Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Carta de delegado critica ações da PM e Associação dos oficiais repudia manifestação

27 de fevereiro de 2015 77

Manifesto está circulando na rede interna da PC e tem recebido inúmeras manifestações de apoio dos colegas da Polícia Civil catarinense. Confira a íntegra abaixo:

Causou estranheza fato ocorrido no sul de Santa Catarina, quando um Delegado de Polícia deu voz de prisão a quatro soldados da Polícia Militar catarinense e a seu comandante, um tenente-coronel.

Estranheza pela coragem da Autoridade Policial, já que posturas desse tipo não são comuns no estado.

Por outro lado, não surpreende, nem um pouco, a postura dos policiais militares.

Não surpreende a agressividade dos soldados contra um sujeito que furtou dois míseros frascos de repelente de um mercado. Resolveram, como é de praxe entre eles, açoitar o criminoso em repúdio a sua conduta delinquente.

Não surpreende o desrespeito na postura adotada pelos policiais militares, comandante inclusive, dentro de uma Delegacia de Polícia. Isso, ressalta-se, vem de tempos. E, ainda que não denote uma postura institucional, vem ocorrendo reiteradamente, de modo que não pode mais ser considerado um fato isolado.

As relações entre Polícia Civil e Polícia Militar do Estado de Santa Catarina não são boas já há muito tempo. Ainda que haja um esforço conjunto entre as direções das instituições para acobertar as diferenças e desentendimentos, fato é que as polícias catarinenses não convivem harmonicamente.

Há, por certo, bons relacionamentos pessoais entres os policiais, mas a frequência com que os atritos vêm ocorrendo é alarmante.

A Polícia Militar adota uma postura arrogante e prepotente. Invade atribuições, se escora numa superioridade numérica e bélica para impor sua vontade. Não deixa margem para contraponto. Não há espaço para questionamentos relacionados à conduta dos integrantes daquela instituição. Caso contrariados, partem para agressões verbais e até físicas.

Isso não é novidade, casos recentes e contundentes comprovam e contradizem a versão enfeitada divulgada pelos milicianos.

A Polícia Militar e a associação representativa de seus oficiais não têm o que repudiar na conduta do Delegado Leandro Loreto. Quem repudia a postura arrogante e desvirtuada de princípios éticos, morais e constitucionais dos milicianos é a sociedade e toda a comunidade jurídica.

Em nota, a ACORS faz uma comparação insensata com porões da ditadura, criticando fala da Autoridade Policial. Fato é que hoje em dia a prática de abusos físicos é comum nas fileiras da PMSC, como já foi em tempos passados.

E não se discute nem os absurdos procedimentais perpetrados pela ultrapassada instituição.

São essas condutas e posturas que sustentam e dão corpo aos cada vez mais fortes anseios pela extinção das polícias militares em todo Brasil, partindo do princípio que militarização só cabe às Forças Armadas.

O Delegado Leandro Loreto tem apoio de todos os seus colegas Delegados de Polícia de Santa Catarina, por sua louvável e equilibrada postura, adequada a todos os princípios legais que norteiam as atividades de Polícia Judiciária e Segurança Pública.

Castigo físico não é meio de punição aceito em nosso ordenamento jurídico. É crime. Por isso a voz de prisão foi acertada. Se o tenente-coronel comandante fosse equilibrado, e estivesse em seu melhor juízo, teria apoiado o Delegado e tomado as devidas providências contra seus subordinados. Não o fez. Ao contrário. Agiu toscamente e deixou claro todo o seu despreparo.

Os Delegados de Polícia de Santa Catarina reafirmam apoio ao seu colega, e ao acerto de sua decisão. Correto em todos os sentidos jurídicos e sociais.

Os Delegados de Polícia de Santa Catarina manifestam e reforçam sua postura de defender os direitos de toda a sociedade catarinense, sua postura de agir dentro dos limites legais, impondo o rigor da lei a todos sem distinção, sem abusos, sem tolerar corporativismos, atuando na linha de frente e nos bastidores da segurança pública deste estado.

A Polícia Civil catarinense é respeitada nacionalmente por sua capacidade técnica e operacional, por seu profissionalismo, por sua imparcialidade, e não deixará que sujeitos e instituições envergonhem a sociedade catarinense com abusos e atrocidades. A Polícia Civil

não deixará que a população seja manipulada por informações falsas e tendenciosas, sendo levada a um retrocesso jurídico perverso e egoísta.

Defendemos que cada instituição tem seu papel definido em lei, e que essa lei deve ser respeitada em todas as situações e circunstâncias, não podendo ser mitigada de acordo com interesses individuais ou de grupos alheios ao bem estar público.

Ontem um mero ladrão de repelentes, um policial; num passado mais distante um surfista, um pai de família, um trabalhador, outros policiais… Quem será a vítima amanhã?

Não permitiremos que os oficiais da Polícia Militar e seus subordinados mantenham a população refém de suas arbitrariedades e entendimentos particulares. Lutaremos pela Lei e pela Justiça, mesmo com o risco da própria vida!

