Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Operação Pecúnia: a mais pura coincidência

17 de julho de 2015 0

A Operação Pecúnia, deflagrada quinta-feira pela Polícia Federal em Santa Catarina, está recheada de coincidências. Tudo começou durante uma blitz de rotina da Polícia Rodoviária Federal na BR-282, próximo a Maravilha, em setembro de 2014, quando, por coincidência, foi apreendido um carro com R$ 110 mil em espécie e santinhos do então candidato a deputado federal Ronaldo Benedet (PMDB).

PF cumpre busca e apreensão no Deinfra, em Florianópolis

O dinheiro e o material estavam com o empresário Aires Bertollo. Só por coincidência, ligado ao PMDB. Benedet, em nota oficial à época, disse que se tratava apenas de coincidência porque não tinha como controlar todos seus apoiadores. E também por coincidência, o atual parlamentar recebeu votação naqueles municípios da região Oeste.

O caso, não por coincidência, foi encaminhado para a Polícia Federal. Investiga daqui e apura dali, a PF chegou ao nome de Rodrigo de Souza Comin. Por isso, a visita ao Deinfra quinta-feira. Comin era chefe de gabinete do então presidente do Deinfra, Paulo Meller. Só por coincidência, tesoureiro do PMDB. A PF diz que encontrou a ponta do novelo. Agora é questão de tempo para montar o quebra-cabeça. E isso não será uma simples coincidência.

Esquema de compra de votos no Oeste de SC era operado da Capital, diz PF

comentários

Envie seu Comentário