Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Resultados da pesquisa por "Guarda Municipal de Florianópolis"

Comandante da Guarda Municipal de Florianópolis comemora bons resultados de app

05 de julho de 2015 0

O comandante da Guarda Municipal de Florianópolis, Valcir Brasil, comemora os bons resultados de um projeto pioneiro que vem facilitando a comunicação da corporação com empresários e comerciantes da região central. Por meio de um aplicativo de celular, a Guarda Municipal é acionada sempre que necessário. O projeto já envolve mais de 200 pessoas e vem ajudando na agilização dos atendimentos, diz o comandante.

Leia as últimas notícias sobre a Guarda Municipal de Florianópolis

Dois agentes da Guarda Municipal de Florianópolis são suspeitos de tentativa de homicídio

02 de maio de 2014 88

A Secretaria Municipal de Segurança Pública de Florianópolis instaurou processo disciplinar para apurar suposta tentativa de homicídio praticada por dois agentes da Guarda Municipal contra um morador da região Continental, após uma abordagem malsucedida em frente ao prédio em que mora o homem de 25 anos e seus familiares na noite do dia 12 de abril, por volta da meia-noite.

As imagens da câmera de segurança do edifício mostram a vítima tentando se desvencilhar das agressões do agente, quando o guarda saca a arma. Instantes depois surge o clarão do disparo no canto esquerdo do vídeo. O autor do tiro sai correndo em direção à viatura, sem prestar nenhum socorro ao baleado. O outro colega da Guarda Municipal volta caminhando e ainda conversa com a mãe do rapaz.

O secretário de Segurança, Rafael de Bona, determinou o recolhimento das pistolas 380 para encaminhar à perícia. Um inquérito policial também foi instaurado na 4ª DP, em Coqueiros, para investigar a tentativa de homicídio. O disparo atingiu o braço esquerdo da vítima, que passa bem.
A prefeitura de Florianópolis garante estar prestando todo o atendimento à família, que prefere não se manifestar sobre o incidente. Os nomes dos agentes, já afastados das funções, também não foram revelados, mas caso se comprove o crime eles serão desligados da corporação.

Guarda Municipal de Florianópolis nas escolas

11 de setembro de 2013 1


gmf
O Setor de Educação da Guarda Municipal de Florianópolis em plena atividade nas escolas do município. Com atividades lúdicas, a interação com o público infantil auxilia nas boas práticas de convivência no trânsito.
A criançada adora tudo. Mas quando tem teatro de fantoche ninguém pisca!

Unimed dá por encerrada negociação com a prefeitura de Florianópolis

09 de setembro de 2015 1

 Unimed Grande Florianópolis informa que, em 2013, foi a Operadora vencedora do edital realizado pela Prefeitura Municipal de Florianópolis, o que resultou no contrato de plano de saúde, assinado em 24 de julho de 2013 por ambas as instituições. As cláusulas previstas no contrato firmado contemplam na íntegra as condições previstas no Edital, publicado pela própria PMF, para prestação desse serviço.

Tanto o edital, quanto o contrato de plano de saúde  são claros no que tange as regras e metodologias de reajuste dos valores, todas descritas na Cláusula Vigésima conforme segue:

 “Os valores do preço mensal por usuário inscrito, da tabela referencial de co-participação e valores limites para cobrança de co-participação, serão reajustados anualmente com base no INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor do IBGE), acumulado no período de análise do contrato, ou seja, a cada doze meses, contados a partir do início da assinatura do contrato, em conjunto com o Índice de Reajuste por Sinistralidade – IRS%, apurado no período. O Índice de Sinistralidade será avaliado comparando-se a sinistralidade real apurada com a definida como padrão ideal para manutenção do equilíbrio econômico-financeiro do contrato, considerando-se também as despesas não assistenciais da Operadora, bem como, uma margem de capitalização para cobrir as garantias financeiras e reservas obrigatórias atinentes à Operadora.“

Cabe elucidar que sinistralidade no mercado da saúde suplementar representa a relação de custos assistenciais (eventos médicos) sobre a receita do contrato de plano de saúde, ou seja, o total do custo proveniente das utilizações de todos os clientes dividido pelo total de arrecadação das mensalidades e coparticipações. Este resultado é definido em percentual e determina a estabilidade econômica do contrato.

