Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Microbiota intestinal pode ser uma aliada no controle da obesidade e da síndrome metabólica.

18 de outubro de 2012 0

O sobrepeso e a obesidade atualmente atingem níveis epidêmicos. Indivíduos com Indice de Massa Corpórea maior ou igual a 25 ou 30 Kg/m² são considerados como sobrepeso e obesidade, respectivamente. A obesidade está associada a um conjunto de distúrbios metabólicos, tais como:resistência à insulina, diabetes mellitus do tipo 2, doença hepática, hipertensão arterial, aterosclerose e acidente vascular cerebral, e também câncer, asma, apnéia do sono, osteoartrite, neurodegeneração e doença da vesícula biliar. A principal causa da obesidade é um balanço energético positivo resultante de um aumento da ingestão de energia a partir da dieta e uma consequente diminuição do gasto energético. Porém, dados sugerem que a composição da microbiota intestinal é um fator significativo na avaliação do risco de fatores relacionados à obesidade e também na presença de doenças associadas, como: dislipidemia, aterosclerose, resistência à insulina, diabetes e esteatose hepática.

O efeito “antiinflamatório” dos prebióticos parece particularmente interessante, pois vários estudos sugerem que a microbiota intestinal pode estar envolvida no desenvolvimento de um baixo grau de inflamação classicamente associados com o metabolismo de doenças relacionadas com a obesidade.Vários relatórios demonstraram que a obesidade induzida por manipulações dietéticas (alta ingestão de gordura) ou deleção genética (leptina modelos deficientes) é caracterizada por alterações na microbiota intestinal para uma diminuição do número de bifidobactérias. Destaca-se que o ser humano é capaz de influenciar na composição da sua microbiota, ou seja, é possível criar uma relação de simbiose com as bactérias intestinais, na qual ambos os lados são beneficiados. Não apenas os macronutrientes, mas também os micronutrientes e os fitoquímicos presentes em pequenas quantidades na alimentação podem interagir com a microbiota modulando sua composição. Assim, a microbiota intestinal torna-se um importante alvo a ser considerado no tratamento da obesidade e das doenças a ela relacionadas.

Fonte:

DELZENNE, N. M.; NEYRINCK, A. M.; CANI, P. D. Modulation of the gut microbiota by nutrientes with prebiotic properties: consequences for host health in the context of obesity and metabolic syndrome.Microbial Cell Factories, n.10, v.1, p. 2-11, 2011.

Por Acadêmicos do curso de  Nutrição da UNIVALI: Anderson Miranda, Andriéllen Marciniak, Fabrina Betiolo, Paola Cargnin.

Envie seu Comentário