Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Ansiedade e a Nutrição

17 de julho de 2014 0

A ansiedade pode estar relacionada à deficiência de nutrientes na alimentação, alterações hormonais, doenças, experiências traumáticas, maus hábitos de vida, eventos estressantes, envelhecimento e genética.

Alterações no equilíbrio hormonal, particularmente nas mulheres durante o período menstrual, gravidez, períodos pós-parto e menopausa estão associados ao aumento no transtorno de ansiedade.

gazetadebarao.com.br

gazetadebarao.com.br

Como a dieta pode melhorar a ansiedade?

Alguns nutrientes podem melhorar os quadros de ansiedade, atuando como ansiolíticos quando incluídos em uma dieta adequada em conjunto com um estilo de vida saudável.

• Aminoácidos:

O aminoácido glutamato é o principal neurotransmissor excitatório no cérebro, além disso, ele também é utilizado para produzir outro neurotransmissor, chamado gama-aminobutírico (GABA). O L-triptofano e a L-tirosina são aminoácidos precursores dos neurotransmissores, serotonina, dopamina e norepinefrina.

O baixo consumo de alimentos que contenham L-triptofano, L-fenilalanina, L-tirosina está relacionado com a baixa produção de neurotransmissores. A deficiência dietética destes produtos está associada com o aumento da ansiedade.

Outro aminoácido que exerce função importante no combate à ansiedade é a arginina que quando suplementada em humanos reduz a concentração circulante do hormônio do estresse (cortisol).

Alimentos ricos em L-triptofano, L-fenilalanina, L-tirosina e arginina: Carnes em geral, ovos, queijos, abacaxi, abacate, banana, uva, caqui, tâmara, maçã, pera, melancia, morango, goiaba, manga, mamão, laranja, tangerina, batata-doce, batata inglesa, berinjela, feijão, ervilha, leite e derivados, nozes e castanhas.

• Minerais:

Alguns estudos tem demonstrado que a suplementação de magnésio por via oral em conjunto com o cálcio é capaz de reduzir a ansiedade em seres humanos.

O Selênio também parece afetar positivamente, pois quando suplementado durante 5 semanas em humanos, mostrou resultados positivos no combate a ansiedade.

Alimentos ricos em magnésio e selênio: Ovo, banana, batata, castanha do Pará, peixes, nozes, aveia, frutos do mar, carnes em geral, couve, granola, sementes de girassol, gergelim, leite, soja e grão de bico.

• Vitaminas:

A vitamina C é um cofator para as enzimas envolvidas na biossíntese e a sua suplementação reduz a ansiedade, devido a sua atuação antioxidante e também regulando a liberação do cortisol. A vitamina E também parece reduzir a ansiedade, bem como, a vitamina D.

Alimentos ricos em Vitamina C, D e E: Mamão Papaia, goiaba, brócolis, morango, kiwi, laranja, limão, couve-flor, acerola, caju, tangerina, abacaxi, rúcula, Óleo de fígado de bacalhau, óleo de salmão, ovos, carnes (frango, peru, porco) e fígado.

Em adição aos nutrientes, algumas ervas como maracujá, camomila e erva-cidreira também são eficazes no tratamento da ansiedade.

• Gorduras:

As gorduras tipo ômega-3 tem se mostrado efetivas tanto na melhora como no risco reduzido de ansiedade. Em um estudo clínico, alunos que estudavam para exames escolares e foram suplementados com cápsulas de ômega-3 tiveram uma redução na taxa de ansiedade em 20%.

Alimentos ricos em ômega-3: nozes, avelã, castanhas, salmão, atum, cavala e sardinha.

Referência:
Lakhan SE1, Vieira KF. Nutritional therapies for mental disorders. Nutr J. 21;7:2, 2008.
Alramadhan E1, Hanna MS, Hanna MS, Goldstein TA, Avila SM, Weeks BS. Dietary and botanical anxiolytics. Med Sci Monit.;18(4):RA40-8, 2012.
Murphy M1, Mercer JG. Diet-regulated anxiety. Int J Endocrinol, 2003.

Envie seu Comentário