A Unimed esclarece que desde outubro de 2014, não mediu esforços para estabelecer um acordo para a recomposição do equilíbrio do contrato. Na época, a Cooperativa realizou o cálculo e seria necessário um reajuste de 23,54% (6,33% referente ao INPC e 17,21% a sinistralidade). A Cooperativa apresentou os valores e deixou a negociação aberta, não tendo em nenhum momento uma postura de imposição.  A PMF refutou o percentual da Unimed e desde então afirma que formalizaria uma contraproposta, inclusive na presença do Procon do município, porém o que nunca ocorreu. Nos últimos meses, a Prefeitura se mostrou indisponível em atender ou se reunir com a equipe da Unimed. A Cooperativa insistiu ao longo deste último ano, embasando e repassando todas as informações necessárias para avaliação do órgão municipal, inclusive disponibilizando dois técnicos para auxiliar no esclarecimento de dúvidas. Por fim, ao contrário do que prometeu, a Prefeitura Municipal de Florianópolis, optou por, após 12 meses de atraso, ao invés de propor um percentual para reajuste, entrar com uma ação judicial contra a Unimed. A liminar proferida prevê a aplicação apenas do INPC como reajuste, estando contrária ao que prevê o instrumento contratual. A Operadora informa que foi notificada em 08 de setembro e já está tomando todas as medidas para responder à justiça.

A Cooperativa também esclarece que os 30% mencionados pela PMF nada mais representa do que odéficit atual do contrato, que chegou a este montante em decorrência da inaplicabilidade da recomposição necessário no ano de 2014.

Sendo assim, mesmo a PMF descumprindo o contrato firmado, e após aguardar por quase 12 meses um posicionamento deste órgão, em setembro de 2015, a Unimed considerou esgotadas as tentativas de negociação. É importante destacar que a Cooperativa manteve a responsabilidade e zelou pela manutenção da assistência durante todo o período de descumprimento contratual, absorvendo um prejuízo que tange milhões de reais.

Com esta decisão a Unimed Grande Florianópolis reforça seu compromisso com o equilíbrio financeiro da empresa, em benefício dos médicos cooperados, e da responsabilidade de todos os mais de 230 mil clientes, e reafirma que se mantém aberta para negociação a qualquer momento.

Onda de protestos dos servidores de Florianópolis

14 de maio de 2015 0

Misturaram alhos com bugalhos. Logo depois da assembleia em que os servidores municipais de Florianópolis decidiram entrar em greve, eles aproveitaram que o Legislativo fica pertinho, cruzaram a Praça XV e foram protestar em frente à Câmara de Vereadores contra o arquivamento do pedido de cassação do vereador Cesar Farias pela comissão de ética. Precisaram ser contidos pela Guarda Municipal. Inclusive, há quem veja uma nesta onda de paralisações (município, professores estaduais e judiciário), uma engrenagem do movimento nacional para desviar o foco da crise em Brasília. Agora só falta os motoristas e cobradores.

Aliás
Depois de muito debate, o plenário da Câmara de Vereadores decidiu engavetar o pedido do vereador Afrânio Boppré (PSOL) pela cassação do ex-presidente Cesar Farias, seguindo orientação do Conselho de Ética. Prevaleceu a tese de que em duas cassações anteriores de parlamentares, os mesmos ganharam na Justiça o direito de voltar à Casa por falta de provas. Temem que a cena se repita.

Leia as últimas notícias sobre protestos

Papo rápido com Maria Cláudia Evangelista, secretária Municipal de Turismo de Florianópolis

08 de fevereiro de 2015 3

maria claidia evangelista betina

Foto: Betina Humeres / Agência RBS

Tudo pronto para o Carnaval?
Não tenho dúvida que Florianópolis verá o maior carnaval da sua história. Serão 12 escolas (seis do grupo de acesso e seis do grupo especial) na Passarela Nego Quirido, sob a gestão direta da Liga das Escolas de Samba de Florianópolis (Liesf) que tinha esta antiga reivindicação. Teremos cinco show nacionais, pop gay e festas organizadas com nosso apoio em 40 localidades da cidade, incluindo áreas com a Costa da Lagoa que terá pela primeira vez.

