, as construções informais que surgem às dezenas, todos os dias, na cidade.

  • Onda Limpa diz: 24 de outubro de 2014

    Além de toda a problemática envolvida, quando pessoas voluntariamente se organizam para tentar reverter o problema não recebem nenhum apoio do poder público. Eles só tem interesse pelo que vai render algo á eles, logo o que lhes interessa é somente ramo imobiliário.
    O capital que movimenta a máquina pública, a maior parte vem do turismo que depende quase que exclusivamente do meio ambiente!!!
    Então fica a pergunta: Por que a falta de investimento na área ambiental?
    Os órgão públicos ambientais estão defasados…poucos funcionários, para muitos problemas!

  • Itamaragiba Rodrigues diz: 27 de outubro de 2014

    Queridos colegas, como trabalho de aula creio que a manifestação foi valida. Entretanto, ao meu ver, a questão ambiental esta sendo tão banalizada que esse tipo de ação gera apenas manifestações de apoio e nada mais. Longe da critica vazia e oportunista, gostaria de contribuir para gerar na comunidade do desterro uma vontade de ação para solucionar problemas ambientais como este do esgoto, do lixo, da falta de água, da grande concentração populacional na Ilha; e por tabela as questões com a saúde, as doenças advindas de um consumo de uma alimentação, no mínimo inadequada, que não apenas gera doenças, mas que obriga as pessoas a manterem hospitais, planos de saúde, farmácias e laboratórios lucrando com desgraça alheia. Desde que comecei a trabalhar com o meio ambiente ( 1984 ), sempre tive muito presente a questão da conscientização ambiental junto com ações coercitivas, por que essas também conscientizam. A verdade é que o meio ambiente nunca fez parte de nenhuma agenda politica séria de nenhum governo no Brasil, nenhum. Caso contrario, não teríamos esgotos escorrendo para rios, lagos, praias e o próprio oceano ( emissários submarinos), a população já estaria desde há muito tempo separando seu lixo e até diminuindo e influenciando as empresas a melhorarem e produzirem coisas menos poluentes e agressoras à natureza, comeríamos menos agrotóxicos etc. Porém chegamos em um ponto que nossa legislação em parte é boa, e exige tomadas de decisões, não só dos políticos, mas de cada um de nós, seja fazendo a nossa parte, seja motivando os outros ao nosso redor. Tenho pra mim que cada um que é tocado pela sensibilização ambiental, tem como função orgânica sensibilizar o outro, de forma simples fazendo sua pequena parte. Como Técnicos Ambientais que somos, nossa tarefa primordial está dada, defender a preservação da vida em primeiro lugar, usando todos os meios tecnológicos para isso, seja trabalhando em uma empresa privada ou no poder público. E digo mais, a lei maior é a lei da vida. Se o poder público não cumpre a lei sabemos o que fazer, se há esgoto infectando e poluindo os mananciais, praias e mangues da Ilha sabemos o que fazer. Portando nossa manifestação não deve ser apenas, e digo apenas porque volto a questão inicial respeito o trabalho de sala de aula do ITF e da professora, de caráter de escola de ensino médio, mas sim de um Instituto que sabe do que esta falando e tem autoridade, tanto para pressionar autoridades governamentais quanto a população e questionar as ações tomadas ou não. O problema da “praia” da Beira Mar Norte, não é só o cheiro, mas a contaminação das águas que podem gerar doenças em quem se expuser ali de calção de banho, biquíni etc. São os metais pesados também que contaminam peixes e toda a cadeia alimentar ali presente. E, em se tratando de um espaço turístico ( embarque de turistas para passeios) deixa a desejar as pessoas sentirem aquele cheiro de esgoto ali bem pertinho do atracadouro. Já os moradores da região estão protegidos desse cheiro pelos aparelhos de ar condicionado, totalmente anti-ecológicos. Parabéns pela aula aberta realizada ali, ao meu ver muito produtiva, pois aprendemos muito melhor “in loco”. Me coloco a disposição de qualquer aluno, professor, líder comunitário etc, para agirmos no sentido de influenciar mudanças positivas na Bela Ilha de Santa Catarina. Itamaragiba Rodrigues, Ecologista, técnico ambiental, recém chegado ( 15-10-2014) de Porto Alegre para morar aqui.

Envie seu Comentário