Rodolfo Farah Valente Filho

Delegado de Polícia Civil de Santa Catarina
Delegacia de Polícia da Comarca de Mafra
Delegacia Regional de Polícia de Mafra
ASSOCIAÇÃO DOS OFICIAIS DA PM REPUDIA CRÍTICAS DO DELEGADO
A Associação dos Oficiais da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina – ACORS manifesta à sociedade catarinense e à mídia sua indignação e repúdio às ações e declarações do Delegado Leandro Loreto, em virtude de desentendimento ocorrido na Delegacia de Laguna entre ele e as guarnições da PMSC, em 25 de fevereiro de 2015. 
Inicialmente, ressaltamos que a ACORS está acompanhando atentamente o episódio e já mobilizou sua Assessoria Jurídica a fim de prestar total apoio ao Tenente Coronel Jefer Francisco Fernandes, que prontamente atuou em defesa de seus Comandados, respeitando a lei e repelindo arbitrariedade perpetrada pelo Delegado.
É importante esclarecer que entendemos a postura do Delegado Loreto como uma ação individual e isolada, que não reflete a relação institucional harmoniosa que vigora entre a Polícia Militar e a Polícia Civil, ou mesmo entre Oficiais Militares Estaduais e Delegados de Polícia. O fruto dessa relação impacta positivamente nas atuações de Segurança Pública em nosso Estado, o que faz de Santa Catarina o Estado mais seguro do País.
Já  o referido Delegado, ao agir de maneira hostil e arbitrária contra os Policiais Militares que atendiam a uma ocorrência, vem na contramão da moderna doutrina de polícia, a qual incentiva a atuação profissional e sistêmica das diversas corporações e agências de segurança pública, buscando proteger a vida, o patrimônio e os direitos de todos os cidadãos.
Nossos policiais militares foram, em tese, desrespeitados, constrangidos e vítimas de abuso de autoridade em ação desproporcional aos fatos do episódio.
Em suas declarações ao portal G1, o Delegado Loreto foi infeliz ao remeter o fato ocorrido a uma postura estatal, portanto, institucional, chegando à ignorância histórica de dizer: “É uma atitude impensável que remonta a ditadura. Não é um caso isolado, é reflexo de uma postura estatal”. Deveria o douto colega tomar conhecimento de que os porões da ditadura no Brasil não aconteciam em quarteis da Polícia Militar. Tais declarações demonstram fraqueza intelectual que se rende a um discurso raso, vazio e preconceituoso.
Não nos surpreende a postura adotada pelo Delegado, no caso concreto, visto em outros episódios ter se portado de maneira similar nas relações com outros policiais.
A Polícia Militar de Santa Catarina é respeitada e reconhecida em todo o Brasil pelo seu alto grau de profissionalismo, seja em sua estrutura organizacional ou mesmo na atuação gerencial e operacional de seus homens e mulheres que atuam na linha de frente. Todo esse episódio envergonha a Segurança Pública Catarinense.
Defendemos a apuração completa e profunda do episódio, como forma de esclarecer à sociedade catarinense e de garantir a preservação dos direitos de todos os envolvidos. Dessa forma, manifestamos nosso repúdio a qualquer forma de violência ou violação de direitos, sejam eles dos presos durante os atos administrativos de ofício, sejam dos profissionais de segurança pública que atuaram no episódio.
A ACORS, entidade legítima de representação dos interesses dos Oficiais Militares Estaduais catarinenses, continuará sendo a voz ativa e incessante em quaisquer circunstâncias e contra o jugo daqueles que contribuem para a insegurança da sociedade catarinense.
“… mesmo com o risco da própria vida!”
Florianópolis, 26 de fevereiro de 2015.
Diretoria da ACORS

 

comentários

Comentários (77)

  • Marcel diz: 27 de fevereiro de 2015

    A manifestação não é DO DELEGADO que a subscreve, mas de todos os Delegados de Santa Catarina!

  • Rodolfo Farah Valente Filho diz: 27 de fevereiro de 2015

    Prezado Rafael, eu e todos os Delegados de Polícia de SC somo gratos pela divulgação desta nota. Mas gostaria de esclarecer que texto não é meu, é do grupo. Apenas me incumbi de enviar o arquivo aos canais competentes.
    O posicionamento é de todo uma classe que não concorda em coadunar com arbitrariedades de outras instituições apenas por corporativismo, como indica a Acors.
    A Polícia Civil e sua atividade se pautam pela imparcialidade, pela ética e pela Justiça. Não aceitaremos abusos contra a sociedade nem contra nossos integrantes.
    Essa é uma posição institucional. Ainda que não esteja autorizado a falar pela Instituição, esses princípios são incontroversos.
    A manifestação em repúdio à falta de providências no caso em questão, e quanto à manifestação equivocada e grosseira da Acors, é de todos, não só minha. Agradeceria se a sua nota fosse corrigida nesse sentido.
    Atenciosamente,

    Rodolfo Farah Valente Filho

  • Jeferson diz: 27 de fevereiro de 2015

    Essa manifestação representa a indignação de todos os Delegados de Polícia de Santa Catarina

  • Ronnie diz: 27 de fevereiro de 2015

    Apenas para deixar claro, a decisão foi da maioria dos delegados, e não só do colega Farah.

  • ilha da baderna diz: 27 de fevereiro de 2015

    Por que os soldados envolvidos e até esse “oficial” não vão dar uma porrada em políticos ladrões que estão levando o nosso dinheiro? O nosso estado e o Brasil estão cheios de incompetentes assumindo cargos políticos e funções dentro do Estado. Já não é a primeira vez que tal fato acontece, estamos entrando em uma ditadura, onde policiais não respeitam a “casa ” dos colegas e depois querem respeito. Delegado ” côco ” roxo, como muitos na PC não tem. Quem sabe agora tomem uma providencia ou vão sair no tiro cruzado como aconteceu em SP. O crime organizado, que realmente está organizado, deve estar dando gargalhadas.

  • Eduardo Bastos diz: 27 de fevereiro de 2015

    Porões da Ditadura? Quem tem coragem de continuar esta ladainha, quando vemos hoje os terroristas de ontem lesando a Pátria, perpetrando roubos, falindo a empresa símbolo do Brasil! Quanto ao atrito entre estas polícias é função de um comando fraco na Segurança. Se fosse um Erasmo Dias no comando da Segurança, duvido que haveriam estas querelas.

  • Jaison diz: 27 de fevereiro de 2015

    Quem lê assim é o paladino da Justiça…
    Pobre coitado! Apenas mais um…

  • Rafael diz: 27 de fevereiro de 2015

    Os casos de abuso de autoridade que a Polícia Militar comete é muito comum.Já aconteceu comigo mais de uma vez, e várias pessoas que conheço.São arrogantes, da nojo e revolta.E tem outra coisa que me revolta, quando são conhecidos dos PM, tem algumas regalias.Ex no Aeroporto de Fpolis, se é conhecido do PM, pode estacionar onde quiser.Isso acontece em muitas cidades pequenas tb.Nojo dessa raça, nojo de Policial Rodoviário Federal tb, que se acham os Deuses.Obs, meu pai é PM aposentado.

  • Benedito diz: 27 de fevereiro de 2015

    O pior é que, como diz o mané, na briga entre a maré e o costão, quem leva no c. é o marisco.

  • jaison diz: 27 de fevereiro de 2015

    ja pensou se havessem mais delegados como estes. Estariamos numa era apocaliptica onde nao poderiamos nem sair de nossas casas. Se nao fosse a policia militar Santa Catarina ja teria se transformado no Rio de Janeiro. Inversao de valores, vitima e policiais detidos e bandido rindo da cara da sociedade

  • Daniel diz: 27 de fevereiro de 2015

    Penso que os delegados deveriam se preocupar mais com a Instituição Polícia Civil que está a míngua. Em várias cidades o povo só consegue achar um policial civil das 13h às 19h e ainda é mal atendido. Enquanto isso a “truculenta e malvada” PM está na rua 24h PROTEGENDO a sociedade.

