Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Açúcar: Doce Veneno

22 de agosto de 2014 0

O açúcar, na forma que o conhecemos, é uma substância relativamente nova na dieta humana, onde o consumo excessivo não fazia parte da alimentação dos antepassados.

A tendência apresentada no consumo de alimentos ricos em açúcares é motivo de preocupação, tendo em vista os efeitos deletérios destes alimentos quando consumidos de forma desarmoniosa em relação ao conjunto da alimentação.

O Journal of the American Medical Association publicou, em fevereiro de 2014, um relato do mais expressivo estudo sobre o efeito do consumo do açúcar em doenças do coração.

www.patricinhaesperta.com.br

www.patricinhaesperta.com.br

Os resultados revelaram que os adultos que consumiam mais açúcares tiveram quase três vezes mais riscos de morte prematura por complicações cardíacas. Esse relatório que emana do Centro para o Controle e Prevenção de Doenças ajuda a corroborar o que já se sabia: existe um impacto vascular inflamatório após refeição rica em carboidratos e picos de glicose no sangue.

Participaram do estudo National Health and Nutrition Examination Survey 11.733 pessoas, que foram acompanhadas durante 14,6 anos. Comparou-se os adultos que consumiam menos de 10% de açúcar adicionados em sua alimentação (não o que está naturalmente em frutas) com os que consumiam mais de 10% de seu total consumo calórico diário em açúcar (bolos, refrigerantes, doces..).

Quem consumiu entre 10% e 25% do total de calorias em açúcar teve um risco aumentado em 30% de morte por doenças cardíacas, e quem consumia acima de 25% teve um risco de 175% maior de morrer por doenças cardíacas.

Referência:
Consumir açúcar excessivamente pode ocasionar doença cardíaca. Revista Essentia Pharma. Editora Publish. 5ª Edição. P.10. Maio 2014
DALMOLIM et al. Açúcar e alimentação alimentar: Pode o jovem influenciar essa relação?. v.10, n.10, out./dez. 2012.
CARMO, M. B. de; et alii. Consumo de doces, refrigerantes e bebidas com adição de açúcar entre adolescentes da rede pública de ensino de Piracicaba, São Paulo. Rev Bras Epidemiol. 2006; 9(1): 121-30

Envie seu Comentário