E a questão da segurança?
Tivemos várias reuniões com a PM que estará totalmente mobilizada para garantir a total tranquilidade dos foliões em todas as localidades. A Guarda Municipal também vai atuar e também contratamos segurança privada para apoiar o trabalho das forças policiais. Ou seja, tenho certeza as milhares de pessoas que vêm passar o Carnaval em Floripa terão segurança para brincar à vontade.

CPI DOS RADARES: "Não sabia de nada", diz guarda municipal em depoimento

05 de fevereiro de 2015 4

Flávio Neves Agência RBS
Foto: Flávio Neves / Agência RBS

A Comissão Parlamentar de Inquérito dos Radares da Câmara Municipal de Florianópolis realizou nesta quinta-feira a primeira oitiva com o guarda municipal Jean Carlos Viana Cardoso. O agente foi detido pela Polícia Rodoviária Federal no Rio Grande do Sul, em setembro de 2014, junto com dois outros servidores da Prefeitura de Florianópolis com cerca de R$ 100.00,00 e um contrato aditivo para a empresa Kopp, responsável pelo sistema de radares na Capital.

O fato culminou na Operação Ave de Rapina, deflagrada pela Polícia Federal em novembro do ano passado, que denunciou as fraudes no sistema de radares, objeto de investigação da CPI. Em quase duas horas de depoimento, Jean Carlos Viana Cardoso, que na época da detenção era comandante da Guarda Municipal de Florianópolis, respondeu todas as perguntas e enfatizou em vários momentos não ter envolvimento com nenhum delito e que não sabia que havia dinheiro no veículo durante a viagem a Porto Alegre. “Eu estava na hora errada, no lugar errado”, garantiu.

O depoente afirmou que foi viajar a pedido do amigo e também guarda municipal, Júlio Pereira Machado, para revezar na direção do carro e que se espantou ao saber pela PRF que tinha alguma quantia em dinheiro no veículo. Segundo Jean, ao indagar o colega sobre a apreensão, Júlio explicou que o valor encontrado era para doação de campanha.

Jean Carlos Viana Cardoso começou a trabalhar em órgãos públicos em 1999 na Aeronáutica. Em 2004 entrou para a Guarda Municipal, chegando a comandante em 2013. Segundo ele neste período não respondeu a nenhum processo administrativo e sempre teve uma conduta idônea. Ainda de acordo com o depoente, logo que ocorreu o fato no Rio Grande do Sul, ele comunicou seus superiores, sendo exonerado dois dias depois.

O guarda municipal chegou a ser preso em novembro de 2014, mas foi solto 21 dias depois. Em dezembro não foi denunciado pelo Ministério Público e teve o processo arquivado pela justiça. Na CPI dos Radares, o intimado deixou claro que prestar o depoimento é uma oportunidade para provar mais uma vez sua inocência e que está à disposição para contribuir no que for necessário.

Outros supostos envolvidos, entre eles Júlio Pereira Machado e os empresários presos pela Polícia Federal, também foram intimados para depor. Mas, antes de agendar a oitiva o presidente da CPI dos Radares, vereador Vanderlei Farias (PDT), vai à justiça pedir autorização para que os intimados possam comparecer à Câmara, já que os mesmos estão proibidos de entrar em prédios públicos. Caso não seja concedida a autorização, a oitiva vai ser realizada em outro local ainda a ser definido. A expectativa é que as próximas audições aconteçam na semana que vem.