  • Steve diz: 27 de fevereiro de 2015

    Rodolfo Farah não seria um delegado que teve “problemas” com uma guarnição da PM em Joinville quando estava meio alterado em um Golf preto com placas de São Paulo e, após abordado, apontou sua pistola para os policiais – sem se identificar – sendo algemado, inclusive?

    Se isso ocorreu, ele deve ser bem fã da PM, não?

  • armando conceicão moreira diz: 27 de fevereiro de 2015

    Briguem, briguem, briguem…. Enquanto vossas senhorias discutem e lavam a roupa suja em público toda a sociedade clama por segurança. Quantos policiais vemos em desvio de função, lotados em “feudos” o Detran com os PCs a Casa Militar do desgovernador com mais de 200 Pms, fora assembleia câmaras, tribunais ministério publico.
    Senhores briguem para ter seu efetivo, briguem pelo coletivo pela sociedade, briguem nos bastidores, mas eu vos clamo, nos deem segurança

  • Marco Antonio diz: 27 de fevereiro de 2015

    Tá com dó de bandido, delega? Leva pra casa e dá suco de aveia com mel pra eles. A lei deve ser respeitada. Quem rouba um tostão pode roubar um milhão.

  • otavio diz: 27 de fevereiro de 2015

    Por que não falam com o proprietário do estabelecimento que foi furtado e vejam o que ela pensa!!!ele faz parte da sociedade!!!e repudiou a ação desse delegado!!!quantas vezes vemos bandidos saírem da delegacia antes dos policiais militares e ainda rindo da cara da sociedade!!!acorda povo!!!esse comerciante ficou do lado dos PMS!!!porque ele sabe o que aconteceu!!!

  • Sandro Roberto França diz: 27 de fevereiro de 2015

    Todo o “sistema”, ou melhor dizendo, a “sociedade”, está falida. Devido a corrupção generalizada, desenfreada e contagiosa que faz com que tudo seja fadado ao caos, onde todos os nossos mais caros impostos do mundo que pagamos religiosamente são para o usufruto e benesses de “poucos”, é compreensivo que um delinquente contumaz se torne vítima. Pois, como diz a música: “Que país é esse…” E assim caminha a humanidade…

  • Alex diz: 27 de fevereiro de 2015

    Apesar desse caso em tela, ser uma exceção, o comportamento da Policia Militar, é rotineiramente, truculenta e desrespeitosa com todos em uma ocorrência. Tenho vários colegas que são pm, porém, por diversas vezes tive que “contar até dez” para que a situação não chegasse a um extremo, como esse que ocorreu. Os piores, são os Oficiais da PM, insistem em achar que são autoridades. NÃO SÃO E NUNCA SERÃO. Querem esse titulo? Façam concurso para PC! Esses mesmos oficiais deveria dar o exemplo, deixando de lado o corporativismo e cumprindo seu maior mister: “Proteger e Servir”. A sociedade clama pelo fim da PM, ou pelo menos, a sua desmilitarização. Ninguém aceita mais tamanho asco, trazido da ditadura. Entendam o novo conceito, aceitem ou sejam extintos. Os que aceitam, mais uma vez: Façam concurso para Policia Civil do Estado de Santa Catarina, serão bem vindos. #prontofalei.

  • Fabiano Correia diz: 27 de fevereiro de 2015

    As modernas doutrinas policiais orientam que nunca se agride um preso rendido e algemado, sob pena de abuso. Fazer isto dentro de uma delegacia ou de um Forum eh escarnio com as leis e autoridades civis de um Estado de Direito.
    Louvavel a postura do Delegado, pois cumpriu seu dever e nao fez vistas grossas como o fazemfazem outros delegados, juizes e promotores.

  • Delegado Ronnie Esteves diz: 27 de fevereiro de 2015

    Mais um caso “isolado” envolvendo a Polícia Militar de Santa Catarina!
    Não se pode mais admitir esse tipo de conduta autoritária, arbitrária e ilegal. Infelizmente, atitudes como essa se repetem diariamente pelo estado. Esperamos, sinceramente, que haja punição exemplar, administrativa e criminalmente, para o oficial e seus subordinados, pois do contrário algo de pior pode acontecer num futuro próximo.

  • Delegado Sérgio Roberto de Sousa diz: 27 de fevereiro de 2015

    Absurdo! O Colega Delegado Dr. Loreto agiu dentro do estrito cumprimento do dever legal, fazendo cumprir, acima de tudo, as normas da Contribuição Federal e ainda ter sua conduta distorcida por um agente público, o qual deveria dar exemplos e fazer cumprir as normas. Lamentável a conduta do referido Tenente Coronel. Me solidarizo plenamente com Dr. Loreto, parabéns ao colega Delegado pela conduta iliba e profissional que praticou no exercício da função, na proteção dos direitos dos cidadãos catarinenses.

  • Adelino Renuncio diz: 27 de fevereiro de 2015

    Minha homenagem a polícia militar de Santa Catarina! Graça a Deus ainda não se deixou prostituir por influências econômicas ou políticas. Todo o apoio para que continuem se fazendo respeitar. Que o soldado se sinta apoiado pelo seu comandante…É fácil para quem está fora, criticar aquele que deve manter a ordem no meu dessa malandragem cheia de direitos, respaldada por grupos de “politicamente corretos”, que são o maior mal da terra. Alguem que esteja trabalhando, exercendo sua liberdade honestamente, foi maltratado pelos militares ontem ou hoje?? Lixo tem que ser enterrado, vivo ou morto! Sugiro: faça uma enquete na sociedade qual a organização é aprovada entre as duas. Parabéns coronel, não se deixe intimidar por moscas!

