Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Desordens estéticas

14 de março de 2014 0

As desordens estéticas, especialmente aquelas que implicam alterações na pele, cabelo e unhas podem estar intimamente relacionadas a algumas carências nutricionais e desequilíbrios hormonais.

Alterações tireoidianas, por exemplo, podem refletir em algumas características da pele, com destaque na sua condição áspera, escamosa, seca e pálida ou planta dos pés e palma das mãos secas.

Já o hormônio estrogênio é responsável por melhorar a pele aumentando o teor de colágeno, espessura e hidratação cutânea. Assim, a deficiência de estrogênio está relacionada com o envelhecimento da pele.

Quanto aos cabelos, uma sutil queda é esperada normalmente devido ao seu ciclo biológico, porém quando a queda se intensifica e os cabelos param de crescer, deve-se investigar possível deficiência de vitamina D, ferro e níveis de estrogênio.

A vitamina D é essencial para o crescimento dos cabelos. Estudos mostraram que a queda de cabelo aumenta durante os meses de outono e inverno, período em que os níveis de vitamina D se reduzem no organismo devido à baixa exposição solar nessas estações.

O ferro é um dos nutrientes mais importantes para a saúde dos cabelos, pois o crescimento acelerado dos fios exige grande fornecimento de sangue. Por isso a deficiência de ferro, mesmo na ausência de anemia, está associada à queda de cabelo.

Divulgação: www.declareamor.com.br

Divulgação: www.declareamor.com.br

Outra desordem estética que muito incomoda é a acne inflamatória, condição que pode ser amenizada através do zinco. Esse mineral contribui para cicatrização, síntese de colágeno, possui efeito bactericida e essencialmente possui propriedades anti-inflamatórias. Diversos estudos relacionam a acne com baixos níveis de zinco no sangue. No entanto, cabe ressaltar que a acne também pode se desenvolver devido às alterações hormonais como o hiperandrogenismo (nível elevado de hormônios masculinos).

A deficiência de nutrientes relacionados a essas desordens estéticas pode ser identificada pelo nutricionista através de sinais e sintomas, avaliação do consumo alimentar e determinações bioquímicas. Já as alterações hormonais poderão ser diagnosticadas e corrigidas pelo endocrinologista.

Fonte: Revista Nutrir Mais, Jan./Fev., 2014.

Envie seu Comentário