Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.

Festivais de cinema revelam filmes de música

19 de outubro de 2008 0

Reprodução

Os festivais de cinema que rolam pelo mundo neste ano estão lançando alguns filmes de música bem legais. Vale ficar atento para quando entrarem em cartaz ou para quem curte explorar a internet.

Veja abaixo alguns destaques:

Toronto Film Festival

>>>>> It Might Get Loud, de Davis Guggenheim – Documentário com Jimmy Page, the Edge e Jack White sobre a guitarra elétrica.

>>>>> Soul Power, de Jeffrey Levy-Hinte – Documentário sobre o Zaire ‘74, um festival de música que rolou durante três dias no ano citado.

>>>>> Who Do You Love?, de Jerry Zaks – Ficção sobre dois irmãos que vendem seus pertences para abrir um bar de música ao vivo e um selo de música em Chicago.

>>>> Detroit Metal City, de Toshio Lee – Comédia japonesa live act baseada em mangás na qual um guri nerd de fazenda se transforma em vocalista de uma banda de death-metal cantando sobre assassinatos e estupros.

Festival do Rio 

>>>>> Joe Strummer: O Futuro Está Para Ser Escrito, de Julien Temple – Sobre o vocalista e guitarrista do The Clash com depoimentos de Bono Vox, Johnny Depp e John Cusack.

>>>>> CSNY: Déjà Vu, de Bernard Shakey (Neil Young) – O roqueiro Neil Young registrou da turnê de retorno do grupo Crosby, Stills, Nash e Young, um dos grandes nomes da música na década de 1970, que voltou aos palcos para protestar contra a guerra do Iraque e o governo George W. Bush. Young assina o filme como Bernard Shakey, seu pseudônimo atrás das câmeras.

>>>>> Cantoras do Rádio, de Gil Baroni e Marcos Avellar – Um resgate e uma homenagem aos anos dourados da música popular brasileira tendo como fio condutor o show “Estão Voltando as Flores”, criado e dirigido pelo renomado pesquisador Ricardo Cravo Albin, que celebra dez grandes cantoras do rádio nacional.

>>>>> Contratempo, de Malu Mader, Mini Kerti – No Rio de Janeiro, jovens de comunidades pobres tentam encontrar alternativas para o impasse social brasileiro. Alguns são selecionados para integrar um projeto social ligado à música, mas as transformações nem sempre acontecem.

>>>>> Jards Macalé – Um Morcego na Porta Principal, de Marco Abujamra – Filme joga uma luz sobre a trajetória nada linear deste artista contestador e personagem controverso da cultura brasileira nas últimas quatro décadas.

>>>>> O Homem Que Engarrafava Nuvens, de Lírio Ferreira – Documentário sobre a vida do compositor, advogado e deputado federal Humberto Teixeira, autor de clássicos populares como Asa Branca.

>>>>> Ninguém Sabe o Duro que Dei, doc sobre o polêmico cantor Wilson Simonal (1939-2000), dirigido pelo humorista do Casseta e Planeta Cláudio Manoel. Ícone de sucesso da década de 60, capaz de rivalizar com Roberto Carlos e outros cantores da Jovem Guarda, Simonal caiu no ostracismo após um episódio envolvendo agentes do Departamento de Ordem Política e Social (Dops). Suspeitando de que seu contador o roubava, ele mandou dois agentes do Dops darem-lhe uma surra. A partir daí, foi acusado de dedo-duro e de informante do órgão.

Mostra Internacional de Cinema de São Paulo 

>>>>> Afrika Unite, de Stephanie Black – Bob Marley foi a alma do reggae. Apoiou a luta contra o apartheid, abraçou o movimento de independência no Zimbábue e foi um exemplo para a comunidade negra internacional. Em fevereiro de 2005, mais de vinte anos após sua morte, um grande show aconteceu na capital da Etiópia, Addis Abeba, para celebrar seu 60º aniversário. Três gerações de Marleys participaram do evento com o objetivo de inspirar as novas pessoas da África a se unir pelo futuro do continente.

>>>>> Favela on Blast, de Leandro HBL e Wesley Pentz – Um retrato da cultura em torno do funk carioca através do registro das interações humanas, lingüísticas e estéticas no cotidiano das comunidades carentes do Rio de Janeiro.

>>>>> Loki – Arnaldo Baptista, de Paulo Henrique Fontenelle – Cinebiografia do músico Arnaldo Baptista, ex-integrante dos Mutantes, contada através de um quadro traçado pelo próprio artista. A pintura é intercalada com imagens históricas que remetem aos principais momentos de sua trajetória artística. Depoimentos de Tom Zé, Nelson Motta, Gilberto Gil, Sean Lennon, entre outros.

>>>>> Não Estou Lá, de Todd Haynes – Biografia dramatizada do ícone do rock’n’roll americano numa narrativa em que sete atores interpretam o músico em diferentes períodos de sua vida, entre os anos 60 e 70.

>>>>> O Roqueiro, de Peter Cattaneo – Ficção. Robert “Fish” Fishman foi o baterista de uma banda de cabeludos dos anos 1980. Ele estava vivendo o sonho do rock’n’roll, até que foi expulso do grupo. Vinte anos mais tarde, o roqueiro desesperado integra a banda do sobrinho, A.D.D., finalmente retomando o posto de deus do rock que sempre acreditou merecer, assim promove com seus companheiros de banda, muito mais jovens, a viagem de suas vidas.

>>>>> Patti Smith: Sonho de Vida, de Steven Sebring – Crônica da história do rock tão ousada e individual quanto a própria Patti Smith, artista e poeta tida como madrinha do punk. São 11 anos de história através de depoimentos, performances, letras, entrevistas, pinturas, e fotografias com narração de Patti.

>>>>> Rocknrolla – A Grande Roubada, de Guy Ritchie – Comédia de ação, sexo, “carreiras” e rock’n roll que segue um perigoso caminho pelo crime e pela vida deteriorada na atual Londres, onde os bens verdadeiros foram superados pelas drogas como maior mercado econômico, e os criminosos são os empresários mais bem-sucedidos.

>>>>> Sneakers – Entrando de sola na cultura urbana, de Edson Soares – Filme sobre o tênis como expressão cultural. Não vai faltar Nike (tecktonik), All Star (indie rock) e Adidas (eletrônica; hiphop).

>>>>> Titãs — A Vida até Parece uma Festa, de Branco Mello e Oscar Rodrigues Alves – Os músicos do Titãs contam a história da banda utilizando linguagem não cronológica e musical.

>>>>> Youssou NDour: I bring what I love, de Elizabeth Chai Vasarhelyi – O cantor Youssou NDour ligou dois mundos: o de estrela pop moderna, artista mais vendido no mercado africano em todos os tempos, ao de contador de histórias.

Postado por Danilo Fantinel

Envie seu Comentário