  • silvio gomes filho diz: 27 de fevereiro de 2015

    A acors está em seu papel classista,ou seja,mais corporativista em defender o indefensável,acatando sugestáo desta entidade o momento é oportuno para a sociedade e o jornalismo sério e corajoso pesquisar em todo estado que as arbitrariedades dos militares sáo recorrentes e rotineiras,náo sendo fatos isolados.um momento também oportuno para discutir o fim do militarismo na Seguranca Pública,em especial em SC onde os fatos sao acentuados e criaram a figura do militar jurídico

  • silvio gomes filho diz: 27 de fevereiro de 2015

    complementando meu comentário anterior,parabéns ao jornalista Rafael Martini pela coragem em disponibilizar este espaco democrático e também ao Dr Farah pela lapidar manifestacáo acatando pedidos dos seus colegas Delegados de Policia

  • silvio gomes filho diz: 27 de fevereiro de 2015

    o Dr Farah atendeu pedidos da maioria doS Delegados de Policia meus parabéns por dizer o necessário

  • Oficial diz: 27 de fevereiro de 2015

    Aposto q a PC trabalha pra caramba. Qdo o marginal chega na DP, ele já foi contido pela PM. Aí dá, no ar condicionado, pra fazer um juízo de valor e querer chamegar o vagabundo, além de crucificar o Puliça. Bando de PTista. Pergunta para o dono da mercearia se a PM trabalhou mal. Por sinal, ele já escreveu no Face, questionando a atitude da PC e elogiando da PM. Tem q botar esse caras para participarem do ostensivo durante 1 ano, pegar todos os tipos de ocorrência no calor dos acontecimentos. Daí vão querer engrossar o caldo com os indivíduos em conflito com a lei. Tem um DelPol que fez BO contra os seus superiores…..vergonha.

  • Paulo diz: 27 de fevereiro de 2015

    Há graves problemas de condutas em todos os seguimentos de nosso Paìs, e Estado. Não será desta forma que vamos desfilar nossas autoridades. Todos os rumos precisam ser repensados, eu digo todos!

  • sergio murilo garcia diz: 27 de fevereiro de 2015

    Concordo com o ilha da baderna, nessas horas o ideal é soltar um boi “brabo” e com o galho bem grande dentro da DP ou dos quarteis, para acabar com essa aberração institucional. VOTO NULO JÁ

  • marcos halliday diz: 27 de fevereiro de 2015

    Somente a Polícia Civil era “porões” da ditadura? kkkkkkk. É mesmo para ter temor desse discurso; basta nomear quem eram os “milicos” “delegados” nos dops, secretários “coronéis” “comandando” a SS”I”, a policia federal e outros. A”corja” deveria ter vergonha disso tudo; vocês são milicos saudosos do tempo que não havia “a ideia” de segurança pública para proteção da sociedade; o Estado não são vocês; o Estado somos nós; vocês são uma excrescência constitucional desde 1932; são, sim, filhotes da ditadura militar, mantidos nos mesmos privilégios de força repressora contra o povo, usurpadores de competências, com capa de legitimidade desde a constituição de 88, pois lhes faltou um norte no estado democrático de direito.

  • jaison diz: 27 de fevereiro de 2015

    ja pensou se houvessem mais delegados como estes, estaríamos numa era apocalíptica onde não poderiamos nem sair de nossas casas. se não fosse a policia militar, santa catarina ja teria se transformado no rio de janeiro. inversão de valores, vitima e policiais detidos e o bandido foi liberado pelo nobre delegado e saiu rindo da cara da sociedade e de cada um de voces que comentou esse post, temos que valorizar os policiais militares e civis ou voce ja viu algum delegado correndo atras de bandido, se apoiam tanto a atitude do delegado quando forem vitimas de qualquer tipo de crime contente se em ficar so com o boletim de ocorrencia na mao e sem nenhum retorno ou empenho de alguem que corra atras de justiça para a sua perda

  • sergio murilo garcia diz: 27 de fevereiro de 2015

    SE FOSSE UMA UNICA POLÍCIA, NADA DISSO TERIA ACONTECIDO. IMPEACHMENT JÁ.

  • Delegado Procópio diz: 27 de fevereiro de 2015

    O manifesto do Colega Delegado Farah tem meu irrestrito e total apoio! Assino embaixo!

  • Antonio diz: 27 de fevereiro de 2015

    Santa Polícia Militar, retirem ela das ruas por um dia apenas e depois veremos os resultados!

  • Valder diz: 27 de fevereiro de 2015

    Coisas de uma polícia palaciana. E o grupo liderado pelo delegado Rodolfo Farah está coberto de razão. Em tempo de pouco efetivo e outras más condições de trabalho, é contraprodutivo para o policial perder tempo com ações que não colaboram para a eficiência da atividade policial. Ou se otimiza a polícia e se abandona procedimentos de atraso, ou pagamos com muitas ocorrências novas no nosso quintal.

  • Diego Emerson Lopes diz: 27 de fevereiro de 2015

    Lamentável a atuação do Oficial, mas o que temos hoje é muito além de uma “autoridade” que acha-se acima da lei, temos policiais sobrecarregados e desvalorizados tanto na Policia Militar quanto na Civil que atuam 24h por dias 7 dias por semana em todos os dias do ano colocando suas vidas a disposição da sociedade e vivendo momentos e emoções que só eles sabem. É tão fácil julgar apontar e criticar nossa sociedade tem uma cultura que nos faz acreditar que a Policia Militar é totalmente corrompida e criminosa, algo que sinceramente não acredito, temos sim e muitos bons policiais trabalhando todos os dias fazendo o melhor possível para cumprir seu dever, mas estes, há estes podres homens esquecidos, pois se fazem seu trabalho bem feito não fizeram mais do que obrigação mas se cometerem um erro apenas pronto, acabou não terão perdão e jamais se esquecera do seu erro, pois são bandidos, criminosos, corruptos, ditadores, fascistas, torturadores. Quisera eu que nosso povo tivesse este mesmo ímpeto para criticar, julgar, e lembrar dos crimes e erros cometidos por nossos governantes ai sim chegaríamos a algum lugar.

  • João da Silva diz: 28 de fevereiro de 2015

    Caro Martini e leitores desse conceituado blog,

    Interessante seria se o discurso do Delegado Farah fosse compatível com suas ações. Vejam a notícia abaixo dada aqui no Clicrbs:

    http://anoticia.clicrbs.com.br/sc/noticia/2012/10/homem-leva-tiro-durante-suposta-abordagem-policial-na-br-101-em-balneario-picarras-3927587.html

    Explica aí Delegado Farah, 03 tiros em um trabalhador por causa de uma “fechada” no trânsito. Que técnica é essa? Em que manual ou doutrina policial/direitos humanos vc aprendeu isso?

    Explica tb o fato de vc ser preso em uma barreira policial em Joinville?

    Explica tb a tentativa de suicídio.

    Explica suas fotos mostrando a Bunda p radar de velocidade.

    Quem é PC conhece vc. Tenha vergonha na cara! Fale por vc!

