Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Resultados da pesquisa por "meia maratona"

Presidente da Federação Catarinense de Atletismo alega que organização da Meia Maratona não cumpriu algumas exigências básicas

11 de junho de 2015 0

Walmor José Battistotti Filho, presidente da Federação Catarinense de Atletismo, enviou ontem ofício para o Ministério Público e prefeitura de Florianópolis questionando a realização da Meia Maratona de Florianópolis, prevista para o próximo domingo. Alega que a organização da prova não cumpriu algumas exigências básicas como a apresentação do plano de segurança dos atletas (serviço médico) e pontos de hidratação, por exemplo. Paralelo a isso, ainda existe a discussão se o percurso passará ou não pelas Ponte Pedro Ivo e Colombo Salles. A prefeitura diz que pode. O Estado tem ressalvas. São esperados mais de cinco mil corredores.

Leia as últimas notícias sobre a Meia Maratona

Tom generoso

24 de março de 2014 0
Jessé Giotti / Agência RBS

Jessé Giotti / Agência RBS

Tom Zé brilhou ontem no Parque de Coqueiros, na Maratona Cultural. E ainda fez uma aparição surpresa meia hora antes do show para conversar com o público, conquistando novos fãs.

À Kassandra o que é de Kassandra

14 de março de 2013 5

Repercutiu hoje nas redes sociais a decisão do governador Raimundo Colombo em exigir a retirada da Maratona Cultural da performance Kassandra, que seria apresentada no Bokarra.

Muita gente levantando a voz para dizer que é censura, coisas da elite burguesa e coisa e tal.

Imagino que boa parte dos críticos virtuais também apontaram o dedo quando a festa com direito a go-go boy em Palhoça veio a público.

Afinal, era uso do dinheiro público para financiar atos, digamos, libidinosos.

Claro, o espetáculo Kassandra já ganhou prêmio e foi, inclusive, exibido naquela casa de tolerância.

Não dá para comparar sacanagem com arte, certo? Na minha modesta opinião, errado!

O que diriam estes mesmos críticos caso surgisse a denúncia de que o governo do Estado liberou dinheiro público para uma apresentação em um puteiro, com todo o respeito à casa?

Certamente estes mesmos ativistas culturais iriam disparar uma horda de impropérios, acusando o Estado por falta de critério, má gestão ou, quem sabe, até associação à vida fácil.

Entendo que a performance Kassandra deve ter seu direito assegurado para ser exibido onde bem entender. Desde que não precise ser 100% financiada com o meu, com o seu, com o nosso rico dinheirinho.

O que está se fazendo lá na Sol é tentar colocar um pouco de ordem na suruba que sempre foi a liberação de recursos para espetáculos, shows, maratonas e afins.

Basta acessar o site e conferir uma série de regramentos com limites de valores e prazos bem definidos.

Isso é democratizar a cultura, não aquele troca-troca de favores entre meia dúzia de “ungidos”.

O Estado bancou a maratona em R$ 900 mil. A prefeitura de entrou com R$ 250 mil e a produtora outros R$ 100 mil. Não fosse o dinheiro público, simplesmente o evento não estaria de pé.

Imagina só como explicar para o prefeito de Chapecó, por exemplo, que não tem dinheiro para a Efapi, porque parte do recurso foi gasto no Bokarra.

O problema é que para alguns, não existe vida além das pontes Pedro Ivo e Colombo Salles.

Gozar com o chapéu alheio é fácil. Quero ver é produtor tirar a bunda da cadeira para colocar um espetáculo de pé sem a mãozinha amiga do Estado.

Mas para isto, é claro, o sujeito precisa trabalhar. E aí, já fica mais difícil…

PS: já aviso, antecipadamente, que esta é uma posição pessoal. Portanto, não vestirei carapuça.