Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

ALIMENTOS TRANSGÊNICOS: SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL?

20 de maio de 2013 0

Discutir a alimentação saudável com base no conceito de segurança alimentar e nutricional (SAN) vem se apresentando com um grande desafio para pesquisadores e profissionais da área. A segurança alimentar e nutricional pressupõe o direito fundamental ao acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente, tendo com base práticas alimentares promotoras de saúde e que sejam sustentáveis.  Ou seja, o acesso a alimentos produzidos de forma sustentável, com consequências favoráveis para a saúde dos consumidores e para o ambiente.

Divulgação:www.ecologiaurbana.com.br

A Medida Provisória 131 de 25 de setembro de 2003 inaugurou a liberação da produção de transgênicos no Brasil e desde então se observa sua constante ampliação. A utilização de alimentos transgênicos pode representar uma ameaça a SAN, tendo em vista os riscos que representa à biodiversidade, e a saúde de produtores e consumidores diante do aumento do uso de agrotóxicos. Além disso, a transgenia vem transformando os agricultores em reféns das empresas que detém essa tecnologia.

Hoje no Brasil são produzidas diversas formas de soja, milho e algodão transgênicos e em 2012 foi liberada a produção de feijão geneticamente modificado. No que se relaciona a soja e ao milho a preocupação cresce na medida em que tais alimentos fazem parte da cadeia produtiva de vários alimentos processados, e estão sendo consumidos diariamente por grande parte da população brasileira. Com a liberação do feijão a preocupação se acentua, frente a sua importância para a alimentação do brasileiro.

É fato que a produção de alimentos transgênicos vem causando polêmica em todo o mundo, em especial no que pese as incertezas em relação aos possíveis riscos para a saúde humana. Se por um lado parte dos cientistas afirma que os Organismos Geneticamente Modificados (OGMs) e seus derivados são seguros para o meio ambiente e para a saúde, por outro lado cientistas apontam falhas nas pesquisas que pautam a liberação desses produtos (pesquisas realizadas pelas próprias empresas donas das patentes dos transgênicos) (LEWGOY, 2000). Segundo Nodari (2003), o maior problema na análise de risco dos OGMs é que seus efeitos não podem ser previstos em sua totalidade. No que se relaciona aos riscos à saúde humana o autor destaca as alergias, toxicidade e intolerância.

Frente a este panorama de incertezas cabe mencionar que o Protocolo Internacional de Biossegurança, aprovado em janeiro de 2002, estabelece como básico o princípio da precaução (NODARI, 2003). No entanto, a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) nem sempre segue esse princípio, colocando muitas vezes questões econômicas acima do compromisso com a saúde da população (RIBEIRO, 2012).

O debate sobre o tema foi reacendido diante a publicação de estudo realizado pela Universidade de Caen, na França. O estudo apontou para o aumento dos índices de mortalidade dos ratos alimentados com a variedade de milho transgênico NK 603 associado ao herbicida Roundup, ambos produzidos pela multinacional Monsanto (SÉRALINI et al, 2012). A controvérsia cientifica sobre o tema reforça a necessidade de que se adote o princípio da precaução, no que se relaciona ao uso dessa tecnologia. Diversos riscos dos OGMs para a saúde estão sendo levantados e questionados, apontando para a necessidade de aprofundamento das pesquisas visando à garantia da segurança alimentar e nutricional.

REFERÊNCIAS:

CAMARA, Maria Clara Coelho et al. Transgênicos: avaliação da possível (in)segurança alimentar através da produção científica. Hist. cienc. saude-Manguinhos,  Rio de Janeiro,  v. 16,  n. 3, set.  2009 .   Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702009000300006&lng=pt&nrm=iso>.

LEWGOY, Flavio. A voz dos cientistas críticos. Hist. cienc. saude-Manguinhos,  Rio de Janeiro,  v. 7,  n. 2, out.  2000 .   Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702000000300019&lng=pt&nrm=iso>.

NODARI, Rubens Onofre; GUERRA, Miguel Pedro. Plantas transgênicas e seus produtos: impactos, riscos e segurança alimentar (Biossegurança de plantas transgênicas). Rev. Nutr.,  Campinas,  v. 16,  n. 1, jan.  2003 .   Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-52732003000100011&lng=pt&nrm=iso>.

SÉRALINI, Gilles Eric et al. Long term toxicity of a Roundup herbicide and a Roundup-tolerant genetically modified maize Food and Chemical Toxicology 50 (2012) 4221–4231.

Por: Nutricionista Panmela Soares

Envie seu Comentário