  • Luciano diz: 28 de fevereiro de 2015

    Devemos analisar com cautela devida, sobre a situação em questão, a qual denomino como fato isolado. As policias civil e militar tem envidado esforços para trabalhar, cada qual com suas competências, visando um melhor atendimento a população que tanto carece de segurança pública. Cada uma das policiais tem sua historia e origem, e, apesar de ambas praticarem segurança pública, infelizmente é notório que existem ainda nos dias atuais algumas divergências internas que maculam, às vezes, uma melhor prestação de serviços a sociedade, divergências essas praticadas pelas cúpulas, pois, nos geral vejo um relacionamento de respeito. Vejo uma luta de egos. A cúpula da PC acusa os PMs de usurparem as suas funções, porém nunca vi a policia militar investigarem nada, exceto quando para procedimentos administrativos. Fazer levantamentos e descobrir onde existe o crime é função da PM (policiamento ostensivo com prevenção e repressão). Já a cúpula da Policia Militar acusa os policiais civis de atuarem ostensivamente, com viaturas caracterizadas e procedendo abordagens a pessoas na rua. Eu na minha ignorância toda percebo todo dia que alguns policiais tanto civis como militares se deixam levar com essas brigas de interesses, meramente pelo seu ego. E quem sofre é a comunidade. Ao meu ver o ocorrido não deve servir de parâmetro geral. E novamente a mídia intercede para gerar um caos entre essas excelentes corporações.

  • Daniel santos diz: 28 de fevereiro de 2015

    “Ultrapassada instituição”? Quando precisarem de apoio operacional chamem o Batman.

  • Rui diz: 28 de fevereiro de 2015

    Da nojo é de vcs que só tiram plantão e quando são chamados,se esquivam de se deslocar até a delegacia, mandando confeccionar TC quando muitas vezes é PF.Os srs é que são culpado de muitos vagabundos roubando e matando.

  • Jorge Cambará diz: 28 de fevereiro de 2015

    Isso mostra a falta de comando na Secretaria de Segurança Pública de SC.
    Ah, ditadura é o Lula falar que o único exército no país é o dele.
    É o sistema bolivariano, assim como na Venezuela, consolidado no Brasil.

  • Adriano diz: 28 de fevereiro de 2015

    Caro Martini,
    A manifestação acima foi produzida por um grupo de delegados, para ser mais exato, por mais de 100 delegados, os quais repudiam totalmente as arbitrariedades que vem sendo cometidas por alguns policiais militares (minoria), sob o pretexto de que há uma “guerra” contra a criminalidade, e em guerras, como é notório, vale tudo.
    Por fim, mais uma vez, reiteramos, os Delegados de Polícia Civil são os primeiros garantidores dos direitos do cidadão, nossa função não é apenas prender, é também, evitar que abusos e prisões ilegais aconteçam.

  • Cel Quadros diz: 28 de fevereiro de 2015

    Me parece que os Delegados também estão sendo corporativistas, pois com certeza não se informaram corretamente do que aconteceu e acreditaram piamente nas palavras do delegado de Laguna, sabemos que nas duas corporações há maus e bons policiais e que algumas vezes um ou outro acaba se perdendo. Conheço muito bem o Ten Cel envolvido no caso, e além de muito competente, sempre foi muito comedido nas suas colocações, é uma pessoa de fino trato, por isso vamos esperar a apuração dos fatos para ver quem é quem nesta história. Quanto ao Rafael, se você tem algum problema com um ou outro Policial Militar Ou Rodoviário Federal, acho que você não deveria estender isso a todos, incluindo ai seu velho pai. Também ao longo da minha carreira já tive problemas com Policiais Civís, mas nem por isso tenho nojo de todos, muito pelo contrário, tenho grandes e valorosos amigos dentro da Polícia Civil, e são muitos. Acho que colocações intempestivas não levam a nada, só aumentam os problemas que já são muitos para gerenciarmos no nosso dia a dia.

  • Janaina Ferreira diz: 28 de fevereiro de 2015

    Abuso de autoridade dos “garantidores dos direitos individuais”! Esses caras, “Doutores delegados”, gostam tanto de fazer inquérito em situações de flagrante apresentadas nas DPs pelos PMs, porquê assim não o fez também nessa situação? Pura arbitrariedade. Digitam aqui como se fossem tão probos quanto Jesus Cristo, mas se esquecem que para ganharem um salário barganha com o Governo do Estado, deixaram de indiciar figuras públicas no caso do desvio de peças da SSP, jogo do bicho da Grande Florianópolis, “roubo” de verba pública de Ilhota, e por ai vai…. Viva a sacanagem pública, praticada por aqueles que “têm” poder…

  • Juliana diz: 28 de fevereiro de 2015

    Sr Rafael, cuspindo no prato que comes?

  • SILVIO RODOLFO OLIVEIRA diz: 28 de fevereiro de 2015

    Pode até ser que este fato pode ter ocorrido, mais com certeza, existe Policiais Civis que se enquadram nessa carta de desabafo dos Delegados de Policia.
    Não existe Santos em abas as partes, pode ter certeza, não dou razão também, não estava presente, é estranho a quantidade de Delegados apoiando esse manifesto, sem que os fatos tenham sido apurados.

  • Raimundo Antonio Loch diz: 28 de fevereiro de 2015

    Lamento a postura de ambos os lados um se valeu da oportunidade e castigou o vagabundo (defendido pelo delegado) que não deveria, só cabe a aplicação da lei, pq este pais o vagabundo leva vantagem, o ladrão deve estar solto e os policiais presos. kkkkk mundo de PT…… por outro lado o Delegado se aproveitou da oportunidade para defender mais um vagabundo e atuar contra a instituição e não contra a ação dos PMs, pq este delegado não atua policiais usuários de drogas ilícitas, faz exame toxicológico de seu funcionários. ai não neh meus amigos. kkkkk 22/06/2015 me aposento. os vagabundos ja andam armados sr Delegado pq não deu a farda para o ladrão de dois míseros frascos de repelente de um mercado. meu cara aquilo tinha dono málaco tem q pagar a sua lei faz faz isto. vão pra indonésia. manda eles para Indonésia la o delegado não os protege. kkkkkkk