Leia mais:
::: Detidos na Operação Ave de Rapina são soltos pela Justiça do Estado
::: MP-SC deve apresentar novas denúncias da Operação Ave de Rapina somente em fevereiro
::: Aprovação de relatório da CPI dos radares dá início a investigação em Florianópolis
::: “Não pratiquei os atos que me acusam”, diz Cesar Faria
::: Câmara de Florianópolis confirma afastamento de vereadores e convoca suplentes

Sem radares, Guarda Municipal vai fiscalizar velocidade

04 de dezembro de 2014 9

A Guarda Municipal de Florianópolis (GMF) vai fazer reforço no controle de velocidade, inclusive com radares móveis, nas sinaleiras da cidade com os maiores índices de acidentes de trânsito, sobretudo na avenida Beira-mar Norte, a partir do dia 20 de dezembro. É que no dia 19 termina – e não será renovado – o contrato que a empresa Kopp Tecnologia tem com a Prefeitura para a fiscalização eletrônica de velocidade. A Kopp está sendo investigada na Operação Ave de Rapina, da Polícia Federal.

A GMF, com apoio da PM, atuará neste sentido até a contratação de nova prestadora de serviço por meio de licitação, o que já está sendo encaminhado pela Secretaria de Administração.

Na tarde desta quinta-feira (4), o secretário Municipal de Segurança Pública e Defesa do Cidadão, Raffael De Bona, deixou claro que a medida “não afetará” a segurança de Florianópolis. Segundo ele, será deslocado efetivo da corporação que já trabalha no trânsito.

De acordo com dados repassados em reunião realizada no gabinete do prefeito, atualmente, 13 radares fiscalizam 117 faixas totalizando 27 milhões de veículos por mês. Destes, oito mil são autuados, na maioria dos casos, por ultrapassar em até 20% a velocidade máxima permitida.

Semáforos

De Bona também garantiu que “não haverá paralisação dos semáforos, ainda que o contrato da empresa Focalle com a Prefeitura para manutenção destes equipamentos já tenha sido rescindido, também em razão de seu envolvimento na Ave de Rapina.

Segundo o secretário, o trabalho está emergencialmente sob os cuidados diretos do próprio Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis (IPUF), até a licitação para a contratação temporária de nova empresa acontecer. “Não está faltando manutenção”, garantiu a autoridade de trânsito do Município, Lírio Legnani.

 

Guarda Municipal retoma operação Balada Pela Vida

02 de agosto de 2013 3

Com objetivo de conscientizar sobre o perigo da embriagues ao volante, a Guarda Municipal de Florianópolis realizou na noite desta quinta feira, 01 de agosto, blitz da lei Seca na Avenida Beira Mar Norte.

Com duração aproximada de três horas, o saldo foi de 40 veículos abordados e dois removidos, por problemas de documentação.

Deflagrada pela Secretaria de Segurança e Defesa do Cidadão, a barreira foi montada pontualmente as 22h.

Seis viaturas organizaram o perímetro obrigando a redução de velocidade.

Florianópolis possui pelo menos 50 pontos de uso de crack

16 de junho de 2013 6

Estudo da Guarda Municipal de Florianópolis nos últimos três anos identificou pelo menos 50 pontos de reunião de usuários de crack na Capital. Somente na região central, entre a Ponte Colombo Salles e o Túnel Antonieta de Barros, são nove áreas, popularmente também conhecidas como cracolândias.

O trabalho efetuado junto às galerias onde costumam se esconder aponta 400 dependentes químicos, sendo pelo menos cem cadastrados pela GMF. Aliás, trata-se da única instituição de segurança do país a ter os dados incluídos no projeto do Ministério da Saúde executado pela Fundação Osvaldo Cruz.

Raffael De Bona, secretário de Segurança do município, diz que o estudo completo será conhecido nesta segunda-feira, durante implantação do Projeto Crack, é Possível Vencer, do governo federal. A ideia é montar uma rede que garanta tratamento e inclusão social por meio de trabalho.

Tem mais: Programa lançado pela Secretaria de Estado da Assistência Social trabalha para abrir, imediatamente, mil vagas nas comunidades terapêuticas. Hoje 47 pessoas são detidas por dia em SC por causa de drogas.

Foto: Felipe Carneiro/Agência RBS