Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Acabou chorare, Camelo?

20 de outubro de 2008 1

Fábio Codevilla

Esta é uma resenha atrasada.

Quinta passada fui ao show de Marcelo Camelo, no Teatro do Boubon Country, em Porto Alegre, no qual o músico divulga Sou, seu primeiro álbum solo. A noite úmida, pouco fria, era como um prenúncio do que poderia vir a ser o show: um discorrer lacrimoso de palavras e pensamentos repleto de belos e calmos arranjos de violão. Isso, claro, se não fosse Hurtmold.

Marcelo é virtuoso no banquinho e violão. Se entrega as suas composições de forma absoluta. Ao tocar, se curva sobre o instrumento em completa devoção. Quase o beija enquanto toca. E perambula por acordes estudados e criativos. Mas sua música, quando desvinculada de uma banda, corre o risco de parecer esguia por demais. Por um momento, parece que vai evanescer.

A banda paulista de sete calibrados músicos (e mais dois percussionistas que aparecem apenas na marchinha Copacabana) deu vigor e estofo a um vulto musical que, sozinho, poderia vir a se tornar raquítico no palco.

Hurmold (leia sobre a banda aqui) solidificou o corpo das criações de Marcelo sem enrijecê-lo. Na verdade, o grupo de instrumentistas deu vida elétrica à criatura acústica que é Marcelo Camelo solo. Algo parecido com o que Los Hermanos (especialmente Rodrigo Amarante) faziam com ele na época da banda.

Com Hurtmold, as elaboradas canções de Marcelo romperam barreiras tristonhas e venceram os campos da extrema introspecção para dançar perto do público em ritmos efusivos – como um cool jazz de sabor tropical, um choro transfigurado pelo pop e um baião contempo, entre outros.

E, nessa onda, segue Marcelo a discorrer sobre *a vida, o universo e tudo mais*. Muito bem acompanhado, diga-se, pelo público presente – que fez um lindo coro, delicado e baixinho, em várias canções. O lance foi afinado e arrepiante. Ele elogiou.

 

As perfeitas execuções da banda em cima do palco e o clima de harmonia entre platéia e músicos deram a Camelo a certeza de que ele estava executando, naquela noite, o melhor show da turnê até o momento.

 

Depois de dois bis e muitas palmas, Marcelo comentou sobre sua alegria naquele momento e disse que retornará à cidade para voltar a ser feliz.

E então, acabou chorare, Marcelo?

 

As fotos totalmente excelentes deste post são do Fábio Codevilla.

Valeu, meu velho!

Veja parte do show:

Entrevista: Camelo no Papo Clip

>>>>> Confira aboadica de Marcelo Camelo no blog do Codevilla!
>>>>> MySpace do músico

Postado por Danilo Fantinel

Comentários (1)

  • codevilla, fábio diz: 21 de outubro de 2008

    pô… obrigado pela referência!
    abraços e conte sempre comigo.

Envie seu Comentário