  • Gilber Dias Conceição diz: 28 de fevereiro de 2015

    O Sr Rafael ter “nojo” de seu próprio pai, já nos remete ao nível de seu comentário e ainda cita a Polícia Rodoviária Federal, imaginem o que esse infeliz deve fazer nas estradas para pensar assim, obviamente quando a família não o educa, cabe a crítica a quem o adverte, e desta forma, o “nojo” do pai se pode dever a isso. Quanto ao desequilibrado Delegado, este em 2012 atirou num motorista de caminhão inocente somente porque o motorista não viu a viatura da PC, este mesmo Sr ja demonstrou em “n” situações que nem mesmo na Delegacia onde trabalha tem convívio pacífico com seus próprios colegas de Polícia Civil. É uma pessoa que deve ter problemas com a Polícia Militar, mas não é a Brigada do RS onde também dizem era problemático.
    Não se viu até então nenhuma manifestação de apoio a este pelo órgão de representação de Delegados, a não ser, mensagens sem origem alguma. O que se denota deste fato, são rancores que mais parecem pessoais do que institucionais ou profissionais, ou se institucional, arrumaram um “pau mandado” para assumir isso à eles, o que não acredito.
    Ter nojo já é uma atitude de pessoas totalmente preconceituosas e que não deveriam sequer viver em sociedade, o “nojo” é repugnante, é irracional.
    O preconceito é deplorável, criminoso mas o dito Delegado deve ter aprendido isto nos bancos escolares, por certo não foi na ACADEPOL, escola meritória de formação de valorosos Policiais Civis deste Estado, não compactuamos com pensamentos medíocres.

  • Ricardo diz: 28 de fevereiro de 2015

    Delegado da polícia civil faz o que mesmo? Digamos que esta raça sumisse da face da terra, será que alguém sentiria falta deles? Agora se a PM fizer greve, o caos será criado e ninguém vai nem conseguir trabalhar ou ficar em casa com segurança.

  • s diz: 28 de fevereiro de 2015

    podem ter certeza quem vai adorar estas declarações de rivalidade e picuinhas é a bandidagem que põe fogo em sc quando quer, resolvam seus problemas com as portas fechadas!!

  • maria da graça martins diz: 28 de fevereiro de 2015

    é que voces não viram os PM apaisana, se acham o donos do mundo, aqui em nossa cidade os policiais militares mesmo de folga são autoritários arrogantes, por ser uma cidade do interior tudo pode e os outros abaixam as orelhas.

  • dilma diz: 28 de fevereiro de 2015

    Palmas para o colega. Agiu com profissionalismo, competencia e imparcialidade. Os policiais militares, alem de nao terem o preparo para ostentarem a farda e insignias, ainda sao ousados no abuso contra colegas e superiores. Imaginem se fossem juizes? E bom nem pensar.

  • jonnas mello diz: 28 de fevereiro de 2015

    Gostaria de entender, a policia civil é só dos delegados?

  • Bianca Duarte diz: 28 de fevereiro de 2015

    Peço aos delegados e oficiais, que ficam com essa briguinha infantil de poder, que venham para Criciúma pois neste exato momento(sábado 28/02/15) a nossa cidade está sendo tomada por vagabundos. Estão incendiando ônibus, carros e tudo mais que vejam pela frente.
    O delegato Loretto que quis prender os políciais, poderia ser o primeiro a tomar a iniciativa, e assim, prender os VERDEDEIROS VAGABUNDOS. Mas neste momento, só ficam os verdadeiros guerreiros.

  • Rui Bonelli Bitencourt diz: 28 de fevereiro de 2015

    Tudo isto aconteceu por falta de diálogo. Nada mais.

    Ao invés de abrirem inquéritos e coisas do gênero, que as duas Instituições se sentem e resolvam dialogando.

  • fernando diz: 28 de fevereiro de 2015

    Ainda bem que o manifesto veio dos delegados, quando vem da população ninguém acredita, a preparação desses caras esta ultrapassada, para eles todo mundo é vagabundo, generalizando a situação que aconteceu com o Surfista Ricardinho é a cara da Policia Militar, conheço varias pessoas de bem que tem medo até de cair em uma blitz, é um ou PM que escapa, depois eles reclamam que a população fica contra eles …

  • Juliana diz: 28 de fevereiro de 2015

    “Cair em blitz”,interessante.Deve alguma coisa?Pessoas de bem não devem temer blitz,devem agradecer.
    Quem não deve,não teme.

  • Antonio Valnir Rocha diz: 28 de fevereiro de 2015

    Esse delegado envolvido na ocorrência onde vai arruma encrenca. Ele é muito infeliz nas atitudes, já andou vários lugares, não os colegas. Quando a água bate na bunda ele chama a PM. Ao invés da PC estar preocupada em atuar junto com a PM no combate ao crime, fica criando obstáculos para a polícia trabalhar, isso mostra a instabilidade da corporação PC e o aumento da violência em todo o país. Esse delegado encrenqueiro trabalha em Forquilhinha e qualquer ameaça chama a PM, Ingrato, vai aprender a trabalhar. Aqui em Forquilhinha inclusive tinha um delegado até dias atrás, que matou um adolescente desarmado, e logo vai a juri, mostrando despreparo nas abordagens. Se a PM parar um dia o Brasil vira um país sem dono.

  • Antonio Valnir Rocha diz: 28 de fevereiro de 2015

    O Delegado, vai lá pra Boa Vista em Criciuma, onde ta acontecendo guerra entre PM e bandidos, quem sabe a PM vai te dar uma força para te proteger, mostrando a união das Polícias, vai lá…

  • Fabiano diz: 28 de fevereiro de 2015

    Reiterando: A manifestação é de todos os Delegados de Polícia de Santa Catarina.

  • Surfista Prateado diz: 28 de fevereiro de 2015

    Se batem dentro da delegacia, imaginem na rua! Se não respeitaram o Delegado que é uma autoridade, imaginem o cidadão?
    O “ladrão de repelente” de hoje, poderá ser o Ricardinho Surfista de amanhã…
    Talvez se dessem a opção para a familia do Ricardinho de leva-lo para casa, a tragédia tinha sido evitada!
    Ou ele também não foi julgado? Mas no caso dele foi condenado a pena de morte!
    Dois repelentes por uma sessão de bicudas, qual a lei que prevê isso?
    Uma discussão por uma morte! Pára a onda que eu quero descer!!!

  • Cleber diz: 28 de fevereiro de 2015

    Senhores “doutores” delegados…. Que tal colocarem os coletes balísticos e irem para a rua atenderem ocorrências de todos os tipos. Menores cuspindo em suas caras e dizendo todo o tipo de impropérios, e terão que resolver a parada, pois vcs entregarão pra quem na delegacia?

