Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Uso de medicamentos X nutrição

19 de fevereiro de 2013 0

Os medicamentos podem modificar o metabolismo dos nutrientes, implicando em alteração do estado nutricional, e por isso, os pacientes com doenças crônicas que fazem uso prolongado de medicamentos devem ser monitorados. Esses pacientes devem ser acompanhados por nutricionistas que suplementam a carência com dieta adequada para o seu estado nutricional.

Divulgação:www.mundodastribos.com

No entanto, em função da automedicação (o uso de medicamentos sem o conhecimento do médico), muitas pessoas estão expostas a interações medicamentosas (reação entre medicamento x medicamento ou medicamento x nutriente) e assim podem sofrer intoxicação, piora da doença ou o surgimento de uma carência nutricional.

Um dos medicamentos mais utilizados por automedicação é o omeprazol (utilizado para tratar gastrite). Muitas pessoas utilizam o omeprazol por vários meses sem acompanhamento médico, e além de flatulência (gases abdominais) e dores na pernas (efeitos colaterais mais comuns) vão apresentar carência de vitamina B12. A vitamina B12 desempenha importantes funções metabólicas e neurotróficas, isto é, evita anemia, transtornos de mucosa e doenças psiquiátricas, incluindo a depressão.

Os suplementos vitamínicos também são comumente utilizados sem prescrição, e em muitos casos não há carência nutricional e esta suplementação extra representa um grande risco para o organismo, afinal, a afirmação de que “quanto mais, melhor”, não é verdade para a maioria dos nutrientes. Dessa forma, é preciso estar atento a dosagem dos nutrientes apresentada nos suplementos, para que o mesmo não ultrapasse os limites de tolerabilidade (dose segura para não surgirem efeitos tóxicos).

No livro “Medicamentos e suas interações”, o autor destaca que para o uso seguro é necessário o conhecimento prévio das características do paciente (necessidades, idade, funções fisiológicas, estado nutricional, hábitos de alimentação), da doença (crônica, aguda ou ambas) e do medicamento (eficácia, margem de segurança, posologia, modo e tempo de utilização), a qual somente pode ser feita por profissionais qualificados.

Por: Vânia Floriani Noldin – Professora do curso de Nutrição da UNIVALI

Envie seu Comentário