    Pessoas que deveriam estar na rua atendendo ocorrências e ver o dia a dia do PM: Delegado de Polícia, advogado, os extraterrestres dos direitos humanos, políticos, jornalistas e comunistas. Quero ver falar fino com vagabundo. Depois não vão chamar os vingadores….

  • Rafael diz: 28 de fevereiro de 2015

    Sr Gilber não sou nenhum infeliz, e com certeza absoluta, a mais absoluta de todas dirijo muito, mas muito melhor que o sr.Aliás sou motorista presidencial, dirijo para presidentes e diretores de grandes empresas brasileiras, sou muito requisitado.Não tenho nojo do meu pai, só quis colocar que mesmo meu pai sendo PM não defendo abusos.Peço desculpa a todos se generalizei, e fui rude nas palavras.Em relaçao aos Policiais Federais Rodoviarios,a situaçao é pior pq criam situações para multar, é revoltante e decepcionante.

  • jaison diz: 28 de fevereiro de 2015

    Vixxxii viram em comentario anterior a ficha do delegado. Ta mais pra bandido. o ciclo unico de policia esta chegando e todos sabemos que policia ira permanecer

  • pm por pessoas do bem para o bem das pessoas diz: 1 de março de 2015

    No ano de 2014 foram presas em flagrante delito, com a mão na massa, aproximadamente 20 mil pessoas no estado de SC todo. Quantas destas prisões foram feitas pela polícia civil? Nem 3%. Isso mesmo. os delegados só sabem ficar em suas salas confortáveis esperando que a PM faça o trabalho todo e leve o preso para eles lavrarem os seus incontáveis papeizinhos. Isso quando ALGUNS se dão ao trabalho de lavrar o APF. Muitas vezes ligam de casa dizendo para lavrar BO para amanhã ou depois instaurar em inquérito so pra não ter de ir a delegacia. O pior é que divulgam relatórios a imprensa dizendo que fizeram tantas prisões.

  • Zapa diz: 1 de março de 2015

    Papa é Mike, o resto é resto.

  • Antonio Santos diz: 1 de março de 2015

    Certa vez na saída do estádio do Avaí, perguntei educadamente a um PM chamando-o de seu “meganha”; aonde ficava o ponto de ônibus. Meu Deus, pra que, o cara veio com tudo pra cima de mim querendo me dar uma porretada nos cornos, a minha sorte que vários torcedores intercederam por mim e consegui sair vivo desta enrascada. Depois, eu expliquei que “meganha” é uma expressão que está no famoso dicionário da língua portuguesa (Aurélio)e quer dizer soldado de polícia . Pô esses caras são complexados pra caramba.

  • Wilson Santos de Oliveira diz: 1 de março de 2015

    Se a polícia civil de Santa Catarina fechasse as portas hoje, a população nem perceberia que um dia ela existiu, tamanha a sua inoperância e paralisia. Quem defende a PC, provavelmente nunca precisou ir a uma delegacia, e ser mau atendido, como se os comissários e delegados estivessem fazendo um favor para a população. Defendo o fim da PC, pois é só mais um fardo para um Estado sem recursos e falido.

  • CIDADÃO diz: 1 de março de 2015

    Boa tarde caro Martini,

    SÓ ACHO QUE AO INVÉS DE DELEGADOS E OFICIAIS FICARAM DISCUTINDO AQUI EM SEU BLOG, PODERIAM REALMENTE ESTAR TRABALHANDO EM PROL DA SOCIEDAE.
    OUTRA COISA, TEM MUITO DELEGADO VADIO QUE NÃO FAZ UM APF POR PREGUIÇA DE TER QUE COMPARECER A DELEGACIA DE MADRUGADA, MESMO ESTANDO DE PLANTÃO E ELE CUMPRINDO PAPEL DE “SOBREAVISO” QUE NA POLÍCIA CIVIL É ILEGAL. ADEMAIS, 99% DOS OFICIAIS DA PM SE ESCONDEM ATRÁS DE PAPÉIS EM BUROCRACIA DENTRO DOS QUARTÉIS E TRABALHAM NADA EM PROL DA SOCIEDADE, APENAL EM PROL DA PM ADMINISTRATIVAMENTE. OUTRA COISA, PRECISAMOS LAMENTAR QUE A “ACORS” SE MANIFESTOU APENAS PORQUE HAVIA ENVOLVIDO UM OFICIAL, COMO FICA CLARO QUE A “ACORS”, EM SUA NOTA, DIZ QUE TEM ASSESSORIA JURIDICA PARA AUXILIAR O TENENTE JAFER. OFICIAIS E DELEGADOS TEM REI NA BARRIGA. DO MESMO MODO QUE JUIZES E DESEMBARGADORES TEM A CERTEZA DE QUE SÃO DEUSES, OFICIAIS E DELEGADOS TEM QUASE CERTEZA. UM ABRAÇO.

  • Gustavo de C Rocha diz: 1 de março de 2015

    Este Delegado tem meu respeito.

    Ele respeita a CF e seus juramentos quando começou na carreira.

  • Roberto Silveira diz: 1 de março de 2015

    Para os leitores mais curiosos e que não se contentam com discurso de bom moço do Del. Loreto:

    Acessem o site do TJSC e pesquisem o nome Leandro da Rocha Loreto. Assim vcs verão que o Del. LORETO paladino da justiça responde a processo de abuso de autoridade entre outros crimes!

    Além disso, joguem o nome dele no Google, e verão a quantidade de outras belas notícias desse moral de cueca!

  • kiko Uruguaiana diz: 1 de março de 2015

    Hoje um PM recém formado soldado tem que ter nivel superior e já sai ganhando mais que um professor com pós-graduação, um soldado bombeiro igualmente, um delegado é formado em direito, portanto conhece a fundo as leis.
    Muito embora soldados novos da PM e ou Bomneiros fazem curso de Teologia à distância para ingressarem na seguransa e terem salários melhor que professores, a teologia deveria levá-los a serem mais equilibrados, mais amigos do cidadão e muito mais educados nas abordagens, o que estraga essa condição são os antigos coronéis dos tempos da ditadura mesmo, e que hoje estão nos mais altos escalões, deveremos esperar suas aposentadorias e que depois tudo melhore, afora isso temos um governador que chega ao cúmulo de botar um radialista ficha suja na secretaria da agricultura, um advogado na educação, o governo esculhamba com tudo e vai esperar o que da segurança, se a PM e PC Catarinenses não trabalharem juntas, vão perder para bandidos encarcerados e traficantes, quem tem a obrigação de interceder e controlar a PM e a PC é o governador, porém lhe falta competência para isso e inteligência para muitas outras coisas.

  • carol diz: 1 de março de 2015

    As vezes que precisei da instituição PM, nunca tive bons resultados a minha impressão é a pior possível, maus educados, arrogantes e prepotentes, pelo próprio texto de alguns deles aqui tirem suas conclusões.. se acham os justiceiros paladinos, só porque vivem prendendo, usuários de crack e puxadores de fumo.

  • jaison diz: 1 de março de 2015

    Sra. Carol se precisou algumas vezes da pm e pq rezando vc nao tava e com boa gente nao estava metida e com toda certeza a senhora recebeu a mesma educaçao com aa qual os tratou

  • inezita maria cabral diz: 1 de março de 2015

    PM e PC lavando roupa suja em redes sociais? isso é a realidade de nossa segurança pública, que tristeza.

  • CONTRA@LHEIRA diz: 1 de março de 2015

    SABEM O QUE A POLÍCIA MILITAR E A POLÍCIA CIVIL TEM EM COMUM?
    NÃO?
    R: DELEGACIAS E POSTOS DE POLÍCIA NOS BAIRROS FECHADOS POR FALTA DE EFETIVO!!!!!

  • Cidadão José diz: 1 de março de 2015

    Em caso de emergência, Dona Carol, disque 190.

    24 horas por dia.

    7 dias na semana.

    365 dias no ano.

    …mesmo com o risco da própria vida!

  • PROFESSOR ( da rede pública estadual, 40 anos de serviço, aposentado, segundo tenente R/2 da primeira turma do NPOR do 63BI, nível 10 – 29-06-01 { especialista } diz: 2 de março de 2015

    Boa é a democracia. Dos sistemas possíveis o menos ruim é de fato o melhor! A única forma de melhorar é aperfeiçoar a democracia. Não há outro caminho para os humanos. Aperfeiçoar a democracia é fazer com que a política deixe de ser estigmatizada com a frasezinha ” futebol, política e religião não se discute “. Filhinha do ” gosto não se discute “. E assim aperfeiçoas as nossas instituições democráticas, dentro do estado de direito, conforme recomenda o figurino! Arbitrariedade não se admite mais em nenhuma instituição de ESTADO nem muito menos na SOCIEDADE CIVIL! Não se admite mais arbitrariedade em lugar algum. E menos ainda em qualquer força armada sob a égide do Estado! Porque estas forças são por natureza mortíferas, quer dizer, são o braço armado e forte do violento recurso da sociedade diante do crime. Não protestem com o termo violento utilizado pois apenas se regere a utilização da FORÇA. Mas o estado não pode compartilhar com a tortura, por exemplo, pois neste caso virou de lado. Estará a serviço do crime. É tarefa difícil ? Extremamente. Cuidar para identificar, portanto, o fio tênue que separa uma coisa da outra. Sem emoção. Com profissionalismo. A emoção humana não pode ser extirpada do ” funcionário pago com o imposto público ” mas não cabe nestas funções o seu descontrole… eis porque a disciplina é fundamental. Após este preâmbulo, parem de querer desqualificar um delegado no pleno exercício de suas funções constitucionais que isso é dar tiro na água! Expliquem porque aquela major da polícia competentíssima na comunicação da PM foi descartada ( para outras funções, claro, pois existe lei ) e permanece a lacuna de diálogo com a sociedade, inclusive o comandante da PM adotou agora a lei do silêncio, tão conhecida por nós que olhamos para o exemplo do nosso governador João Raimundo Colombo. Política, nada a ver ou, política, tudo a ver ?
    Para todos os que estão ao serviço do povo catarinense dentro da lei os nossos agradecimentos e muita gratidão! Sincera.

  • Mauro Silva diz: 3 de março de 2015

    Acho que o prolixo delegado não entende que ao escrever criticando uma instituição está sujeito a críticas também. E, ao contrário do que dá a entender em seu texto, a pessoa que escreve deve também ser avaliada. Como posso criticar aquilo que faço e finjo que defendo? Simples, para que possa continuar fazendo. Ou quando fizer, tenha atenuada a culpa. Porém, ao não realizar uma autoanalise, o delegado comete o deslize de se achar acima das críticas. O pior são outros delegados que o apoiam. Aparentam não conhecer o colega. Mas a polícia militar conhece. Ela está 24 horas nas ruas rondando e protegendo. E o Delegado Farah é um conjunto de arbitrariedades ambulante. Já atirou em cidadão (motoristas de caminhão, cuidado!) desarmado, já apontou arma para outros policiais visivelmente embriagado, já cometeu o crime de ato obsceno mostrando suas nádegas à um radar e tudo isso que sabemos. Imagine no porão de sua delegacia o que não deve ocorrer. Já conversei com policiais civis que trabalharam com o delegado e que afirmam ser ele inconstante e agressivo com seus pares, inclusive. Poderíamos continuar falando de suas estripulias até cansar. Mas vamos falar de seus argumentos.
    Em sua primeira missiva, ele vomita baboseiras sem parar (tanto é verdade que foi obrigado a fazer a segunda, e culpou os leitores por não entendê-lo). Generaliza e diz que os integrantes da instituição PM são arbitrários. Cita o caso do surfista. Cita a instituição como arrogante e prepotente. Cita, cita e cita. Não dá nome aos bois. Não ataca fatos. Ora vejam, faz o que condena, ataca pessoas e a própria instituição PM. Não conhece os fatos e nem as circunstâncias em que ocorreram.
    Delegado Farah, não critico outros delegados. Critico você! Sua arrogância e insensatez. Sua falta de honra, a qual conclama no final de sua segunda manifestação.
    E por falar em sua segunda carta, àquela que você tenta esconder seus verdadeiros pensamentos, não explica nem justifica nada. Demonstra o quão incapaz você é de realmente assumir suas posturas e defender seus pensamentos. Quem sabe você deva voltar para o jardim de infância e aprender com a inocência das crianças. Com elas aprenderia que só pode cobrar quem faz e que elas observam a pessoa que as corrige. Rasteiro, vil e imoral é o que cobra sem ter elementos e postura para tal. Delegado, assim como todo funcionário público, deve ter conduta ilibada. Deveria saber que as palavras convencem, mas o exemplo arrasta.

Envie seu Comentário